Occupational stress in criminal police: study in a prison unit in Minas Gerais

Authors

DOI:

https://doi.org/10.5902/1983465969143

Keywords:

Keywords: Occupational Stress; Criminal Police; Stressors

Abstract

Purpose: The objective of this work was to identify the levels of occupational stress in Criminal Police, as well as their generating factors (stressors), coping strategies and suggestions for improvement.

Design/methodology/approach: Based on a quantitative study carried out in a Prison Unit in Minas Gerais, data were collected through an electronic questionnaire, adapted from the Theoretical Model for Explanation of Occupational Stress (MTEG) developed and validated by Zille (2005). The results were analyzed using univariate and multivariate statistics and the discursive questions were treated from the Content Analysis

Findings: The main results indicate that 89% of those surveyed present stress ranging from mild to moderate to very intense and the main stressors are related to the insufficient number of staff, the biological risk of infectious diseases, overcrowding and high risk of detainees, in addition to the relationship with colleagues and management. It is also worth mentioning improvement actions aimed at 3 categories: Public Power, Management and Servants.

Research limitations/implications (if applicable): It is worth noting the fact that it was carried out only in a prison unit and the impossibility of interviews, in view of the restrictions imposed by the Covid 19 Pandemic.

Practical implications: The study highlights suggestive actions that involve the government, the direction of the Unit and also the Criminal Police in an attempt to collaborate to reduce the level of stress experienced by servers. In addition to the clamor for an increase in the number of employees, the valorization of work, dialogue, training are some of the practical actions to be taken.

Social implications: It is believed that the research draws attention to variables that influence the level of security, both of the agents and the community. Therefore, it is a matter of collective interest.

Originality/value (mandatory): We sought to contribute to the advancement of research on stress at work carried out by Criminal Police, pointing out the main stress-generating factors and indications of improvements, from the perspective of those involved. In this way, it contributes with information that can help the management of prisons, as well as justify more solid public actions for the category.

Downloads

Download data is not yet available.

Author Biographies

Sarah Lopes Souto, IFMG - Campus Formiga

maior titulação acadêmica: Mestre em Administração

experiência profissional e/ou acadêmica: Professora da Área de Gestão - IFMG Campus Formiga

e-mail: sarah.lopes@ifmg.edu.br

telefone: 37 99168-0403

Arlete Aparecida de Abreu, Instituto Federal de Educação Ciências e Tecnologia de Minas Gerais - Campus Formiga

maior titulação acadêmica: Doutora 

experiência profissional e/ou acadêmica: Professora da Área de Gestão - IFMG Campus Formiga

e-mail: arlete.abreu@ifmg.edu.br

telefone: 35 99844-7098

Rafaela Gonçalves Campos, Instituto Federal de Educação Ciências e Tecnologia de Minas Gerais - Campus Formiga

Graduação

rafaelagoncalvescampos@gmail.com

37 99985-2862

References

Adorno, S. (2008). Políticas públicas de segurança e justiça penal. Cadernos Adenauer, 9 (4), 9-27.

Alchieri, J. C., & Cruz, R. M. (2004). Estresse: conceitos, métodos, medidas e possibilidades de intervenção. Casa do Psicólogo.

Alyrio, R. D. (2009). Métodos e técnicas de pesquisa em administração. Rio de Janeiro: Fundação CECIERJ.

Armstrong, G. S., Atkin-Plunk, C. A., &Wells, J. (2015). The Relationship Between Work–Family Conflict, Correctional Officer Job Stress, and Job Satisfaction. Criminal Justice and Behavior, 42(10). DOI: 10.1177/0093854815582221

Bezerra, C. B., Saintrain, M. V. L., Braga, D. R A, Santos, F. S., Lima, A. O. P., Brito, E. H. S., & Pontes, C. B. (2020). Impacto psicossocial do isolamento durante pandemia de COVID-19 na população brasileira: análise transversal preliminar. Saúde & Sociedade, 29 (4). DOI: 10.1590/S0104-12902020200412.

Bezerra, C. M., Assis, S. G., & Constantino, P. (2016). Sofrimento psíquico e estresse no trabalho de agentes penitenciários: uma revisão da literatura. Ciência & Saúde Coletiva, 21 (7), 2135-2146. DOI: 10.1590/1413-81232015217.00502016.

Bezerra, C. M., Assis, S. G., Constatino, P, & Pires, T. O. (2021). Fatores associados ao sofrimento psíquico de agentes penitenciários do estado do Rio de Janeiro, Brasil. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, 46. DOI: 10.1590/2317-6369000038218.

