A CONSTRUÇÃO DO CORPO SEXUADO: UMA REFLEXÃO SOBRE OS SIGNIFICADOS DE GÊNERO E DE COMO ESTE SE ARTICULA COM O CORPO

Thayse Figueira Guimarães

Resumo


A despeito dos diversos modos de compreender os corpos sexuados e teorizar sobre eles, argumenta-se, neste artigo,  que o processo de naturalização das diferenças sexuais e a patologização das identidades sociais perpetuam regimes de verdades que relacionam corpos inteligíveis a expressões de gênero, compreendidas como verdadeiras e/ou originais. Sob essa perspectiva, proponho, com base no  pensamento de Judith Butler, questionar o processo de normatização do corpo sexuado, com vista a causar fricções na norma segundo a qual se qualifica o humano. Parto do pressuposto que a natureza do corpo sexuado é “naturalizada” e que o gênero é um conceito-chave para entendermos a materialidade do sexo e como ele se faz passar por natural.  Para isso, além de desenvolver a noção butleriana de materialidade corpórea, apresento também a perspectiva foucaultiana dos regimes de saber-poder que constituem os sujeitos sexuados. Trago ainda a perspectiva histórica desenvolvida por Laquer sobre a passagem do isomorfismo para o dimorfismos. Tais perspectivas mostram o corpo sexuado ligado a uma historicidade, sendo parte de uma economia discursiva de uma determinada época e cultura.


Palavras-chave


Corpo; Gênero; Materialidade ; Sexualidade; Sujeito

Texto completo:

PDF




 

Revista Sociais e Humanas (ISSN online 2317-1758)

Universidade Federal de Santa Maria | Centro de Ciências Sociais e Humanas

Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil.

E-mail: revistaccsh@gmail.com | Telefone: (55) 32208522


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.