SAÚDE BÁSICA EM PERNAMBUCO: ANTES E APÓS O PROGRAMA MAIS MÉDICOS

MARCIO NUNES DA SILVA, Mauricio Assuero Lima de Freitas

Resumo


Com o objetivo de melhorar as questões relacionadas com a assistência básica, dentre as quais a falta de médicos nas unidades hospitalares, principalmente no interior dos estados, o governo criou um programa denominado Mais Médicos, com foco no recrutamento de profissionais de diversas nacionalidades, para atendimento ambulatorial em pontos críticos. Nesse contexto, o objetivo deste trabalho foi evidenciar os impactos na saúde básica de Pernambuco após a implantação do Programa Mais Médicos (PMM). Os dados da pesquisa foramcoletados, no site do DATASUS, especificamente no que concernem as informações sobre o número de consultas, número de óbitos por causas evitáveis, número de internações e valores por serviços hospitalares. Foram realizados testes qui-quadrado e utilizado um modelo de regressão linear para inferir a relação entre o número de óbitos no Estado de Pernambuco (variável dependente) e o número de consultas (variável independente). Os resultados evidenciaram que apenas 26,59% das variações do número de óbitos são explicadas pelas variações da variável “número de consultas” e numa análise qualitativa mediante o uso de uma variável dummy, observou-se que não há diferença entre o valor esperado médio do número de óbitos antes e depois da adoção do programa. Pode-se inferir que a variável “número de consultas” foi estatisticamente significativa.


Palavras-chave


Saúde Básica; SUS; Programa Mais Médicos

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5902/2317175825440

  

 

Revista Sociais e Humanas  (ISSN online 2317-1758)

Universidade Federal de Santa Maria

Centro de Ciências Sociais e Humanas

Rio Grande do Sul, Brasil.

E-mail: revistaccsh@gmail.com

Fone (55) 32208522