CONSUMO DE ENERGIA HIDRELÉTRICA NO MEIO RURAL BRASILEIRO: UMA VISÃO SUSTENTÁVEL

Rejane Remussi, Uiliam Hahn Biegelmeyer, Alice Munz Fernandes, Tania Craco, Marta Elisete Ventura da Motta

Abstract


O setor elétrico brasileiro atualmente encontra-se em colapso, onde períodos com temperaturas elevadas, escassez de água e elevação do consumo de eletricidade e impactam na operação e manutenção da principal fonte de energia do País, as usinas hidrelétricas. Sob uma visão sustentável, as hidrelétricas deixaram de serem consideradas fontes limpas e ambientalmente corretas de energia, impulsionando as pesquisas e investimentos em novas fontes geradoras de eletricidade. Dentre as classes de consumo dessa energia, o meio rural apresenta histórico de elevação da demanda, justificando-se pela adoção de novas tecnologias e modernização nas técnicas de produção agrícola, cujo viés de expansão demonstra insuficiência e insustentabilidade da oferta de eletricidade. O objetivo deste estudo consistiu em descrever o setor elétrico nacional, apresentando as características e ênfase de consumo do meio rural, ao qual foi proposto outras fontes de energia elétrica.  Esta pesquisa caracterizou-se como exploratória e descritiva quanto a sua finalidade e bibliográfica e documental em relação aos seus procedimentos, apresentando o histórico de consumo de eletricidade pelo meio rural brasileiro e seu viés de expansão, enfatizando a hidroeletricidade sob uma visão sustentável e propondo a adoção da energia eólica e da biomassa como fontes sustentáveis para geração de eletricidade no meio rural.

Keywords


Energia Elétrica; Hidrelétricas; Meio Rural.

References


ANDRADE, C. S.; NETO, E. C.; GUERRA, H. N. (1999). Outorga de Permissão de Serviços Públicos de Energia Elétrica às Cooperativas de Eletrificação Rural. Revista Brasileira de Energia, v. 7. Rio de Janeiro.

ANEEL – Agência Nacional de Energia Elétrica (2012). Resolução Normativa Nº 414/2010: condições gerais de fornecimento de energia elétrica. Brasília.

ANEEL – Agência Nacional de Energia Elétrica (2003). Artigo Energia Eólica. Capítulo 06, p. 93-110. Brasília.

ANEEL – Agência Nacional de Energia Elétrica (2015). Atlas de Energia

Elétrica do Brasil. Brasília.

ANEEL – Agência Nacional de Energia Elétrica (2015). Relatórios de consumo de energia elétrica por classe. Brasília.

BARRETO, R.C.S. (2004). Políticas públicas e o desenvolvimento rural sustentável no Estado do Ceará: um estudo de caso. Universidade Federal do Ceará. Dissertação de Mestrado. Fortaleza: UFC.

BARROS, J. M. S. (1988). O papel da energia e o desenvolvimento rural. São Paulo Energia, São Paulo, v. 5, n. 42, p. 33- 34.

BERMANN, C. (2007). Impasses e controvérsias da hidroeletricidade. Revista Estudos Avançados, v. 21, n. 59.

BERMANN, C.; MOREIRA, P. F.; KISHINAMI, R.; REY, O.; FEARNSIDE, P. M.; MILLIKAN, B.; SOUSA JR., W. C.; BAITELO, R.; RIBEIRO, L. P.; MOREIRA, C. F.; NETO, P. B.; HEATHER, R. (2012). O setor elétrico e a sustentabilidade no século 21: oportunidades e desafios. 2 Ed. International Rivers Network – Brasil, Org. Paula Franco Moreira – Brasília: Brasil.

BOADLE, A. (2013). Brazil’s hot. Dry summer may lead to energy rationing. Brasília: Reuters.

BONJORNO, R. A.; BONJORNO, J. R.; BONJORNO, V.; RAMOS, C. M. (2001). Física Completa. 2 ed. São Paulo: FTD.

