Percepção da enfermagem sobre a adesão e o abandono do tratamento da tuberculose

Ana Paula Vanzetto Simeão Freire, Karina Amadori Stroschein, Priscila Tadei Nakata, Dayane Aguiar Cicolella

Resumo


Objetivo: conhecer a percepção da enfermagem sobre os fatores envolvidos na adesão e no abandono do tratamento da tuberculose. Método: estudo qualitativo, descritivo-exploratório realizado no Centro de Referência em Tuberculose no município de Porto Alegre no Rio Grande do Sul. Nove profissionais da enfermagem responderam à entrevista semiestruturada e foi realizada a análise de conteúdo de Bardin. Resultados: identificou-se quatro categorias temáticas: a organização do serviço e o papel da enfermagem no processo de trabalho; a raiz social da tuberculose; a consulta de enfermagem como artifício para o fortalecimento da adesão ao tratamento; rede de serviços como estratégia para reduzir o abandono do tratamento. Conclusão: os profissionais de enfermagem reconhecem sua responsabilidade na adesão ao tratamento da tuberculose e percebem no cotidiano de trabalho os fatores que influenciam o abandono. Reconhecem a necessidade de um trabalho em rede, intersetorial e de proteção social para o controle da doença.


Palavras-chave


Tuberculose; Enfermagem; Tratamento farmacológico; Recusa do paciente ao tratamento; Adesão à medicação

Referências


Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância Epidemiológica. Manual de recomendações para o controle da tuberculose no Brasil [Internet]. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2016 [acesso em 2020 mar 16]. 364 p. Disponível em: http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2016/outubro/15/panorama_tuberculose_brasil_mortalidade.pdf

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Vigilância em Saúde. Brasil Livre da Tuberculose: evolução dos cenários epidemiológicos e operacionais da doença. Boletim Epidemiológico [Internet]. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2019 [acesso em 2020 mar 16];50(9):1-18. Disponível em: https://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2019/marco/22/2019-009.pdf

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Brasil Livre da Tuberculose: Plano Nacional pelo Fim da Tuberculose como Problema de Saúde Pública [Internet]. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2017 [acesso em 2020 mar 16]. 52p. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/brasil_livre_tuberculose_plano_nacional.pdf

Stival JF, Carol LM, Cardoso, AM. Emergência da tuberculose multirresistente e extensivamente resistente: uma abordagem sobre o panorama atual. RESAP [Internet]. 2016 [acesso em 2018 abr 21];2(3):123-37. Disponível em: http://www.revista.esap.go.gov.br/index.php/resap/article/view/36

Beraldo AA, Andrade RLP, Orfão NH, Silva-Sobrinho RA, Pinto ESG, Wysocki AD, et al. Adherence to tuberculosis treatment in Primary Health Care: perception of patients and professionals in a large municipality. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2017; 21( 4 ):e20170075. doi: http://dx.doi.org/10.1590/2177-9465-EAN-2017-0075

Dixon J, Tameris M. A disease beyond reach: nurse perspectives on the past and present of tuberculosis control in South Africa. Anthropol South Africa. 2018;41(4):257-69. doi: https://doi.org/10.1080/23323256.2018.1526096

Bardin L. Análise de conteúdo. São Paulo (SP): Edições 70; 2011. 279 p.

Brunello MEF, Simiele-Beck MF, Orfão NH, Wysocki AD, Magnabosco GT, Andrade RLDP, et al. Atuação da enfermagem na atenção a uma condição crônica (tuberculose): análise de fontes secundárias. Rev Gaúch Enferm. 2015;36(N Esp):62-9. doi: https://doi.org/10.1590/1983-1447.2015.esp.56363

Corrêa VAF, Acioli S, Mello AS, Dias JR, Pereira RDM. Projeto Terapêutico Singular: reflexões para a enfermagem em saúde coletiva. Rev Enferm UERJ. 2016;24(6):e26309. doi: https://doi.org/10.12957/reuerj.2016.26309

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Atenção à Saúde. HumanizaSUS: política nacional de humanização: Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2013.

