Internacionalizao da Educao Superior: Lugar, Sujeito e Pesquisa como categorias substantivas de anlise

Internationalization of Higher Education: Subject, Place and Research as substantive categories of analyzes

Marlize Rubin Oliveira

Professora doutora na Universidade Tecnolgica Federal do Paran, Pato Branco, Paran, Brasil.

rubin@utfpr.edu.br https://orcid.org/0000-0003-3234-7562

 

Hamilton de Godoy Wielewicki

Professor doutor na Universidade Federal de Santa Catarina, Florianpolis, Santa Catarina, Brasil.

h.g.wielewicki@ufsc.br https://orcid.org/0000-0003-0238-141X

 

Giovanna Pezarico

Professora doutora na Universidade Tecnolgica Federal do Paran, Curitiba, Paran, Brasil.

gpezarico@utfpr.edu.br https://orcid.org/0000-0001-5576-6685

 

Recebido em 17 de junho de 2018

Aprovado em 29 de agosto de 2018

Publicado em 17 de dezembro de 2019

 

RESUMO

A internacionalizao uma questo de interesse crescente no contexto da Educao Superior (ES), principalmente pelos impactos da globalizao dentro das instituies ao longo das ltimas dcadas. Este artigo busca aprofundar a anlise de conceitos, polticas e aes orientadoras da internacionalizao da ES, a partir de trs instituies norte-americanas - Massachusetts Institute of Technology, Harvard University e Columbia University. O caminho metodolgico foi percorrido a partir da abordagem qualitativa com entrevistas semiestruturadas, observaes e anlise documental, a partir de duas questes de investigao:1) Que concepes de internacionalizao de ES esto presentes nas instituies? e 2) Que polticas e aes de internacionalizao esto presentes nas instituies? Trs categorias substantivas foram identificadas: Sujeito, Lugar e Pesquisa. Essas, por sua vez, expressam conceitos que sustentam polticas e aes de internacionalizao. Os Sujeitos, em vez de indivduos desprovidos de sua identidade, foram identificados como o ponto de partida e a fora motriz dos processos de internacionalizao. Os Lugares so espaos inerentemente repletos de contradies e possibilidades, reunindo Sujeitos que podem contar com apoio e meios para construir pontes para atuar dentro de zonas de fronteira, em esforos interdisciplinares de Pesquisa para abordar questes complexas que afetam a humanidade.

Palavras-chave: Internacionalizao; Educao Superior; Universidade de Classe Mundial.

 

ABSTRACT

The internationalization is an in issue of growing interest within the context of Higher Education (HE), especially due to the impacts of globalization upon the institutions alongside the past few decades. This paper aims at furthering the analysis of concepts, policies and actions of internationalization of HE, based on three north American institutions - Massachusetts Institute of Technology, Harvard University and Columbia University. A qualitative methodological approach was used, with semi structured interviews, observations and documental analysis carried out regarding two issues of inquiry: 1) What conceptions of internationalization of HE are present in those institutions? and 2) What policies and actions of internationalization are present in the institutions? The substantive categories have been identified: Subject, Place and Research. Those categories, in their turn, express concepts that sustain policies and actions of internationalization. The Subjects, rather than individuals devoid of their identity, have been identified as both the starting point and driving force of the processes of internationalization. Place are spaces inherently plenty of both contradictions and possibilities, gathering Subjects who could count on support and means that enable them to construct bridges to perform within borderline zones, based on an interdisciplinary approach to research in order to address some of the complex issues affecting the human kind.

Keywords: Internationalization; Higher Education; World Class Universities.

Introduo: um olhar sobre a internacionalizao da Educao Superior

Este artigo parte dos resultados de um projeto intitulado Desafios da Internacionalizao da Educao Superior: Universidades de Classe Mundial[1], tendo como foco deste recorte aprofundar a anlise de conceitos, polticas e aes orientadoras da internacionalizao da Educao Superior, a partir de trs instituies norte-americanas - Massachusetts Institute of Technology (MIT), Harvard University e Columbia University.

A pesquisa tem origem em algumas inquietaes trazidas nas ltimas dcadas pelos movimentos da globalizao do capital e seus impactos na Educao Superior (ES) (ZAJDA; RUST, 2016; ALTBACH, 2004; JONES et al. 2016). A chamada sociedade global e o consequente aumento do papel atribudo ES e suas dimenses internacionais, definiram agendas, polticas e aes de internacionalizao das instituies. Aparentemente de modo paradoxal, ao mesmo tempo surgem movimentos no necessariamente conectados entre si de fechamento de fronteiras, de ataques liberdade acadmica e de antiglobalismo. Na Europa, o Brexit, nos Estados Unidos, as polticas antimigratrias e no Brasil ataques autonomia universitria e acadmica - para citar alguns movimentos contemporneos que criam assimetrias entre e dentro de pases e instituies.

A internacionalizao da ES cresceu tambm em importncia estratgica entre as associaes de ES em todo o mundo. Na Europa, uma pesquisa da European University Association (EUA, 2013) indicou que a maioria das universidades tem pensado estrategicamente sobre internacionalizao, tem uma estratgia em vigor e/ou quer melhorar essa estratgia. A EUA (2018) tem apoiado as universidades europeias para se internacionalizar atravs de vrios projetos e servios. Isso inclui projetos como MAUNIMO - Mapping University Mobility of Students and Staff; ALISIOS - Academic Link and Strategies for the Internationalization of the Higher Education Sector e FRINDOC - Framework for the Internationalization of Doctoral Education. Outro programa que se destaca o Horizon 2020 (HORIZON, 2018), este um Programa de Investigao e Inovao da Unio Europia (UE) com quase 80 mil milhes de euros de financiamento, disponibilizados ao longo de 7 anos (2014 a 2020) e que, para alm do investimento, promete mais descobertas e inovaes, levando grandes ideias do laboratrio para o mercado (HORIZON, 2018).

Nos Estados Unidos, o Mapping (ACE, 2017) um projeto do Center for Internationalization and Global Engagement (CIGE) da American Council Education (ACE) em sua quarta edio. O CIGE fornece anlise de questes crticas de educao internacional e administra programas e servios para apoiar estratgias de internacionalizao e de envolvimento global das instituies de ensino superior norte americanas.

Um princpio central que sustenta a pesquisa e os programas do CIGE [o da] internacionalizao abrangente, como um processo estratgico e coordenado que busca alinhar e integrar polticas, programas e iniciativas internacionais e posiciona faculdades e universidades como mais globalmente orientadas e instituies internacionalmente conectadas (ACE, 2017, p.1, traduo livre).

Na Amrica Latina, a Conferncia Regional de Educao Superior (CRES, 2018), j em sua terceira edio a primeira em Havana (Cuba), em 1996; a segunda em Cartagena de Indias (Colmbia) e a terceira em Crdoba (Argentina), 2018 - tem se destacado como espao de reflexo e integrao da ES da Amrica Latina e Caribe, com vistas integrao Conferncia Mundial de Educao Superior, a ser realizada em Paris (Frana) em 2019.

Alm disso, os rankings internacionais e seus indicadores trouxeram, como um de seus resultados, a visualizao de um conjunto de instituies que, por seu impacto, reputao e relevncia, foram denominadas e passaram a corporificar o conceito de World Class Universities (WCU) (ALTBACH; SALMI, 2011; SALMI, 2009; HAZELKORN, 2011; ALTBACH; WIT; RUMBLEY, 2016). Esse conceito de universidades de classe mundial, por sua vez, tem influenciado polticas e aes de educao superior ao redor do mundo. No Brasil, o volume e o alcance das pesquisas sobre o tema se avolumou (SILVA JUNIOR, 2017; LEITE; GENRO, 2012), principalmente a partir da criao dos primeiros rankings internacionais Times Higher Education e Shangai no incio dos anos 2000. Por vrias razes, os rankings tm sido destaque em polticas e projetos tanto no que se refere s agncias de financiamento quanto s instituies, assim como tm influenciado a reproduo de sua prpria lgica, por meio da elaborao de rankings nacionais, a exemplo do Ranking das Universidades da Folha (RUF).

Apesar das diferenas de foco, abrangncia e abordagem, esses movimentos parecem compartilhar um tipo de definio comumente aceita de internacionalizao como processo intencional de integrar dimenso internacional ou global Educao Superior (KNIGHT, 2004; WIT, 2018; MOROSINI, 2006). Assim, conceitos e movimentos de internacionalizao da ES passam no apenas a integrar o debate, mas tambm a influenciar polticas e aes em nvel de sistema, bem como dentro das instituies, com impacto direto na vida acadmica.

Imersa neste debate, esta pesquisa busca aprofundar a compreenso de conceitos, polticas e aes de internacionalizao a partir de um conjunto de instituies analisadas, recorrentemente associadas ao conceito de universidades de classe mundial. A ideia contribuir com o debate visando ampliar a compreenso a partir de instituies que tm influenciado a ES tanto no que se refere aos resultados de pesquisas e formao profissional, mas acima de tudo como modelo prototpico de universidade moderna[2], que acaba se mesclando com a prpria ideia do que hoje conhecemos por universidade.

Nosso argumento que a possibilidade de explorar o tema da internacionalizao a partir de visitas tcnicas a instituies de imenso destaque no cenrio da ES mundial, pode trazer outras dimenses e categorias que contribuem para repensar nossa prpria prtica no contexto brasileiro. Aprofundar o tema da internacionalizao a partir de dilogos reflexivos com instituies que se encontram no chamado centro hegemnico amplia nossas possibilidades de anlise para alm do olhar contemplativo, apontando categorias concretas para autorreflexo, inclusive no que diz respeito a elencar uma abordagem decolonial (MIGNOLO, 2017; PETERS, 2017; SANTOS, 2015; FREIRE, 2015), aqui compreendida como pluri ou multiuniversal e que no se prope como nico caminho ou opo, mas como apenas uma dentre muitas possibilidades que podem at mesmo funcionar ou ser acionadas juntas. Nesse sentido, o cosmopolitismo decolonial pode ser pensado como um localismo cosmopolita (MIGNOLO, 2017).

Os resultados e reflexes da pesquisa esto aqui organizados em quatro sees. Na introduo apresentamos os objetivos, principais inquietaes, justificativas e conceitos necessrios a uma adequada discusso dos temas elencados na pesquisa. A segunda seo, dedicada ao desafios metodolgicos, atravs da apresentao e justificativa das escolhas e na qual tambm so detalhadas as etapas da pesquisa de campo, na tentativa de mostrar desafios e riquezas do processo. A terceira seo dedicada a discutir os achados do campo de investigao, trazendo trs categorias substantivas construdas: Lugar, Sujeito e Pesquisa. Por fim, as consideraes finais buscam sumarizar as principais concluses (provisrias) da pesquisa.

Percurso (e desafio) Metodolgico

A caracterstica qualitativa da pesquisa (BOGDAN; BIKLEN, 2007), com foco na pesquisa exploratria (MINAYO, 2000) e pesquisa documental (BOGDAN; BIKLEN, 2007) sustenta possibilidades metodolgicas necessrias para o processo de investigao. Cautelosamente nos cabe aventar que a posio de privilgio no processo de investigao (MCCORKELL; MYERS, 2003; JOHNSON-BAILEY, 2003) nos estudos de pesquisa qualitativa, discute e aponta caminhos para pesquisadores nessa posio que poderia ser imputada como de privilgio (como seria o caso do pesquisador atuando, por exemplo, no cho de fbrica ou na escola). Contudo, esses estudos no nos ofereceram subsdios para a posio no privilegiada a qual nos encontramos, muitas vezes presente apenas no imaginrio dos pesquisadores. As escolhas realizadas para a realizao desta pesquisa resultaram, ao fim e ao cabo, em um olhar da periferia, mas que se postula central discusso do tema, portanto de modo no-perifrico. Assim, os desafios metodolgicos, sempre complexos no processo de pesquisa, nesta investigao nos levaram professores pesquisadores oriundos de um pas perifrico no que se refere internacionalizao da ES a fazer escolhas autorreflexivas constantes, visando ultrapassar preconceitos ou uma descrio meramente contemplativa dos fenmenos. Trata-se, portanto, para alm do contemplativo e descritivo, de pesquisar especialmente a partir dos limites e das possibilidades que o lugar que ocupamos como pesquisadores (a periferia) nos permite, mediados pela interculturalidade e pela riqueza de nossos lugares.

A escolha - intencional e planejada das trs instituies - MIT, Harvard e Columbia - se sustenta em dois fatores principais. O primeiro que so instituies classificadas como WCU no topo dos rankings internacionais, com papel histrico e gnese na modernidade na construo do conceito de universidade que conhecemos na contemporaneidade. Com a emergncia dos Estados Unidos potncia mundial aps a segunda guerra mundial, essas instituies ocuparam papel de destaque no cenrio global em se tratando de educao superior. Com caractersticas diferenciadas, elas abrangem todos os campos da cincia. O MIT (2018) carrega na sua gnese a caracterstica do ensino e da pesquisa - com relevncia para o mundo prtico como princpio orientador. Harvard (2018) a instituio de Educao Superior mais antiga dos Estados Unidos, dedicada formao de lderes mundiais, atravs da educao, das artes e das cincias. Columbia (2018), por sua vez, reconhece a importncia de sua localizao na cidade de Nova York e procura vincular sua pesquisa e ensino aos vastos recursos de uma grande metrpole.

O segundo fator que sustentou as escolhas das instituies foi a proximidade geogrfica. Foi necessrio considerar o tempo para realizao das visitas e deslocamentos frente aos recursos financeiros do projeto. Alm disso, com objetivo de compreender e aprofundar conceitos de internacionalizao da ES e visando uma maior aproximao com o objeto de estudo, foram realizadas duas outras visitas tcnicas s instituies com simblica e concreta fora poltica no cenrio da Educao Superior norte americana e mundial: World Bank - Banco Mundial (WB) e The American Council on Education (ACE). O Banco Mundial, em razo de seu papel de fomento a investimentos em todo o mundo, tem forte papel indutor na construo de polticas pblicas de educao, em geral, principalmente em pases perifricos e tambm conta com um setor especfico para a Educao Superior. O ACE a principal organizao, estruturada como um conselho que rene representantes da ES dos Estados Unidos. Essas visitas tcnicas cumpriram o papel de compreender mecanismos de ao no campo da educao, caso do Banco Mundial, e estabelecer contato com um centro catalisador de estudos sobre internacionalizao, caso do ACE. Os documentos obtidos nessas duas visitas desempenham papel auxiliar e esto presentes nas anlises aqui realizadas.

O Quadro 1 traz indicadores que ajudam a compreender os loci de investigao.

Quadro 1 - Indicadores MIT, Harvard e Columbia

INDICADORES

MIT

HARVARD

COLUMBIA

Fundao

1861

1636

1754

Estudantes

11.466

22.000

32.429

Professores

1.914

2.459

4.114

Ranking Times

5

6

14

Ranking Shangai

4

1

8

Prmios

89 Nobel Laureates

58 National Medal of Science winners

29 National Medal of Technology and Innovation winners

48 MacArthur Fellows

15 A. M. Turing Award winners

48 Nobel Laureates

32 Heads of State

48 Pulitzer Prize winners

83 Nobel Laureates

Estudantes internacionais

43%

21%

35%

Pesquisadores visitantes e alunos de doutorado internacionais

2.379

4.951

3.300

Pases representados

129

200

151

Estruturas no exterior

75

21

9

Fonte: MTI-Facts (2018); Harvard-Worldwide (2018); Harvard Fact Book (2018) e Columbia-Statistics & Facts (2018).

 

No que se refere coleta de dados, a opo pelas visitas tcnicas visou aprofundar os objetivos da pesquisa a partir de reunies, entrevistas semiestruturadas e observaes. As visitas foram realizadas entre 05 e 19 de fevereiro de 2018. Os contatos iniciais ocorreram em outubro de 2017 e definidos a partir dos endereos disponibilizados nas pginas (web) institucionais ou atravs dos gabinetes dos Presidentes (Reitores). A partir dos contatos iniciais, as agendas e interlocutores foram definidos pelas prprias instituies.

As visitas foram pautadas em duas questes centrais de investigao: 1) Que concepes de internacionalizao de ES esto presentes nas instituies? e 2) Que polticas e aes de internacionalizao esto presentes nas instituies?

Assim, ocorreram 08 encontros com tempo mdio de 40 minutos, com 12 interlocutores que ocupam posio institucional do nvel estratgico, administrativo ao operacional. No processo de coleta de dados foram 6 entrevistas semiestruturadas com assinatura de Informed Consent Form. E com 6 interlocutores, que ocupam posio institucional estratgica, foram realizadas reunies de trabalho e estabelecidos dilogos, com foco nas questes de pesquisa e experincias administrativas no processo de internacionalizao.

A partir dessa dinmica o processo foi conduzido em duas etapas principais. Primeira, durante as reunies (entrevistas e dilogos) foram realizadas notas de campo (BOGDAN; BIKLEN, 2007). Com o objetivo de ultrapassar a traduo, a estratgia foi utilizar notas na lngua inglesa como ponto de partida para a segunda etapa. Esta consistiu na anlise das notas a partir do dilogo autorreflexivo e intenso entre os pesquisadores, buscando convergncias, dissonncias e diferenas nas falas dos interlocutores, a partir da compreenso de idiossincrasias e particularidades entre as diferentes culturas envolvidas, na posio institucional ocupada e no contexto de pas central. Nesse processo, ocorreu a construo de um quadro sntese a partir das 3 categorias definidas a priori, e inserido um quarto ponto de observaes. As notas de observaes foram construdas tambm, como sugerem Bogdan e Biklen (2007), a partir do olhar autorreflexivo durante os deslocamentos, reunies e entrevistas, tendo sido fundamentais para construo de sentidos e significados que denominamos de "filtro analtico da pesquisa, o que foi constitutivo para construo das categorias substantivas (MAXWELL, 2013).

Por fim, a anlise documental contribuiu no processo de triangulao da investigao. Durante as visitas tcnicas, documentos institucionais foram sugeridos e incorporados anlise. Como resultado do processo de coleta e anlise de dados, trs categorias substantivas (MAXWELL, 2013) foram identificadas: Lugar, Sujeito e Pesquisa. Estas sero objeto da prxima seo. O quadro a seguir busca sintetizar os dados coletados.

Quadro 2 - Sntese dos Dados Coletados

INTERLOCUTORES

DOCUMENTOS

OBSERVAES

Provost/Director (n=3)

Staff (n=5)

Faculty (n=4)

Misso e Viso

Office International Education

Website Institutional

Lester (2017) A global strategy for MIT

Harvard (2018) - Policies on International Projects and Sites

Columbia (2017) World Projects

Gabinetes e salas

Cafs e bookstore

Bibliotecas

Museus

Corredores

Ptios

Fem (n=7)

Male (n=5)

 

Fonte: Dados de Pesquisa

 

Lugar, Sujeitos e Pesquisa: categorias de internacionalizao

A categoria Lugar aparece como fundamental no que se refere internacionalizao da Educao Superior (ES). uma categoria construda por um lado a partir da compreenso do lugar que as instituies ocupam no mundo e por outro, da construo da conscincia dos sujeitos no lugar que ocupa. Compreendemos a categoria substantiva Lugar (SANTOS, 2015; ESCOBAR, 2005) como espaos de contradio, enriquecidos com caldo cultural necessrio proposio e ao exerccio de novas interpretaes. A categoria Sujeito compreendida a partir do Sujeito (FREIRE, 2015) que se constri na e pela prxis; autnomo, coletivo, comprometido, que pode atuar de forma crtica, prospectiva e propositiva. Sujeito, tal qual concebido aqui, ocupa o Lugar de forma pragmaticamente consciente do seu papel, tanto para manuteno dos espaos hegemnicos quanto para a possibilidade de tensionamentos. Esse Sujeito capaz de dialogar para alm das fronteiras do conhecimento estabelecido pela cincia moderna, assim como capaz de trabalhar nas zonas de fronteira e construir pontes entre saberes hegemnicos e no hegemnicos. A categoria Pesquisa aparece como produo de conhecimento cientfico. A Pesquisa concebida aqui como interdisciplinar pela natureza e pela complexidade dos objetos que se propem (RAYNAUT, 2011). A categoria Pesquisa, nesse quadro, busca trazer resultados vida prtica e ao avano do conhecimento terico-filosfico, mas sobretudo compreendida como no neutra, situada histrica e socialmente, precisando ultrapassar fronteiras de conhecimento estabelecidos pela cincia, assim como pelas fronteiras geopolticas.

O Quadro 3 apresenta as trs categorias com excertos dos documentos institucionais analisados que ajudam compreender conceitos que sustentam polticas e aes de internacionalizao da ES.

Quadro 3 - Lugar, Sujeito e Pesquisa: categorias substantivas.

CATEGORIAS

MIT*

HARVARD**

COLUMBIA***

Lugar

Aprender sobre o mundo, ajudar a resolver os maiores problemas do mundo e trabalhar com colaboradores internacionais que compartilham nossa curiosidade e compromisso com a investigao cientfica rigorosa so valores fundamentais para o MIT.

Nosso robusto compromisso com a internacionalizao no um acessrio acidental ou dispensvel. parte integral de tudo o que fazemos, no laboratrio, na sala de aula, nas conferncias, no mundo.

H trs etapas principais no pensamento que leva aos Columbia World Projects (CWP), comeando com uma compreenso dos pontos fortes, bem como dos pontos potencialmente fortes de universidades de pesquisa [como Columbia], a partir da para o estado do mundo e suas necessidades prementes e, finalmente, para o delineamento geral dos CWP.

Sujeito

Membros do corpo docente individualmente iniciam e implementam a maioria das atividades internacionais do MIT. O papel da administrao do MIT incentivar e apoiar essas atividades e salvaguardar a liberdade dos membros do corpo docente para realiz-las.

Temos que atrair e apoiar os alunos e professores mais talentosos e fornecer-lhes os recursos para fazer o seu trabalho da melhor forma. Devemos sustentar a notvel comunidade de pesquisadores, professores e alunos, que so o corao e o motor de tudo o que aspiramos ser e fazer.

Os Centros Globais de Columbia facilitam o envolvimento colaborativo de professores, alunos e ex-alunos da Universidade com o mundo, para melhorar a compreenso, enfrentar os desafios globais e fazer avanar o conhecimento.

Pesquisa

Na pesquisa esta ideia [de uma universidade movida pelo impacto] reflete a tendncia crescente de organizar colaboraes interdisciplinares em torno de problemas sociais complexos - energia, gua, alimentos, transporte, segurana, sade, qualidade ambiental, desenvolvimento econmico e assim por diante. [] A pesquisa orientada para resoluo de problema tornou-se mais visvel em nosso campus, e agora est sendo ampliada por um foco crescente em megaproblemas ainda mais complexos, como mudana climtica e urbanizao, cada um dos quais engloba vrios problemas sociais importantes.

Precisamos oferecer mais destaque inovao e as descobertas prticas inerente engenharia, s artes e ao design, bem como, a aprendizagem pela experincia alm da sala de aula. Todos esses so componentes crticos do pensamento e do conhecimento e compromisso de Harvard

A Columbia Global visa capturar a importncia das relaes entre as disciplinas tradicionais. A universidade tem inmeros centros, institutos, programas e iniciativas de alcance global, e a Columbia Global serve para complement-los, agregando nossa histria global. Os usurios podem explorar problemas temticos, por tpico e por regio geogrfica. Ns apenas comeamos a coleo de contedo que ilustra a profundidade da nossa histria. Com o tempo, medida que esse lugar/locus se tornar mais robustos, a vastido do alcance da Columbia se tornar mais evidente

 

Fonte: *Lester (2017); *** Harvard Policies (2018) e Faust ( 2017); ***Columbia (2017).

 

Na categoria Lugar identificamos a construo histrica do lugar no qual as instituies se colocam. Essa definio aparece claramente exposta no que se denomina de Alma Mater[3]. So instituies que atravessam toda sua histria, por vezes de sculos, sem que a misso institucional se altere. As polticas e aes institucionais so estruturadas pela misso voltada ao lugar que ocupam no mundo e para o mundo. A Alma Mater sustenta o conceito institucional e a misso das instituies. Observando as campanhas e frases possvel perceber que no centro est a responsabilidade que a instituio evoca para si em relao aos problemas complexos da humanidade. Isso tambm colocado na fala dos interlocutores como central Misso institucional, como parte da histria a ser preservada e ampliada no contexto contemporneo.

O MIT tem hoje como campanha MIT for the better world - o MIT para um mundo melhor. Harvard sinaliza sua dedicao "criao e disseminao do conhecimento e da educao das lideranas com sabedoria para iluminar o passado e moldar e servir ao futuro[4]. Columbia, por sua vez, "espera que todas as reas da Universidade faam avanar o conhecimento e a aprendizagem nos mais altos nveis e fazer chegar ao mundo o produto de seus esforos[5].

As frases e ideias colocadas nas campanhas, hoje principalmente na mdia eletrnica, so uma forma de sntese do foco estabelecido. So o ponto de partida para polticas e aes e expressam nessas frases uma profunda compreenso dos objetivos e da misso institucional. Esta compresso expressa o que denominados de Lugar, conscincia da posio e do papel que essas instituies ocupam no mundo. Este movimento se refere tanto aos estudantes, professores-pesquisadores, gestores e tcnicos como aos Alumni[6].

A internacionalizao da instituio est no conhecimento e no sentido que o conhecimento toma quando produzido nesse Lugar. Desta forma, as instituies tm como pressuposto serem internacionais pelo conhecimento produzido no Lugar em que elas se colocam no mundo. Nesse contexto, o processo de construo do conhecimento tratado na sua gnese como internacional e a instituio organizada para esse processo de produo. Uma das primeiras aes parece ser a busca de Sujeitos - melhores professores-pesquisadores, melhores equipes administrativas e de suporte e melhores alunos - para produzir solues para problemas complexos da humanidade. Nesse Lugar deve ser produzido conhecimento , conforme codificado no lema MIT of the world. In the world. For the world [7](MIT, 2018). O conceito de internationalization at home[8] (KNIGHT, 2004, p.20) contribui para compreendermos a ideia de cultura ou clima promovido pela instituio, que promove e apia atividades interculturais em atividades no prprio campus.

O conceito de Lugar traz na gnese o espao geopoltico definido (norte) com pressupostos claramente alicerados na racionalidade/modernidade ocidental. Escobar (2005) argumenta que a modernidade tem a ver tanto com a relao entre o lugar e o espao, como com a relao entre o espao e o tempo. Assim, h nesse Lugar uma clara compreenso de que solues para problemas complexos da humanidade sero produzidos ali, com a identidade do idioma hegemnico, a lngua inglesa, ao mesmo tempo que este Lugar no apenas uma definio geogrfica. Hoje estas instituies esto presentes em todos os continentes. possvel perceber que este movimento, de levar as instituies para outros espaos territoriais, tem origem nos movimentos de globalizao nos anos 1990 e hoje nos foi relatado como sendo um processo que uma das prioridades das instituies. Estes novos lugares so espaos de formao e de pesquisa e tambm espaos nos quais os alunos dos campus sede esto sendo cada vez mais incentivados a participar de estgios, prticas de pesquisas, visitas de curta durao, entre outros, como parte do processo de formao, com objetivo de constituir experincias internacionais.

No Quadro 1 possvel identificar o nmero de pases nos quais as instituies esto presentes atravs de Campus, Global Centers, Office com estruturas de gesto prprias. A insero atravs de cursos online pelos sistema Massive Open Online Courses (MOOCs) MOOCs - MITx; HarvardX e ColumbiaX, no foi objeto de anlise nesta pesquisa, entretanto so programas que parecem ter cada vez mais insero.

A categoria Lugar nos leva a refletir a partir de dois pontos principais. O primeiro a compreenso da hegemonia da racionalidade ocidental (SANTOS, 2015; ESCOBAR, 2005; MIGNOLO, 2017) na produo de conhecimento e cincia. Nos movimentos de globalizao, que tm como aliado as tecnologias que aproximam cada vez mais lugares e pessoas, o conhecimento hegemnico atinge de forma ainda mais preponderante diferentes lugares de diferentes formas. importante compreender, contudo, que os espaos para tensionamento existem e/ou podem ser construdos a partir dos Lugares hegemnicos. O desaparecimento do lugar (ESCOBAR, 2005), no sentido daquilo que local, um reflexo da assimetria existente entre o global e o local, na qual o global est associado ao espao, ao capital, histria e ao humana, enquanto o local, inversamente, vinculado ao trabalho e s tradies. H de se considerar, entretanto, as condies concretas para tanto, superando inagenuidades. Nesse sentido, cabe o segundo ponto da anlise da categoria.

O Lugar, no contexto contemporneo, cada vez mais diverso. Santos (2015) chamou ateno de que em nenhum momento da histria da humanidade fomos to diversos em espaos fsicos to pequenos. Desta forma, podemos considerar este fator por si s, como um Lugar de contradies, tensionamentos e possibilidades nicas na histria da produo humana. A insero das instituies em diferentes contextos por um lado carrega a Alma Mater institucional, mas, por outro, no dilogo com o diferente, com os outros, tambm pode ser implicada pela diversidade na qual se insere. O que precisamos considerar aqui so as mltiplas possibilidades dessa insero e a forma atravs da qual podemos atuar nesse processo. Talvez seja tempo de renovar nossa conscincia dos vnculos entre lugar, experincia e a produo de conhecimento como afirma Escobar (2005, p. 68). As possibilidades de dilogos estabelecidos a partir da busca de conhecimento e cincia podem ser uma possibilidade para a emergncia de outras racionalidades. O tensionamento pode ser estabelecido no processo de construo de pontes de dilogos (RAYNAUT, 2011) em zonas de fronteira de conhecimentos. E a insero destas instituies em diferentes continentes, buscando dilogos entre o local e o global como aparece consistentemente nos documentos e nas visitas tcnicas, pode tornar-se tanto um lugar de ressignificao da hegemonia, quanto a possibilidade de emergncia de outras racionalidades. O pensamento fronteirio que conduz opo decolonial est se convertendo em uma forma de ser, pensar e fazer da sociedade poltica global (MIGNOLO, 2017, p.29). preciso compreender que o modelo de racionalidade hegemnica na contemporaneidade tem trazido desigualdades e excluses de toda natureza, entretanto, em pases perifricos as excluses deixam margem a maioria da populao, do acesso ao conhecimento e seus resultados. O pensamento decolonial requer "desobedincia epistmica (MIGNOLO, 2017, p. 30).

Nesse cenrio, parece urgente refletirmos o Lugar que ocupamos no mundo na condio de pas perifrico, construindo cincia na periferia, mas no perifrica. Assumir o sentido de pertencimento e compreender de maneira profunda o lugar parece fundamental para que internacionalizaes tenham os lugares como referncia.

O lugar como a cultura local pode ser considerado o outro da globalizao, de maneira que uma discusso do lugar deveria oferecer uma perspectiva importante para repensar a globalizao e a questo das alternativas ao capitalismo e modernidade (ESCOBAR, 2005, p.69).

Este sentido poder nos dar outras possibilidades de produo de conhecimento. As caractersticas geogrficas, polticas e financeiras - na sua maioria inspitas - dos Lugares perifricos, podem assumir sentidos diversos e distintos e se transformar em tensionamento racionalidade hegemnica. A compreenso e sentido de pertencimento, tanto da nossa gnese, quanto do lugar que ocupamos nos diferentes espaos, nos d a possibilidade de levarmos este Lugar - carregado de sentidos - para diferentes lugares. Ou seja, a partir desse sentido - sensibilidade de mundo termo utilizado por Mignolo (2017) - podemos contribuir de forma genuna para a soluo dos problemas complexos da humanidade em espaos hegemnicos e no hegemnicos. As anlises aqui realizadas nos levam a perceber que aquilo que as instituies parecem buscar so singularidades dos nossos lugares (perifricos). Somos genunos na forma de produo de conhecimento e na busca de soluo aos problemas complexos cotidianos. Se estas caractersticas nos tornam interessantes na produo de conhecimento nestes lugares hegemnicos, podem tambm ser caractersticas para tensionar modelos hegemnicos, principalmente no fazer cientfico, no qual o sujeito o centro do processo. A partir dessa compreenso se encontra a segunda categoria substantiva: Sujeito!

Sujeitos so de qualquer lugar, de qualquer etnia e idioma. Trata-se, nesse sentido, de um Sujeito autnomo, capaz de propor, de questionar (FREIRE, 2015). Iniciativas individuais, como mostram os excertos no Quadro 2, so colocadas como a ponta inicial dos projetos de internacionalizao, nos quais as instituies se colocam como mediadoras de iniciativas individuais. Isto aparece com destaque nos documentos, entrevistas e dilogos. No existe restrio s iniciativas individuais, desde que faam sentido instituio, ou seja, Alma Mater. Os sujeitos, fundamentais para a misso institucional, so buscados em todos os cantos do mundo, mas se espera que se transformem em conhecedores profundos tanto da misso institucional, quanto de seu papel no processo. A Alma Mater construda no e pelo sujeito no espao institucional (Lugar) e se perpetua a partir dos Alumni, espalhados pelo mundo. As associaes e as doaes financeiras dos Alumni so caractersticas marcantes das instituies pesquisadas. Assim, a internacionalizao da instituio traada pela insero dos Sujeitos no mundo revestidos do sentimento de Lugar.

H de se considerar entretanto, o estabelecimento da relao hegemnica entre centro-periferia e o poder estabelecido a partir da linguagem. Dentre as premissas da manuteno dessa relao hegemnica, este Sujeito (autnomo) presumivelmente tem que dominar a lngua inglesa como princpio. H clareza de que conhecimento cientfico contemporneo hegemnico tem na lngua inglesa seu primeiro idioma, presente nas principais publicaes e reunies cientficas. As instituies, ao buscarem os melhores profissionais e os melhores alunos no mundo para que venham a atuar nesses lugares, renem sujeitos que dominam ou se propem a dominar o idioma hegemnico.

Os sujeitos e os problemas complexos de pesquisa aparecem como centrais no processo de internacionalizao institucional. A busca de soluo aos problemas complexos no ocorre por polticas ou acordos institucionais a priori. So as relaes entre pesquisadores, conforme indicam as entrevistas, reunies e os documentos, a gnese do processo. No que se refere a acordos e parcerias, as instituies parecem se mover na direo traada pelos sujeitos e por seus objetos de estudo que esto relacionados, por sua vez, compreenso de seu Lugar na consecuo da misso da instituio. Nesse sentido, icnica a assero de um dos entrevistados de aqui [em sua instituio] "no se pede permisso, se pede desculpas", ao se referir ao estmulo institucional capacidade de iniciativa e de agir com autonomia.

A compreenso mais profunda do papel do Sujeito como categoria para a internacionalizao das instituies analisadas, nos traz sentidos e significados distintos da compreenso de WCU trazida apenas pelos critrios dos rankings. Os rankings estabelecem como indicador de qualidade o nmero de Prmios Nobel e Medalha Fields, nmero de pesquisadores citados, entre outros. Estes indicadores, apresentados para classificar instituies parecem retirar o papel dos sujeitos. Essa caracterstica fundamental racionalidade moderna/hegemnica que busca desvincular os sujeitos do fazer cientfico. Os rankings produzidos por agncias externas nos seus critrios privilegiam a hegemonia econmica e poltica de pases centrais e so utilizados pelas instituies como marketing. E por ns, como pas perifrico, como modelo a ser seguido, na maioria das vezes de maneira pouco reflexiva ou mesmo acrtica.

As anlises nesta investigao nos possibilitaram compreender o Sujeito como sendo o sujeito autnomo, portanto, capaz de repensar prticas e escolhas. Pensar habitando a fronteira moderna/colonial, sendo consciente dessa situao, a condio necessria do pensar fronteirio descolonial (MIGNOLO, 2017, p.20). Entretanto, h de se considerar, a relativa autonomia dos sujeitos nos movimentos de financiamento da pesquisa cientfica. Investimentos de pesquisa so provenientes de agncias e instituies (pblicas ou privadas) que carregam concepes, polticas e interesses definidos. Assim, preciso compreender a pesquisa como sendo no neutra, tampouco desprovida de interesses. Os Sujeitos, ao fazerem escolhas, conscientes ou no, esto legitimando tambm conceitos e concepes nem sempre explicitadas. Nossa participao - na condio de sujeitos da periferia - em redes de pesquisadores internacionais cada vez mais presentes no nosso cotidiano, tem que carregar a conscincia do Lugar que ocupamos como sujeitos no e do processo, expressando, portanto, nossa capacidade de refletir e de propor mudanas. A pesquisa, por definio, um locus privilegiado de dilogos. A insero internacional das instituies analisadas atinge hoje todos os continentes e preciso compreender as mltiplas possibilidades que estes espaos oferecem, nos mltiplos dilogos possveis e o papel dos sujeitos locais de forma reflexiva, crtica e propositiva, revestida de histrias, condies, sensibilidades epistemologias diferentes (MIGNOLO, 2017, p. 13).

A terceira categoria substantiva Pesquisa, aqui qualificada como interdisciplinar, aparece como fio condutor do processo de internacionalizao da ES. So os sujeitos, a partir da pesquisa, o pilar da estrutura. A mobilidade estudantil e de professores-pesquisadores, importante movimento nos processos de internacionalizao, ocorre pela pesquisa. Trata-se, contudo, de uma pesquisa com caractersticas bem definidas. uma Pesquisa, por definio, de ponta e aplicada, em todas as reas do conhecimento e que se move a partir da busca de soluo para problemas complexos. Hoje o foco explicitado est firmemente centrado na questo ambiental, na segurana alimental e na administrao pblica. Os megaproblemas so identificados como do mundo e, para tanto, precisam ser tratados por essas instituies de ponta, dessa forma. O incentivo a projetos de longa durao aparece na contramo do que vivemos hoje em termos de polticas pblicas para a pesquisa no Brasil. A busca por resultados imediatos e prazos cada vez mais curtos - a exemplo da ps-graduao - foi apontada nos dilogos em duas das instituies como um fator restritivo na participao em redes de pesquisa. Um interlocutor foi eloquente ao afirmar que o tempo necessrio para o suporte pesquisa de ponta quando ela acaba, ou seja, verbaliza-se que as condies e restries burocrticas no podem se sobrepor aos interesses e tempos demandados pela pesquisa.

Parcerias com instituies pblicas e privadas so colocadas como mecanismos para garantir o financiamento da pesquisa. A insero em pases perifricos de regies como a Amrica Latina e a frica, so indicativos do potencial percebido nestes Lugares. Potencial, tanto no que se refere complexidade dos problemas, quanto no dilogo entre o local/global. A pesquisa interdisciplinar pode construir pontes para que os lugares sejam abordados a partir da direo oposta,no a partir de sua crtica, mas a partir de sua afirmao; no do lado do global e sim do local (ESCOBAR, 2005, p.77). A interdisciplinaridade uma categoria transversal ao processo de pesquisa e postura dos pesquisadores, sendo aqui compreendida como caminho e mtodo (RAYNAUT, 2011) para a busca de soluo aos problemas complexos. A produo de conhecimento - nas zonas de fronteira - exige postura interdisciplinar dos sujeitos. Conhecimento complexo interdisciplinar na sua gnese. Assim, o Sujeito tem que ser capaz de pensar e agir interdisciplinarmente, atravs da postura de busca de construo de pontes entre conhecimentos centrais e perifricos; entre conhecimento bsico e aplicado; configurando-se como sujeito capaz de construir no dilogo entre saberes (SOUZA SANTOS, 2006; RAYNAUT, 2011).

Assim, o processo de pesquisa interdisciplinar - necessrio busca de soluo dos problemas complexos - um locus privilegiado para a construo dos tensionamentos dos modos de produo hegemnica. Ou seja, h a necessidade/demanda concreta de produo de conhecimento (Pesquisa) e h a busca de Sujeitos para pesquisar nesse Lugar. Esta compreenso produz uma percepo diferente sobre o conceito de internacionalizao que tem orientado nossos estudos at aqui. Os movimentos de globalizao, principalmente a partir dos anos 1990, trouxeram ES aes concretas como o Processo de Bolonha e os rankings internacionais, isso num contexto em que o conhecimento alado como capital.

Esses dois movimentos nos impulsionaram a anlises externas. Ou seja, so movimentos que ao nosso ver impactaram o cotidiano das instituies (WIELEWICKI; RUBIN-OLIVEIRA, 2010), o primeiro como movimento produzido de modo descendente (top down), por acordo entre ministros, e o segundo, por instituies que ao classificarem universidades, denominando-as de classe mundial, constroem representaes e modelos de qualidade, estreitamente vinculados internacionalizao, inatingveis para instituies da periferia, mas que influenciam polticas pblicas de forma a impactar na avaliao e no financiamento da ps-graduao.

A diferena aqui analtica. Ao refletirmos sobre internacionalizao da ES, a partir dessas instituies pesquisadas, encontramos categorias que nos oferecem mltiplas possibilidades e pluridiversidades. O conceito de internacionalizao passa, nesse processo de anlise e de revisitao, a ser revestido de sentidos e significados, produzido em Lugares, por Sujeitos (autnomos), a partir da Pesquisa (interdisciplinar). Ou seja, se por um lado, reconhecemos a hegemonia das instituies analisadas na produo de conhecimento tambm hegemnico, h de se reconhecer possibilidades concretas de tensionamentos, o que nos permite refletir sobre nossa atuao, enquanto sujeitos que atuam a partir da periferia (em relao a esses centros hegemnicos), mas no perifricos, em funo do potencial para tensionamento, na internacionalizao da ES. Entretanto,

[...] construir o lugar como um projeto, transformar o imaginrio baseado no lugar numa crtica radical do poder, e alinhar a teoria social com uma crtica do poder pelo lugar, exige aventurar-se por outros terrenos (ESCOBAR, 2005, p. 70).

Ou seja, preciso em primeiro lugar descobrir se estamos dispostos aventura.

Algumas Consideraes Finais

O objetivo traado pela pesquisa visou aprofundar conceitos, polticas e aes de internacionalizao da ES a partir de trs instituies norte-americanas - MIT, Harvard e Columbia - a partir de visitas tcnicas (entrevistas, reunies e observaes) e anlise documental.

A partir das anlises realizadas construmos trs categorias substantivas que sustentam conceitos, polticas e aes de internacionalizao: Lugar, Sujeito e Pesquisa. Por um lado, so categorias constitutivas de uma compreenso aprofundada que buscamos de internacionalizao dessas instituies, por outro, so categorias que permitiram ultrapassar o nosso olhar contemplativo de pesquisador e nos abriram possibilidades de autorreflexo, tanto do nosso papel de pesquisadores da rea de ES, quanto de nossa atuao como sujeitos do e no processo de produo de conhecimento na periferia ou em centros hegemnicos. O caminho percorrido permitiu revistar nossos prprios estudos e conceitos de internacionalizao. Ao identificarmos estas trs categorias como substantivas, identificamos possibilidades concretas que a internacionalizao da ES oferece como espao possvel para tensionamentos na produo de conhecimento.

Por fim, reiteramos que os Sujeitos so o incio dos processos de internacionalizao e no indivduos sem identidade. O Lugar so espaos que carregam contradies e possibilidades, e que renem sujeitos que tm suporte e possibilidades para construir pontes de dilogos nas zonas de fronteiras a partir da pesquisa necessariamente interdisciplinar conduzida para resolver os problemas complexos da humanidade. Contudo, importante que essas categorias possam ser revisitadas por outros pesquisadores em outros contextos para que possamos avanar nos dilogos no que se refere internacionalizao da ES.

Agradecimentos

Os autores expressam agradecimento ao CNPq, por ter provido as condies materiais para desenvolvimento da pesquisa, s instituies, pelo acolhimento e confiana nos pesquisadores, Profa. Dra. Clarissa Eckert Baeta Neves, pela leitura atenta e pelas sugestes de aprimoramento do texto, Profa. Dra. Maria Estela Dal Pai Franco, pelos questionamentos vitais pesquisa, mas sobretudo pela inspirao e pela motivao constante investigao no campo da Educao Superior, formando geraes de pesquisadores e pesquisadoras comprometidos com os Sujeitos, Lugares e Pesquisa a partir dos quais falam.

Referncias

AMERICAN COUNCIL ON EDUCATION (ACE). Mapping Internationalization on U.S. Campuses: 2017 Edition. Sponsor Nativas, Washington, DC, 2017.

ALTBACH, Philip G. Globalization and the university: Myths and realities in an unequal world, Tertiary Education & Management, 10:1, 3-25, 2004.

ALTBACH, Philip G.; SALMI, Jamil. The Road to Academic Excellence: The Making of World-Class Research Universities. The International Bank for Reconstruction and Development .The World Bank, 2011.

ALTBACH, Philip G.; WIT, Hans de; RUMBLEY Laura E.. Global Perspectives on Higher Education. Volume 34 Center for International Higher Education, Boston College, USA. Series Editors, 2016.

BOGDAN, R.C. and BIKLEN, S.K. Qualitative Research for Education: An Introduction to Theory and Methods. 5th Edition, Allyn & Bacon, Boston, 2007.

CHARLES, Chistophe; VERGER, Jacques. Histria das Universidades. So Paulo: Editora da Universidade Paulista, 1996.

CONFERNCIA REGIONAL DE EDUCACIN SUPERIOR (CRES). Historia. Disponvel em: http://www.cres2018.org. Acesso em: 3 jan. 2018.

COLUMBIA. Columbia World Projects - Office of the President April 11, 2017. Disponvel em: https://president.columbia.edu/news/columbia-world-projects. Acesso em: 10 jan.2018.

COLUMBIA. Global Centers. Disponvel em: https://globalcenters.columbia.edu. Acesso em: 3 fev. 2018.

COLUMBIA. Statistics & Facts. Disponvel em: https://www.columbia.edu/content/statistics-facts. Acesso em: 10 fev. 2018.

EUROPEAN UNIVERSITY ASSOCIATION (EUA). Internationalization in European higher education: European policies, institutional strategies and EUA support, 2013.

EUROPEAN UNIVERSITY ASSOCIATION (EUA). Internalization Strategies. Disponvel em: http://www.eua.be/policy-representation/internationalisation-of-he-and-research/internationalisation-strategies. Acesso em: 3 marc. 2018.

ESCOBAR, Arturo (2005). O lugar da natureza e a natureza do lugar: globalizao ou ps-desenvolvimento? In: LANDER, Edgardo (org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e cincias sociais. Perspectivas latino- americanas. Coleccin Sur Sur, CLACSO, Ciudad Autnoma de Buenos Aires, Argentina. setembro 2005. Disponvel em: http://www.clacso.org.ar/biblioteca. Acesso em 4 jun.2009.

FAUST, Drew. We Are All Harvard. Janeiro, 29 de 2017. Disponvel em: https://www.harvard.edu/president/news/2017/we-are-all-harvard. Acesso em 10 jan. 2018.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: saberes necessrios prtica educativa. 50 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2015.

HARVARD - Worldwide. Disponvel em: https://worldwide.harvard.edu/worldwide-data. Acesso em 10 jan. 2018.

HARVARD - International Affairs: Policies on International Projects and Sites. Disponvel em: https://provost.harvard.edu/links/policy-and-guideline-category/international-affairs. Acesso em 5 jan. 2018.

HARVARD - Fact and Book 2016-2017. Disponvel em: https://oir.harvard.edu/fact-book/faculty-and-staff-headcounts. Acesso em 5 jan 2018.

HAZELKORN, E. Rankings and the reshaping of higher education: The battle for world class excellence. Basingstoke: Palgrave Macmillan, 2011.

HORIZON. Policies, Information and Services. Disponvel em: https://ec.europa.eu/programmes/horizon2020/en. Acesso em: 3 marc. 2018.

JONES, Elspeth; COELEN, Robert; BEELEN, Jos; WIT, Hans de. (Ed). Global and Local Internationalization: Global Perspective in Higher Education. Volume 34. Published by: Sense Publishers, 2016.

JOHNSON-BAILEY, Juanita. Enjoining Positionality and Power in Narrative Work: Balancing Contentious and Modulating Forces. In: DEMARRAIS, Kathleen B., LAPAN, Stephen D. Foundations for Research: Methods of Inquiry in Education and the Social Sciences. New York: Routledge, 2003.

KNIGHT, Jane. Internationalization Remodeled: Definition, Approaches, and Rationales. Journal of Studies in International Education 2004; 8; 5 DOI:10.1177/1028315303260832

LEITE, Denise; GENRO, Maria Elly Herz. Quo vadis? Avaliao e internacionalizao da educao superior na Amrica Latina. In: LEITE, Denise et.al. Polticas de evaluacin universitaria em Amrica Latina: perspectivas crticas. 1a ed. - Ciudad Autnoma de Buenos Aires: CLACSO; Instituto de investigaciones Gino Germani, 2012. Disponvel em: http://bibliotecavirtual.clacso.org.ar/clacso/posgrados/20120914120239/Politicasde EvaluacionUniversitaria.pdf. Acesso em: 20 ago. 2016.

LESTER, Richard K. (Associate Provost). A global strategy for MIT. May 2017. Disponvel em: http://web.mit.edu/globalstrategy/. Acesso em: 10 fev.2018.

MAXWELL, Joseph A. Qualitative Research Design: An Interactive Approach: 41 (Applied Social Research Methods). 3rd ed. SAGE Publications. Kindle Edition, 2013.

MCCORKEL, Jill A.; MYERS, Kristen. What Difference Does Difference Make? Position and Privilege in the Field. Qualitative Sociology 26(2):199-231, January 2003. DOI: 10.1023/A:1022967012774

MIGNOLO, Walter D. Colonialidade: o lado mais escuro da modernidade. RBCS. Revista Brasileira de Cincias Sociais. Vol. 32 n 94 junho/2017, volume 32 n. 94 DOI 10.17666/329402/2017

MIANAYO, Maria Ceclia de Souza. O desafio do conhecimento: pesquisa social em sade. Rio de Janeiro: Hucitec-Abrasco, 2000.

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY (MIT) - Facts. Disponvel em: http://web.mit.edu/facts/faqs.html. Acesso em: 10 fev. 2018.

MOROSINI, Marlia C. Internacionalizao da Educao Superior: um modelo em construo? In: AUDY, Jorge L.N.; MOROSINI, Marlia C. (orgs.) Inovao e Empreendedorismo na Universidade. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2006, p-189-210, 2006.

PETERS, Michael A. Manifesto for the postcolonial university. Educational Philosophy and Theory, Routlendge, 20 Oct 2017.DOI: 10.1080/00131857.2017.1388660. Disponvel em: https://doi.org/10.1080/00131857.2017.1388660. Acesso em: 10 dez. 2017.

PLANNING AND INSTITUTIONAL RESEARCH (PIR) - Office of the Provost. Disponvel em: http://www.columbia.edu/. Acesso em: 3 mar. 2018.

RAYNAUT, Claude. Interdisciplinaridade: mundo contemporneo, complexidade e desafios produo e aplicao de conhecimentos. PHLILIPPI JR, Alindo & NETO, Antonio J. Silva. Interdisciplinaridade em Cincia, Tecnologia & Inovao. Barueri, SP: Manole, 2011. pp.69-105, 2011.

SALMI, Jamil . The challenge of establishing world-class universities. 3rd International Conference on World-Class Universities (WCU-3). 2 - 4 November, 2009 Shanghai, China. Sponsored by Thomson Reuters, 2009.

SANTOS, Milton. Por uma outra globalizao: do pensamento nico conscincia universal. Rio de Janeiro: Record, 2015.

SOUSA SANTOS, Boaventura. A Gramtica do Tempo: para uma nova cultura poltica. So Paulo: Cortez. (Coleo para um novo senso comum; v.4), 2006.

SILVA JNIOR, Joo dos Reis. The new brazilian university: a busca por resultados comercializveis: para quem? Bauru: Canal 6, 2017.

WIELEWICKI, Hamilton de G. e RUBIN-OLIVEIRA, Marlize. Internacionalizaço da educaço superior: processo de Bolonha. Ensaio: Aval.Pol.Públ.Educ. Rio de Janeiro, vol.18, n.67, p215-234, Abr/Jun, 2010.

WIT, Hans de. Globalisation and Internationalisation of Higher Education. Revista de Universidad y Sociedad del Conocimiento (RUSC). vol. 8, no 2, pp. 241-248. UoC. 2011.

WIT, Hand de. Internationalization of Higher Education, Historical Perspective .In: Shin; J. C. & Teixeira, P. (eds.), Encyclopedia of International Higher Education Systems and Institutions. Disponvel em:https://doi.org/10.1007/978-94-017-9553-1_222-1, 2018. Acesso em: 10 fev.2018.

ZAJDA, Joseph & RUST, Val (Ed). Globalization and Higher Education Reforms: The Globalization, Comparative Education and Policy Research series (volumes 15). Springer. DOI 10.1007/978-3-319-28191-9, 2016.

Correspondncia

Marlize Rubin Oliveira Universidade Tecnolgica Federal do Paran Via do Conhecimento km 01 CEP 85501-970, Pato Branco, Paran, Brasil.

 

Notas



[1] Projeto financiado pelo Edital Universal/CNPq/2014-2018.

[2] Comunidade (mais ou menos) autnoma de mestres e alunos reunidos para assegurar o ensino de um determinado nmero de disciplinas em um nvel superior, [...] tornou-se o elemento central dos sistemas de ensino superior [...] (CHARLES; VERGER, 1996, p. 7-8). Aqui, entretanto o termo utilizado instituies por sua natureza conceitual.

[3] Tem origem em meados do sculo XVII no sentido geral "algum ou algo fornecendo alimento. Do latim, literalmente "me generosa".

[4] No original "Harvard is dedicated to the creation and dissemination of knowledge and to the education of leaders with wisdom to illuminate the past and shape and serve the future. Traduo dos autores.

[5] No original "expects all areas of the University to advance knowledge and learning at the highest level and to convey the products of its efforts to the world. Traduo dos autores.

[6] Com origem no Latim em meados do sculo XVII - grupo de ex-alunos formados em uma instituio. Na contemporaneidade marca das associaes dos ex-alunos destas instituies espalhadas pelo mundo.

[7] Optamos por manter o original em ingls pela sua fora retrica. Numa traduo livre dos autores "MIT do mundo, no mundo e para o mundo.

[8] Aqui novamente optamos pela manuteno do termo original em ingls, pela sua fora retrica.



CONTATO:

E-mail: revistaeducacaoufsm@gmail.com

Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)
Centro de Educação - Lapedoc - Prédio 16
Av. Roraima, 1000 - Cidade Universitária
97105-900 - Santa Maria - RS, Brasil.
Telefone: +55 55 3220 8795

Link: https://periodicos.ufsm.br/reveducacao


ISSN Eletrônico: 1984-6444

DOI: http://dx.doi.org/10.5902/19846444

Qualis/Capes: Educação A1

Periodicidade: Publicação contínua

O recebimento de artigos caracteriza-se por fluxo contínuo sem que seja possível prever a data de sua publicação.

 

A Revista Educação (UFSM) agradece auxílio recebido por meio do Edital Pró-Revistas, da Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa, da Universidade Federal de Santa Maria. 

This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International (CC BY 4.0).

Contador de visitas
click counter
Contador de visitas

Acessos a partir de 30/11/2016

____________________________________________________

    

SalvarSalvarSalvarSalvarSalvarSalvar