Universidade Federal de Santa Maria

Revista Monografias Ambientais, v.19, e11, 2020

DOI: https://doi.org/10.5902/2236130843529

ISSN: 2236-1308

Recebido: 14/04/2020 Aceito: 06/05/2020 Publicado: 07/05/2020

Educação sociedade e cultura

Cooperativas de catadores de resíduos sólidos: condições ambientais e impactos na comunidade

Solid waste collectors cooperatives: environmental working conditions and neighborhood’s impacts

Lís Quarantini Souza Guimarães I

Cristina Maria Dacach Fernadez Marchi II

I Mestranda. Planejamento Ambiental, UCSAL. E-mail: lis.souza.03@gmail.com. ORCID: https://orcid.org/0000-0003-2392-5834.

II Doutora. Geologia, UFBA. E-mail: cristina.marchi@pro.ucsal.br. ORCID: https://orcid.org/0000-0003-2078-9048.

RESUMO

Esse artigo buscou identificar, através de pesquisa bibliográfica quais as condições ambientais e dificuldades  das cooperativas de catadores de resíduos sólidos, para efetuar uma análise dos possíveis impactos que estas condições podem trazer à comunidade, que consequentemente podem gerar atrito nessa relação. Foram utilizados como referências artigos, teses, monografias, dissertações com estudo de caso. As dificuldades recorrentes encontradas foram a falta de infraestrutura e a falta de espaço para armazenamento dos resíduos sólidos. Os cooperativados, para poder negociar com as indústrias e garantir uma renda maior necessitam acumular um grande volume de resíduos. A solução é a apropriação indevida do meio-fio, de meios de passagem, das ruas ou de qualquer local que possa acomodar os excedentes. São vários transtornos causados pela falta de infraestrutura: entupimento da rede de esgoto, alagamentos, proliferação de animais nocivos à saúde humana, desvalorização dos imóveis, o aumento de doenças respiratórias, devido ao mau cheiro causado pela atividade e o risco de incêndio. O exposto acima, relata os possíveis motivos do repúdio da comunidade em relação às cooperativas. Sem apoio as cooperativas perdem a força para desenvolver um trabalho que é tão importante para a sociedade.

Palavras-chave: Cooperativa de Catadores; Resíduos Sólidos; Condições Ambientais; Comunidade.

ABSTRACT

This article sought to identify through bibliographic research which environmental conditions and difficulties of solid waste collectors' cooperatives, to carry out an analysis of the possible impacts that these conditions may bring to the community, which consequently may generate friction in this relationship. Articles, theses, monographs, dissertations with case studies were used as references. The recurring difficulties encountered were the lack of infrastructure and the lack of space for storing solid waste. The cooperative members, in order to negotiate with the industries and guarantee a higher income, need to accumulate a large volume of waste. The solution is the misappropriation of the curb, means of passage, the streets or any place that can accommodate surpluses. There are several disorders caused by the lack of infrastructure: clogging of the sewage network, flooding, proliferation of animals harmful to human health, devaluation of properties, the increase in respiratory diseases, due to the bad smell caused by the activity and the risk of fire. The foregoing, reports the possible reasons for the community's rejection of cooperatives. Without support, cooperatives lose strength to develop a job that is so important for society.   

Keywords: Waste Pickers Cooperative; Solid waste; Environmental conditions; Community.

1 INTRODUÇÃO

Atualmente, 800 mil pessoas trabalham como catadores no Brasil, segundo o Movimento Nacional dos Catadores de Materiais Recicláveis (MNCR, 2019). Na Bahia, 23 cooperativas reúnem esses trabalhadores. Para eles, o sucesso de iniciativas inovadoras de coleta seletiva é essencial. A prática reduz a produção de resíduos depositados em aterros e lixões. Por meio da separação dos resíduos sólidos, muitos materiais que poderiam ainda ser reutilizados e reciclados ganham nova destinação, ao invés de serem descartados, o que provoca menos desperdício. A coleta ajuda a movimentar a economia ao gerar emprego e renda para os catadores por meio das empresas que fazem reciclagem de resíduos. (SANTOS, 2019).

