The female in organizations: a management study in the pharmaceutical industry sector

Maria Cristine dos Reis, Marlene Catarina de Oliveira Lopes Melo

Abstract


The objective of this study was to analyze the perception of women in managerial work according to pharmaceutical industry managers based in the cities of São Paulo and Rio de Janeiro operating in the region of Minas Gerais. This is a field study with a qualitative and descriptive approach. A semi-structured interview script was used to collect data, and the subjects of this survey were ten district managers. The results show that the management of people is punctuated as the main activity developed in the exercise of the function. No salary differences were found between men and women in the pharmaceutical companies surveyed. The clothing, that is, the care with the visual, as well as the understanding, sensitivity and care with the people were pointed out as a way to feel feminine in the managerial career. The managerial function was described as unisex and / or asexual and the way of managing is associated to the profile of each one. The availability for trips to the service was pointed out as an ideal activity for the men, but that does not prevent them from exercising the managerial function.


Full Text:

PDF

References


EAGLY, A. H.; CARLI, L. Women and the labyrinth of leadership. Harvard Business Review, september 2007.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. 5 ed. Lisboa: Edições 70, 2006.

BERNHOEFT, R. A feminização das carreiras. 2000. Disponível em: . Acesso em: 17 ago. 2014.

BETIOL, M. I. S. Ser administradora é o feminino de ser administrador?. In: ENCONTRO NACIONAL DA ASSOCIAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, 24., 2000. Florianópolis. Anais... Florianópolis: ANPAD, 2000. 1 CD-ROM.

BOURDIEU, P. A Dominação masculina. 9. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2010.

CALÀS, B.; SMIRCICH, L. Do ponto de vista da mulher: abordagens feministas em estudos organizacionais. In: CLEGG, S. R.; HARDY, C.; NORD, W. R. (orgs.). Handbook de estudos organizacionais, v. 1. São Paulo: Atlas, 1996.

CALIL, L. E. S. Direito do trabalho da mulher: a questão da igualdade jurídica ante a desigualdade fática. São Paulo: LTR, 2007.

CAPELLE, M. C. A. O trabalho feminino no policiamento operacional: subjetividade, relações de poder e gênero na oitava região da Policia Militar de Minas Gerias. Belo Horizonte: CEPEAD/ UFMG, 2006.

CARMO, O. A. Os homens e a construção e reconstrução da identidade de gênero. In: SEMINARIO DE SAUDE DO TRABALHADOR DE FRANCA, 7., 2010, Franca. Proceedings online... Unesp Franca.

CHANLAT, J. F. Mitos e realidades sobre o estresse dos gerentes. In: DAVEL, E.; MELO, M. C. O. L. (orgs). Gerência em ação. Rio Janeiro: FGV, 2005.

CRAMER, L.; CAPELLE, M. C. A.; ANDRADE, A. L. S.; BRITO, M. J. B. Representações femininas da ação empreendedora: uma análise da trajetória das mulheres no mundo dos negócios. Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, v. 1, n. 1, jan/abril 2012.

COSTA, A. A. Gênero, poder e empoderamento das mulheres. A química das mulheres, Salvador, março 2004.

DANTAS, M. Introdução. In: FREITAS, M. E.; DANTAS, M. (ORGs). Diversidade sexual e trabalho. São Paulo: Cengage Learning, 2012.

DAVEL, E.; .MELO, M. C. O. L. Gerência em ação: singularidades e dilemas do trabalho gerencial. Rio Janeiro: FGV, 2005.

DEERE, C. D.; LEÓN, M. O empoderamento da mulher: direitos à terra e direitos de propriedade na América Latina; trad. Letícia Vasconcellos Abreu, Paula Azambuja Rossato Antinolfi, Sônia Terezinha Gehering. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2002.

DINIZ, A. P. Mulheres gerenciais: uma análise dos discursos sobre as mulheres na revista Exame. Belo Horizonte: CEPEAD/UFMG, 2012.

DURBIN, S. Women, power and the glass ceiling: current research perspectives. Work, employment and society: extended review. 2002. Disponível em: http://jmi.sagepub.com. Acesso em 24 abr. 2018.

ECCEL, C, S.; ALCADIPANI, R. (Re) Descobrindo as masculinidades. In: FREITAS, M. E.; DANTAS, M. (orgs). Diversidade sexual e trabalho. São Paulo: Cengage Learning, 2012.

FREITAS, M. E.; DANTAS, M. (orgs). Diversidade sexual e trabalho. São Paulo: Cengage Learning, 2012.

FRIEDMANN, J. Empowerment: uma política de desenvolvimento alternativo. Oeiras: Celta, 1996.

HELOANI, J. R.; CAPITÃO, C. G. Sexualidade e trabalho na visão da psicanálise. In: FREITAS, M. E.; DANTAS, M. (ORGs). Diversidade sexual e trabalho. São Paulo: Cengage Learning, 2012.

GIFFIN. K. Transição de gênero: a condição feminina na sociedade atual. In: CONFERÊNCIA DA ORGANIZAÇÃO PAN AMERICANA DE SAÚDE, 1993, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: Organização Mundial de Saúde, 1993.

GONTIJO, M. R.; MELO, M. C. O. L. Da inserção ao empoderamento: análise da trajetória de diretoras de instituições privadas de ensino superior de Belo Horizonte. Revista REAd, Porto Alegre – Vol. 23 – Nº Especial – Dezembro 2017 – p. 126-157

HILL, L. A. Novos gerentes: assumindo uma nova identidade. São Paulo: Makron Books, 1993.