Bezerra, S. S. (2018) Trabalho e Saúde de Agentes Penitenciários no Instituto Psiquiátrico Governador Stênio Gomes. Dissertação de Mestrado, Universidade Estadual do Ceará, Ceará, Brasil. Disponível: https://siduece.uece.br/siduece/trabalhoAcademicoPublico.jsf?id=82858.

Bianchi, E.R.F. (2009). Escala Bianchi de Stress. Rev. esc. enferm. USP, 43(esp). DOI: 10.1590/S0080-62342009000500009

Bonez, A., Dal Moro, E., & Sehnem, S. (2017). Saúde mental de agentes penitenciários de um presídio catarinense. Psicologia Argumento, 31(74). DOI: 10.7213/psicol.argum.31.074.AO05

Cardoso, M. R. G., Oliveira, G. S., & Ghelli, K. G. M. (2021). Análise de conteúdo: uma metodologia de pesquisa qualitativa. Cadernos da Fucamp, 20 (43), p.98-111.

Carnevalli, J.A., & Miguel, P.A. (2001). Desenvolvimento da Pesquisa de Campo, Amostra e Questionário para a Realização de um Estudo Tipo Survey sobre a Aplicação do QFD no Brasil. XXI Encontro Nacional de Engenharia de Produção-ENEGEP.

Clements, A. J., Kinman, G., & Hart, J. (2020) 'Stress and wellbeing in prison officers', in Burke R, Pignata S (ed(s).). Handbook of Research on Stress and Well-being in the Public Sector, edn,: Edward Elgar Publishing Ltd. DOI: 10.4337/9781788970358.00018

Coleta, A. S. M. D., & Coleta, M. F. D. (2008). Fatores De Estresse Ocupacional E Coping Entre policiais civis. Psico-USF, 13 (1). DOI: 10.1590/S1413-82712008000100008.

Corrêa, J. S., Lopes, L. F. D., Almeida, D. M., & Camargo, M. E. (2019). Bem-estar no trabalho e síndrome de burnout: Faces opostas no labor penitenciário. Revista de Administração Mackenzie, 20(3). doi:10.1590/1678-6971/eRAMG190149.

Costa, E. R. P., Souza, J.A., Porto, W. S., Carneiro, A.F, & Souza, E. F. M. (2014). Os fatores motivacionais na gestão pública das unidades prisionais na percepção dos agentes penitenciários. REA-Revista Eletrônica de Administração, 13 (2). ISSN: 1679-9127.

Cruz, M. V. G. (2010). De Cadeia a Penitenciária: Uma Análise da Política Prisional de Minas Gerais. In: Encontro De Administração Pública E Governança. ENAPG. Vitória ES: ANPAD.

Depen. (2017), Levantamento nacional de informações penitenciárias. Departamento Penitenciário Nacional (Depen). Ministério da Justiça e Segurança Pública, Brasília, DF.

Depen. (2021), Departamento Penitenciário Nacional. Ministério da Justiça e Segurança Pública, Brasília, DF.

Duarte, H., Daros Vieira, R., Cardozo Rocon, P., Andrade, A., Wittmer, V. L., Capellini, V. K., Soares, S., & Paro, F. M. (2022). Factors associated with Brazilian physical therapists' perception of stress during the COVID-19 pandemic: a cross-sectional survey. Psychology, health & medicine, 27(1), 42–53. DOI: 10.1080/13548506.2021.1875133

Fernandes, A. L. C., Sousa, V. L. de, Bezerra, A. L. D., Suárez, L. de A. B., Mazzaro, V. D. de M., Andrade, M. de, & Sousa, M. N. A. de. (2016). Qualidade de vida e estresse ocupacional em trabalhadores de presídios. Revista Produção Online, 16(1), 263–277. DOI: 10.14488/1676-1901.v16i1.2095

Fernandes, R. C. P., Neto, A. M. S., Sena, G. M., Leal, A. S., Carneiro, C. A. P., & Costa, F. P. M. (2002). Trabalho e cárcere: um estudo com agentes penitenciários da Região Metropolitana de Salvador, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, 18 (3), 807-816. DOI: 10.1590/S0102-311X2002000300024

Ferreira, M. C., Milfont, T. L., Silva, A. P. C., Fernandes, H. A., Almeida, S. P., & Mendonça, H. (2015). Escala para avaliação de estressores psicossociais no contexto laboral: construção e evidências de validade. Psicologia: Reflexão e Crítica, 28 (2), 340-349. DOI: 10.1590/1678-7153.201528214

Filgueiras, J. C., & Hippert, M. I. S. (1999). A polêmica em torno do conceito de estresse. Psicologia: ciência e profissão, 19 (3), 40-51. DOI:10.1590/S1414-98931999000300005.