Rêgo LP, Cunha FF, Rodrigues ILA, Nogueira LMV, Andrade NCO. Assistência humanizada de enfermagem às pessoas doentes com tuberculose: revisão integrativa 2002–2012. Rev Baiana Saúde Pública. 2014;38(3):738-59. doi: https://doi.org/10.22278/2318-2660.2014.v38.n3.a744

Serrano Gallardo MP. Intersectorality, key to address social health inequalities. Rev Latinoam Enferm. 2019;e3124. doi: http://dx.doi.org/10.1590/1518-8345.0000-3124

Oliosi JGN, Reis-Santos B, Locatelli RL, Sales CMM, Silva Filho WG, Silva KC, et al. Effect of the Bolsa Familia Programme on the outcome of tuberculosis treatment: a prospective cohort study. Lancet Respir Med. 2018;7(2):E219-26. doi: https://doi.org/10.1016/S2214-109X(18)30478-9

Sá LD, Gomes ALC, Carmo JB, Souza KMJ, Palha PF, Alves RS. Educação em saúde no controle da tuberculose: perspectiva de profissionais da estratégia Saúde da Família. Rev Eletrônica Enferm. 2013;15(1):103-11. doi: https://doi.org/10.5216/ree.v15i1.15246

Valença MS, Possuelo LG, Cezar-Vaz MR, Silva PEA. Tuberculosis in Brazilian prisons: an integrative review of the literature. Ciênc Saúde Colet. 2016;21(7):2147-60. doi: http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232015217.16172015

Souza PHG, Medeiros M. Working paper number 163: the concentration of income at the top in Brazil, 2006-2014 [Internet]. Brasília (DF): International Policy Centre for Inclusive Growth; 2017 [cited 2019 Oct 23]. Available from: http://ipcig.org/pub/eng/WP163_The_concentration_of_income_at_the_top_in_Brazil.pdf

Chirinos NEC, Meirelles BHS, Bousfield ABS. Relationship between the social representations of health professionals and people with tuberculosis and treatment abandonment. Texto & Contexto Enferm. 2017;26(1):e5650015. doi: https://doi.org/10.1590/0104-07072017005650015

Maffacciolli R, Hahn GV, Rossetto M, Almeida CPB, Manica ST, Paiva TP, et al. Using the notion of vulnerability in the production of knowledge about tuberculosis: integrative review. Rev Gaúch Enferm. 2015;36(N Esp):247-53. doi: https://doi.org/10.1590/1983-1447.2015.esp.51537

Dantas CN, Santos VEP, Tourinho FSV. A consulta de enfermagem como tecnologia do cuidado à luz dos pensamentos de Bacon e Galimberti. Texto & Contexto Enferm. 2016;25(1):e2800014. doi: https://doi.org/10.1590/0104-0707201500002800014

Maranha NB, Silva MCA, Brito IC. A consulta de enfermagem no cenário da atenção básica e a percepção dos usuários: revisão integrativa. Academus [Internet]. 2017 [acesso em 2018 jun 02];2(1). Disponível em: https://smsrio.org/revista/index.php/reva/article/view/246

Oliveira DRC, Enders BC, Vieira CENK, Mariz LS. Avaliação da consulta de enfermagem aos pacientes com tuberculose na atenção primária à saúde. Rev Eletrônica Enferm. 2016;18:e1153. doi: http://dx.doi.org/10.5216/ree.v18.32593

Salzani MGB, Oliveira SAC, Rocha MAZP, Jesus GJ, Gazetta CE, Vendramini SHF, et al. Diagnóstico de tuberculose: perspectiva do profissional de enfermagem da atenção básica. Rev Fam Ciclos Vida Saúde Contexto Soc. 2017;5(2):180-90. doi: https://doi.org/10.18554/refacs.v5i2.1791

Souza J, Oliveira KS, Ávila TT, Quadros SR, Zilly A, Silva-Sobrinho RA. Incidência da tuberculose e a correlação entre a realização do tratamento e a cura. Rev Enferm UFSM. 2018;8(4):637-48. doi: http://dx.doi.org/10.5902/2179769230534

Meyer DE, Alvarenga LFC, Andrade SS, Félix J, Damico JGS. Quem aprende o que e com quem? Educação permanente em saúde e intersetorialidade como desafios políticos-pedagógicos. Saberes Plurais Educ Saúde [Internet]. 2018 [acesso em 2020 mar 21];2(3):104-19. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/saberesplurais/article/view/86577

Campos GWS. SUS: o que e como fazer? Ciênc Saúde Colet. 2018;23(6):1707-14. doi: https://doi.org/10.1590/1413-81232018236.05582018




DOI: https://doi.org/10.5902/2179769239456

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Este site está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.