REMOA, Vol. 18 (2019), e4

DOI: http://dx.doi.org/10.5902/2179460X38364

Received: 30/05/2019 Accepted: 20/08/2019

 

by-nc-sa

 


Seo Prticas Educativas Ambientais

 

Sustentabilidade em pequenas propriedades: uma proposta educativa

 

Lucilea Silva de Souza FigueroaI

Ana Carolina de Oliveira Salgueiro de MouraII

Jonas Anderson Simes das NevesIII

 

I Universidade Federal do Pampa, RS, Brasil. lucileadesouza.82@gmail.com

II Universidade Federal do Pampa, RS, Brasil. anacarolinaosm@gmail.com

III Universidade Federal do Pampa, RS, Brasil. jonasneves@unipampa.edu.br

 

 

 

Resumo

A sustentabilidade preza pela biodiversidade e diversificao da produo numa mesma rea agrcola, que possibilite a otimizao do espao produtivo, com menores impactos ambientais, adequando-se s condies climticas da regio e aos interesses do prprio agricultor. Neste trabalho, buscou-se fazer um levantamento das pesquisas realizadas no Rio Grande do Sul para verificar potencialidades de implementao da diversificao da produo em pequenas propriedades. Para isso foram pesquisados na base de dados Dialnet artigos que discorrem sobre os benefcios da diversificao das produes e suas potencialidades. Por fim, apresentada uma proposta sustentvel a partir do contexto do assentamento de reforma agrria Liberdade no Futuro em Santana do Livramento, no Rio Grande do Sul. Tal proposta foi elaborada com base na Metodologia das rvores, a qual parte da identificao de causas e consequncias de conflitos para planejar solues que sejam viabilizadas pela prpria comunidade.

Palavras-chave: Sustentabilidade. Metodologia das rvores. Educao do Campo.

 

 

Abstract

Sustainability values the biodiversity and diversification of production in the same agricultural area, which allows the optimization of productive space, with lower environmental impacts, adapting to the climatic conditions of the region and the interests of the farmer himself. In this work, we sought to survey the research carried out in Rio Grande do Sul to verify the potential of implementing the diversification of production in small farms. For this purpose, articles were searched in the Dialnet database that discuss the benefits of diversification of production and its potentialities. Finally, a sustainable proposal is presented from the context of the Freedom in the future agrarian reform settlement in Santana do Livramento, Rio Grande do Sul. This proposal was elaborated based on the Methodology of Trees, which starts from the identification of causes and consequences of conflicts to plan solutions that are feasible by the community itself.

Keywords: Sustainability; Methodology of trees; Field education

 

 

1 Conflitos da monocultura em pequenas propriedades

Quando falamos em monocultura, pensamos em produo em larga escala, em grandes plantaes, mas, se pararmos para observar, a monocultura hoje est presente nas pequenas propriedades rurais tambm e, nesse sentido, o pequeno produtor rural investe em um s tipo de produo. A demanda de mercado e consumo para produo em grande escala, a desvalorizao da cultura camponesa, que est perdendo prticas de guardar as sementes crioulas, por exemplo, em ter variedades de cultivo sendo permitido produzir durante todas as pocas do ano, respeitando as estaes do ano, sabendo o que se deve plantar em cada estao, interfere diretamente na produo de muitas propriedades rurais.

H grande subordinao dos meios de produo porque a monocultura gera uma determinada dependncia, o produtor precisa comprar sementes, insumos de uma empresa e depois ele acaba vendendo sua produo a essa empresa. A fecha-se um ciclo. O produtor se submete a vender sua produo ao preo que essa empresa paga. O pequeno produtor para plantar acaba gerando uma dvida e depois precisa pagar por ela com sua produo.

