Abandono do tratamento e cessação do tabagismo: análise dos dados de um programa de controle

Bruna Vanti da Rocha, Danielle Soares Rocha Vieira, Ione Jayce Ceola Schneider

Resumo


Objetivo: analisar o perfil dos tabagistas em tratamento e os fatores associados ao abandono do tratamento e cessação do tabagismo em um programa municipal. Método: estudo transversal realizado em Araranguá, Santa Catarina com 109 pessoas do Programa Controle do Tabagismo, entre março e dezembro de 2018. Foram coletadas informações sociodemográficas e de saúde, incluindo sintomas depressivos, impulsividade e capacidade de enfrentamento. Realizou-se análises descritivas e inferenciais. Resultados: 40,4% dos participantes abandonaram o tratamento, grupo que obteve maior média para impulsividade. Os principais motivos relatados para o abandono do tratamento foram: “estar bem sem fumar”, situações relacionadas ao trabalho e sintomas de abstinência. Observou-se que 7,64% cessaram o tabagismo e 93,8% apresentavam dependência leve à nicotina. Conclusão: apesar do abandono ser alto, alguns permaneceram em cessação. Os com 49 anos ou menos foram tiveram abandono significativamente maior e a dependência à nicotina apresenta-se como dificultador significativo da cessação.


Palavras-chave


Saúde pública; Tabagismo; Reabilitação; Cessação

Referências


World Health Organization (WHO). Who report on the global tobacco epidemic, 2019: offer help to quit tobacco use [Internet]. Geneva: WHO; 2019 [cited 2020 Jan 20]. Available from: https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/325968/WHO-NMH-PND-2019.5-eng.pdf?ua=1

Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA). Convenção-quadro da Organização Mundial da Saúde para o controle do tabaco no Brasil: 10 anos de história - 2005-2015 [Internet]. Rio de Janeiro (RJ): INCA; 2018 [acesso em 2020 jan 20]. Disponível em: https://www.inca.gov.br/sites/ufu.sti.inca.local/files//media/document//convencao-quadro-para-o-controle-do-tabaco-no-brasil-10-anos-de-historia-2005-2015-ed2.pdf

Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA). Observatório da Política Nacional de Controle do Tabaco [Internet]. Rio de Janeiro (RJ): INCA; 2019 [acesso em 2020 jan 05]. Disponível em: https://www.inca.gov.br/observatorio-da-politica-nacional-de-controle-do-tabaco/dados-e-numeros-prevalencia-tabagismo

Guerra MR, Bustamante-Teixeira MT, Corrêa CSL, Abreu DMX, Curado MP, Mooney M, et al. Magnitude e variação da carga da mortalidade por câncer no Brasil e Unidades da Federação, 1990 e 2015. Rev Bras Epidemiol. 2017;20(Suppl 1):102-17. doi: https://doi.org/10.1590/1980-5497201700050009

Souza MFM, Malta DC, Franca EB, Barreto ML. Transição da saúde e da doença no Brasil e nas Unidades Federadas durante os 30 anos do Sistema Único de Saúde. Ciênc Saúde Colet [Internet]. 2018 [cited 2020 Jan 20]:1737-50. Available from: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-81232018000601737&script=sci_abstract&tlng=pt

Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA). Política Nacional de Controle do Tabaco: relatório de gestão e progresso 2013-2014 [Internet]. Rio de Janeiro (RJ): INCA; 2015 [acesso em 2020 ago 31]. Disponível em: https://www.inca.gov.br/publicacoes/relatorios/politica-nacional-de-controle-do-tabaco-relatorio-de-gestao-e-progresso-2013

Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde. Portaria nº 761, de 21 de junho de 2016. Valida as orientações técnicas do tratamento do tabagismo constantes no Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas - Dependência à Nicotina. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2016. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/sas/2016/prt0761_21_06_2016.html. Acesso em: 21 out. 2019.

Bahadir A, Iliaz S, Yurt S, Ortakoylu MG, Bakan ND, Yazar E. Factors affecting dropout in the smoking cessation outpatient clinic. Chron Respir Dis. 2016;13(2):155-61. Epub 2016 Feb 4. doi: https://doi.org/10.1177/1479972316629953

Meier DAP, Vannuchi MTO, Secco IAO. Abandono do tratamento do tabagismo em Programa de Município do norte do Paraná. Espaç Saúde [Internet]. 2011 [acesso em 2020 jan 05];13(1):35-44. Disponível em: http://espacoparasaude.fpp.edu.br/index.php/espacosaude/article/view/448

Casado L, Thrasher JF, Perez C, Thuler LC, Fong GT. Factors associated with quit attempts and smoking cessation in Brazil: findings from the International Tobacco Control Brazil Survey. Public Health. 2019;174:127-33. doi: https://doi.org/10.1016/j.puhe.2019.06.004

Malloy-Diniz LF, Mattos P, Leite WB, Abreu N, Coutinho G, Paula JJ, et al. Tradução e adaptação cultural da Barratt Impulsiveness Scale (BIS-11) para aplicação em adultos brasileiros. J Bras Psiquiatr. 2010;59(2):99-105. doi: https://doi.org/10.1590/S0047-20852010000200004

Gorestein C, Andrade LHSG. Inventário de depressão de Beck: propriedades psicométricas da versão em português. Rev Psiquiatr Clín [Internet]. 1998 [acesso em 2018 fev 10];25:245-50. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/284700806_Inventario_de_depressao_de_Beck_Propriedades_psicometricas_da_versao_em_portugues

Halty LS, Hüttner MD, Netto ICO, Santos VA, Martins G. Análise da utilização do questionário de tolerância de Fagerström como instrumento de medida da dependência nicotínica. J Pneumol. 2002;28(4):180-6. doi: https://doi.org/10.1590/S0102-35862002000400002

Costa ES, Alves MN, Tap P. Escala Toulousiana de Coping (ETC): estudo de adaptação à população portuguesa. Psicol Saúde Doenças. 2005;6(1):47-56.