Filha, M.M.T., Costa, M.A.S, & Guilam, M.C.R. (2013). Occupational stress and self-rated health among nurses. Revista Latino Americana de Enfermagem, 21 (2), DOI: 10.1590/S0104-11692013000200002

Freitas, H., Oliveira, M., Saccol, A. Z., & Moscarola, J. (2000). O método de pesquisa survey. RAUSP Management Journal, 35(3), 105-112.

Gressler, L. A. (2003). Introdução à pesquisa. São Paulo: Edições Loyola.

Hurrell, J. J., & Murphy, L. R. (1996). Occupational stress intervention. American Journal of Industrial Medicine, 29(4), 338–341. DOI:10.1002/(sici)1097-0274(199604)29:4<338::aid-ajim11>3.0.co;2-2

Jaskowiak, C. R., & Fontana, R. T. (2015). O trabalho no cárcere: reflexões acerca da saúde do agente penitenciário. Revista Brasileira de Enfermagem, 68 (2), 235-243. DOI: 10.1590/0034-7167.2015680208

Jesus, S. R., Felippe, A. M., & Silva, Y. V. (2021). Vulnerabilidade ao Estresse entre Agentes de Segurança Penitenciários. Psicol. cienc. prof., 41 (spe2). DOI: 10.1590/1982-3703003197193

Joaquim, A. C., Lopes, M., Stangherlin, L., Castro, K., Ceretta, L. B., Longen, W. C., Ferraz, F., & Perry, I. (2018). Mental health in underground coal miners. Archives of environmental & occupational health, 73(6), 334–343. DOI: 10.1080/19338244.2017.1411329

Lima, A. I. O. (2017). Trabalho e saúde mental: o caso dos agentes do sistema prisional no Rio Grande do Norte. Tese de Doutorado, Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, Brasil. Disponível: https://repositorio.ufrn.br/handle/123456789/26494

Lipp, M. N. (2015). O stress está dentro de você. São Paulo: Editora Contexto.

Lipp, M. (2000). Inventário de sintomas de stress para adultos de Lipp (ISSL). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Lourenço, A. S. (2010). O espaço de vida do Agente de Segurança Penitenciária no cárcere: entre gaiolas, ratoeiras e aquários. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo, São Paulo, São Paulo, Brasil. Disponível: https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/47/47134/tde-20072010-153506/publico/lourenco_do.pdf

Maffia, L. N., & Pereira, L. Z. (2014). Estresse no trabalho: estudo com gestores públicos do estado de minas gerais. REAd. Revista Eletrônica de Administração, 20 (3), 658-680. DOI: 10.1590/1413-2311.0052014.47163

Marconi, M A., & Lakatos, E.M. (2005). Fundamentos de Metodologia Científica. São Paulo: Editora Atlas.

Marques, M. A. M., & Ferreira, D. C. (2020). Sintomas de Depressão, Ansiedade e Estresse em Pacientes com Deficiência Física e em Reabilitação. Revista FSA, 17 (4), 147-158.

McCraty R., Atkinson M., Lipsenthal L., & Arguelles L. (2009). New hope for correctional officers: an innovative program for reducing stress and health risks. Appl. Psychophysiol. Biofeedback, 34, 251–272. DOI: 10.1007/s10484-009-9087-0

Meirinhos, M., & Osório, A. (2010). O estudo de caso como estratégia de investigação em educação. Eduser - Revista De EducaçãO, 2(2). DOI: 10.34620/eduser.v2i2.24

Mendes, R. (1988). O impacto dos efeitos da ocupação sobre a saúde de trabalhadores. I. Morbidade. Revista Saúde Pública, 22(4), 311-26. DOI: 10.1590/S0034-89101988000400007

Mendoza, R., Medeiro, V., & Costa, J. B. (2007). Comprometimento organizacional, fatores estressantes do trabalho e identidade social. Um estudo exploratório. Ariús: Revista de Ciências Humanas e Artes, 13 (1), 92-100.

Molina, C., & Calvo, E. A. (2009). Doenças ocupacionais: um estudo sobre o estresse em agentes penitenciários de uma unidade prisional. ETIC-Encontro De Iniciação Científica, 5 (5). ISSN 21-76-8498.

Mota, C. M., Tanure, B., & Carvalho Neto, A. (2008). Estresse e sofrimento no trabalho dos executivos. Psicologia em Revista, 14 (1), 107-130.

Nakao, M., Nishikitani, M., Shima, S., & Yano, E. (2007). A 2-year cohort study on the impact of an Employee Assistance Programme (EAP) on depression and suicidal thoughts in male Japanese workers. International archives of occupational and environmental health, 81(2), 151–157. DOI: 10.1007/s00420-007-0196-x

Neto, P V. (2004). Estatística descritiva: Conceitos básicos. São Paulo.