A monocultura prejudica a economia dos pequenos produtores por no investirem em outros tipos de produo e tambm prejudica o ambiente contribuindo para a diminuio da biodiversidade, esgotamento do solo, contaminao de arroios e do prprio solo. Porm, em uma pequena propriedade, o risco de utilizar um tipo de produo pode ocasionar vrios problemas e, dentre eles, destacam-se o acmulo de dvidas que, dificilmente, sero pagas e o arrendamento da terra, para que a famlia possa ir viver na cidade. Alm disso, provoca o escasseamento de alimentos para os pequenos produtores e moradores da comunidade, uso abusivo de agrotxicos, causando impacto ambiental, degradao do solo e eroso. Gera menos mo de obra agregada contribuindo para o xodo rural e diminuio da populao do campo.

E por que pesquisar o policultivo em um curso de Licenciatura? Quais as relaes de alimentar-se com produtos livres de agrotxicos com a sustentabilidade e a identidade das pessoas do campo? Este trabalho pensa no territrio da populao do campo, desenvolvimento rural, e meio ambiente. Um dos objetivos do curso de Educao do Campo que as famlias tenham a oportunidade de estudar e permanecer na propriedade evitando o xodo rural. A Educao do Campo visa o fortalecimento da agricultura familiar com especificidades voltadas para o campo. O curso voltado para trabalhadores e trabalhadoras do campo, integrantes do Movimento Sem Terra, quilombolas, indgenas. O curso diferenciado por possibilitar o acesso de camponeses ao Ensino Superior e a permanncia no seu territrio durante e aps possuir uma formao.

A partir deste cenrio, esta pesquisa tem o objetivo de sistematizar as potencialidades da diversificao de produo em pequenas propriedades; alm de realizar levantamento de produes cientficas desenvolvidas a partir da anlise das potencialidades da diversificao de produo em pequenas propriedades no Rio Grande do Sul; sistematizar os benefcios ecolgicos, culturais e econmicos da diversificao de produo em pequenas propriedades; e propor uma metodologia para trabalhar o planejamento da diversificao da produo em pequenas propriedades em processos educativos do campo.

 

 

2 Sustentabilidade no campo

Pensar a diversificao da produo em pequenas propriedades contribui para pensarmos e propormos aes sustentveis para tais propriedades, tanto no que se refere a forma de produo, quanto no que se refere ao prprio sustento e consumo dos produtores que ali residem. A gesto de prticas sustentveis no campo nos conduz a pr em prtica a educao ambiental, imprescindvel ao desenvolvimento ambiental da comunidade. Na origem dos atuais problemas socioambientais, existe esta lacuna fundamental entre o ser humano e a natureza, que importante eliminar. preciso reconstruir nosso sentimento de pertencer natureza, a esse fluxo de vida de que participamos (SUVE, 2005).

Neste sentido, discorrer sobre desenvolvimento rural requer organizao das pequenas propriedades para que as famlias possam vender e retirar seus mantimentos no prprio local e, neste contexto, importante trabalhar as seis dimenses do desenvolvimento rural sustentvel (CAPORAL E COSTABEBER, 2002) da agricultura familiar que so: ecolgica, econmica, social - primeiro nvel - , cultural, poltica - segundo nvel - e tica - terceiro nvel.

Com relao dimenso ecolgica, pode-se entender que necessrio sempre realizar uma manuteno e recuperao da base de recursos naturais sobre a qual se sustentam e estruturam a vida dos seres vivos para atingir um patamar crescente de sustentabilidade. Ademais, importante manter e garantir que os recursos naturais estejam presentes no agroecossistema.

Na dimenso social, importante que o produto gerado naquele agroecossistema tambm possa ser usufrudo pelos diversos segmentos da sociedade e, com isso, buscar uma melhora nos nveis de qualidade de vida mediante a produo e o consumo de alimentos de qualidade, eliminando o consumo de agrotxicos, por exemplo.

No nvel da dimenso econmica, no se trata somente de buscar um aumento de produtividade a qualquer custo, uma vez que isso pode ocasionar redues na renda e na subsistncia da famlia agricultora, que tem de pensar na questo da produo para o seu prprio consumo e, ainda, para a comercializao, garantindo sua subsistncia, de certa forma, estvel.

