Check list da visita pré-operatória de enfermagem avaliação da qualidade dos dados

Aurean D’Eça Júnior, Mayara Veras Bogea Brito, Livia dos Santos Rodrigues, Rosana de Jesus Santos Martins, Poliana Costa Rabelo

Resumo


Objetivo: avaliar a qualidade dos dados do check list da visita pré-operatória de enfermagem em um hospital universitário do nordeste brasileiro. Método: estudo transversal no período de julho a dezembro de 2017. Utilizou-se os parâmetros incompletude do preenchimento e confiabilidade dos dados. Adotou-se para o cálculo da incompletude, o sistema de escores proposto por Romero e Cunha. A confiabilidade foi medida pelo indicador Kappa. Resultados: analisadas 203 fichas de visitas pré-operatórias; 68,2% das variáveis (15 das 22 variáveis analisadas) tiveram percentual de não preenchimento que variou entre >5% a 9,9%, classificadas como muito baixa/baixa incompletude. Considerando os valores Kappa, 81,8% das variáveis estudadas tiveram confiabilidade dos dados considerada quase perfeita. Conclusão: a qualidade dos dados do check list da visita pré-operatória é satisfatória, uma vez que a incompletude da maioria das variáveis analisadas é muito baixa/baixa e a análise de concordância apontou que as informações são robustas e fidedignas.


Palavras-chave


Assistência perioperatória; Enfermagem perioperatória; Cuidados pré-operatórios; Acurácia dos dados

Referências


Freiberger MF, Mudrey ES. A importância da visita pré-operatória para sistematização da assistência de enfermagem perioperatória. Rev Cient Fac Educ Meio Ambient. 2011;2(2):1-26.

Frias TFP, Costa CMA, Sampaio CEP. O impacto da visita pré‑operatória de enfermagem no nível de ansiedade de pacientes cirúrgicos. REME Rev Min Enferm. 2014;14(3):345‑52.

Kruse MHL, Almeida MA, Keretzky KB, Rodrigues E, Silva FP, Schenini FS, et al. Orientação pré‑operatória da enfermeira: lembranças de pacientes. Rev Eletrônica Enferm. 2009;11(3):494‑500.

Gonçalves TF, Medeiros VCC. A visita pré operatória como fator atenuante da ansiedade em pacientes cirúrgicos. Rev SOBECC. 2016;21(1):22-7.

Galvão CM, Sawada NO, Rossi LA. A prática baseada em evidências: considerações teóricas para sua implementação na enfermagem perioperatória. Rev Latinoam Enferm. 2002;10(5):690-5.

Berg MRR, Cordeiro ALAO. Orientação e registro pré-operatório para o cuidar em enfermagem. Rev Baiana Enferm. 2006; 20(3):57-67.

Possari JF. Centro Cirúrgico: planejamento, organização e gestão. São Paulo (SP): Iátria; 2011.

Associação Brasileira de Enfermeiros de Centro Cirúrgico, Recuperação Anestésica e Central de Material e Esterilização (SOBECC). Práticas recomendadas. 7ª ed. rev. e atual. São Paulo (SP): Manole; 2017.

Souza LR, Souza MAG, Pinto AS. Os benefícios da visita pré-operatória de enfermagem para o cliente cirúrgico: revisão sistemática de literatura. Rev Pesqui Cuid Fundam [Internet]. 2010 abr-jun [acesso em 2018 dez 16];2(2):797-806. Disponível em: http://www.seer.unirio.br/index.php/cuidadofundamental/article/view/522

Romero DE, Cunha CB. Avaliação da qualidade das variáveis epidemiológicas e demográficas do sistema de informações sobre nascidos vivos, 2002. Cad Saúde Pública. 2007;23(3):701-14.

Organização Mundial da Saúde (OMS). Segundo desafio global para a segurança do paciente: Cirurgias seguras salvam vidas. Rio de Janeiro (RJ): Agência Nacional de Vigilância Sanitária; 2009.

Pedraza DF. Qualidade do Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos (SINASC): análise crítica da literatura. Ciênc Saúde Colet. 2012;17(2):2729-37.

Nunes FBBF, Prudêncio PS, Carvalho JFS, Mamede FV. Incompletude de informação de nascidos vivos em São Luís/MA no ano de 2012. Rev Pesqui Cuid Fundam. 2016:13(1):3705-13.

Ministério da Saúde (BR). Programa Nacional de Segurança do Paciente. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2013.

Schwartzman UP, Duarte LTD, Fernandes MCBC, Batista KT, Saraiva RA. A importância da consulta pré-anestésica na prevenção de complicações. Comun Ciênc Saúde. 2015;22(2):121-30.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Assistência Segura: uma reflexão teórica plicada à prática. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2013.

Organização Mundial de Saúde (OMS). Segundo desafio global para a segurança do paciente: cirurgias seguras salvam vidas. Geneva: Organização Mundial de Saúde; 2009.

Devine J, Chutkan N, Daniel C, Dettori JR. Avoiding wrong side sugery: a sistematic review. Spine. 2013;35(9):28-36.

Araujo MPS, Correa AR, Souto CF, Mota ECM, Oliveira AC. Cirurgía del lado equivocado. Rev Cub Enferm. 2018;34(2):47-53.




DOI: https://doi.org/10.5902/2179769236082

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Este site está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.