HIRATA, H. Divisão – relações sociais de sexo e do trabalho: contribuição à discussão sobre o conceito de trabalho. Em Aberto, Brasília, MEC/Inpe, v.1, n. 65, p.39-49, jan./mar. 1995.

JONATHAN, E. G.; SILVA, T. M. R. Empreendedorismo feminino: tecendo a trama de demandas conflitantes. Psicologia e Sociedade, Porto Alegre, , v.19, n.1, jan./abr. 2007.

KIMMEL, M. S.A. Produção simultânea de masculinidades hegemônicas e subalternas. Horizontes Antropológicos, ano 4, n. 9, out., 1998.

LISBOA, T. K. O empoderamento como estratégia de inclusão das mulheres nas políticas sociais. Fazendo gênero 8 – Corpo, Violência e Poder. Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, 2008.

MARCONDES, W. B. et al. O peso do trabalho "leve" feminino à saúde. São Paulo Perspec., São Paulo, v. 17, n. 2, jun. 2003.

MAXIMIANO, A. A. Teoria Geral da Administração. São Paulo: Atlas, 2002.

MELO, M. C O. L.; MAGESTE. G. S.; MENDES, E. L. As questões de gênero no trabalho: inserção, evolução e tendências. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL ENFOQUES FEMINISTAS E O SÉCULO, 21., 1, 2005, Salvador. Anais... Salvador: UFBA, 2005.

MELO, M. C. O. L. Mulheres gerentes entre o empoderamento e o teto de vidro. In: FREITAS, M. E. de.; DANTAS, M. (Org.). Diversidade sexual e trabalho. São Paulo: CNL - CENGAGE/NACIONAL, 2011.

MELO, M. C. O. L. Mulheres de sucesso em setores predominantemente masculinos de Belo Horizonte: além do teto de vidro na carreira gerencial. NÚCLEO DE RELAÇÕES DE TRABALHO E TECNOLOGIAS DE GESTÃO - NURTEG. Relatório de Pesquisa. Belo Horizonte, 2011.

MELO, M. C. O. L.; LOPES, A. L. M. Empoderamento de mulheres gerentes: estudo em empresas do setor bancário, industrial e informática de Belo Horizonte-MG. In: COLÓQUIO INTERNACIONAL SOBRE PODER LOCAL, 11, 2009, Salvador, Anais ... Salvador: CIAGS/UFBA, 2009. 1 CD-ROM.

MELO, M. C. O. L.; LOPES, A. L. M. Empowerment de mulheres gerentes: construção de um modelo teórico para análise. IN: ENCONTRO NACIONAL DA ASSOCIAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, 35., 2011, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: ANPAD, 2011. 1 CD-ROM.

MELO, M. C. O. L.; LOPES, A. L. M. Empoderamento de mulheres gerentes: a construção de um modelo teórico de análise. Revista Gestão e Planejamento, Salvador, v. 12, n. 3, p. 648-667, set/dez. 2012.

MELO, M. C. O. L.; LOPES, A. L. M. Uma análise do processo de empoderamento de mulheres gerentes à luz de Melo (2011). In: CONGRESSO INTERNACIONAL ESTADOS GERAIS DA GESTÃO NOS PAÍSES DE EXPRESSÃO LATINA 1., 2012, Lisboa. Anais... Lisboa: EGGPEL, 2012.

MOURÃO, T. M. F.; GALINKIN, A. L. Equipes gerenciadas por mulheres: representações sociais sobre gerenciamento feminino. Psicologia: Reflexão e Crítica, Brasília, v. 21, n.1, p. 91-99. 2007.

MINAYO, M. C. S. (Org.) Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 24. ed. Petrópolis: Vozes 1994.

OLIVEIRA, E. M. Saúde reprodutiva e grupos sociais. O drama da mulher no mundo do trabalho: o ser e o estar. In: GIFFIN, K.; COSTA, S. H. (Orgs). Questões da saúde reprodutiva [online]. Rio de Janeiro: 1999.

PRÁ, J. Políticas públicas, direitos humanos e capital social. In: BAQUERO, M.; CREMONESE, D. (Org.). Capital social: teoria e prática. Editora Unijui. Ijuí, RS, 2006.

RAWAT, P. S. Patriarchal Beliefs, Women's Empowerment, and General Well-being. The Journal for Decision Makers, v. 39, n. 2, p. 43-55, 2014.

ROCHA, C. T. C. Gênero em ação: rompendo o teto de vidro? 2006. 244 p. Tese de Doutorado (Doutorado em Ciências Humanas). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2006.

SCHMIDT, Natalia Taiza. A dupla jornada de trabalho: Reflexões sobre o vínculo da mulher com o trabalho doméstico em contexto de ensino e aprendizagem de sociologia para nível médio. Rev. LENPES- PIBID de Ciências Sociais- UEL, Ed. 1, V.1, p. 1-11, Jan-Jun 2012.

STROMQUIST, N. La busqueda del empoderamiento: en qué puede contribuir el campo de la educación. In: LEÓN, M. (org) Poder y empoderamiento de las mujeres. Bogotá: MT Editores, 1997.

TOURAINE, Alain. O mundo das mulheres. Rio de Janeiro: Vozes, 2007.

TREMBLAY, D. G. Gerentes e a conciliação entre trabalho e família. In: DAVEL, E.; MELO, M. C. O. L. (orgs). Gerência em ação. Rio Janeiro: FGV, 2005.

WEISS, R. S. Learning from strangers: the art and method of qualitative interview studies. New York: Free Press. 1994.




DOI: https://doi.org/10.5902/1983465923671

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

  

   

       

 

------

Revista de Administração da UFSM. Brazilian Journal of Management

Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil, eISSN 1983-4659