Absenteísmo em consultas especializadas referenciadas por unidade básica saúde da família: estudo de caso

Cesar Francisco Silva da Costa, Priscila Munhoz Duarte, Helena Heidtmann Vaghetti

Resumo


O estudo teve por objetivo identificar causas do absenteísmo em consultas referenciadas para especialidades médicas. Realizado estudo de caso tendo como sujeitos os usuários assistidos pela Estratégia Saúde da Família de um município no sul do Brasil, que no ano de 2013 não compareceram a consultas agendadas. Foram fontes de evidências a documentação de referenciamento emitidas pela Unidade Básica de Saúde e pela Central de Marcação de Consultas e as entrevistas realizadas com os usuários. Os dados encontrados foram categorizados e analisados utilizando-se a técnica da análise textual discursiva, onde as categorias delineadas foram: Tempo de espera para consulta; Aviso da data e horário da consulta; Motivo do não comparecimento. Concluiu-se que os documentos a serem encaminhados para a Central de Marcação exigem atenção criteriosa. O acompanhamento dos Agentes Comunitários de Saúde aos usuários antes e pós-consulta é uma ação para diminuir o absenteísmo. A solução exige conscientização dos usuários.

 

 


Palavras-chave


Acesso aos serviços de saúde; Absenteísmo; Regulação e fiscalização em saúde; Estratégia saúde da família

Texto completo:

PDF

Referências


Carvalho G. A saúde pública no Brasil. Estudos. Avançados. 2013 [acesso 2014 Fev 19]; 27(78):07-26. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/eav/article/view/68675/71254

Viegas SMF, Hemmi APA, Santos RV, Penna CMM. O cotidiano da assistência ao cidadão na rede de saúde de Belo Horizonte. Physis Revista de Saúde Coletiva. 2010; 20(2):769-84.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Assistência à Saúde. Departamento de Descentralização da Gestão da Assistência. Regionalização da assistência à saúde: aprofundando a descentralização com equidade no acesso: Norma Operacional de Assistência à Saúde: NOAS/SUS 01/02 e Portaria MS/GM nº 373, de 27 de fevereiro de 2002 e regulamentação complementar. Diário Oficial da União, Brasília; 2002.

Albuquerque MSV, Lima LP, Costa AM, Melo Filho DA. Regulação assistencial no Recife: possibilidades e limites na promoção do acesso. Saúde Soc. [online] 2013. [acesso 2014 Abr 07]; 22(1):223-36. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/sausoc/v22n1/20.pdf

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria GM Nº 1.559, de 1º de Agosto de 2008. Institui a Política Nacional de Regulação do Sistema Único de Saúde - SUS. Ministério da Saúde: Brasília, 2008.

Oliveira RR, Elias PEM. Conceitos de regulação em saúde no Brasil. Revista Saúde Pública. 2012; 46(3):571-6.

Saltman RB, Busse R. Balancing regulation and entrepreneurialism in Europe’s health sector: theory and practice. In: Saltman RB, Busse R, Mossialos E. Regulating entrepreneurial behavior in European health care systems. European Observatory on Health Care Systems series. Philadelphia: Open University Press 2002 [acesso 2014 Abr 24]; p.3-52. Disponível em: http://www.euro.who.int/__data/assets/pdf_file/0006/98430/E74487.pdf

Sá MVHM. Plano de intervenção para reduzir as faltas dos usuários ao atendimento especializado. 2012. 32 f. Monografia (Especialização em Gestão de Sistemas e Serviços de Saúde). Centro de Pesquisas Aggeu Magalhães. Recife, 2012. [acesso 2014 Abr 20]. Disponível em: http://www.cpqam.fiocruz.br/bibpdf/2012sa-mvhm.pdf

Melo ACBV, Braga CC, Forte FDS. Acessibilidade ao serviço de saúde bucal na atenção básica: desvelando o absenteísmo em uma Unidade de Saúde da Família de João Pessoa-PB. Revista Brasileira de Ciências da Saúde. 2011; 15(3):309-18.

Almeida, GL, Garcia LFR, De Almeida TL, Bittar TO, Pereira AC. Estudo do perfil sócio-econômico dos pacientes e os motivos que os levaram a faltar em consultas odontológicas na estratégia de saúde da família em uma distrital de Ribeirão Preto/SP. Cienc Odontol Bras. [online] 2009 Jan-Mar [acesso 2014 dez 08]; 12(1):77-86. Disponível em: http://ojs.fosjc.unesp.br/index.php/cob/article/viewFile/256/196

Avila MAG, Bocchi SCM. Confirmação de presença de usuário à cirurgia eletiva por telefone como estratégia para reduzir absenteísmo. Rev Esc Enferm. USP. [online]. 2013 [acesso 2014 Jan 10]; 47(1): 193-7. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v47n1/a24v47n1.pdf

Valarins GCM. Regulação do acesso à assistência: conceitos e desafios. Com. Ciências Saúde. 2010; 21(1):81-4.

Nascimento AAM, Damasceno AK, Silva MJ, Silva MVS, Feitoza AR. Regulação em saúde: aplicabilidade para concretização do pacto de gestão do SUS. Cogitare Enferm. 2009 Abril/Junho; 14(2):346-52.