BORGES, F. Q.; ZOUAIN, D. M. (2010). A matriz elétrica no estado do Pará e seu posicionamento na promoção do desenvolvimento sustentável. Revista Planejamento e Políticas Públicas, n. 35,jul/dez.

BROWN, L. (1990). A Ilusão do Progresso. Rio de Janeiro: Globo.

BUAINAIN, A. M. (2006). Agricultura Familiar, Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável: questões para debate. Brasília: IICA.

CAPRA, F. (1995). A teia da via: uma nova compreensão científica dos sistemas vivos. Trad. Newton Roberval Eichemberg. São Paulo: Cultrix.

CASTRO, N. J.; BRANDÃO, R.; DANTAS, G. A. (2009). Importância e perspectivas da bioeletricidade sucroenergética na matriz elétrica brasileira. [s.l.]: [s.n.].

CMMA – Comissão Mundial de Meio Ambiente e Desenvolvimento Mundial (1991). Relatório Nosso Futuro Comum. Rio de Janeiro: Ed. Fundação Getúlio Vargas.

DREHER, M. T.; CASAGRANDE, R. M.; GOMES, G. (2012). Inovação e sustentabilidade: desafios da consultoria ambiental. Anais do XV Seminário em Administração. São Paulo: SEMEAD.

EHLERS, E. M. (1994). O que se entende por agricultura sustentável? 1994. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Ciência Ambiental, Universidade de São Paulo, São Paulo: USP.

ELKINGTON, J. (2001). Canibais com garfo e faca. Trad. Patrícia Martins Ramalho. São Paulo: Makron Books.

EMBRAPA – Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (2008). Geração de energia: um “mal” necessário e inevitável: o que fazer? Centro Nacional de Pesquisa de Monitoramento por Satélite. Disponível em: ˂http://www.aquecimento.cnpm.embrapa.br/conteudo/prevencao_nec.htm ˃Acesso em 06 mar. 2015.

EPE – Empresa de Pesquisa Energética (2012). Nota Técnica DEA 17/12 – Metodologia para avaliação socioambiental de usinas hidrelétricas. Rio de Janeiro.

EPE – Empresa de Pesquisa Energética (2012). Nota Técnica DEA 22/12 – Projeção da demanda de energia elétrica para os próximos 10 anos (2013-2022). Rio de Janeiro.

EPE – Empresa de Pesquisa Energética (2014). Nota Técnica DEA 13/14. Demanda de energia 2050. Rio de Janeiro.

EPE – Empresa de Pesquisa Energética (2014). Resenha mensal do mercado de energia elétrica. Ano VIII, n° 87, novembro.

FERREIRA, L; VIOLA, E. (1996). Incertezas de sustentabilidade na globalização. Campinas: Editora Unicamp.

GADOTTI, M. (2008). Educar para a sustentabilidade: uma contribuição a década da educação para o desenvolvimento sustentável. São Paulo: Instituto Paulo Freire.

GIL, A. C. (2010). Como elaborar projetos de pesquisa. 5 ed. São Paulo: Atlas.

GIORDANO, S. R. (2005). Gestão Ambiental no Sistema Agroindustrial. In: Zylbersztajn, D.; Neves, M. F. Economia e Gestão dos Negócios Agroalimentares: indústria de alimentos, indústria de insumos, produção agropecuária, distribuição. 1 ed. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, p. 255-281.

GOLDEMBERG, J. (1998). Energia e desenvolvimento. Revista Estudos Avançados, v.12, n. 33.

GOLDEMBERG, J.; JOHANSSON, T. B. (2002). The Role of Energy in Sustainable Develpment: Basic Facts and Issues. Energy for Sustainable Development: a policy agenda. UNDP.

GOLDEMBERG, J.; LUCON, O. (2008). Energia, meio ambiente & desenvolvimento. São Paulo: Editora da USP.

GOLDEMBERG, J.; MOREIRA, J. R. (2005). Política energética no Brasil. Revista Estudos Avançados, v. 19. n.55.

