Apelos saudáveis no Brasil: ajudando o público ou dando informações enganosas?

Isadora do Carmo Stangherlin, Monique Raupp

Resumo


A primeira fase deste estudo consistiu na revisão da literatura relacionada aos rótulos de alimentos e suas legislações nacionais e internacionais. Posteriormente, foram selecionadas embalagens de alimentos pré-embalados em um supermercado localizado na cidade de Porto Alegre, no sul do Brasil, considerando suas alegações nutricionais e de saúde (NHC). A partir disso, o principal objetivo deste estudo foi identificar e analisar essas alegações. Dos produtos incluídos em 9 diferentes categorias de alimentos, 87 tinham pelo menos um NHC e, portanto, compuseram o grupo de análise. A maior parte das reivindicações consistiu em alegações nutricionais (66,53%), seguidas de alegações de ingestão de ingredientes relacionados à saúde (20,34%) e alegações de saúde (13,14%). As alegações nutricionais mais comuns consistiram em vitaminas (44,2%), com a vitamina C representando quase um quarto das alegações de vitamina. No que diz respeito à ingestão de ingredientes relacionados à saúde, mais de metade deles dizem respeito à falta de conservadores nos alimentos. Apelos de saúde consistiam geralmente em frases subjetivas, levando a entender que o consumo do produto em questão era uma "Escolha saudável" ou "fonte de saúde". Os consumidores devem saber como avaliar essas alegações ao escolher um produto alimentar, evitando possíveis mal-entendidos.


Texto completo:

PDF (English)


DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1983465925180

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Revista de Administração da UFSM. Brazilian Journal of Management

Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil, eISSN 1983-4659