CRIANÇAS E ADOLESCENTES: DOS DIREITOS FORMALMENTE RECONHECIDOS À INSUFICIÊNCIA DE SUA CONCRETIZAÇÃO E O CRESCENTE PROCESSO DE JUDICIALIZAÇÃO

Carla Rosane Bressan, Antonia Demétrio

Resumo


O presente artigo busca refletir sobre o contexto contraditório de “direitos formalmente reconhecidos” e a insuficiência ou ausência de sua concretização via política pública. É nesse embate que tem crescido a busca de acesso aos direitos pela via da Justiça. Nesse ano de 2020, em que o Estatuto da Criança e Adolescente (ECA) completa 30 de promulgação, é fundamental pautar a presente discussão, uma vez que tem ocorrido o aumento dos processos de judicialização envolvendo as políticas sociais básicas, de modo especial no campo da criança e adolescente. Dessa forma, procura-se caracterizar a atenção à Educação Básica e à Saúde no âmbito das referidas políticas no Estado de Santa Catarina, levantando as principais faltas e/ou omissões da intervenção pública; e, como consequência, sinalizar o aumento de demandas que têm chegado ao Ministério Público Estadual (MP/SC), envolvendo essa área. Como resultado do estudo, verificou-se que entre 2014 e 2018 houve um aumento significativo no número de processos em tramitação no MP/SC envolvendo a atenção a crianças e adolescentes, sinalizando a ausência do Estado na oferta de políticas públicas universalizantes. Conclui-se ainda que, apesar de transcorridos trinta anos da promulgação do Estatuto, infelizmente crianças e adolescentes ainda continuam tendo seus direitos básicos violados.


Palavras-chave


Criança e Adolescente; Judicialização; Política Pública; Saúde; Educação.

Texto completo:

PDF

Referências


Referências bibliográficas:

ANDRADE, V. R. A colonização da justiça pela justiça penal: potencialidades e limites do Judiciário, na era da globalização neoliberal. Revista Katalysis, v. 9, n. 1, 2006, p.11-14.

AROUCA, Sergio. Saúde é Democracia. Anais 8ª Conferência Nacional de Saúde, 1986. Brasília: Centro de Documentação do Ministério da Saúde, 1987, p. 35-47.

AURIGLIETTI, Rosangela Cristina Rocha. Evasão e Abandono Escolar: Causas, conseqüências e alternativas – o combate à evasão escolar sob a perspectiva dos alunos. In: Os Desafios da Escola Pública Paranaense na Perspectivado Professor PDE. Paraná: 2014, v. 1, p. 1-21 Disponível em: http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/cadernospde/pdebusca/producoes_pde/2014/2014_ufpr_ped_artigo_rosangela_cristina_rocha.pdf. Acesso em: 25 de mar. 2020.

BAPTISTA, Myrian Veras. Algumas reflexões sobre o sistema de garantia de direitos. Serviço Social e Sociedade. São Paulo: Cortez, n.109, jan/mar.2012.

BEHRING, Elaine Rossetti; BOSCHETTI, Ivanete. Política Social: fundamentos e história. São Paulo, Cortez, 9ª ed. 2011.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Congresso. Senado. 1988. Disponível em: . Acesso em: 27 de junh. de 2019

BRASIL. Estatuto da Criança e do Adolescente. Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990. Disponível em: . Acesso em: 27 de junho. de 2019.

BRASIL. Congresso. Senado Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece As Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Disponível em:. Acesso em: 25 dez. 2019.

CARVALHO, José Murilo de. Cidadania No Brasil: o longo caminho. Civilização Brasileira 24ª edição. Rio de Janeiro 2018.

CONSELHO ESTADUAL DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE. Diagnóstico da Realidade Social da Criança e do Adolescente do Estado de Santa Catarina. Florianópolis, 2018. SDS. Disponível em: http://www.sds.sc.gov.br/index.php/conselhos/cedca/diagnostico-da-realidade-social-da-crianca-e-do-adolescente-do-estado-de-santa-catarina Acesso em 30 de julho de 2019.

COUTO, Berenice Rojas. O Direito Social e a Assistência Social na Sociedade Brasileira: uma equação possível? São Paulo Cortez, 2010.

ESTEVES, D.C.R. Cidadania e judicialização dos conflitos sociais. Revista de Direito Público. V. 04. Nº 02. Londrina: maio/ago, 2006, p. 41-54.

GORENDER, Jacob. O Escravismo Colonial. São Paulo: Expressão Popular, 2016.

IAMAMOTO, Marilda. Serviço Social em Tempos de Capital Fetiche. São Paulo, Cortez 2015.

LÊNIN, Vladimir Ilich. Imperialismo, Estágio Superior do Capitalismo. São Paulo, Editora Expressão Popular. 2012.

MÉSZARÓS, Istevan. Para Além do Capital: rumo a uma teoria da transição. São Paulo: Boitempo, 2002.

PEREIRA, Camila Potyara. Proteção social no Capitalismo: crítica a teorias e ideologias conflitantes. São Paulo, Cortez 2016.

PIERINI, Alechandre José; SANTOS, Sonia Maria Cardoso dos. O Combate à infrequência escolar de Crianças e Adolescentes: A participação da rede de proteção social no programa a Apoia. Revista Brasileira Multidisciplinar. São Paulo v. 19, n. 1, p. 92-107, jul. 2016. Disponível em: http://revistarebram.com/index.php/revistauniara/article/view/369/330. Acesso em: 25 de mar. De 2020.

SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO. Indicadores Educacionais de Santa Catarina. Diretoria de políticas e planejamento Educacional. Florianópolis, 2017. Disponível emhttp://www.sed.sc.gov.br/servicos/indicadores-educacionais/28427-indicadores-educacionaisacesso em 29 de abr. de 2019.

SÍCOLI, Juliana Lordello; NASCIMENTO, Paulo Roberto do. Promoção de Saúde: concepções, princípios e operacionalização. In.: Rev. Interface - Comunicação, Saúde, Educação. v.7, n.12, 2003, p.91-112.

SIERRA, V. M. A judicialização da política no Brasil e a atuação do assistente social na justiça. Revista Katalysis, v. 14, n. 2, 2011, p.256-264.

SILVA, Maria Liduína de Oliveira e. O Estatuto da Criança e do Adolescente e o Código de Menores: descontinuidades e continuidades. In.: Revista Serviço Social e Sociedade. São Paulo Cortez, ano XXVI, n. 83 set. 2005. Pag. 30-48.

WERNECK VIANNA, Luiz. A judicialização da política no Brasil, In WERNECK VIANNA, Luiz et alii, A judicialização da política e das relações sociais no Brasil. Rio de Janeiro: Editora Revan, 1999, p. 47–70




DOI: https://doi.org/10.5902/2317175843218

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

 

Revista Sociais e Humanas (ISSN online 2317-1758)

Universidade Federal de Santa Maria | Centro de Ciências Sociais e Humanas

Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil.

E-mail: revistaccsh@gmail.com | Telefone: (55) 32208522


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.