Quando em uma localidade se instala um empreendimento gerador de emprego e renda, a comunidade local o percebe de maneira positiva, pois normalmente geram circulação de produtos e pessoas, comércio, mercado, infraestrutura para as ruas e modificam positivamente o ambiente.

As cooperativas de catadores de resíduos sólidos são organizações, que embora, desenvolvam um trabalho importante para a sociedade, são originadas num cenário desfavorável, sem infraestrutura, sem recursos e sem condições ambientais mínimas para um bom funcionamento.

Segundo Almeida et al. (2013), cooperativas de catadores tem problemas de relacionamento com a vizinhança, devido ao fluxo de veículos e o mau cheiro originado da atividade. Relata a preocupação das cooperativas, pela pequena conscientização da população da cidade sobre a importância da separação doméstica dos resíduos.

As cooperativas, conforme autor acima, trazem importunação para a comunidade local, devido os problemas de infraestrutura e de condições ambientais de funcionamento. O artigo de Conceição et al. (2018), revela que existe rejeição da comunidade em relação às cooperativas de catadores.

As cooperativas de catadores de resíduos sólidos precisam ter condições ambientais mínimas para serem aceitas e acolhidas pela comunidade local e assim fortalecer o entrosamento e interesse pela separação dos resíduos.

O objetivo deste estudo é identificar através de pesquisa bibliográfica quais as dificuldades existentes em relação às condições de ambientais das cooperativas de catadores de resíduos sólidos para efetuar uma análise dos possíveis impactos que estas condições podem trazem à comunidade local, que consequentemente geram atrito na relação comunidade/cooperativa.

2 Métodos

O presente trabalho trata-se de um estudo exploratório, com revisão narrativa da literatura sobre o tema de condições ambientais e as dificuldades operacionais destas cooperativas e os possíveis impactos na comunidade local. 

A busca da fundamentação teórica, ocorreu entre março a outubro de 2019, foram selecionados na literatura científica, na página do Google Acadêmico, utilizando os seguintes descritores: Cooperativa de catadores, socioambiental, condição ambiental, comunidade. Os critérios de inclusão foram dissertações, monografias, artigos e teses publicadas com realização de estudo de caso em cooperativas de catadores de resíduos sólidos nos períodos de 2013 a 2019. Os critérios de exclusão foram produções que não continham estudo de caso em cooperativas de catadores de resíduos sólidos e não disponíveis gratuitamente. 

Por meio de análise das informações através da leitura exploratória e analítica dos materiais encontrados, foram obtidos resultados qualitativos e observações feitas pelos autores em relação às condições de ambientais das cooperativas avaliadas. 

Os dados obtidos nessa revisão foram expostos em forma de tabela para facilitar a compreensão dos dados.

3 Resultados e discussão

3.1 Resultados

A atividade-fim das cooperativas de catadores é a separação de resíduos sólidos através da coleta seletiva, conforme suas características com objetivo de comercializá-los para as indústrias.

 A Coleta Seletiva é um dos principais instrumentos da Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) 12.305/2010 prescritos no capítulo III da referida lei, em que, segundo o §1o do art. 18, os municípios que a implantarem com a participação de cooperativas ou outras formas de associação de catadores de materiais reutilizáveis e recicláveis formadas por pessoas físicas de baixa renda terão prioridade ao acesso aos recursos da União. 

O   artigo 36 da PNRS, aponta umas das responsabilidades do titular dos serviços públicos de limpeza que é dar prioridade à organização e ao funcionamento de cooperativas ou de outras formas de associação de catadores de matérias formadas por pessoas físicas de baixa renda, bem como sua contratação. (BAPTISTA, 2015)

No entanto o que se constata é a falta de apoio do poder público para um bom funcionamento das cooperativas. A comunidade por sua vez, sente os efeitos dessa falta de estrutura, respondendo com o repúdio e rejeição das cooperativas. 

A literatura evidencia que existe uma rejeição da comunidade em relação à cooperativa de catadores. Pressupõe que as condições da cooperativa não favorecem uma boa convivência. Esta desarmonia enfraquece a proposta destes empreendimentos, pois um dos objetivos da cooperativa é viabilizar a mudança de comportamento e atitude da população, trabalhando no exercício de cidadania, na luta em busca de concretizar os objetivos que norteiam suas ações (CONCEIÇÃO et al., 2018).