Com relao dimenso cultural, devem-se considerar a necessidade de que as intervenes sejam respeitosas com a cultural local (enquanto formas de ser, estar e produzir no campo), ou seja, os saberes das populaes rurais devem ser levados em considerao na hora de pensar nos processos de desenvolvimento rural que, a partir da, devem espelhar a identidade cultural daquela regio e, por isso, prticas pr-estabelecidas, entretanto, quelas que so nocivas ano meio ambiente devem deixar de ser empregadas.

Na dimenso poltica da sustentabilidade, levam-se em considerao os processos de participao, por meio da democracia, que se desenvolvem no contexto da produo agrcola e, nesse sentido, o desenvolvimento sustentvel deve basear-se nas concepes sociais, culturais e polticas dos grupos sociais, considerando uma relao dialgica e integrante de sociedades maiores.

E, por ltimo, na dimenso tica, observa-se a relao direta e indireta da preservao do meio ambiente, pois, como sabido, a sociedade pode, de certa maneira, intervir de maneira negativa ou positiva no ambiente, fazendo com que muitas vezes se modifique aquela microrregio. Assim, a dimenso tica est no topo da pirmide, dado que os resultados das aes humanas, podem afetar em maior ou menor grau os objetivos e resultados esperados nas dimenses inferiores.

Pensando nessas dimenses, hoje, com o atual modelo de produo, a concentrao de capital est na mo de poucos, sem a preocupao com a igualdade social. O desenvolvimento de tecnologias agrcolas passou a investir em grandes plantaes, sem se preocupar com o meio ambiente, resultando em monocultura. A forma como a agricultura conduzida afeta em menor ou maior grau o meio ambiente em que ela est inserida atravs de impactos causados diretamente ao meio ambiente, com a possibilidade de comprometer a qualidade e a segurana dos alimentos produzidos. Esta atividade pode gerar fortes impactos sociais e ambientais.

Atualmente h um grande apelo para converso dos sistemas de produo agrcola sustentabilidade. O policultivo tem sido visto como uma aplicao dos princpios da agroecologia, a qual busca atingir a agricultura sustentvel, economicamente vivel, socialmente justa e ecologicamente correta, que pode ser definido como cultivos diferentes, plantados simultaneamente numa mesma rea, num mesmo espao de tempo, intensificando, assim, a produo (GLIESSMAN, 1985; MASERA et al., 2000).

Uma das principais razes pelas quais os agricultores em todo o mundo adotam a diversificao de culturas, deve-se ao fato de obter maior rendimento no plantio de uma determinada rea, alm de garantir ampla variedade de cultivo e prticas de manejo que possibilitam atender as necessidades das famlias rurais.

Estes sistemas agrcolas so considerados fundamentais para o desenvolvimento da agricultura sustentvel, especialmente onde as propriedades so de pequeno porte devido as condies socioeconmicas. Ao contrrio das monoculturas, intensificadas com a revoluo verde que se utiliza do uso extensivo da mecanizao agrcola e fertilizantes qumicos, o policultivo uma alternativa, um sistema complexo de cultivo, que preza pela biodiversidade e diversificao da produo numa mesma rea agrcola, que possibilita a otimizao do espao produtivo, com menores impactos ambientais, adequando-se s condies climticas da regio e aos interesses do prprio agricultor (LIEBMAN 1997; MAZOIER 1993).

A sustentabilidade da produo depende do bom desempenho dos produtores em utilizar de forma eficaz a terra para a produo de alimento de forma sustentvel e com retorno econmico. Sendo a agricultura uma atividade essencial vida, o manejo dos recursos necessrios a essa atividade refletir nosso comprometimento com o futuro em especial, porque a atividade agrcola vem sendo questionada principalmente quanto sua sustentabilidade, j que dela se espera suprir as necessidades e demandas da populao por recursos em mdio e longo prazo.

A agroecologia vista por muitos como uma possibilidade de desenvolvimento sustentvel para o meio rural, por dispor de base cientfica e estratgias com princpios conservacionistas compatveis com a agricultura familiar e que no necessita de grandes investimentos. Agroecologia definida como uma agricultura alternativa e se configura como prtica social aproveitando os recursos naturais. Exige que o agricultor a compreenda e que a estude para assim conseguir os melhores resultados do meio ambiente.

Conforme Caporal e Costabeber (2002) preciso ter clareza de que a agricultura ecolgica e a agricultura orgnica, entre outras denominaes existentes, conceitual e empiricamente, so o resultado da aplicao de tcnicas e mtodos diferenciados, normalmente estabelecidos de acordo e em funo de regulamentos e regras que orientam a produo e impem limites para o uso de certos tipos de insumos e liberdade para o uso de outros. A agricultura ecolgica objetiva a permanncia das famlias no campo atravs da produo diversificada de alimentos plantados dentro da pequena propriedade tanto para consumo prprio como tambm para a venda, o manejo sustentvel dos solos, a conservao dos recursos naturais, a valorizao dos saberes locais e a independncia dos pequenos agricultores.

 

 

3 Experincias de policultivo no Rio Grande do Sul

Por meio de pesquisa de cunho bibliogrfico e qualitativo (TRIVIOS, 1987; MINAYO, 2001) a partir do termo de busca: diversificao da produo agrcola na base de dados Dialnet[1] foram encontrados 23 documentos entre os anos de 2009 e 2018, dos quais 4 utilizamos neste artigo (aqueles que tratavam de experincias no Rio Grande do Sul), sendo descartados os demais, uma vez que no contemplavam o pr-requisito estabelecido e relatavam estudos em outros estados ou pas. A partir da sistematizao dos estudos pesquisados, mostram-se resultados alcanados a partir das pesquisas realizadas no Rio Grande do Sul sobre a diversificao da produo e os benefcios para a agricultura familiar.

No Rio Grande do Sul, encontramos os trabalhos de Mauch e Luzzardi (2005), Reichert et al (2011), Fritz et al (2011) e Arend (2014) que discutem a experincia e a importncia da diversificao da produo em pequenas propriedades tanto para o rendimento das famlias agricultoras, quanto para a sua permanncia no campo, evitando o xodo rural, e, ainda, com relao a sua subsistncia.

Mauch e Luzzardi (2005), em seus estudos, afirmaram que o monocultivo tem negligenciado os cultivos de subsistncia e promovido uma situao de insegurana alimentar, uma vez que grande parte da alimentao tem sido comprada e no produzida inteiramente na propriedade. Isto ocorre pelo fato de muitos agricultores terem a necessidade de garantir uma renda que, minimamente, garanta a sobrevivncia de sua famlia.

Os agricultores ao negligenciar os cultivos de subsistncia, acabam dependendo somente da renda monetria da safra para a garantia da maior parte de sua alimentao, o que diminui drasticamente o poder de investimento na propriedade, j que a renda obtida com os monocultivos, por ser em uma pequena rea, baixa (MAUCH E LUZZARDI, 2005, p.04).

Diante disso, percebe-se que a diversificao da produo poderia acarretar em uma soluo que abrangeria no somente a questo da produo para o prprio consumo, mas tambm para a comercializao, fazendo com que as famlias subsistam e, ainda, garantam outras fontes de renda, proporcionando, tambm, a sua permanncia na propriedade.

Nesse sentido, com relao aos estudos dos autores, eles destacam o caso dos Assentamentos de Reforma Agrria de Tupanciret RS, que demonstrou uma clara orientao para o mercado e essencialmente para um nico produto: a soja. A principal alternativa foi criao de uma Cooperativa de leite, j que a orientao dominante naquela regio, devido ao grande fomento pelos movimentos sociais, foi pela Bovinocultura de Leite, o que resultou na produo e comercializao deste produto Coopeterra (Cooperativa de Me Terra). Com a estruturao desta cooperativa, muitos agricultores puderam sair do monocultivo de soja, pois, agora, eles dispunham de uma infraestrutura que garantia a comercializao de outro produto: o leite.

