DIFUSÃO INTERNACIONAL DE INOVAÇÃO: ESTUDO DE CASO EM UMA ORGANIZAÇÃO PÚBLICA

Luciana Maines da Silva, Paula Maines da Silva

Resumo


A participação do setor de serviços no emprego da maioria dos países industriais vem crescendo nas últimas décadas. Também vem sendo reconhecido por sua produtividade, e competitividade econômica, além de diversas inovações, difundidos também por outros setores da economia. Se buscou identificar, nesse estudo, os elementos promotores da difusão da inovação no contexto de uma organização pública, utilizando, para isso, os elementos propostos por Rogers (2013). Assim, foi realizada pesquisa de cunho qualitativo, descritiva, através de estudo de caso único. Alguns dos elementos verificados que determinam a difusão da inovação na organização pública objeto do estudo são: (1) modelo de cartão bancário; (2) divulgação das inovações desenvolvidas; (3) difusão internacional; e (4) a rede de relacionamento criada. 


Texto completo:

PDF

Referências


Banco Central Do Brasil. IF Data. Disponível em . Acesso em 08 de abril de 2016.

Banrisul. Relação com investidores. Disponível em . Acesso em 16 de agosto de 2015.

Banrisul (b). Apresentação interna sobre a CISIS 2014.

Bardin, L. (1977). Análise de conteúdo. Lisboa: edições, 70, 225.

Barras, R. (1990). Interactive innovation in financial and business services: the vanguard of the service revolution. Research policy, 19(3), 215-237.

Bessant, J., & Tidd, J. (2009). Inovação e empreendedorismo: administração. Bookman Editora.

Brandão, S. M., & de Fátima Bruno-Faria, M. (2013). Inovação no setor público: análise da produção científica em periódicos nacionais e internacionais da área de administração. Revista de Administração Pública, 47(1), 227-248.

Cielo. Sítio institucional. Disponível em https://www.cielo.com.br/conheca. Acesso em 16 de agosto de 2015.

Diniz, E. H. Determinantes de inovação no setor bancário. In: Fonseca, C. E. C. D., Meirelles, F. D. S., & Diniz, E. H. (2010). Tecnologia bancária no Brasil: uma história de conquistas, uma visão de futuro. FGVRAE.

Febraban. Pesquisa FEBRABAN de Tecnologia Bancária 2013. Disponível em . Acesso em 21 de abril de 2015.

Febraban. Pesquisa FEBRABAN de Tecnologia Bancária 2014. Disponível em . Acesso em 21 de abril de 2015.

Fórum Internacional De TI Banrisul. Disponível em . Acesso em 16 de agosto de 2015.

Gallouj, F. (1998). Innovating in reverse: services and the reverse product cycle. European Journal of Innovation Management, 1(3), 123-138.

Gianiodis, P. T., Ettlie, J. E., & Urbina, J. J. (2014). Open service innovation in the global banking industry: Inside-out versus outside-in strategies. The Academy of Management Perspectives, 28(1), 76-91.

Gil, A. C. (2010). Métodos e técnicas de pesquisa social. In Métodos e técnicas de pesquisa social. Atlas.

Greenhalgh, T., Robert, G., Macfarlane, F., Bate, P., & Kyriakidou, O. (2004). Diffusion of innovations in service organizations: systematic review and recommendations. Milbank Quarterly, 82(4), 581-629.

IBGE. Contas Nacionais Trimestrais. Disponível em: . Acesso em 24 de maio de 2015.

Käpylä, J., Laihonen, H., Lönnqvist, A., & Carlucci, D. (2011). Knowledge-intensity as an organisational characteristic. Knowledge Management Research & Practice, 9(4), 315-326.

Kotler, P. (1982). Marketing for nonprofit organizations.

Miles, I. Innovation in Services. In: Fagerberg, J. (2005). The Oxford handbook of innovation. Oxford university press.

OECD Science, technology and industry scoreboard 2005. Paris: OECD, 2005.

PCI. PCI Security Standards Council. Disponível em . Acesso em 16 de agosto de 2015.

Oliveira, A. N., de Freitas Carneiro, A., do Nascimento Cidade-Konzen, I. G., & da Silva Neto, J. M. (2015). O que se discute sobre Inovação no Setor Público Brasileiro: Análise do período entre 2000 (pós LRF) e 2014. Revista de Estudos Sociais, 17(35), 216-237.

Rogers, E. M. (2010). Diffusion of innovations. Simon and Schuster.

Schumpeter, J. A. (1961). Teoria do desenvolvimento econômico. Fundo de Cultura. Primeira edição: 1912.

Tigre, P. B. (2009). Paradigmas tecnológicos e teorias econômicas da firma. Revista Brasileira de Inovação, 4(1 jan/jun), 187-223.

Vargas, E. R., & Zawislak, P. A. (2007). A dinâmica da inovação em serviços hospitalares. Inovação em serviços intensivos em conhecimento, 1, 483-502.

Yin, R. K. (2001). Estudo de Caso-: Planejamento e Métodos. Bookman editora.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/2526629225665

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este site está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

INDEXADORES: