A Posição dos Jornais Brasileiros Perante a Guerra nas Malvinas

Antônio Lídio de Mattos Zambon

Resumo


Este artigo delineia a Guerra das Malvinas ocorrida em 1982, a partir da posição da imprensa escrita brasileira. Discutimos questões teóricas envolvendo o discurso jornalístico para  análise das posições dos jornais. A seguir, apresentamos um breve panorama da Argentina e da Grã-Bretanha. Os jornais segundo seus editoriais podem ser divididos em dois grupos, os do centro do país, de um modo geral, apresentam posições favoráveis a Grã-Bretanha. Enquanto, jornais do sul do país defenderam posições pró-Argentina apesar de condenar o confronto bélico. Concluímos que a Guerra das Malvinas foi uma tentativa frustrada dos militares argentinos, de manter o regime. A vitória militar da Grã-Bretanha fortaleceu a primeira ministra Margaret Thatcher e os governistas. Na Argentina, a derrota militar afastou os militares do apoio popular levando à abertura política. A imprensa brasileira defendeu posições contraditórias sobre as Malvinas, reflexo das contradições da conjuntura política do momento e de diferentes interesses.


Palavras-chave


Guerra das Malvinas; Posição, Imprensa brasileira

Texto completo:

PDF




 

Revista Sociais e Humanas (ISSN online 2317-1758)

Universidade Federal de Santa Maria | Centro de Ciências Sociais e Humanas

Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil.

E-mail: revistaccsh@gmail.com | Telefone: (55) 32208522


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.