Com relao aos estudos de Reichert et al (2011), os autores buscaram avaliar a sustentabilidade tcnica e econmica de um agroecossistema familiar de um municpio do Estado do Rio Grande do Sul e, nesse sentido, constaram que a propriedade apresentava um sistema de produo bem diversificado. Portanto, evidenciaram que atividades associadas diversidade na produo e as prticas com orientaes agroecolgicas proporcionaram uma maior rentabilidade e sustentabilidade propriedade familiar e, por isso, destacam que:

Com a organizao gerencial da unidade, da diversificao de atividades, o agricultor pode aumentar a oferta de alimentos in natura e processados. Realizar os investimentos e melhorias na infraestrutura de produo conforme planejado, demonstrando ser tecnicamente sustentvel, assegurando a sobrevivncia e o desenvolvimento desta e qui das prximas geraes (REICHERT et al, 2011, p.131).

Deste modo, pode-se perceber que, alm de uma diversificao da produo, neste caso em especfico, houve prticas orientadas para uma melhor rentabilidade da propriedade familiar, auxiliando no processo de produo.

J com relao ao estudo de Fritz et al (2011), que analisaram os indicadores de produo da agricultura familiar em um municpio do Rio Grande do Sul foram caracterizadas as relaes e as estratgias de produo atravs da anlise de duas propriedades privadas, ressaltaram que essas unidades familiares apresentavam peculiaridades que minimizam o xodo rural dos produtores e, dentre elas, destaca-se a diversificao da produo para fins comercial e para o autoconsumo. Assim, FRITZ et al (2011, p.119) afirmam que em algumas regies, fatores como grupamentos locais, associaes e cooperativas possibilitam a permanncia do sistema familiar e, em outros fatores, como a diversificao produtiva ou pluriatividade, este sistema se destaca. Ou seja, atualmente verificam-se vrias estratgias de sobrevivncia diferenciadas nos ncleos das unidades de produo familiar e, deste modo, percebe-se que a diversificao da produo e as atividades comerciais dessas duas propriedades so pontos fortes para a manuteno de suas atividades.

Arend (2014), em seus estudos, buscou verificar os aspectos econmicos das propriedades de tabaco no sul do Brasil, com o objetivo de analis-las para a definio de alternativas de diversificao da produo agrcola que ora esto sendo gestadas na regio. Para isso, o autor realizou uma pesquisa, entrevistando 1.200 agricultores familiares da Regio Sul do Brasil, e constatou que mais de 60% dos produtores entrevistados tm uma situao declarada como estvel, entretanto, apenas 29,3% no tm dvida. Alm disso, mais da metade tm dvidas de custeio e quase 75% tm dvidas referentes a investimento na propriedade. O autor afirma que:

Entidades e instituies (inclusive do Governo Federal) diretamente vinculadas cadeia produtiva de tabaco tm intensificado o debate em torno da fumicultura e da importncia de programas de diversificao produtiva e de alternativas de desenvolvimento capazes de amenizar possveis efeitos de uma maior restrio internacional (AREND, 2014, p. 119).

Ou seja, h uma grande preocupao, inclusive por parte do governo, com relao s dvidas dos produtores de tabaco na regio Sul do Brasil e, por isso, busca incentivos para diversificar a produo a fim de amenizar os efeitos do cultivo de um nico tipo de produto. Assim, a partir de 2006, o governo brasileiro, passou a executar o Programa de Apoio Diversificao Produtiva das reas de Cultivadas com Fumo na Regio Sul, com a inteno de criar oportunidades para os agricultores que produzem tabaco, diversificar suas atividades produtivas, de forma a garantir novas e alternativas fontes de renda (AREND, 2014).