Ngirande, H. (2021). Occupational stress, uncertainty and organisational commitment in higher education: Job satisfaction as a moderator. SA Journal of Human Resource Management, 19 (2). DOI: 10.4102/sajhrm.v19i0.1376

Paschoal, T., & Tamayo, A. (2004). Validação da escala de estresse no trabalho. Estudos de psicologia, 9 (1), p. 45-52. DOI: 10.1590/S1413-294X2004000100006

Pereira, L. Z., Lanna, F. C. C. C., & Coelho, G. I. (2014). Estresse ocupacional e liderança. Reuna, 19 (4), 205-226.

Puente-Palacios, K. E., Pacheco, É. A., & Severino, A. F.. (2013). Clima organizacional e estresse em equipes de trabalho. Revista Psicologia Organizações e Trabalho, 13(1), 37-48.

Rocha, G., Flôr-de-Lima, F., Almeida, S., & Guimarães, H. (2022). Work satisfaction and stress among Portuguese neonatologists – 2019 survey. Journal of Pediatric and Neonatal Individualized Medicine (JPNIM), 11(1), e110130. DOI: 10.7363/110130

Sadir, M. A., Bignotto, M. M., & Lipp, M. E. N. (2010). Stress e qualidade de vida: influência de algumas variáveis pessoais. Paidéia, 20 (45), 73-81. DOI: 10.1590/S0103-863X2010000100010

Salgado de Snyder, V. N., Villatoro, A. P., McDaniel, M. D., Ocegueda, A. S., Garcia, D., & Parra-Medina, D. (2021). Occupational Stress and Mental Health Among Healthcare Workers Serving Socially Vulnerable Populations During the COVID-19 Pandemic. Frontiers in public health, 9, 782846. DOI: 10.3389/fpubh.2021.782846

Santos, M. M. (2010). Agente penitenciário: trabalho no cárcere. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, Rio Grande do Norte, Brasil. https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/17464

Santos, M. P., & Santos, J. C. P. (2011). Qualidade de vida no ambiente de trabalho: um estudo de caso na unidade penitenciária estadual de Ponta Grossa-Paraná. Revista Jurídica (FURB), 15 (30), 21-38.

Scartazzini, L. (2014). Entre grades e cadeados: a condição psicossocial do agente penitenciário em exercício na mesorregião da Grande Florianópolis. Dissertação de mestrado. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Sana Catarina, Brasil. https://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/132743

Selye, H., et al. (1985). A natureza do estresse. Factos basais, 7 (1).

Silva, A. P. (2012). Do outro lado das grades: o trabalho dos agentes de segurança penitenciária em um complexo penitenciário de Minas Gerais. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil. http://hdl.handle.net/1843/30231

Stacciarini, J. M. R, & Troccoli, B. T. (2001). O estresse na atividade ocupacional do enfermeiro. Rev. Latino-Am. Enfermagem, 9 (2), 17-25. DOI: 10.1590/S0104-11692001000200003.

Thi Hong Thai Bui, Thi Minh Duc Tran, Thi Nhu Trang Nguyen, Thy Cam Vu, Xuan Diep Ngo, Thi Hang Phuong Nguyen & Thi Le Hang Do (2022) Reassessing the most popularly suggested measurement models and measurement invariance of the Maslach Burnout Inventory – human service survey among Vietnamese healthcare professionals, Health Psychology and Behavioral Medicine, 10:1, 104-120, DOI: 10.1080/21642850.2021.2019585

Tschiedel, R. M., & Monteiro, J. K. (2013). Prazer e sofrimento no trabalho das agentes de segurança penitenciária. Estudos de Psicologia, 18 (3), 527-535. DOI: 10.1590/S1413-294X2013000300013

Yin, R. K. (2015). Estudo de Caso: Planejamento e métodos. Bookman editora.

Zambon, E. (2014). Estratégias De Prevenção Ao Estresse Ocupacional De Professores Do Ensino Superior Privado. Tese de Doutorado. Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil. http://hdl.handle.net/10923/5692.

Zanelli, J. C, Silva, N., & Soares D.H.P. (2010). Orientação para aposentadoria nas organizações: projetos para o pós-carreira. Porto Alegre: ARTMED.

Zille, L. P. (2005). Novas perspectivas para a abordagem do estresse ocupacional em gerentes: estudo em organizações brasileiras de setores diversos. Tese de Doutorado, Centro de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil.

Downloads

Published

2022-12-20

How to Cite

Souto, S. L., Abreu, A. A. de, & Campos, R. G. (2022). Occupational stress in criminal police: study in a prison unit in Minas Gerais. Revista De Administração Da UFSM, 15, 854–874. https://doi.org/10.5902/1983465969143