Discutir os impactos que as cooperativas de catadores oferecem a comunidade é fundamental para aproximá-las. A partir do diagnóstico destes impactos é possível tratá-los. É interessante, tornar essa relação mais próxima, fazendo com que a comunidade possa contribuir e colaborar com o trabalho exercido pelos catadores.

As cooperativas de catadores dentro do contexto deste artigo, serão analisadas como uma organização. É coerente definir alguns termos mencionados neste capítulo, conforme a Associação Brasileira de Normas Técnicas, ISO 14001/2015, condição ambiental é o estado ou características do meio ambiente, conforme determinado em certo momento. Aspecto ambiental é o elemento da atividade, produto ou serviço de uma organização que interage ou pode interagir com o meio ambiente e impacto ambiental é a modificação do meio, tanto adversa como benéfica, total ou parcialmente resultante dos aspectos ambientais de uma organização.

Dentro do contexto acima tratado, é importante apontar os achados sobre as condições ambientais encontradas na literatura. A Tabela 1 demonstra algumas referências bibliográficas sobre condições ambientais e as dificuldades das cooperativas:

Tabela 1 – Principais citações bibliográficas relativas às condições Ambientais e dificuldades nas cooperativas de catadores de materiais recicláveis

Autor/ Ano

Condições ambientais e Dificuldades cooperativas de catadores de materiais recicláveis segundo a bibliografia pesquisada

 

Campos (2014)

Falta de infraestrutura disponível para a operacionalização das atividades;

Dificuldades com o espaço para o adequado manejo dos materiais, tem-se que os materiais destinados à coleta seletiva vêm misturados com muitos rejeitos;

inadequação dos equipamentos para uma maior produtividade.

Soares

(2014)

Acidentes de trabalho, a baixa conscientização da população sobre o correto descarte dos resíduos é um dos fatores que contribui diretamente para o acometimento de alguns tipos de acidentes de trabalho e sobre a saúde destes trabalhadores.

Alencar

(2015)

Falta de espaço para armazenamento;

Ausência de equipamentos para ajudar na organização e reduzir o volume dos materiais.

Baptista (2015)

Falta de espaço para armazenamento;

Falta de infraestrutura;

Mau cheiro nas instalações.

Rodrigues et al. (2015)

Falta de capacitação para que a cooperativa possa atuar com sua própria administração;

falta de equipamentos de segurança como luvas e máscaras, pois a poeira afeta a saúde de quem maneja o material; 

falta de equipamento para colocar os resíduos dentro do caminhão;

 falta de infraestrutura, atualmente a quantidade de trabalhadores da cooperativa não é suficiente para separar todo o resíduo da cidade.

Schwengber (2015)

Acidentes de trabalho como cortes e contusão;

Doenças de trabalho devido ao manuseio dos resíduos, como coceira e irritação na pele, dor de cabeça e diarreia.

Tamanaga et al. (2016)

Falta de espaço para armazenamento;

obstrução de passagem devido ao acúmulo de materiais;

instalações elétricas ruins;

falta de ventilação;

falta de equipamento de proteção individual;

iluminação precária;

falta de higiene nas instalações.

Conceição et al. (2018)

Insuficiência de veículos;

poucos associados;

espaço físico pequeno para trabalho desenvolvido.

Fonte: Elaboração das Autoras

3.2 Discussão

Os resultados levantados pela analise da bibliografia inserida na Tabela 1, permitem identificar que a falta de espaço e a infraestrutura são as dificuldades mais recorrentes. Os cooperativados, para poder negociar com as indústrias e garantir uma renda maior necessitam acumular um grande volume de resíduos. Para isso, faz-se necessário espaço e infraestruturas, dois itens que estes empreendimentos não possuem. A solução é a apropriação indevida do meio-fio, de meios de passagem, das ruas ou de qualquer local que possa acomodar os excedentes. São vários os transtornos causados pela falta de infraestrutura:

I.       entupimento da rede de esgoto;

II.     alagamentos;

III.    proliferação de animais nocivos à saúde humana;

IV.   desvalorização dos imóveis;

V.     aumento de doenças respiratórias, devido ao mau cheiro causado pela atividade;

VI.   risco de incêndio.

As doenças e os acidentes de trabalho, no labor de catação também são preocupantes para a comunidade. O afastamento desses indivíduos resulta no aumento de volume do estoque, que alinhado a falta de espaço e infraestrutura superlota a cooperativa. O exposto acima, dar ideia dos possíveis motivos, que causam repúdio da comunidade em relação às cooperativas. Sem apoio as cooperativas perdem a força para desenvolvimento de suas atividades.

Araújo, Bastos (2015), diz que a conscientização da população quanto à separação dos materiais seria uma grande melhoria, pois aumentaria o volume de materiais recicláveis, podendo aumentar a renda dos cooperativados. Outro ponto importante é a disseminação da prática de separação de resíduos e colaboração com o trabalho das cooperativas. Silva (2015), reforça esta ideia dizendo que, o efeito dos cidadãos ativos, exercido dentro de uma comunidade, é o gérmen de formação de novos participantes ativos na próxima geração. 

4 Conclusão

Este estudo buscou identificar através de pesquisa bibliográfica quais as dificuldades existentes em relação às condições de ambientais das cooperativas de catadores de resíduos sólidos para efetuar uma análise dos possíveis impactos que estas condições podem trazem à comunidade local, que consequentemente geram atrito na relação comunidade/cooperativa.  Foi possível, a partir dos autores, visualizar a condição ambiental destes empreendimentos e perceber dificuldades recorrentes que causam grandes impactos na comunidade, que infelizmente gera o desafinamento da relação comunidade/cooperativa.

 Considera-se que quando é do interesse do poder público a instalação de alguma organização ou empreendimento em certa localidade, normalmente, é disponibilizado incentivos aos empresários, como por exemplo, incentivos fiscais. As prefeitura deveriam ter interesse na formação de cooperativas de catadores, pois é a partir delas que os resíduos sólidos podem ser reutilizados e reciclados, voltando a ter valor econômico e social, mas para isso, é necessário ter uma boa infraestrutura, espaço e organização. Já que necessitam de armazenar grandes quantidades de resíduos, para se tornarem rentáveis e poder exercer as atividades dignamente.

  Os municípios podem contribuir cedendo espaço para criação destas organizações. Marchi, Santana (2018), propõe iniciativas que podem ser aderidas pelo poder público para fortalecimento das cooperativas: construção de eco ponto, disponibilização de carros elétricos para coleta dos catadores, substituição de chassi único de caminhões de coleta para caminhão baú, construção de usina de classificação, triagem, reciclagem e comercialização. Da maneira que as cooperativas de catadores estão sendo originadas, sem mínimas condições de funcionamento, é coerente a rejeição da comunidade local. A barreira criada, dificulta ainda mais o reconhecimento da atividade tão importante para todos.

Agradecimentos

Agradecimentos aos meus colegas, Rejeane Conceição, Joilson Santana e a professora Cristina Maria Marchi.

Referências

ABNT- Associação Brasileira de Normas Técnicas[internet]. São Paulo: Apresenta diretrizes e serviços do fórum nacional de normalização. São Paulo, SP. Disponível em: http://www.abnt.org.br.

Alencar TS, Rocha JPM, Silva RV. Política nacional de resíduos sólidos e os catadores de materiais recicláveis: estudo de caso de cooperativas nos municípios do estado do rio de janeiro. Revista Amigos da Natureza. 2013;(3):20. 

Almeida FA, Sellitto MA, Ritter AM, Viana AP. Cooperativas de catadores de resíduos e cadeias logísticas reversas: estudo de dois casos. Ver. Eletr. Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental. [Internet]. 2013(17): 3376 – 3387.

