O “Farnordeste” Histórico-Cinematográfico: Coronéis, Virgulino Ferreira e Bang-bang no Sertão Brasileiro

Alexandre Maccari Ferreira, Giselle Cassol

Resumo


Uma parcela de produções cinematográficas brasileiras, a partir da década de 1950, procurou inserir em sua estrutura de composição fílmica questões como: o enfoque a aspectos históricos: a verossimilhança dos eventos retratados; a identificação nacional com os temas trabalhados; e o propósito de recriar, transportando o cenário do sertão nordestino do Brasil para um modelo estético relacionado ao cinema dos Estados Unidos, o que se observa nas produções relacionadas ao gênero western (faroeste), equiparado ao neologismo “farnordeste”. Neste trabalho, analisaremos primordialmente os filmes Baile Perfumado (1996), de Paulo Caldas e Lírio Ferreira e O Cangaceiro (1997), de Aníbal Massaini Neto, com o objetivo de verificar a perspectiva dos pontos de vista do cangaço no cinema, relacionando e entrecruzando com temas transversais pertinentes ao estudo da República Velha no Brasil, tais como as revoltas sociais de Canudos e do Contestado, mas, principalmente, enfocando as suas relações com a questão do coronelismo e com o modelo de bandido atribuído a Lampião, além de abordar a produção da estética da representação cinematográfica. Dessa forma, o estudo entre cinema e história acerca desse tema é relevante no sentido de propiciar a compreensão das diversas representações artísticas e históricas, de um determinado evento ou personagem.

 


Palavras-chave


Cinema e história; Cangaço; Western/"Farnordeste"

Texto completo:

PDF




 

Revista Sociais e Humanas (ISSN online 2317-1758)

Universidade Federal de Santa Maria | Centro de Ciências Sociais e Humanas

Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil.

E-mail: revistaccsh@gmail.com | Telefone: (55) 32208522


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.