A resiliência do enfermeiro no cuidado à criança que vivencia a terminalidade

Bruna Raiane Viana Andrade, Juliana Xavier Pinheiro da Cunha, Chrisne Santana Biondo

Resumo


Objetivo: investigar a resiliência de enfermeiros no cuidado à criança que vivencia a terminalidade na terapia intensiva. Método: estudo qualitativo, com 12 enfermeiras das Unidades de Terapia Intensiva Pediátrica e Neonatal de dois hospitais no interior da Bahia. A coleta de dados ocorreu em abril e maio de 2019, utilizou-se a entrevista semiestruturada, analisada mediante Discurso do Sujeito Coletivo. Resultados: evidenciou-se a dificuldade das enfermeiras em lidar com a terminalidade infantil, referindo angústia e impotência, mais intensamente àquelas que são mães. A empatia e a espiritualidade se mostraram importantes no cuidado à criança terminal e no desenvolvimento da resiliência. Conclusão: faz-se necessário que a finitude seja enfrentada como curso natural da vida. Assim, deve-se ampliar estudos sobre a temática e que as instituições de ensino e laborais invistam em discussões sobre a terminalidade, para que as enfermeiras desenvolvam mecanismos de enfrentamento e de construção da resiliência no cuidado à criança.


Palavras-chave


Enfermagem; ResiliênciaPsicológica; Morte; Criança Hospitalizada

Referências


Costa DT, Garcia LF, Goldim JR. Morrer e morte na perspectiva de residentes multiprofissionais em hospital universitário. Rev Bioét. 2017;25(3):544-53. doi: 10.1590/1983-80422017253211

Santana JCB, Pessini L, Sá AC. Vivências de profissionais da saúde frente ao cuidado de pacientes terminais. Enferm Rev [Internet]. 2017 [acesso em 2020 set 02]:20(1):1-12. Disponível em: http://periodicos.pucminas.br/index.php/enfermagemrevista/article/view/15410

Santos RA, Moreira MCN. Resiliência e morte: o profissional de enfermagem frente ao cuidado de crianças e adolescentes no processo de finitude da vida. Ciênc Saúde Colet. 2014 dez;19(12):4869-78. doi: 10.1590/1413-812320141912.18862013

Lima PC, Comassetto I, Faro ACM, Magalhães APN, Monteiro VGN, Silva PSG. O ser enfermeiro de uma central de quimioterapia frente à morte do paciente oncológico. Esc Anna Nery. 2014 jul;18(3):503-9. doi: 10.5935/1414-8145.20140071

Bastos RA, Quintana AM, Carnevale F. Angústias psicológicas vivenciadas por enfermeiros no trabalho com pacientes em processo de morte: estudo clínico-qualitativo. Trends Psychol. 2018 jun;26(2):795-805. doi: 10.9788/TP2018.2-10Pt

Henao-Castaño ÁM, Quiñonez-Mora MA. Afrontamiento de las enfermeras ante la muerte del paciente en la Unidad de Cuidado Intensivo Pediátrico. Enferm Intensiva. 2018 oct;30(4):163-9. doi: 10.1016/j.enfi.2018.10.005

Polit DF, Beck CT. Fundamentos da pesquisa em enfermagem: avaliação de evidências para a prática em enfermagem. 9ª ed. Porto Alegre: Artmed; 2018.

Lefevre F, Lefevre AMC. Discurso do sujeito coletivo: representações sociais e intervenções comunicativas. Texto Contexto Enferm. 2014;23(2):502-7. doi: 10.1590/0104-07072014000000014

Scaratti M, Oliveira DR, Rós ACR, Debon R, Baldissera C. Do diagnóstico a terminalidade: enfrentamento da equipe multiprofissional na oncologia pediátrica. Rev Pesq Cuid Fundam [Internet]. 2019 jan [acesso em 2019 jun 14];11(N Esp):311-6. Disponível em: http://www.seer.unirio.br/index.php/cuidadofundamental/article/viewFile/6464/pdf_1

Sartori AV, Battistel ALHT. A abordagem da morte na formação de profissionais e acadêmicos da enfermagem, medicina e terapia ocupacional. Cad Bras Ter Ocup. 2017;25(3):497-508. doi: 10.4322/2526-8910.ctoAO0770

Santos MA, Hormanez M. Atitude frente à morte em profissionais e estudantes de enfermagem: revisão da produção científica da última década. Ciênc Saúde Colet. 2013;18(9):2757-68. doi: 10.1590/S1413-81232013000900031

Rocha DD, Nascimento EC, Raimundo LP, Damasceno AMB, Bondim HFFB. Sentimentos vivenciados pelos profissionais de Enfermagem diante de morte em unidade de terapia intensiva neonatal. Mental [Internet]. 2017 jul-dez [acesso em 2019 jun 14];11(21):546-60. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-44272017000200015

Souza L, Vinotti J, Maximo S. O impacto emocional da relação entre a equipe de enfermagem e bebês internados na utineo e seus familiares. Rev Interdiscip Estud Saúde [Internet]. 2017 ago [acesso em 2020 set 04];6(1):213-33. Disponível em: http://periodicos.uniarp.edu.br/index.php/ries/article/view/969

Silva TP, Silva MM, Alcantara LM, Silva IR, Leite JL. Estabelecendo estratégias de ação/interação para o cuidado à criança com condição crônica hospitalizada. Esc Anna Nery. 2015;19(2): 279-85. doi: 10.5935/1414-8145.20150037

Vicensi MC. Reflexão sobre a morte e o morrer na UTI: a perspectiva do profissional. Rev Bioét. 2016;24(1):64-72. doi: 10.1590/1983-80422016241107

Silva CMM, Silva MPC, Ferreira DO, Amaral JB, Gonçalves JRL, Contim D. Significado do cuidar e seus sentimentos para equipe de enfermagem diante da criança em tratamento oncológico. Rev Enferm Atenção Saúde. 2018;7(2):83-94. doi: 10.18554/reas.v7i2.2355

Cruz EJER, Souza NVDO, Amorim LKA, Pires AS, Gonçalves FGA, Cunha LP. Resiliência como objeto de estudo da saúde do trabalhador: uma revisão narrativa. Rev Pesq Cuid Fundam. 2018;10(1):283-8. doi: 10.9789/2175-5361.2018.v10i1.283-288

Cole MA, Foito K. Pediatric end-of-life simulation: preparing the future nurse to care for the needs of the child and family. J Pediatr Nurs. 2018 Sept;44:9-12. doi: 10.1016/j.pedn.2018.09.005

Souza PSN, Conceição AOF. Processo de morrer em unidade de terapia intensiva pediátrica. Rev Bioét. 2018;26(1):127-34. doi: 10.1590/1983-80422018261234.

Muskat B, Greenblatt A, Anthony S, Beaune L, Hubley P, Newman C, et al. The experiences of physicians, nurses, and social workers providing end-of-life care in a pediatric acute-care hospital. Death Stud. 2019;44(2):105-16. doi: 10.1080/07481187.2018.1526829

Silva SM, Baptista PCP, Silva FJ, Almeida MCS, Soares RAQ. Fatores relacionados à resiliência em trabalhadores de enfermagem no contexto hospitalar. Rev Esc Enferm USP. 2020;54:e03550. doi: 10.1590/S1980-220X2018041003550




DOI: https://doi.org/10.5902/2179769240348

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Este site está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.