Araujo RA, Araújo JGF, Morais AS, Silva AT. Cooperativa de resíduos sólidos: A potencialidade da organização dos catadores de Juara/MT. Ver. Eletr. Semana Acadêmica. [Internet].2018. Disponível em: https://semanaacademica.org.br/system/files/artigos/cooperativa.pdf

Araújor GC; bastos, HM. Cidadania, empreendedorismo social e economia solidária no contexto dos catadores cooperados de materiais recicláveis. Revistas Unicentro. 2015;(13):4

Baptista, VF. As políticas públicas de coleta seletiva no município do Rio de Janeiro: onde e como estão as cooperativas de catadores de materiais recicláveis?. SCIELO. 2015; (1):141-164.

Brasil. Lei n. 12.305, 02 ago. de 2010. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei no 9.605, de 12 de fevereiro de 1998; e dá outras providências. Disponível: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2010/Lei/L12305.htm

Campos, VE. Gestão de resíduos sólidos urbanos: contribuições socioambientais de duas cooperativas de catadores de materiais recicláveis na região do Médio Paranapanema. [dissertation]. São Paulo: Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências e Letras de Assis: 2014. 137 p.

Conceição A. et al. Estudo de caso sobre a cooperativa de coleta seletiva, processamento de plástico e proteção Ambiental. Intercom– Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação XX Congresso de Ciências da Comunicação na Região Nordeste;2018; Juazeiro; BA;2018. 

Custódio J. A importância das organizações na sociedade. [internet]Administradores.com.2013 abri 10. Disponível em: https://administradores.com.br/artigos/a-importancia-das-organizacoes-na-sociedade.

Marchi CMDF, Santana J. Projetos Sociais e Ambientais para o Fortalecimento dos Empreendimentos Econômicos Solidários de Catadores de Materiais Recicláveis. In: Marchi, C MDF. Gestão dos Resíduos Sólidos: conceitos e perspectivas de atuação. 1. ed., Curitiba: Appris Ltda, 2018. P. 185-198.

MNCR - Movimento Nacional dos Catadores de Materiais Recicláveis [internet]São Paulo:  MNCR [citado 2019 em abri 10]. Setor de Comunicação MNCR. Disponível em: http://www.mncr.org.br/sobre-o-mncr/duvidas-frequentes/quantos-catadores-existem-em-atividade-no-brasil.

Rodrigues GL, Feitosa, MJS, Silva. GFL. Cooperativas de reciclagem de resíduos sólidos e seus benefícios socioambientais: um estudo na coopecamarest em serra talhada –PE. Rev. Eletr. Metropolitana de Sustentabilidade. [Internet].2015 (5):18-35. Disponível em: evistaseletronicas.fmu.br/index.php/rms/article/view/352/0.

Rodrigues ML, Malheiros TF, Fernandes V, Darós TD. A percepção ambiental como instrumento de apoio na gestão e na formulação de políticas públicas ambientais.Rev. Eletr. SCIELO [Internet]. 2012. Disponível em : https://www.scielosp.org/article/sausoc/2012.v21suppl3/96-110/.

Santos BL. Especial Olhar Cidadão: Falta de incentivo é obstáculo para os catadores.Jornal a Tarde [internet] 2019 Abri 14. Disponivel em: https://atarde.uol.com.br/bahia/salvador/noticias/2051093-especial-olhar-cidadao-falta-de-incentivo-e-obstaculo-para-os-catadores.

Schwengber D. Qualidade vida e perfil socioeconômico de profissionais catadores de quatro cooperativas de resíduos sólidos da região metropolitana de porto alegre, rio grande do sul, brasil [dissertação]. Canoas: Centro Universitário La Salle – UNILASALLE;2015. 40 p. 

Soares, D. L. C. Análise dos riscos ocupacionais e acidentes de trabalho em catadores de resíduos sólidos em Cooperativas de Ceilândia [monografia]. Ceilândia: Universidade de Brasília –UNB;2014.

Tamanaga B, Almeida C, Itani A, Macdowell SF. Cooperativa de catadores Mofarrej em São Paulo. Diagnóstico socioambiental. Rev. Eletr.InterfacEHS - Saúde, Meio Ambiente e Sustentabilidade [Internet]. 2016. (11):142-160. Disponível em:  http://www3.sp.senac.br/hotsites/blogs/InterfacEHS/wp-content/uploads/2016/06/11.11.1.pdf.

 



Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.