Deste modo, evidencia-se que a produo de um nico tipo de tabaco pode, de certa forma, no garantir uma fonte de renda estvel, por ser um nico produto a ser comercializado e, por isso, h, por parte de vrias instituies, a preocupao com os agricultores familiares que possuem somente esta fonte de renda e, deste modo, busca incentivar a diversificao da produo.

Diante disto, pode-se afirmar que a diversificao das produes da agricultura familiar de grande importncia para que essas garantam no s a sua permanncia na propriedade, obtendo renda para sua subsistncia, mas tambm garantam possibilidades de competir no mercado.

Assim, pensando nessa questo, prope-se, na prxima seo, um exerccio pedaggico de como construir e avaliar as possibilidades de implementao da diversificao em pequenas propriedades rurais, partindo dos pressupostos da Metodologia das rvores (CRIVELLARO, MARTINEZ NETO E RACHE, 2001).

 

 

4. Como trabalhar a diversificao da produo em pequenas propriedades em processos educativos do campo?

A Metodologia das rvores, criada por Crivellaro; Martinez Neto e Rache (2001) atravs de um estudo do meio, parte da identificao de causas e consequncias de conflitos para planejar solues que sejam viabilizadas pela prpria comunidade. A metodologia foi criada no contexto da formao de professores em Educao Ambiental e possibilita que os mesmos planejem e realizem aes que proporcionam solues ou minimizaes de situaes conflito. Sauv (2005) salienta que a corrente socialmente crtica da Educao Ambiental est associada a processos de compreenso dos contextos ambientais, sociais e educativos com a finalidade de transformao dos mesmos, considerando as caractersticas especficas da populao e do contexto na qual se desenvolve. Com a compreenso desses contextos, possvel identificar os conflitos existentes na localidade e escolher qual deles ser utilizado para desenvolver a metodologia:

Determinado o conflito, inicia-se a elaborao dessa rvore, no tronco vai o conflito principal definido em grupo. Em seguida, passa-se a pensar sobre as causas desse conflito, para que as mesmas sejam colocadas nas razes da rvore. Esse outro diferencial da Metodologia, pois alm de possibilitar que a comunidade seja autora do diagnstico do meio, possibilita que a prpria comunidade identifique as causas do conflito (MOURA, et. al., 2018, p. 11 traduo dos autores).

Com essa prtica, a rvore conflito divide-se em tronco e aborda a situao conflito, na raiz as causas do problema enfrentado e nos galhos as consequncias. Na rvore soluo o tronco traz a situao conflito resolvida, na raiz os meios que esto sendo utilizados e nos galhos os fins e as maneiras encontradas para solucionar o problema na comunidade.

Eleger as aes para que se resolva a situao-conflito um processo que exige muita discusso, a etapa mais delicada, na qual mobiliza-se os participantes para protagonizar aes de mudana, aes que possam efetivamente ser realizadas pelo grupo (MOURA, et. al., 2018, p. 12 traduo dos autores).

A partir das vivncias concretas da primeira autora, que reside em um assentamento em Santana do Livramento no Rio Grande do Sul, apresentaremos um exerccio de planejamento pedaggico com o uso da Metodologia das rvores. Neste exerccio de desenvolver a Metodologia das rvores foi considerada a temtica do policultivo para o assentamento de reforma agrria Liberdade no Futuro, o qual fica distante 24 km da cidade de Santana do Livramento, no Rio Grande do Sul, onde moram cerca de sessenta e quatro famlias. O policultivo uma forma de manter vrias culturas na mesma rea, mantendo a diversidade do ecossistema buscando a sustentabilidade.

No assentamento Liberdade no Futuro a maior parte das famlias est envolvida com a monocultura do leite, este vendido direto para cooperativa, sendo que os prprios cooperados necessitam ir ao mercado para comprar at mesmo o leite e seus derivados. Com a crise atual da cooperativa as famlias esto endividadas. Por esse motivo fundamental pensar em alternativas para famlias melhorarem suas rendas e diversificar a produo em suas pequenas propriedades. Nota-se que os pequenos produtores tm investido em somente um tipo de produo, deixando de lado o leque de produtos e derivados que podem ser produzidos dentro das pequenas propriedades como: iogurte, queijo, manteiga, requeijo, doce de leite, ambrosia, rapadura, etc.