GRÜNEWALD, R. A. (2003). Turismo e Etnicidade. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 9, n.20, p.141-159.

GUERREIRO, A. (2006). Notas do seminário tecnologias energéticas do futuro: novas perspectivasenergéticas, eficiência energética e regulação. Curitiba.

HINRICHS, R. A.; KLEINBACH, M. (2003). Energia e meio ambiente. São Paulo: Pioneira Thomson Learning.

IAC – Interacademy Council (2010). Um futuro com energia sustentável: iluminando o caminho - Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo; Trad. Maria Cristina Vidal Borba, Neide

FERREIRA GASPAR. São Paulo: FAPESP; Amsterdam: InterAcademy Council; Rio de Janeiro: Academia Brasileira de Ciências.

JAEGER, M. (2009). Brazil 2020: economic & political scenarios – update. International topics. Deutsche Bank Research: Frankfurt.

JANNUZZI, G. M.; SWISHER, J. N. (1997). Planejamento de recursos energéticos: meio ambiente, conservação de energia e fontes renováveis. Campinas, SP: Autores Associados.

JANUZZI, G. M. (2004). A conservação e o uso eficiente da energia. ComCiência, ed 61. São Paulo.

KÖCHE, J. C. (2010). Fundamentos de metodologia cientifica: teoria da ciência e iniciação à pesquisa. Petrópolis: Vozes.

LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. A. (2008). Técnicas de pesquisa. São Paulo: Atlas.

LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. A. (2011). Metodologia científica. São Paulo: Atlas.

LEFF, E. (2006). Racionalidade ambiental: a reapropriação social da natureza. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

MANZO, A. J. (1971). Manual para la preparación de monografías: una guia para presentear informes y tesis. Buenos Aires: Humanistas.

MATTAR, J. (2005). Metodologia cientifica na era da informática. São Paulo: Saraiva.

MEC – Ministério da Educação (2005). Consumo sustentável: Manual de educação. Brasília: Consumers International/MEC/MMA/ IDEC.

MPA – Ministério da Pesca e Aquicultura (2015). Significado e especialidades da aquicultura. Disponível em: ˂ http://www.mpa.gov.br/index.php/aquicultura ˃ Acesso em 06 mar. 2015.

MMA – Ministério do Meio Ambiente Energias renováveis (2015). Disponível em: ˂ http://www.mma.gov.br/clima/energia/energias-renovaveis ˃ Acesso em 06 mar. 2015.

MME – Ministério de Minas e Energia (2013). Anuário estatístico de energia elétrica 2013. Rio de Janeiro.

MÜLLER, A. C. (1995). Hidrelétricas: Meio ambiente e desenvolvimento. São Paulo: Makron Books.

NOVA, A. C. B. (1999). Níveis de consumo energético e índices de desenvolvimento humano. Revista Brasileira de Energia, v. 7. Rio de Janeiro.

OLIVEIRA, M. M. (2007). Como fazer pesquisa qualitativa. Petrópolis, Vozes.

PARO, A. C. (2005). Estudo da contribuição do gás natural no setor elétrico: uma análise de cenários de sua expansão nos setores de geração termelétrica, cogeração e residencial. Dissertação (Mestrado em Engenharia Elétrica) - São Paulo: EP/USP.

PIACENTI, C. A. (1988). Relações entre o consumo de energia e a estrutura de produção agropecuária em duas regiões do Estado de Minas Gerais. 1988. Dissertação (Mestrado em Economia Aplicada) –, Universidade Federal de Viçosa, Minas Gerais.

PINHEIRO, J.C.V.; LIMA, A.T.M. (2002). Valor econômico e elasticidade preço da demanda de água para a irrigação no vale do apodi-ce. Capitulo XIII. Nordeste reflexões sobre aspectos setoriais e locais de uma economia. CAEN serie de estudos econômicos.

REIS, L. B. [et al]. (2012). Energia, recursos naturais e a prática do desenvolvimento sustentável. 2 Ed. Barueri: Manole.