Carvalho MAP, Sousa CMB, Lima Júnior IA, Prado MF, Silva RNM. Estudo de caso sobre as faltas dos usuários às consultas programadas de uma equipe de saúde da família no município do Rio de Janeiro. J Manag Prim Health Care. [online] 2014 [acesso 2015 Jan 12]; 5(2):140-152. Disponível em: http://www.jmphc.com/ojs/index.php/01/ article/view/156/136

Kantorski LP, Jardim VMR, Pereira DB, Coimbra VCC, Oliveira MM. A integralidade no cotidiano de trabalho na Estratégia Saúde da Família. Rev Gaúcha Enferm. 2009 ; 30(4):594-601.

Amorim ACCLA, Assis MMA, Santos AM, Jorge MSB, Servo MLS. Práticas da equipe de saúde da família: orientadoras do acesso aos serviços de saúde? Texto Contexto Enferm. [online] 2014 Out-Dez [acesso 2015 Fev 05]; 23(4): 1077-86. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/0104-07072014000610013

Prefeitura Municipal do Rio Grande. Secretaria Municipal de Saúde. Central de Marcação de Consultas. Relatório de Gestão Municipal de Saúde (G-MUS), base: 192.168.0.119 ano 2013. Mimeografado.

Yin, RK. Estudo de Caso: planejamento e métodos. 4 ed. Porto Alegre: Bookman, 2010. 248p.

Moraes R, Galiazzi MC. Análise textual discursiva. 2. ed. Ijuí: Editora Unijuí, 2011.

Brasil. Ministério da Saúde. Comissão Nacional de Ética em Pesquisa. Resolução nº 466/12 sobre pesquisas envolvendo seres humanos. Brasília, 2012.

Bender AS, Molina LR, Mello ALS. Absenteísmo na atenção secundária e suas implicações na atenção básica. Revista Espaço para a Saúde. [online] Jun 2010 [acesso 2014 Fev 15]; 11(2): 56-65. Disponível em: http://www.uel.br/ccs/espacoparasaude/v11n2/absent.pdf

Izecksohn MMV, Ferreira JT. Falta às consultas médicas agendadas: percepções dos usuários acompanhados pela Estratégia Saúde da Família, Manguinhos, Rio de Janeiro. Rev Bras Méd Fam Comunidade, 2014 Jul-Set [acesso 2015 Jan 17]; 9(32): 235-41. Disponível em: http://www.rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/960

Linard AG, Castro MM, Cruz AKL. Integralidade da assistência na compreensão dos profissionais da Estratégia Saúde da Família. Rev Gaúcha Enferm. 2011; 32(3):546-53.

Paula M, Peres AM, Bernardino E, Eduardo EA, Macagi STS. Processo de trabalho e competências gerenciadas do enfermeiro da Estratégia Saúde da Família. Rev RENE [online]. 2013 [acesso 2014 Fev 07]; 14(5):980-7. Disponível em: http://www.revistarene.ufc.br/revista/index.php/revista/article/view/1248/pdf

Peres CRFB, Caldas Júnior AL, Silva RF, Marin MJS. O Agente Comunitário de Saúde frente ao processo de trabalho em equipe: facilidades e dificuldades. Rev Esc Enferm USP [online]. 2011 [acesso 2014 Jan 15]; 45(4):905-11. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v45n4/v45n4a16.pdf

Costa MC, Silva EB, Jahn AC, Resta DG, Colom ICS, Carli R. Processo de trabalho dos Agentes Comunitários de Saúde: possibilidades e limites. Rev Gaúcha Enferm. 2012; 33(3):134-40.

Morosoni, L. Mais escuta e mais cuidado. Revista Radis. 2014; 138:32-3.

Vazquez FL, Guerra LM, Vítor ES, Ambrosano GMB, Mialhe FL, Meneghim MC, Pereira AC. Referência e contrarreferência na atenção secundária em odontologia em Campinas, SP, Brasil. Ciênc. Saúde Coletiva. 2014; 19(1):245-56.

Cavalcanti RP, Cavalcanti JCM, Serrano RMSM, Santana PR. Absenteísmo de consultas especializadas nos sistema de saúde público: relação entre causas e o processo de trabalho de equipes de saúde da família, João Pessoa – PB, Brasil. Rev Tempus Actas Saúde Col. [online] 2013 [acesso 2014 Abr 20]; 7(2):63-84. Disponível em: http://www.tempusactas.unb.br/index.php/tempus/article/view/1344/1146

Gutierrez DMD, Minayo MCS. Produção de conhecimento sobre cuidados da saúde no âmbito da família. Ciênc. Saúde Coletiva. 2010; 15(Supl. 1):1497-508. violência intrafamiliar em 24 municípios do interior de São Paulo, 2013-2014. Epidemio. Serv. Saúde 2016; 2006; 25(1): 179-186.




DOI: https://doi.org/10.5902/2236583420922

Direitos autorais 2018 Saúde (Santa Maria)

______________________________________________________________

Peridiocidade: Fluxo Contínuo.


Qualis:


Interdisciplinar e Educação Física - B3

Ciências Ambientais, Enfermagem, Odontologia e Saúde Coletiva - B4

Medicina Veterinária - B5

Biotecnologia e Ciências Biológias II - C

  

 Licença Creative Commons 

Saúde (Santa Maria) ∴ revistasaude.ufsm@gmail.com

eISSN 2236-5834 ∴ DOI 10592/22365834

 

Acessos desde 08/08/2013.