A partir desta Metodologia, possvel pensar e repensar como planejar e pr em prtica projetos, primeiro com um olhar investigativo, identificando causas que nem sempre parecem to evidentes. Na segunda etapa, colocar em prtica e avaliar as aes que esto sendo desenvolvidas em consonncia com a perspectiva sustentvel. As figuras 1 e 2 ilustram uma possvel implementao da diversificao das produes em propriedades que tem a monocultura como nico modelo de produo, com o intuito de incentivar melhorias no contexto das famlias agricultoras que, muitas vezes, passam por dificuldades.

Os elementos que compem a rvore-conflito foram identificados pela primeira autora deste artigo, a partir de suas vivncias no campo. As rvores foram elaboradas como simulao de uma proposta educativa, durante o componente curricular Gesto de Prticas Sustentveis no/do Campo do curso de Educao do Campo da Universidade Federal do Pampa.

 

Figura 1 - rvore-conflito.

Uma imagem contendo texto, mapa

Descrio gerada automaticamente

Fonte: Lucilea Silva de Souza Figueroa, Aline Marluce Pires Freitas, Quessia Moraes Mello.

 

Figura 2 - rvore- soluo.

Fonte: Lucilea Silva de Souza Figueroa, Aline Marluce Pires Freitas, Quessia Moraes Mello.

 

Conforme ilustrado nas figuras, a Metodologia das rvores pode ser um caminho para o estudo de uma comunidade, feito pela prpria comunidade, e para o dar-se-conta deste coletivo sobre determinado conflito e suas possveis solues, uma vez que essa Metodologia possibilita que se estudem os problemas de forma crtica para propor solues que sejam pertinentes e possveis de realizar.

 

 

5. Consideraes finais

A monocultura presente em muitas propriedades rurais de famlias agricultoras mostra-se, de certa forma, um modo de produo recorrente. Porm, essa produo, muitas vezes, no suficiente para que as famlias subsistam e, ainda, obtenham uma fonte de renda. Neste sentido, o presente trabalho buscou realizar um levantamento de produes cientificas que buscaram ressaltar os benefcios e as possibilidades da diversificao de produes em pequenas propriedades, com o objetivo de analisar em que medida essa diversificao benfica para essas propriedades.

Encontramos estudos no Rio Grande do Sul que afirmam que a policultura possvel e que apontam os benefcios tanto para a subsistncia das famlias como para a gerao de renda, o que pode acarretar, tambm, a diminuio do xodo rural. Alm disso, as pesquisas j produzidas mostram que existem benefcios ecolgicos e culturais para as propriedades que tm este modelo de produo na atividade ou que o adotaram para as suas propriedades. Dentre eles, destacam-se: a produtividade do solo, a partir da biodiversificao de produtos e a sustentabilidade.

 

 

Referncias

AREND, S. C. Famlias fumicultoras no sul do Brasil: situaes econmicas dos associados associao dos fumicultores do Brasil (AFUBRA). Revista do Desenvolvimento Regional (REDES), V.19 Ed Especial. Disponvel em: https://online.unisc.br/seer/index.php/redes/article/view/5157/3564. Acesso em: 15 de abr 2019.

 

CAPORAL, F. R.; COSTABEBER, J. A. Agroecologia como matriz disciplinar para um novo paradigma de desenvolvimento rural. In: Congresso Brasileiro de Agroecologia, 3., Florianpolis. Anais... Florianpolis: CBA, 2005.

 

CRIVELLARO, C. V.; MARTINEZ NETO, M. R.; RACHE, R. P. Ondas que te quero mar: educao ambiental para comunidades costeiras - Mentalidade martima: relato de uma experincia. Porto Alegre: Gestal/NEMA, 2001. Disponvel em: http://www.nema-rs.org.br/files/publicacoes/livro.pdf. Acesso em: 13 dez 2016.

