A GRANDE FESTA DAS GRAÇAS: PESSOAS, RITOS E MILAGRES NA ROMARIA DE SANTO ANTÃO, EM SANTA MARIA, RS

Robinson Fernando Alves

Resumo


Por volta de 1848, iniciou-se em Campestre, Santa Maria, RS, a popular Romaria de Santo Antão, liderada pelo asceta João Maria de Agostinho, o “santo monge” ou solitário eremita de Campestre e Botucaraí. O trabalho tem por principal objetivo desvendar e conhecer os atores envolvidos no evento religioso de Santo Antão, bem como, aprofundar as características da tradicional “festa” do Campestre. Outrossim, saber por que a população se integra ao culto também foi intuito pelo qual se procedeu ao estudo do evento. Partiu-se de um ponto de vista histórico, antropológico e cultural que dá visibilidade aos romeiros, peregrinos, moradores do lugar e clero, com destaque à versão da população que ingressa na Romaria. Também se analisou as diversas formas em que o religioso, o social e o pragmático se manifestam no evento. Intuiu-se conhecer de que forma e por qual motivo o profano se integra ao sagrado e vice-versa. Enfim, atentou-se para a diversidade da Romaria e para o caráter coletivo das relações humanas e religiosas.

Palavras-chave


Romaria; Povo Cristão; Igreja Católica.

Texto completo:

PDF




 

Revista Sociais e Humanas (ISSN online 2317-1758)

Universidade Federal de Santa Maria | Centro de Ciências Sociais e Humanas

Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil.

E-mail: revistaccsh@gmail.com | Telefone: (55) 32208522


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.