Work context in the automotive industry and damage to workers health

Camila Bruning, José Henrique de Faria, Karlo Marques Junior

Abstract


This paper analyzes the relationship between (i) worker’s perception about their working context and (ii) the physical, social and psychological damage that they perceive having from working in this context. Data were collected in the production line of three factories of an automotive company situated in the metropolitan region of Curitiba/Brazil. The theoretical basis for the analysis is the Psychodynamics of Work (DEJOURS, 1993), through which the dynamics of suffering and illness of workers inserted in this context is analyzed. We conducted a descriptive case study with primary data collection by applying the Inventory of Work and Illness Risk – ITRA (MENDES, 2007). The relationship between physical and psychosocial damage and the perception of workers in relation to their work environment were evaluated by a Tobit regression model. The results suggest that: a worsening in the workers rating of the working conditions leads to a higher incidence of illnesses. The results also suggest that variables such as “freedom of expression”, “experiences of pleasure”, “experiences of suffering” and “perception of recognition” are important to explain incidence of disease symptoms.


Full Text:

PDF

References


BAUM, C. F. An introduction to modern econometrics using Stata. College Station, TX. Stata press, 2006.

DEJOURS, C. A banalização da injustiça social. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 2000.

DEJOURS, C. A loucura do trabalho. São Paulo: Atlas,1987.

DEJOURS, C. A Loucura do trabalho: estudo de psicopatologia do trabalho. 5ª ed. São Paulo: Cortez-Oboré, 1994.

DEJOURS, C. O fator humano. 1ª ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, 1997.

DEJOURS, C. Travail: usure mentale. De la psychopathologie à la psychodynamique du travail. Paris: Bayard Éditions, 1993.

DEJOURS, C.; ABDOUCHELI, E.; JAYET C. Psicodinâmica do trabalho: contribuições da Escola Dejouriana à nalise da relação prazer, sofrimento e trabalho. São Paulo: Atlas, 1994.

FARIA, J. H. Poder, Controle e Gestão. Curitiba: Juruá Editora, 2017.

FARIA, J. H. Tecnologia e processo de trabalho. Curitiba: UFPR, 1997.

FERREIRA, M; C, MENDES, A. M . Trabalho e riscos de adoecimento – o caso dos auditores-fiscais da previdência social brasileira. Brasília: FENAFISP, 2003.

GIONGO, C. R.; MONTEIRO, J. K.; SOBROSA, G. M. R.. Psicodinâmica do trabalho no Brasil: revisão sistemática da literatura. Temas psicol., Ribeirão Preto , v. 23, n. 4, p. 803-814, dez. 2015.

GUJARATI, D. N.; PORTER, D. C. Econometria básica-5.Porto Alegre. Editora Bookman, 2011.

HAIR, J. et al. Análise multivariada de dados. 5. ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.

INSTITUTO EUVALDO LODI. NÚCLEO CENTRAL (IEL/NC). Dinâmica e Tendências do Setor Automotivo - Região Metropolitana de Curitiba. Brasília: IEL/NC, 2009.

JABBOUR, C. J. C. HRM, ergonomics and work psychodynamics: a model and a research agenda. Humanomics, v. 27, n.1, p. 53-60, 2011.

JACQUES, M. G.; O nexo causal em saúde/doença mental no trabalho: uma demanda para a psicologia. Psicol. Soc., Porto Alegre , v. 19, n. spe, p. 112-119, 2007.

LANDISBERGIS, P.A.; CAHILL, J.; SCHNALL, P. The impact of lean production and related new systems of work organization on worker health. J Occup Health Psychol 1999; 4:108-30.

MACHADO, L. S.; MACEDO, K. B. Análise bibliométrica dos estudos em clínica psicodinâmica do trabalho. Rev. Subj., Fortaleza , v. 16, n. 1, p. 9-23, abr. 2016 .

MENDES, A. M. (Org.) Psicodinâmica do trabalho: Teoria, método, pesquisas”. 01ª ed. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2007.

PICOLOTO, D.; SILVEIRA, E.. Prevalência de sintomas osteomusculares e fatores associados em trabalhadores de uma indústria metalúrgica de Canoas - RS.Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro , v. 13, n. 2, p. 507-516, Apr. 2008 .

PINA, J. A.; NAVARRO STOTZ, E. Intensificação do trabalho e saúde dos trabalhadores: um estudo na Mercedes Benz do Brasil, São Bernardo do Campo, São Paulo. Saúde Soc 2015; 24:826-40

PINA, J. A.; NAVARRO STOTZ, E.; JACKSON FILHO, J. M. Trabalhador “compatível”, fratura exposta no processo de produção da indústria automobilística: intensificação do trabalho e saúde em questão. Caderno de Saúde Pública, 2018; 34(7). Doi: 10.1590/0102-311X00114017.

RANCAN, M.; GIONGO, C. R. "Nunca pensei sobre isso!": vivências de trabalho na indústria metalmecânica. Cad. psicol. soc. trab., São Paulo , v. 18, n. 1, p. 93-106, 2015.

SOLDERA, L. M. Breve compêndio conceitual e metodológico da Psicodinâmica do Trabalho e da Psicossociologia. Cad. psicol. soc. trab., São Paulo , v. 19, n. 2, p. 243-253, 2016 .

SZNELWAR, L. I. Alain Wisner: o desenvolvimento da ergonomia e do pensamento sobre o trabalhar. Travailler, vol. 15, no. 1, 2006, pp. 55-70.

TAMAYO, A. Cultura e saúde nas organizações. Porto Alegre: Artmed Editora, 2004.

WISNER. A. A inteligência no trabalho. Textos Selecionados de Ergonomia. São Paulo: Fundacentro, 1995.

WOOLDRIDGE, J. Introdução à econometria: uma abordagem moderna. São Paulo: Cengage Learning, 2011.




DOI: https://doi.org/10.5902/1983465929475

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

  

  

Revista de Administração da UFSM. Brazilian Journal of Management

Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil, eISSN 1983-4659