 

FRITZ, K.B.B.;FRITZ FILHO, L.F.; BEZZUTI, H. A agricultura familiar no Municipio de gua Santa RS: um estudo de caso dos indicadores agropecurios, estratgias de diversificao e autoconsumo em duas unidades de produo. Revista IDeAS, Interfaces em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade, 2011. Disponvel em: https://r1.ufrrj.br/cpda/ideas/ojs/index.php/ideas/article/view/100/99 . Acesso em: 16 abr. 2019.

 

GLIESSMAN, S. R. Economic and ecological factors in designing and managing sustainable agroecosystems. In: Edens, T. C.; Fridgen, C.; Battenfield, S. L. (Eds.). Sustainable agriculture & integrated farming systems. East Lansing, Michigan: Michigan State University Press. p. 56-63, 1985

 

LIEBMAN, M. Sistemas de policultivos. Altieri, MA Agroecologa. Bases cientficas para una agricultura sustentable. CLADES. La Habana, p. 133-141, 1997. Disponvel em: http://www.ayuntamientomotril.es/fileadmin/areas/medioambiente/ae/presentacion/document os /IOPolicultivos.pdf. Acessado em: 10 abr. 2019.

 

MAUCH, C. R; LUZZARDI, R. E. S. A segurana alimentar e a especializao do fumo da agricultura familiar no Estado do Rio Grande do Sul: um processo de eroso alimentar?. Disponvel em: http://coral.ufsm.br/desenvolvimentorural/textos/artigo%20erosao%20alimentar.pdf. Acesso em: 14 de abr. 2019.

 

MASERA, O; ASTIER, M; LOPES-RIDAURA, S. Sustentabilidad y manejo de recursos naturales: el marco de evaluacin MESMIS. Mxico: Mundi-Prensa, 200.

 

MAZOYER M.; ROUDART L. Histria das agriculturas no mundo: do neoltico crise contempornea. [traduo de Cludia F. Falluh Balduino Ferreira]. So Paulo: Editora UNESP; Braslia, DF: NEAD, 2010

 

MINAYO, M. C. S. (Org.). Pesquisa social: teoria, mtodo e criatividade. Petrpolis: Vozes, 2001.

 

MOURA, A. C. de O. S. de; CICUTO, C. A. T. ; MONTEIRO, A. F. ; ANCINI, A. C.; GONALVES, M. C. G.; BATISTA, Z. G.; ROSA, S. M. da. Methodology of Trees and concept maps: paths that integrate and articulate Environmental Education and Science Teaching. Journal of Science Education. N 1, Vol 19, 2018. Disponvel em: http://chinakxjy.com/downloads/V19-2018-1.html. Acesso em: 26 mar 2019.

 

SAUV, L. Uma cartografia das correntes em educao ambiental. In: SATO, Michle. e CARVALHO, Isabel (Org.). Educao Ambiental: pesquisa e desafio. Porto Alegre: Artmed, 2005, p.17-44.

 

REICHERT, L.J; GOMES, M. C.;. SCHWENGBER, J. E. Avaliao tcnica e econmica de um agroecossistema familiar de base ecolgica na regio sul do Rio Grande do Sul. Current Agricultural Science and Technology (CAST). V.17, 2011. Disponvel em: https://periodicos.ufpel.edu.br/ojs2/index.php/CAST/article/view/2039/1876 . Acesso em: 15 abr. 2019.

 

TRIVIOS, A. N. S. Introduo pesquisa em cincias sociais: a pesquisa qualitativa em educao. So Paulo: Atlas, 1987.

 

[1] Disponvel em: https://fundaciondialnet.unirioja.es/dialnet/dialnet/. Acesso em: 05 mar 2019.

 



[1] Disponvel em: https://fundaciondialnet.unirioja.es/dialnet/dialnet/. Acesso em: 05 mar 2019.



Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.