PRESENÇA MISSIONEIRA NO RIO GRANDE DO SUL

Ceres Karam Brum

Resumo


Neste texto, para abordar a questão da presença missioneira, pretendo apresentar duas etnografias efetuadas a partir de trabalhos de campo realizados no Rio Grande do Sul. As mesmas remetem a processos de identificação significados, pelos grupos pesquisados, como identidades gaúchas e à vivência do mito do gaúcho. Nas duas situações, que nomeio como: São Nicolau a primeira querência do Rio Grande e o Esta Terra tem Dono, de Sepé Tiaraju, observei que a teoria das tradições inventadas de Eric Hobsbawn e Terence Ranger (1984) é insuficiente para tentar entendê-las como diacríticos acionados para produção de identidade. Neste sentido, desejo propor uma breve reflexão sobre a necessidade de revisão da questão relativa à análise da história das apropriações na construção social das identidades (Bourdieu: 1989), apontando para uma discussão sobre as noções de pertencimento e reconhecimento, conforme a perspectiva de Paul Ricoeur (2006).


Palavras-chave


Identidades; Etnografia; Rio Grande do Sul.

Texto completo:

PDF




 

Revista Sociais e Humanas (ISSN online 2317-1758)

Universidade Federal de Santa Maria | Centro de Ciências Sociais e Humanas

Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil.

E-mail: revistaccsh@gmail.com | Telefone: (55) 32208522


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.