Longanezi V. Efetividade do programa de tratamento do tabagismo oferecido pelo SUS no Estado de São Paulo [dissertação]. São Paulo (SP): Secretaria do Estado de Saúde de São Paulo; 2016 [acesso 2020 jan 19]. Programa de Mestrado Profissional em Saúde Coletiva. Disponível em: http://docs.bvsalud.org/biblioref/2019/07/1006097/valerialonganezi-dissertacaocompleta.pdf

Santos SR, Bittencourt ARC, Silva MHC, Stacciarini TSG, Engel RH, Cordeiro ALPC, et al. Perfil e fatores associados ao sucesso terapêutico de tabagistas atendidos em um serviço público especializado. Rev Enferm UERJ. 2018;26:e17381. doi: https://doi.org/10.12957/reuerj.2018.17381

Jesus MCP, Silva MH, Cordeiro SM, Korchmar E, Zampier VSB, Merighi MAB. Understanding unsuccessful attempts to quit smoking: a social phenomenology approach. Rev Esc Enferm USP. 2016;50(1):71-8. doi: https://doi.org/10.1590/S0080-623420160000100010

Ministério da Saúde (BR). Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica: o cuidado da pessoa tabagista [Internet]. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2015 [acesso em 2018 dez 12]. (Cadernos da Atenção Básica; 40). Disponível em: http://www.as.saude.ms.gov.br/wp-content/uploads/2016/06/caderno_40.pdf

Chean KY, Goh LG, Liew KW, Tan CC, Choi XL, Tan KC, et al. Barriers to smoking cessation: a qualitative study from the perspective of primary care in Malaysia. BMJ Open. 2019;9(7):1-9. doi: https://doi.org/10.1136/bmjopen-2018-025491

Nascimento CCS, Silva GA, Nascimento MI. Fatores associados à recaída do tabagismo em pacientes assistidos em Unidades de Saúde da zona oeste do município do Rio de Janeiro. Rev APS [Internet]. 2016 [acesso em 2019 dez 12];19(4):556-67. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/aps/article/view/15614

Drope J, Schluger NW, Cahn Z, Drope J, Hamill S, Islami F, et al. The tobacco atlas [Internet]. 6th ed. 2018 [cited 2020 Aug 31]. Available from: https://files.tobaccoatlas.org/wp-content/uploads/2018/03/TobaccoAtlas_6thEdition_LoRes.pdf

Reis LM, Gavioli A, Figueiredo VR, Oliveira ML, Efing AC. Uso de tabaco em mulheres acompanhadas em um centro de atenção psicossocial. Acta Paul Enferm. 2019;32(1):27-34.

Vasconcelos AG, Teodoro MLM, Malloy-Diniz L, Correa H. Impulsivity components measured by the Brazilian version of the Barratt Impulsiveness Scale (BIS-11). Psicol Reflex Crit. 2015;28(1):96-105. doi: https://doi.org/10.1590/1678-7153.201528111

Thakur GA, Sengupta SM, Grizenko N, Choudhry Z, Joober R. Family-based association study of ADHD and genes increasing the risk for smoking behaviours. Arch Dis Child. 2012;97(12):1027-33. doi: https://doi.org/10.1136/archdischild-2012-301882

Taylor GMJ, Itani T, Thomas KH, Rai D, Jones T, Windmeijer F, et al. Prescribing prevalence, effectiveness, and mental health safety of smoking cessation medicines in patients with mental disorders. Nicotine Tob Res. 2019;22(1):48-57. doi: https://doi.org/10.1093/ntr/ntz072

Zarghami M, Taghizadeh F, Sharifpour A, Alipour A. Efficacy of smoking cessation on stress, anxiety, and depression in smokers with chronic obstructive pulmonary disease: a randomized controlled clinical trial. Addict Health [Internet]. 2018 [cited 2020 Jan 20];10(3):137-47. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC6511395/

Tadzimirwa GY, Day C, Esmail A, Cooper C, Kamkuemah M, Dheda K, et al. Challenges for dedicated smoking cessation services in developing countries. S Afr Med J. 2019;109(6):431-6. doi: https://doi.org/10.7196/SAMJ.2019.v109i6.13631

Pawlina MMC, Rondina RC, Espinosa MM, Botelho C. Depressão, ansiedade, estresse e motivação em fumantes durante o tratamento para a cessação do tabagismo. J Bras Pneumol. 2015;41(5):433-9. doi: https://doi.org/10.1590/S1806-37132015000004527

Oliveira MM, Pedraza DF. Contexto de trabalho e satisfação profissional de enfermeiros que atuam na Estratégia Saúde da Família. Saúde Debate. 2019;43(122):765-79. doi: https://doi.org/10.1590/0103-1104201912209




DOI: https://doi.org/10.5902/2179769254535

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Este site está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.