A utilização dos macroinvertebrados aquáticos de riachos do município de Vilhena – RO na confecção de cartilhas de educação ambiental

Gabriel de Paula Paciencia, Carlos Henrique Furtado, Franciely Santos Teodoro Souza, Allysom Winícius Prado Souto, Aline Patricia de Paula Gava

Resumo


Muitos professores carecem de material didático que refletem a realidade na qual o aluno está inserido para trabalhar temas ambientais, como por exemplo, a importância de se preservar corpos d’água e a mata ciliar. Neste sentido, o presente trabalho objetivou a construção de cartilhas de Educação Ambiental para serem distribuídas no formato digital nas escolas da cidade de Vilhena – RO. Esse material foi confeccionado com fotos e informações sobre os macroinvertebrados aquáticos, informações sobre algumas variáveis físico-químicas da água e o grau de ação antrópica do entorno do riacho o qual está localizado próximo ao IFRO (Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Rondônia) campus de Vilhena. Como esses organismos de água doce conseguem refletir o grau de preservação ambiental do riacho e do seu entorno, este material visa auxiliar os professores em dinâmicas de sensibilização ambiental dos alunos ante a temática da preservação de corpos d’água e da mata ciliar, já que os guias foram confeccionados com material coletado na cidade de Vilhena e por estudantes que vivem uma realidade semelhante daqueles que a utilizarão, isso facilita a formação de uma consciência ambiental.


Palavras-chave


Entomologia aquática; Sensibilização ambiental; Material didático; Rio Barão do Melgaço; Dinâmicas ambientais

Texto completo:

PDF

Referências


BACELAR, B. M. F. et al. Metodologia para elaboração de cartilhas em projetos de Educação Ambiental em micro e pequenas empresas. SEBRAE. [s.n.], 2009. 3 p.

BAPTISTA, D. F. et al. A multimetric index base on benthic macroinvertebrates for evaluation of Atlantic Forest streams at Rio de Janeiro state, Brazil. Hydrobiologia. v. 575, n. 1, p. 83 - 94, 2007.

BRASIL. Lei nº 9.795, de 27 de Abril de 1999.

CAVALCANTE, A. C. P.; SILVA, A. G.; SILVA, M. J. R. Dinâmicas e jogos educativos como ferramenta para a preservação dos reccursos ambientais. Revista Monografias Ambientais (Remoa/UFSM). v. 14, n. 2, p. 3049

- 3054, mar. 2014.

CORTEZZI, S. S. et al. Influência da ação antrópica sobre a fauna de macroinvertebrados aquáticos em riachos de uma região de cerrado do sudoeste do Estado de São Paulo. Iheringia, v. 99, n. 1, p. 36-43, mar. 2009.

DEMONER, R. L.; FERREIRA, N. V. S.; GONZALEZ, S. Experiências ambientais de uma prática pedagógica interdisciplinar na Vila de Itaúnas, Conceição da Barra, ES. Revista Monografias Ambientais (Remoa/UFSM). v. 12, n. 12, p. 2785 – 2788, ago. 2013.

FERNANDES, A. L. B.; JERÔNIMO, C. E. M. Análise da implementação da política municipal de educação ambiental no município de Natal/RN. Revista Monografias Ambientais (Remoa/UFSM). v. 11, n. 11, p. 2410 – 2425, 2013.

FRANÇA, P. A. R.; GUIMARÃES, M. G. V. A educação ambiental nas Escolas Municipais de Manaus (AM): um estudo de caso a partir da percepção dos discentes. Revista Monografias Ambientais (Remoa/UFSM). v.14, n. 2, p. 3128 - 3138, mar. 2014.

HAMANDA, N.; FERREIRA-KEPPLER, R. L. Guia ilustrado de insetos aquáticos e semi-aquáticos da reserva florestal Adolfo Ducke, Manaus, Amazonas, Brasil. Manaus: Editora da Universidade Federal do Amazonas, 2012. 198 p.

LIRA, S. H.; FRAXE, T. J. P. O percurso da sustentabilidade do desenvolvimento: aspectos históricos, políticos e sociais. Revista Monografias Ambientais (Remoa/UFSM). v. 14, n. 2, p. 3172 - 3182, mar. 2014.

MORIN, E. Introdução ao pensamento complexo. 3. ed. Porto Alegre: Editora Sulina, 2007. 120 p.

MUGNAI, R.; NESSIMIAN, J. L.; BAPTISTA, D. F. Manual de identificação de macroinvertebrados Aquáticos do estado do Rio de Janeiro: Technical Books, 2010.176 p.

NASCIMENTO, J. M. C.; HAMADA, N. O mundo dos insetos aquáticos. Manaus: [s.n.], 2012. 32 p.

OLIVEIRA, A.L.; OBARA, A. T.; RODRIGUES, M. A. Educação Ambiental: concepções e práticas de professores de ciências do ensino fundamental. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias, v. 6, n. 3, p. 471-495, 2007.

RODRIGUES, L. D. Conhecimento e Ressignificação: A prática pedagógica em Educação Ambiental. In: BAGGIO, A; BARCELOS, V. (orgs.) Educação ambiental e complexidade: entre pensamentos e ações. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2008.

ROLDÁN-PÉREZ, G. Guía para el estudio de los macroinvertebrados acuáticos del Departamento de Antioquia. Bogotá: Universidad de Antioquia, 1998. 217 p.

ROSENBERG, D. M.; RESH, V. H. Freshwater Biomonitoring and Benthic Macroinvertebrates. New York: Chapman & Hall, 1993. 488 p.

SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE DO ESTADO DE SÃO PAULO (SMA). Coordenadoria de Planejamento Ambiental Estratégico e Educação Ambiental. In: Educação Ambiental: vinte anos de políticas públicas. 2003. 96 p.

SILVA, R. V. et al. Educação Ambiental em espaços escolarizados: um estudo de caso na escola municipal Santos Dumont Cáceres-MT, Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental. v. 26, p.61-75, 2011.

SONODA, K. C. Humberto e Camila: descobrem a ecologia dos rios. Brasília: Embrapa Informação Tecnológica, 2009. 60 p.

VARGAS, L. P. et al. Experiências com educação ambiental através da educação não formal: o caso da escola estadual de ensino fundamental Dr. Honorato de Souza Santos. Revista Monografias Ambientais (Remoa/UFSM). v. 10, n. 10, p. 2302 - 2310, 2012.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/2236130814936

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.