A IMPERATIVIDADE DO REORDENAMENTO DO ESPAÇO URBANO E OS CONTRIBUTOS AMBIENTAIS

Jeferson Dytz Marin, Karen Irena Dytz Marin

Resumo


A produção e o consumo hedonista desenfreado norteiam a vida humana na pós-modernidade e, paralelamente, a ocupação das  cidades. Desconsidera-se, nessa esteira, a qualidade de vida, com esteio no avanço do capital e no desprezo aos recursos naturais. A sustentabilidade impõe limites temporais e espaciais na construção da sociedade e na ocupação das cidades. O Plano Diretor e a gestão ambiental urbana com propósitos isentos parecem constituir elementos essenciais na arquitetação de cidades sustentáveis, que integrem o homem a um meio qualitativo e ordenado, com escopo intergeracional. Parece, todavia, que o ponto nevrálgico da questão reside na mudança de paradigma cultural, externada na necessidade de superação do modo de vida individualista, que renuncia a inclusão do outro e elege o conforto e a proteção dos interesses particulares como prioridade inicial. Essa perniciosa conduta sufoca o viver integrado e impede a construção de uma cidade que tenha na cooperação, na inclusão e na valorização dos espaços público o esteio primordial.

 

http://dx.doi.org/10.5902/231630545778


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5902/231630545778

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




 

REDESG - Revista Direitos Emergentes na Sociedade Global

Vinculada ao Programa de Pós-Graduação em Direito da Universidade Federal de Santa Maria - www.ufsm.br/ppgd

 

ISSN 2316-3054      Digital Object Identifier (DOI): 10.5902/23163054

www.ufsm.br/redesg www.facebook.com/redesg

 

 

 

 

Indexações:


Início