ROBINSON, J; FRANCIS, J; LEGGE, R; LERNES, R. (1990). Defining a sustainable society. Alternatives, v.12, n.2, p. 36-46.

ROMEIRO, A. R. (2007). Perspectivas para Políticas Agroambientais. In: Ramos, P. (Org.). Dimensões do Agronegócio Brasileiro: políticas, instituições e perspectivas. Brasília: MDA, p. 283-317.

SANCHS, I. (1993). Estratégias de transição para o século XXI: desenvolvimento e meio ambiente. São Paulo: Studio Nobel, Fundação do Desenvolvimento Administrativo.

SANTOS, F.A.A. (2002). Água: questão de sobrevivência. Economia Rural, jan/mar, Viçosa/Minas Gerais.

SANTOS, R. R.; PEREIRA, S. S.; SAVER. (1999). A reestruturação do setor elétrico brasileiro e a universalização do acesso ao serviço de energia elétrica. Anais do VIII Congresso Brasileiro de Energia. Rio de Janeiro.

SIMON, H. (1971). A behavioral model of rational choice. The Quarterly Journal of Economics, v. 69, n. 1, p. 99-118.

THE WORD BANK. (2011). World development indicators database. New York.

VERGARA, S. C. (2011). Projetos e relatórios de pesquisa em administração. 13 ed. São Paulo: Atlas.

VIEIRA, P. L.; GARCIA, C. B.; GUIMARÃES, H. B.; TORRES, E. A.; PEREIRA, O. L. S. (2005). Gás natural: benefícios ambientais no Estado da Bahia. Salvador: Solisluna Design e Editora.

WALISIEWICZ, M. (2008). Energia alternativa: solar, eólica, hidrelétrica e de biocombustíveis. São Paulo: Publifolha.

ZIMMERMAN, M. P. (2007). Aspectos técnicos e legais associados ao planejamento da expansão de energia elétrica no novo contexto regulatório brasileiro. 2007. Dissertação de mestrado. Pontifica Universidade Católica: Rio de Janeiro, 2007.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/2236117019083



DEAR AUTHORS,

PLEASE, CHECK CAREFULLY BEFORE YOUR SUBMISSION:

- IF ALL AUTHORS "METADATA" (ORCID, LINK TO LATTES, SHORT BIOGRAPHY, AFFILIATION) WERE ADDED,

- THE CORRECT IDIOM YOUR SECTION,

- IF THE HIGHLIGHTS WERE ADDED,

- IF THE GRAPHIC ABSTRACTS WAS ADDED,

- IF THE REVIEWERS INDICATION WAS DONE,

- IF THE REFERENCES FORMAT ARE CORRECT(ABNT)

- IF THE RESOLUTION YOUR FIGURES (600 DPI) ARE SUITABLE

*******************************

PREZADOS AUTORES,

POR FAVOR, VERIFIQUE ATENTAMENTE ANTES DA SUBMISSÃO: 
- SE OS METADADOS (ORCID, LINK PRO LATTES, CURTA BIOGRAFIA E AFILIAÇÃO) DE "TODOS" OS AUTORES FORAM ADICIONADOS, 
- IDIOMA, 
- SE OS HIGHLIHTS FORAM ADICIONADOS, 
- SE O GRAPHICAL ABSTRACT FOI ADICIONADO, 
- SE A INDICAÇÃO DOS REVISORES FOI FEITA, 
- SE O FORMATO DAS REFERÊNCIAS ESTÁ ADEQUADO (ABNT) 
- SE A RESOLUÇÃO SUAS FIGURAS (600 DPI) ESTÁ ADEQUADA.

 

This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.

 

**************************************************

WE ARE ON FACEBOOK! (You are our guest!)

 

Digital Object Identifier (DOI): 10.5902/22361170

Contact: reget.ufsm@gmail.com

...................................................................................


Accesses since 19/06/2012

...................................................................................

Sponsors: