Artigo original DOI: http://dx

REMOA, Vol. 18 (2019), e9

DOI: http://dx.doi.org/10.5902/2179460X39453

Received: 08/08/2019 Accepted: 01/10/2019

 

by-nc-sa

 


Seo Educao, Sociedade e Cultura

 

Representaes Ambientais de Estudantes do Ensino Mdio e do Ensino Fundamental em uma Escola Pblica.

 

Environmental Representations of High School and Elementary School Students in a Public School.The study of Environmental

 

 

Karina Gonalves CapeteI

Everaldo dos SantosII

Emerson TonettiIII

Leandro Angelo PereiraIV

 

I Professora. Secretaria de Educao do Estado do Paran, SEED/PR, Brasil - karinacapeti32@gmail.com

II Docente do Programa de Ps-graduao em Cincia, Tecnologia e Sociedade. Instituto Federal do Paran - IFPR - Campus Paranagu, PR, Brasil -

everaldo.santos@ifpr.edu.br

III Docente do Programa de Ps-graduao em Cincia, Tecnologia e Sociedade. Instituto Federal do Paran - IFPR - Campus Paranagu, PR, Brasil -

emerson.tonetti@ifpr.edu.br

IV Docente do Programa de Ps-graduao em Cincia, Tecnologia e Sociedade. Instituto Federal do Paran - IFPR - Campus Paranagu, PR, Brasil -

leandro.pereira@ifpr.edu.br

 

 

Resumo

Educao ambiental nas escolas um importante instrumento de formao de cidados crticos, j que esta busca desenvolver a reflexo como base para mudanas de atitudes. Para o desenvolvimento de trabalhos com o tema educao ambiental, necessrio compreender a realidade do aluno, sua viso e interao com o meio onde vive. O presente estudo teve como objetivo avaliar e comparar o nvel da representao de temas ambientais, tais como resduos slidos, recursos hdricos e conservao de florestas por estudantes do ensino mdio e ensino fundamental com estudantes de idade entre 12 e 17 anos, de um colgio da rea urbana de Paranagu. Utilizou-se da anlise qualitativa e quantitativa com 80 alunos do Colgio Estadual Porto Seguro, situado no municpio de Paranagu Pr. Atravs da anlise dos dados verificou-se que os alunos no apresentaram uma diferena significava da percepo ambiental mesmo em idades e nveis diferentes em relao aos temas resduos slidos, recursos hdricos e conservao de florestas.

Palavras-chave: Educao ambiental; Representao; Estudantes

 

Abstract

Education environmental in schools is an important instrument of critical citizen training, as this search has developed as a basis for changing attitudes. For the development of works with the theme of environmental education, it is necessary to understand the student's reality, his vision and the interaction with the environment where he lives. The present study aimed to compare the level of knowledge of environmental themes, such as water resources, and secondary education resources for high school and elementary school students aged 12 to 17 years, from a college of urban area of Paranagua. Using the qualitative analysis with 80 students from the Porto Seguro State College, located in the city of Paranagua - Pr. Data analysis showed that the students did not have a significant variance in the environmental understanding of the different ages and levels in relation to solid waste, water resources and forest conservation.

Keywords: Environmental education; Perception; Students

 

 


1 Introduo

As aes humanas vm durante dcadas desequilibrando os ecossistemas, colocando em risco a biodiversidade e consequentemente a qualidade desses ambientes para a produo dos servios ecossistmicos necessrios para a qualidade de vida de todos seres vivos que habitam o planeta. Entre os fatores relacionados com esta problemtica est a gerao de resduos slidos, que so produzidos diariamente nos diversos setores como indstrias, comrcio, prestao de servios e residncias o que resulta em contaminao ambiental.

A Educao Ambiental o principal instrumento de transformao, na formao da conscincia ambiental (MUNIZ; ALENCAR, 2005, VOICHICOSKI; MORALES, 2010). Contudo, foi somente em 1977 que a Educao Ambiental se consolidou atravs da Primeira Conferncia Intergovernamental sobre Educao Ambiental, em Tbilisi, capital da Repblica da Gergia. Esta conferncia foi responsvel por elaborar os objetivos, as definies, os princpios, as estratgias e aes orientadoras da educao ambiental que so adotados mundialmente at os dias atuais (JACOBI, 2003). A educao ambiental surge da necessidade de implantao de uma educao interdisciplinar, voltada para a manuteno da biodiversidade e manuteno dos processos ambientais, preparando a populao para entender e respeitar a interdependncia da sociedade com a natureza, e que discuta de forma global a procura das solues (DIAS, 1998).

De acordo com Guimares (2007), a importncia da educao ambiental reside no papel que esta tem de promover nas pessoas o desenvolvimento da representao de que o ser humano e o ambiente formam uma unidade interdependente. Essa percepo holstica essencial para que se possa compreender e agir equilibradamente no meio ambiente.

Nos Parmetros Curriculares Nacionais os contedos de Meio Ambiente foram integrados s reas, numa relao de transversalidade, de modo que impregne toda a prtica educativa e, ao mesmo tempo, crie uma viso global e abrangente da questo ambiental, visualizando os aspectos fsicos e histrico-sociais, assim como as articulaes entre a escala local e planetria desses problemas. Trabalhar de forma transversal significa buscar a transformao dos conceitos, a explicitao de valores e a incluso de procedimentos, sempre vinculados realidade cotidiana da sociedade, de modo que obtenha cidados mais participantes. Cada professor, dentro da especificidade de sua rea, deve adequar o tratamento dos contedos para contemplar o Tema Meio Ambiente, assim como os demais Temas Transversais (OLIVEIRA, 2016; GOMES, 2011).

Desta forma, a tarefa da escola proporcionar um ambiente saudvel e coerente com que ela pretende que seus alunos aprendam, contribuindo para a formao de cidados participativos e conscientes de suas responsabilidades com o meio ambiente e capaz de atitudes de proteo e melhoria dos espaos ambientais que interage. Assim, a problematizao e o entendimento das consequncias das alteraes no ambiente permitem compreend-las como algo produzido pela ao humana (BRASIL, 1997).

As escolas se utilizam de trabalhos em sua maioria tradicionais, desenvolvendo um ensino de simples passagem de conhecimento, um ensino terico e distante da prtica, com pouca compreenso e envolvimento com a realidade do aluno, deixando de lado a interao e a percepo do indivduo em relao ao meio ambiente (MENGHINI, 2005).

Para Coimbra (1995), a interdisciplinaridade um processo de conhecimento que, utilizando uma estrutura multidisciplinar, procura estabelecer vnculos extensionais na compreenso e exemplificao do processo de aprendizagem, superando dessa forma a compartimentao cientfica, provocada pela especializao das cincias modernas, tornando-se instrumento para viso sistmica do ambiente.

Por sua vez, a interdisciplinaridade pressupe que nenhuma forma de conhecimento seria por si s suficiente e totalmente racional, pois o dilogo com outras formas de conhecimento, deixando se complementar por elas, a civilizao da qual somos parte tem nos apresentado a natureza como algo separado de ns, assim concebemos o mundo onde os elementos se apresentam de forma fragmentada desconexa, numa incompreenso da realidade (FAZENDA, 2002).

Ponto relevante do trabalho com a educao ambiental o desafio que os professores enfrentam para trabalhar temas ambientais. As dificuldades comeam em diferenciar ecologia e educao ambiental cujos contedos se intercalam tornando difcil separ-los e defini-los. Tendo em conta que as propostas pedaggicas, seguem como diretrizes o pensar e o agir, ambos fundamentados na metodologia cientfica, sendo a educao ambiental um modo de pensar, um posicionamento, e no um conjunto de conhecimento desta forma trabalhos em reas livres no devem ser utilizados apenas como mais um recurso de fixao de contedos didticos ou recreao, mas sim como um laboratrio de observaes de fenmenos naturais e a postura do homem diante destes (SANTOS, 1997).

Ao trabalhar a noo de ambiente no ensino mdio, o professor deve considerar os componentes polticos, econmicos, sociais e culturais, que devem ser agrupados aos aspectos biolgicos, qumicos e fsicos. Nesse sentido, a proposta educacional ampla e torna clara a perspectiva interdisciplinar (SILVEIRA, 1997). Nessa construo, existe a necessidade de considerar outros campos do saber, tais como a cultura popular, as histrias de vida, e outros elementos. Nesse contexto, o grande desafio da educao ambiental estabelecer uma ao educativa que respeite as condies culturais de cada regio (VILELA, 2000).

A educao ambiental integrada prtica pedaggica procura desenvolver informaes valores e procedimentos que conduzam os estudantes a mudanas de comportamento pessoal, de atitudes e de valores de cidadania, a fim de que sejam propiciadas novas relaes entre o homem e seu meio (CAPRNICA; KAWASAKI, 2000).

As prticas educativas articuladas com a educao ambiental no devem ser vistas como um adjetivo, mas como parte componente de um processo educativo que reforce o pensar da educao orientado para refletir o tema num contexto de crise ambiental, de crescente insegurana e incerteza face aos riscos produzidos pela sociedade global. Segundo Jacobi, (2005) na educao ambiental crtica, o conhecimento para ser pertinente no deriva de saberes desunidos e compartimentalizados, mas da apreenso da realidade a partir de algumas categorias conceituais e indissociveis ao processo pedaggico. Assim, trabalhar de forma transversal significa buscar a transformao dos conceitos, a explicitao de valores e a incluso de procedimentos, sempre vinculados a realidade cotidiana da sociedade. Cada professor dentro da especificidade de sua rea deve adequar o tratamento dos contedos para contemplar o tema meio ambiente (BRASIL, 1997).

Desta forma, a educao ambiental no deve ser vista como uma disciplina parte, pois uma educao transformadora deve ter como finalidade a formao de sujeitos crticos, responsveis e participantes, sendo necessrio construir, valores atitudes e habilidades prticas, distinguindo os conhecimentos necessrios para poder entender a sociedade moderna (FUCHS, 2008).

Para isso, os estudos de representaes ambientais so importantes na medida em que por meio desta que tomamos conscincia do mundo, estando relacionado a aprendizagem e sensibilizao envolvidos nos processos de educao ambiental. Os comportamentos humanos derivam de suas percepes do mundo, cada um reagindo de acordo com suas concepes e relaes com o meio, dependendo de suas representaes anteriores, desenvolvidas durante toda a vida (MENGHINI, 2005, VOICHICOSKI; MORALES, 2011). O contexto dos problemas ambientais implica o estudo das relaes homem ambiente e qualquer anlise que se faa sobre solues possveis deve considerar os comportamentos do homem perante seu ambiente (BASSANI, 2001, p. 47). Sendo que o homem percebe o mundo principalmente atravs da viso, com a imagem assumindo posio especial (MANSANO, 2006).

Cada indivduo percebe, reage e responde diferentemente frente s aes sobre o meio, assim o estudo da representao ambiental de suma importncia para que possamos compreender as inter-relaes homem/ambiente, pois sabendo como os indivduos percebem o ambiente em que vivem suas fontes de satisfao e insatisfao, ser possvel a realizao de um trabalho partindo da realidade do pblico alvo (FAGIONATTO, 2007). Sendo para Moser (1998), as dimenses culturais e sociais presentes, mediadoras da percepo e avaliao das atitudes do indivduo frente o ambiente.

Nesse sentido, Fogionatto (2007) definiu percepo ambiental como sendo a tomada de conscincia do ambiente pelo homem. Sendo que os estudos da representao ambiental hoje constituem a ltima e decisiva fronteira no processo de uma gesto mais eficiente e harmoniosa do meio (AMORIM FILHO, 2003).

Para estudar os problemas ambientais, devem-se conhecer as contribuies das reas que trabalham tais problemas, sendo necessrio compreender a linguagem destas diferentes reas. A qualidade ambiental est relacionada a uma srie de conceitos que refletem as aes das pessoas nos diversos ambientes por eles usados, bem como as percepes elaboradas sobre tais ambientes (BASSANI, 2001, p. 52).

Amorim Filho (2003) descreve vrios conceitos importantes nos estudos de percepo ambiental, citando alguns autores:

- Atitude: um estado de esprito do indivduo, orientado para um ou mais valores:

- Cognio: processo psicolgico por meio do qual o homem obtm, armazena e utiliza a informao (GOLD, 2010);

- Imagem: representao mental que podem formar-se mesmo quando o objeto, pessoa, lugar ou rea a que se refere no faz parte da informao sensorial atual;

- Paisagem: expresso observvel pelos sentidos na superfcie da Terra e resultante da combinao entre a natureza, as tcnicas e a cultura dos homens (PITTE, 1986);

- Representao: funo psicolgica que capacita o indivduo a converter os estmulos sensoriais em experincia, organizada e coerente (GOLD, 2010);

-Representao: processo que permite a evocao de objetos, paisagens e pessoas, independentemente da percepo atual deles;

- Valor: qualidade que o homem atribui, conscientemente ou no, a um tipo de relao, a uma representao, ou a um objeto (BAILLY, 1987);

-Topocdio: a aniquilao deliberada de lugares (PORTEOUS, 1988);

-Topofilia: laos afetivos que o ser humano desenvolve com seu ambiente, em especial com lugares especficos;

-Topofobia: alguma forma de averso a paisagens ou lugares.

Ao perceber o meio a pessoa interpreta os estmulos deste o que envolve aprendizagem adquirida durante a vida e experincias com o ambiente. Assim, a Educao Ambiental um instrumento de suma importncia para a implantao de aes sustentveis dentro das escolas, pois conforme ela cria e aperfeioa um ambiente propcio para a conscientizao ambiental das crianas. Ela serve ainda como base terica de possveis prticas que podem vir a ser desenvolvidas nesses espaos de aprendizagem contnua.

Na referida modalidade de ensino a educao ambiental propcia aos educandos o entendimento da realidade na qual esto inseridos, considerando as percepes ambientais, de forma que permitam atitudes crticas em busca da mudana da situao ambiental atual. Para tanto, Franco e Satt (2007), Freitas, Santos e Barretos (2009) e Rodrigues et al. (2010) salientam que o educador deve utilizar temas ligados ao cotidiano dos alunos, fazendo com que percebam que esto inseridos no meio em que vivem, conduzindo-os a uma conscincia ambiental crtica e cidad. Porm, Sato e Santos (2003) Oaigen (2001), afirmam que antes da realizao de prticas de educao ambiental necessrio que se conhea a representao ambiental apresentada pelos indivduos envolvidos, uma vez que a partir disto se pode realizar o movimento de sensibilizao ambiental.

A partir da representao ambiental possvel desenvolver prticas e adaptar metodologias de educao ambiental (RODRIGUES et al., 2010), por isso cada vez mais imprescindvel estudos com este enfoque. No entanto, poucos so os trabalhos que procuram conhecer e comparar o nvel de representao ambiental de alunos do ensino mdio com os do fundamental, sendo importante o preenchimento desta lacuna existente.

Tendo estes conceitos claros, o presente trabalho teve como objetivo investigar e comparar a representao ambiental de alunos do ensino fundamental e mdio da escola pblica Porto Seguro localizada na cidade de Paranagu-Pr.

 

 

2 Metodologia

Para atingir o objetivo supracitado, foi aplicado um questionrio com 80 estudantes do Colgio Estadual Porto Seguro, situado no municpio de Paranagu - PR, sendo 33 estudantes do 6 Ano (ensino fundamental) no perodo vespertino e 47 estudantes do 3 Ano (ensino mdio) no perodo matutino. Para a aplicao deste questionrio, foi utilizado o mesmo questionrio do Programa Eco Escola de Educao Ambiental da Associao Bandeira Azul da Europa (ABAE). Este projeto capacita estudantes e professores para a criao de aes atravs de uma abordagem participativa. De forma mais ampla, este projeto trabalha diversos temas como: desperdcio de gua, resduos, energia, mobilidade, rudos, mar, floresta, biodiversidade, agricultura orgnica e os espaos externos do colgio.

Mas para o presente trabalho, optou-se por focar em apenas trs temas principais: Resduos Slidos (separao de lixo, Poltica dos 3Rs, Campanha de limpeza e Campanha de limpeza de Praias), Economia de Recursos (gua e energia eltrica) e Representao de Ambientes Naturais (marcos ou referncias ligadas diretamente aos espaos naturais, como rios e florestas ou Unidades de Conservao).

Para a tabulao, anlise e confeco dos grficos a partir dos dados obtidos foi utilizado o pacote Microsoft Office e o programa PAST 3.14 Hammer et al. (2001) para as anlises de chi-quadrado (Mann-Whitney).

 

3 Resultados e Discusso

Para facilitar o entendimento dos resultados, estes foram agrupados nos trs diferentes temas: Resduos Slidos; Economia de Recursos e Representao de Ambientes Naturais. Em seguida, estes foram agrupados e os diferentes nveis de ensino ofertados pela escola foram comparados.

 

3.1 Prticas Pedaggicas para conscientizao ambiental dos alunos

Os estudantes quando questionados sobre o hbito de separar o lixo em suas residncias para possvel reciclagem, observou-se que 70% dos estudantes do ensino mdio e 42% do ensino fundamental o fazem (Figura 1). Sendo os principais componentes o vidro seguido de metal e plsticos. Recipientes de vidro acabam sendo reutilizados de maneira diferente daquela em que foram produzidos. Podem ser utilizados para armazenar alimentos ou como objetos de decorao e o metal tem um valor comercial plausvel.

 

Figura 1 − Comparao da Temtica: Resduos entre discentes do ensino fundamental e ensino mdio. O grfico acima destaca sete reas, onde foram abordadas as temticas da comparao de resduos entre os alunos do ensino mdio e fundamental. A cor azul representa o grau de conhecimento dos alunos do ensino mdio, e a cor vermelha o grau de conhecimento dos alunos do ensino fundamental

Fonte: os autores (2018).

 

Segundo Alencar (2005) a reciclagem dos plsticos muito importante, pois pode reduzir a quantidade de lixo nos aterros sanitrios e serve como matria-prima para ser reaproveitados para se fazer novos produtos, trazendo muitos benefcios para a populao: contribuindo para a limpeza da cidade, e tambm pode gerar mais empregos, diminui a poluio e o consumo de energia. E com isso melhora o ambiente em que vivemos, podendo ver o lixo, com novas utilidades, no causando uma ameaa (ALENCAR, 2005).

Por sua vez, o conhecimento dos estudantes sobre a Poltica dos 3Rs (Reduzir, Reutilizar e Reciclar) foi abordado a fim de verificar sua disperso no cotidiano escolar, nesta foi verificado que 11% dos alunos do ensino mdio e 21% do ensino fundamental conhecem o seu significado (Figura 2). Oliveira et al. (2012) destaca a problemtica do lixo que produzido diariamente causando impactos ambientais, que se deve desde cedo conscientizar as pessoas sobre tal problema utilizando como ferramenta a escola fazendo-as compreender a importncia de reduzir, reutilizar e reciclar. Sampaio (2016) prediria que os estudantes com mais idade, ou seja, do ensino mdio teriam mais conhecimento sobre a poltica dos 3Rs (FREITAS; BRILHANTE; ALMEIDA 2001). Contudo, o resultado encontrado diverge desse esperado. Nesse sentido, Tavares e Freire (2003) destacam a importncia que das oficinas realizadas em escolas para sensibilizar os estudantes sobre o problema da disposio final do lixo. Assim, uma possibilidade para explicar o resultado pode ser as atividades realizadas na escola e a maior receptividade dos estudantes mais jovens para questes relacionadas a mudana de comportamento/aes perante os resduos.

 

Figura 2 − Comparao da Temtica: Politica dos 3Rs. Neste se destaca a diferena entre o grau de conhecimento dos alunos do ensino mdio e fundamental sobre a temtica da politica dos 3 Rs, onde a cor azul representa o discentes do ensino mdio e o vermelho ensino fundamental

Fonte: os autores (2018).

 

3.2 Economia do Recurso

Numa tentativa de relacionar o recurso natural, gua, com os hbitos dos estudantes, foram questionados sobre deixar a torneira aberta enquanto escova os dentes. Esta foi embasada no trabalho de Freitas (2001), que traz a disponibilidade e a qualidade da gua para o tema da educao ambiental. O resultado ento indicou que 18% dos alunos do fundamental e 62% do mdio possuem o hbito de deixar a torneira aberta ao escovar os dentes (Figura 3). Desta forma, vemos que os alunos do mdio possuem comportamentos mais adequados quando comparados aos estudantes do ensino fundamental, priorizando a economia de gua e evitando o desperdcio. Sampaio (2016), obteve valores inferiores quando comparou estes valores com as instituies de So Vicente.

Costa (2010) destaca no processo constituinte que a gua um direito humano, um bem nacional estratgico de uso pblico, um patrimnio da sociedade e um componente fundamental da natureza, a mesma que tem direitos prprios a existir e manter seus ciclos vitais. Diante desta argumentao, os estudantes tambm foram interrogados sobre o nome de um rio ou riacho da regio onde mora ou estuda e que j visitou. O grfico da figura 3 mostra que 61% dos alunos do fundamental e 44% do mdio conhecem rios prximos, valores bem acima quando comparados com Sampaio (2016) e Orlandi (2015) que encontraram resultados abaixo de 30%.

Ainda sobre o tema relacionado sobre Economia de Recursos, outro ponto abordado no questionrio foi a energia. Esta foi verificada se os estudantes tinham o costume de apagar as luzes da sala ou quarto sem ningum no ambiente. Justifica-se esta anlise, pois Barbosa (2013) cita a importncia da economia da energia que entre 2010 e 2035 o consumo poder aumentar em 33%, com isso aumentando as emisses globais de gases efeito estufa e intensificando as mudanas climticas. Os resultados desta pergunta mostraram que 61% do fundamental e 55% do mdio tem o hbito. Quando perguntado se costume desligar a televiso ou deix-la em stand by, 97% do fundamental e 26% do mdio.

Outro ponto abordado nesta temtica foi o transporte. Questionados sobre como os estudantes chegam a escola, os dados mostraram que 82% das crianas do 6 ano e 49% dos alunos do 3 ano se deslocam at escola caminhando. Destes apenas 15% do fundamental e 18% do mdio realizariam esse mesmo percurso de carro. No entanto, esse resultado consequncia de muitos desses alunos morarem no entorno da escola. Segundo Sampaio (2016) quando comparados estes resultados com os valores obtidos nas Escolas Estaduais de So Vicente, So Paulo, ocorre maior deslocamento com veiculo particular, pois nas instituies de So Vicente menos de 5% se locomovem atravs de carros particulares. Ainda, conforme Orlandi (2015) alunos de Escola Tcnica localizada em Santos, So Paulo, 61,4% se deslocam para a escola de transporte pblico, e 13,6% a p, apenas 15,9% utilizam veculo particular.

 

Figura3 − Comparao da Temtica: Consumo de Recursos entre discentes do ensino fundamental e ensino mdio. Aqui seria possvel a diferena entre o grau de conhecimento dos alunos do ensino mdio e fundamental sobre a temtica de consumo de recursos, onde a cor azul representa os do ensino mdio e o vermelho do ensino fundamental

Fonte: os autores (2018)

 

 

3.3 Representaes de Ambientes Naturais

Outro tema avaliado com os estudantes foi a biodiversidade, onde investigou-se os estudante a respeito do conhecimento de algumas caractersticas ambientais da escola que frequentam. Quando estes foram questionados sobre plantas nativas da regio, 70% do fundamental e 73% do mdio conhecem pelo menos duas plantas, e se sabem dizer o nome de duas plantas exticas e/ou invasora, 42% do fundamental e 30% do mdio sabem (Figura 4).

O tema floresta tambm foi trabalhado. Assim, os estudantes foram questionados se j visitaram uma floresta. Os dados indicaram que 42% do fundamental e 70% do mdio j foram visitar alguma floresta ou parque na regio (Figura 4). Parte deste resultado pode ser explicada por Grandi e colaboradores (2014), mostram que o baixo conhecimento dos alunos do fundamental em biodiversidade e em floresta est diretamente relacionado falta de vivncia dos docentes. Neste sentido, realizar um trabalho sobre florestas, espcies de plantas de suma importncia para essas crianas, oportunizando-se tambm uma visita em parques, bosques etc., onde elas possam vivenciar o contato com a natureza (SILVA; SILVEIRA, 2016).

Outro tema trabalhado foi o da agricultura orgnica. Para este, os estudantes responderam se sabiam algumas vantagens destes alimentos e se os consomiam. Dos estudantes entrevistados, 67% do fundamental e 25% do mdio citam vantagens de alimentos orgnicos, por sua vez, 55% do fundamental e 24% do mdio dizem consumir estes alimentos (Figura 4).

Vale destacar que muitas vezes estes alimentos no so consumidos pelos altos preos como observaram Schimaichel e Resende (2007, p. 6).

 

O crescimento da agricultura orgnica poderia ainda ser maior, haja vista que existe uma grande demanda por esses produtos, mas, infelizmente, apesar da expanso da oferta, ela ainda insuficiente. Os preos dos produtos orgnicos so mais altos dos que o dos produtos convencionais, seguindo a lei da oferta e da procura. Nesse cenrio, os produtos orgnicos chegam a custar de 30% a 100% a mais que seus similares convencionais (SCHIMAICHAEL; RESENDE, 2007, p. 6).

 

Estes dados reforam a abordagem dessa temtica, pois seriam de suma importncia para uma alimentao livre de agrotxicos, alm de incentivar os alunos a cultivarem uma horta orgnica em suas residncias, iniciando com prticas sustentveis na instituio de ensino.

 

Figura 4 − Comparao da Temtica: Representao de Ambientes Naturais entre discentes do ensino fundamental e ensino mdio. Vale ressaltar a diferena entre o grau de conhecimento dos alunos do ensino mdio e fundamental sobre a temtica de representao de ambientes naturais, onde a cor azul representa os do ensino mdio e o vermelho do ensino fundamental

Fonte: os autores (2018)

 

3.4 Comparao entre os diferentes nveis de ensino

Nesta parte do trabalho, os dados coletados para os dois nveis de ensino, fundamental e mdio foram num primeiro momento agrupados e comparados par-a-par atravs do teste chi-quadrado (Mann-Whitney), mostrado os resultados na Tabela 1 e Figura 5.

 

Tabela 1 − Diferenciao das Anlises Coletadas

Temas

Valor de P

Resduos

 

Separao de lixo

P>0,05 (=0,95).

Poltica dos 3Rs

P>0,05 (=0,32).

Campanha de limpeza na escola

P>0,05 (=0,99).

Campanha de limpeza de Praias

P>0,05 (=0,94).

Economia de Recursos

 

Desperdcio de gua

P>0,05 (=0,89).

Economia de Energia eltrica

P>0,05 (=0,91).

Representao de Ambientes Naturais

 

Algum rio prximo

P>0,05 (=0, 99).

Alguma floresta prxima

P>0,05 (=0, 92).

 

Figura 5 − Diferenciao das Analises Coletadas. Para facilitar a interpretao dos dados, os resultados foram agrupados neste grfico para a comparao entre as os dois nveis de ensino para cada uma das 16 perguntas feitas. Os grficos em bloxplot com as informaes agrupam com todas as respostas dos estudantes.

Fonte: os autores (2018)

 

O resultado do teste permite afirmar que no h diferena significativa entre as comparaes das respostas dos diferentes quesitos questionados, entre estudantes do ensino fundamental e mdio.

Para facilitar a interpretao dos dados, os resultados do referido teste foram agrupados no grfico apresentado na figura 6, com os nmeros absolutos das respostas para as questes.

 

Figura 6 − Representao de Ambientes Naturais. O grfico acima foi divido nas trs grandes reas (Resduos azul / gua e luz verde / Representao laranja), de um lado est o fundamental e do outro o mdio (par a par), veja que as cores especficas apresentam pouca diferena visual (e nenhuma diferena estatstica)

Fonte: os autores (2018)

 

3.5 Influncia da rea ambiental em diferentes nveis de ensino

A partir dos resultados obtidos, que no h diferenas significativas na representao ambiental entre estudantes do ensino fundamental e mdio, reforamos a ideia que a escola seria uma instituio social, local privilegiado onde conquista e transmite conhecimentos sistematizados e tem a responsabilidade na formao de cidados, possibilitando-lhes construes indispensveis para sua insero social. A busca das identidades e percepes dos sujeitos envolvidos em atividades de sensibilizao ambiental deve ocorrer com base em instrumentos de coleta de dados, como conversas, entrevistas ou questionrios (SPAZZIANI; SILVA, 2009).

A educao ambiental por sua vez seria vista, cada vez mais, como expresso de sentido semelhante de educao para o desenvolvimento sustentvel e, por esse motivo, indispensvel que seja inserido um projeto de educao ambiental no currculo escolar, de modo interdisciplinar em todas as prticas cotidianas da escola, visando a construo de uma sociedade consciente e comprometida com um desenvolvimento sustentvel (PESTANA, 2008). Quando a educao ambiental trabalhada com adolescentes, a probabilidade de desenvolver um cidado comprometido, responsvel e menos consumista maior. Mais do que qualquer outra gerao, estamos sofrendo as consequncias dos muitos anos de degradao ambiental. Para Morin (2003), todos esses problemas ambientais que estamos vivenciando so resultantes da forma como os diferentes grupos sociais pensaram e construram suas relaes com a natureza, originando uma crise de valores e de representao.

Assim, se a origem dos problemas ambientais est na forma como enxergamos e nos relacionamos com o meio, preciso repensar os valores que nos regem. Neste sentido, Guimares (2007, p. 14) afirma que, Uma nova tica nas relaes sociais e entre diferentes sociedades, e estas na relao com a natureza, precisa ser construda para que possamos conseguir um desenvolvimento realmente sustentvel ambientalmente. Por isso, o modelo cartesiano de representao vem sendo, contnua e crescentemente, questionado.

Quando as crianas e adolescentes da escola foram questionados sobre temas relacionados com resduos slidos, economia de recursos e representao ambiental no houve diferena nos nveis de respostas entre os alunos do fundamental e mdio. Essa indiferena ocorre porque, segundo Freitas e colaboradores (2017), crianas entre 9 e 10 anos, possuem caractersticas peculiares tais como: senso crtico em estado de expanso, coordenao visual e motora semelhante a de um adulto, interesse em experimentar e explorar coisas novas, capacidade para assumir maiores responsabilidades, pensamento crtico e maior sociabilidade.

Para Bossa e Oliveira (1996), as experincias vividas pelas crianas de 7 a 11 anos decidiro parte de suas vidas adultas, ou seja, os relacionamentos sociais so estruturantes. Ainda segundo os autores, elas apresentam interesses, preocupaes, necessidades e conflitos, sendo que nesta fase elas possuem um nvel elevado de ateno e concentrao, passam a compreender o pensamento do outro, so capazes de desenvolver problemas mentalmente, aprendem a competir e a compartilhar.

O tema mais relevante da pesquisa foi sobre resduos slidos, sendo esse um grande problema a ser enfrentado pelos cidados. E uma das formas de mudar este cenrio a sensibilizao das pessoas, aguar a representao em prol do meio ambiente (RUSCHEINSKY, 2001). Nos diversos momentos de nossa vida, aprendemos e representamos a realidade de um modo particular, pois as coisas so vistas conforme nossas possibilidades intelectuais e emocionais. Este fato resultado do processo evolutivo do ser humano, que influencia e influenciado pelas histrias que o rodeiam (BOSSA; OLIVEIRA, 1996).

Nesse sentido, pode perceber a seguinte situao:

 

Quando foi iniciado o trabalho de educao ambiental com os alunos, em ambas as turmas, os mesmos tinham um conhecimento restrito sobre a temtica dos resduos slidos e preconceito com relao aos catadores. Mas ao final das atividades, a maioria dos alunos demonstraram mudanas de representao sobre a questo dos resduos slidos, principalmente, aps a apresentao do vdeo, pois at ento alguns estavam considerando as atividades como entretenimento. Este fato foi observado atravs das falas de algumas crianas, ao dizerem, por exemplo, que iriam comear a fazer a separao dos resduos em suas residncias, que iriam reutilizar alguns materiais, que gostariam que tivessem mais encontros de educao ambiental na escola, etc. (STANGHERLIN; SPECHT, 2014, p. 926).

 

Dessa forma, nota-se que entre o ensino mdio e o fundamental no h diferena de representao quando se trata do tema separao de resduos slidos.

Dentro desse contexto, para Diniz, et al. (2014), os resultados apresentados deixaram claras as necessidades de se trabalhar com mais nfase a temtica resduos slidos. Segundo a pesquisa, a respeito da existncia da separao dos resduos slidos na escola, 100% dos estudantes responderam que sim, que a separao ocorre. Porm, vale salientar que em visitas a escola, o pesquisador observou que apesar da escola apresentar coletores para a separao dos resduos, os mesmos so misturados de forma indiscriminada, distanciando a teoria da prtica escolar. A educao ambiental terica mostra-se perfeita, mas os problemas gerados pela falta da prtica so destacados e cada vez mais recorrentes na sociedade.

De acordo com o estudo realizado em 2011 com os alunos do ensino mdio sobre a anlise poltica dos 3Rs em um colgio estadual na cidade de Palmas/TO, identificou-se que os estudantes entrevistados no tm o total conhecimento sobre a poltica dos 3Rs, e que a escola carece de mais acesso ao meio ambiente, pois tem alunos que no tem o conhecimento do que reciclagem, mesmo sendo um tema muito discutido na mdia e em nosso cotidiano. Dos estudantes entrevistados a maioria conhecia pouca a poltica dos 3 Rs com a porcentagem de 51%, e com 39% conhecia muito, 5% razovel e 5% nunca ouviram falar dessa poltica. Nota-se que nas escolas esto faltando atividades sobre os 3Rs e o meio ambiente, pois os alunos de hoje devem ter atitudes corretas a fim de proporcionar uma vida mais saudvel para as geraes futuras. (PACHECO, 2011).

Seguindo essa abordagem, sobre o tema recursos hdricos, temos: uma pesquisa que foi apresentada em 2016 no XVI Encontro Paranaense de Educao Ambiental com o ttulo A Percepo de Estudantes do Ensino Mdio Sobre os Recursos Hdricos em Palmeira das Misses (RS).

 

Verificou-se que a maioria dos estudantes reconhece os rios da cidade, mas os mesmos no so trabalhados na escola de forma interdisciplinar e crtica. Para isso, a EA fundamental e precisa estar integrada ao currculo escolar de forma interdisciplinar, garantindo que as percepes acerca desse campo de estudo contribuam para um novo modo de se relacionar consigo, com os outros e com o meio ambiente. (SOARES; KITZMANN, 2016, p. 03).

 

Entretanto, em uma pesquisa realizada no municpio de Jacarezinho sobre a Conservao de recursos hdricos da Universidade Tecnolgica Federal do Paran, foi possvel perceber que os alunos do ensino mdio possuem sim, alguns conceitos bsicos sobre a importncia da gua para a vida no planeta, mas conhecem pouco respeito dos recursos hdricos de sua cidade. (CAETANO, 2013).

Contudo, o estudo de caso em duas escolas Pblicas de Manaus realizado por Almeida e Simo (2010), ambas estudantes da Universidade Federal do Amazonas, teceram a dissertao com o objetivo de mensurar a percepo sobre o desperdcio de gua dos alunos do 1 ano do Ensino Mdio do turno vespertino e noturno de duas escolas pblicas de Manaus. A proposta metodolgica visou diagnosticar a representao ambiental de desperdcio de gua no espao escolar. Para isso, foi realizada a construo de mapas mentais e aplicao de questionrios para levantamento de dados quali-quantitativos. Os resultados obtidos mostraram que os mapas mentais como metodologia utilizada nessa reflexo do desperdcio de gua possibilitaram o diagnstico da representao do aluno quanto ao problema, identificando a realidade das escolas, gerando uma orientao, um ponto de referncia para abordagem do problema. Os instrumentos utilizados na pesquisa (questionrios e mapas mentais) mostraram que os alunos, em grande maioria tm conscincia do problema do desperdcio de gua, mas se veem como agentes passivos diante do problema. Parte deles reconhece o que precisa ser feito para diminuir e evitar o desperdcio de gua, porm precisam de meios mais eficientes para compreender a importncia de mudanas de hbitos e atitudes, para enfrentar o problema e obter uma melhor qualidade de vida (ALMEIDA; SIMO, 2010).

Entretanto no II Congresso Nacional de Educao foi apresentada uma pesquisa com o ttulo, Educao Ambiental Para o Uso da gua: Aes de Sensibilizao Voltadas a Alunos do Ensino Fundamental e Mdio de acordo com as possveis opes do que causaria a escassez de gua, no 6 ano, 19% afirmaram ser falta de chuva e/ou esbanjamento e desperdcio; enquanto 13% dos discentes afirmaram ser advindas tambm da gesto inadequada dos recursos hdricos. Em contrapartida 40% dos entrevistados do 2 ano assinalaram o esbanjamento e desperdcio como uma das causas principais; e 6% destes apontaram como consequncia da gesto inadequada. Os resultados refletiram que ao abordar a educao ambiental, estimula-se no s uma viso ampla de mundo, mas trabalha-se com clareza da finalidade do ato educativo onde o aluno o principal agente do processo de aprendizagem, participando ativamente, tanto diagnosticando problemas quanto buscando solues, sendo preparado como agente transformador. Nesse mesmo trabalho foram perguntados sobre o desperdcio de gua ao tomar banho e ao escovarem os dentes, para o ensino mdio e fundamental, no intuito de avaliar as medidas tomadas pelos discentes para evitar o desperdcio de gua em suas atividades dirias, os mesmos foram perguntados se durante o banho fechavam o chuveiro enquanto se ensaboavam. Na turma do ensino fundamental, 77% responderam positivamente. J na turma do ensino mdio, 87% responderam que sim. Ainda sobre o uso da gua os alunos foram indagados se fechavam a torneira enquanto escovavam os dentes, neste caso, a porcentagem para a turma do fundamental repetiu-se, 77% afirmaram e com relao turma do mdio, 94% dos entrevistados atestaram positivamente. Silva (2014) alega que mesmo em pequenas aes, como escovar os dentes ou tomar banho, o desperdcio intenso (SILVA; NEVES; LIRA; BARBOSA, 2010).

A representao ambiental pode ser compreendida como o primeiro estgio para a formao do conhecimento e da conscientizao ambiental, segundo Dutra (2005). Neste sentido, acrescenta Macedo (2005, apud FREITAS et al., 2017), salientando que a percepo ambiental pode ser considerado um pr-requisito para se atingir diferentes nveis de conscincia. Para isso, seriam fundamental a percepo ambiental e o conhecimento cientfico como vetores potenciais para promover a efetiva conservao ambiental (FREITAS et al., 2017).

Assim, o papel do professor em sala de aula despertar nos seus alunos o interesse pelos assuntos que tenham proximidade com a realidade de cada um, associando a isso temas da atualidade. A destruio que o planeta vem sofrendo devida a ao errada do homem deve ser enfatizada no apenas por um professor, mas por toda equipe pedaggica da instituio.

 

A educao ambiental visa inserir as pessoas no contexto ambiental e permitir que elas sejam capazes de vislumbrar a soluo dos problemas. Esta deve ser oferecida para os indivduos de todas as faixas etrias, em todos os nveis, na educao formal e informal, nas escolas, universidades, comunidades, etc., proporcionando a todos os conhecimentos, valores e atitudes para preservar e proteger o meio ambiente. (BRITTO, 2010).

 

Segundo Tuan (1980, p. 06) [...] por mais diversas que sejam as nossas percepes do meio ambiente, como membros da mesma espcie, estamos limitados a ver as coisas de certa maneira. Cada indivduo percebe o ambiente sua maneira, e esta representao de grande relevncia para a conservao ambiental, pois a partir dela que surgem as propostas para a realizao de trabalhos desta natureza.

 

 

4 Consideraes Finais

Os principais resultados deste estudo indicam que os estudantes no apresentam dificuldades em perceber o ambiente natural como parte integrante de onde vivem. Alm disso, no foram observadas diferenas significativas nas respostas dos alunos do ensino fundamental e do mdio da mesma escola, em relao a esta representao do meio ambiente.

Desta maneira, a poltica dos 3 Rs pode ser melhor discutida e problematizada na escola, tanto no ensino fundamental quanto no ensino mdio. Alm disso, os dados reforam que os estudantes de diferentes idades devem possuir um contato constante com assuntos relacionados ao meio ambiente, sendo uma rea de grande importncia dentro e fora do cenrio educacional.

Assim, possvel reforar que estes enfoques devem ser contnuos, apenas aperfeioando as atividades e adaptando estas aos cenrios e desafios das aes ambientais locais que tambm esto em constante mudana. Desta forma, este aprendizado contnuo pode levar ao aperfeioamento de novas habilidades e principalmente a do seu aperfeioamento para pleno exerccio das responsabilidades e direitos dentro do universo socioambiental.

 

Referncias

ACOSTA, A.; MARTNEZ E.. gua: Um derecho humano fundamental. Quito: Abya Yala,. p.18-23, 12, 2010.

AMORIM FILHO, Oswaldo Bueno; KOHLER, Heinz Charles; BARROSO, Lenidas Conceio (Org.). Epistemologia, cidade e meio ambiente. Belo Horizonte: Ed. PUC Minas, 2003

ALENCAR, M. M. M. Reciclagem de Lixo numa escola pblica do municpio de Salvador. Revista Virtual, v. 1, n. 2, p. 96- 113, jul- dez 2005. Disponvel em: http://revistas.unijorge.edu.br/candomba/2005-v1n2/pdfs/MarileiaAlencar2005v1n2.pdf . Acesso em: Acesso em 28: julho. 2019.

ALMEIDA, K. D. de S. SIMO, M. O. de A. R. A percepo de alunos do ensino mdio sobre o desperdcio de gua no ambiente escolar: estudo de caso em duas escolas pblicas de Manaus. 2010. Disponvel em: < http://congressos.ifal.edu.br/index.php/connepi/CONNEPI2010/paper/viewFile/265/211>. Acesso em: Acesso em 30, julho. 2019.

BAILLY, A. et al.. Geographie regionale et representation. Paris. Anthropos review journal of Personality Assssment, v. 51, n. 4, p. 489-505, 1987.

BARBOSA, V. Nove razes para apagar as luzes por 1 hora pelo Planeta. 2013. Disponvel em: <http://exame.abril.com.br/mundo/noticias/9-razoes-para-apagar-as-luzes-por-1-hora-pelo-planeta>. Acesso em 28: julho. 2019.

BASSANI, M. Fatores psicolgicos da percepo da qualidade ambiental. In: MAIA, N. B. et al. (Org.). Indicadores ambientais: conceitos e aplicaes. So Paulo: Educ, 2001.

BOSSA, Ndia A., OLIVEIRA, V. B. de, (Org.). Avaliao psicopedaggica da criana de sete a onze anos. Petrpolis: Vozes, 1996.

BRASIL. Ministrio da Educao. Parmetros curriculares nacionais: Temas Transversais Ministrio da Educao Braslia, 1997.

BRITTO, K. K. V. de. Percepo Ambiental sobre a Disposio de Resduos Slidos no Bairro Jardim Europa no Municpio de Foz do Iguau PR. 2010. 58f. Monografia. Curso de em Engenharia Ambiental. Unio Dinmica de Faculdades Cataratas, Foz do Iguau PR, 2010.

CAETANO, D. L. F. Conservao de recursos hdricos: a percepo de alunos de ensino mdio no municpio de Jacarezinho, Paran. 2013. 45p. Monografia (Especializao em Ensino de Cincias) - Universidade Tecnolgica Federal do Paran. Ponta Grossa, 2013.

CAPRNICA, P.; KAWASAKY, C. S. As Concepes ecolgicas de estudantes sobre reas verdes e arborizao urbana subsidiadas para educao ambiental. In: ENCONTRO PERSPECTIVA DO ENSINO DE BIOLOGIA, 7, 2000, So Paulo. Anais. So Paulo: Editora FEUSP, 2000

COIMBRA, J. A. A. O outro lado do meio ambiente. So Paulo: CETESB, 1995.

COSTA, S. A formao do professor e suas implicaes ticas e estticas. Psicopedagogia on line. Educao e sade mental. Disponvel em: < http://www.editorarealize.com.br/revistas/fiped/trabalhos/TRABALHO_EV057_MD1_SA46_ID3164_09092016153534.pdf >. Acesso em: 28 jun. 2005.

DIAS, G. F. Educao ambiental: princpios e prticas. 5. ed. So Paulo: Gaia, 1998.

DINIZ, L. J. D., LEITE, A. A., SILVA, M. L. Resduos slidos: percepo dos alunos do 3 do ensino mdio da escola estadual Francisco Gomes de Lima PB. 2014. Disponvel em: < http://www.editorarealize.com.br/revistas/conedu/trabalhos/Modalidade_1datahora_14_08_2014_16_01_07_idinscrito_33381_76907208b7c590e0084933a7629f751c.pdf>. Acesso em: 30 maio 2019.

DUTRA, M. R. O. Professor e educao ambiental: uma relao produtiva. Pelotas, 2005. n f. Dissertao (Mestrado em Educao). Programa de ps graduao em educao Universidade Federal de Pelotas, , 2005.

FAGIONATTO, S. O que tem a ver percepo ambiental com educao ambiental? So Paulo, 2007. Disponvel em : hhhp://educar-se.usp.br. Acesso em : 10, maio 2019.

FAZENDA, I. C. A. (Org). Didtica e interdisciplinaridade. 8. ed. So Paulo: Papirus, 2002.

FRANCO, J. B.; SATT, J. A. O. A educao ambiental encontrando a educao de jovens e adultos nos diferentes espaos educativos. Revej@ - Revista de Educao de Jovens e Adultos, v.1, p. 1-8, 2007.

FREITAS, F. C., SAMPAIO, C. R., CAPETI, K., BARRELA, W. Anlise ambiental dos estudantes de um Colgio Estadual de Paranagu-PR na promoo pelo Desenvolvimento Sustentvel. UNISANTA Bioscience Vol. 6 n 3. p. 198-206. 2017

FREITAS, A. C. S.; SANTOS, J. E. O.; BARRETO, L. V. Educao Ambiental no Ensino de Jovens e Adultos. Centro Cientfico Conhecer - Enciclopdia Biosfera, Goinia, v.5, n. 8, 2009.

FREITAS, M. B.; BRILHANTE, O. M.; ALMEIDA, L. M. Importncia da Anlise para a Sade Pblica em duas Regies do Estado do Rio de Janeiro: enfoque para coliformes fecais, nitrato e alumnio. Caderno de Sade Pblica, Rio de Janeiro, vol. 17, n 3, p. 651-660, 2001.

FUCHS, R. B. H. Educao ambiental como desenvolvimento de atividades interdisciplinares na 5 srie do ensino fundamental. Monografia de especializao. Universidade Federal de Santa Maria. Centro de Cincias Rurais, programa de ps-graduao em educao ambiental Santa Maria, Rs. 2008. Disponvel em: http:jararaca.ufsm.br/websites/unidadedeapoio/download/monoRegina.pdf Acesso em: 11, julho de 2019.

GOLD, J. N The role of verbalization in the Rorschach response process: a review. Journal of Personality Assessment, v. 51, 2010

GOMES, P. B. . Bullying: um desafio para nossas escolas. Revista Querubim, (14), 1-11, 2011.

GRANDI, L.A; CASTRO, R.G; MOTOKANE, M.T; KATO, D.S. Concepes de monitores e alunos sobre o conceito de biodiversidade em uma atividade de trabalho de campo. Cadernos CIMEAC v. 4, n. 1, 2014.

GUIMARES, M. A dimenso ambiental na educao, 8. ed. So Paulo: Papirus., 2007.

JACOBI, P. Educao ambiental, cidadania e sustentabilidade. Cadernos de Pesquisa. n. 118, p. 189-205, mar. 2003.

HAMMER, O.; HARPER, D.A.T.; RYAN, P. D. Paleontological Statistics Software Package for Education and Data Analysis. Paleontological Data Analysis. Blackwell. 2001. PAST.

MANSANO, C. N. A escola e o bairro: percepo ambiental e interpretao do espao de alunos do ensino fundamental. Maring, 2006. Dissertao Mestrado em Educao para a Cincia e o Ensino de Matemtica - Universidade Estadual de Maring.

MENGHINI, F. B. As trilhas interpretativas como recurso pedaggico. Itaja, 2005. Dissertao Mestrado em Educao Universidade do Vale do Itaja.

MORIN, E. Os Sete Saberes necessrios educao do futuro. 8. Ed. So Paulo: Cortez, 2003.

MOSER, G. Psicologia ambiental. Palestra proferida da Biblioteca Central da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, em 27 de agosto de 1998.

MUNIZ, M.; ALENCAR, M... Reciclagem de lixo numa escola pblica do municpio de Salvador. Candomb - revista virtual, v. 1, n. 2, p. 96113, 2005. Disponvel em: http://www.gepexsul.unoresisul.br/extensao/2012/amb3.pdf. Acesso em: 14 maio 2018.

OAIGEN, P. R. Educao, ambiente e educao ambiental: as concepes histricas e epistemolgicas da sociedade atual. Revista Brasileira de Pesquisa em Educao em Cincias, v. 1; n. 1, jan/abr, 2001.

OLIVEIRA, E. M. A Educao Ambiental para alm do Desenvolvimento Sustentvel. Revista Monografias Ambientais REMOA, v. 15, n. 1, , p.01-05, jan-abr. 2016.

OLIVEIRA, M. S.; OLIVEIRA, B. S.; VILELA, M. C. S.; CASTRO, T. A. A.; A importncia da educao ambiental na escola e a reciclagem do lixo orgnico. Revista cientifica eletrnica de cincias sociais aplicadas do Vale - Jaciara/MT. V. 5, n. 7, novembro de 2012 Disponvel em: http://eduvalesl.revista.inf.br/imagens_arquivos/arquivos_destaque/OqT8ChKZ3qwitpp_2015-12-19-2-22-31.pdf. Acesso em: 26 julho. 2019.

ORLANDI, N. Z. T. Diagnstico ambiental de uma escola tcnica estadual de acordo com o Programa Eco-Escolas. Santos, 2015. 60 p. Mestrado em Sustentabilidade de Ecossistemas Costeiros e Marinhos - Programa De Ps-Graduao Em Sustentabilidade De Ecossistemas Costeiros E Marinhos, Universidade Santa Ceclia, Santos, 2015.

PERES, M. C. L., BENATI, K. R., SILVA, P. M. S., P. AMORIM, V. E., DIAS, M. A. Sensibilizao de alunos do ensino fundamental a partir de prticas ambientais no parque metropolitano de Pituau. Revista Monografias Ambientais - REMOA v. 17, n.1, jan-abr, 2018.

PESTANA, M.; GAGEIRO, J. Anlise de dados para cincias sociais: a complementaridade do SPSS. 2. ed. Lisboa: Edies Slabo, 2008.

PITTE, J, R. La historie da La paysage Franais. Paris Tallander, 1986. 167p.

PORTEOUS, J. Smellscape. Progrem in human geography, vol. 9, p. 356-378, 1988.

RODRIGUES, A. S. L.; BRBARA, V. F.; MALAFAIA, G. Anlise das percepes ambientais e dos conhecimentos de alguns conceitos referentes s nascentes de rios revelados por jovens e adultos de uma escola no municpio de Ouro Preto, MG. Revista Brasileira de Biocincias, v. 8, n. 4, p. 355-361, out./dez. 2010.

RUSCHEINSKY, A.. Meio Ambiente e percepo do real: os rumos da educao ambiental nas veias das cincias sociais. Revista Eletrnica do Mestrado em Educao Ambiental, FURG Rio Grande, v. 7, p. 26-44, 2001.

SAMPAIO, C. R. Desempenho ambiental de duas escolas estaduais de So Vicente. Santos: Uni Santa, 2016. 60 p (Mestrado) - Programa de Ps-Graduao em Sustentabilidade de Ecossistemas Costeiros e Marinhos, Universidade Santa Ceclia, Santos, 2016.

SANTOS, S. D. Importncia da educao ambiental nas sries iniciais: teoria e prtica. In: ENCONTRO PERSPETIVAS DO ENSINO DE BIOLOGIA, 6, 1997, So Paulo. Anais... So Paulo: Editora Realie, 1997.

SATO, M.; SANTOS, J. E. Tendncias nas pesquisas em educao ambiental. In: NOAL, F. O.; BARCELOS, V. H. L. (Orgs.). Educao ambiental e cidadania: cenrios brasileiros. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2003. p. 253-283.

SCHIMAICHEL, G. L.; RESENDE, J. T. V. A importncia da certificao de produtos orgnicos no mercado internacional. Revista Eletrnica Lato Sensu, v. 2, n. 1, jul/2007. Disponvel em: http://www.unicentro.br. Acesso em: 27 ago. 2016.

SILVA, L. F.; SILVEIRA, A. Implantao de Espaos Educadores Sustentveis: Estudo de Caso em Escola Pblica. Revista Monografias Ambientais - REMOA v. 15, n.1, jan-abr 2016, p. 288-301.

SILVEIRA, F. P. A. A questo ambiental e o ensino mdio de biologia no ensino mdio. In: ENCONTRO PERSPETIVAS DO ENSINO DE BIOLOGIA, 6, 1997, So Paulo. Anais... So Paulo. 1997.

SOARES, J. R.. KITZMANN, D. I. S.. A percepo de estudantes do ensino mdio sobre os recursos hdricos em Palmeira das Misses (RS). 2016. Disponvel em: http://www.epea2017.ufpr.br/wp-content/uploads/2017/05/367-E4-S12-A-PERCEP%C3%87%C3%83O-DE-ESTUDANTES-DO-ENSINO-M%C3%89DIO.pdf. Acesso em: 30, julho 2019.

SPAZZIANI, M. L.; SILVA, P. G. F. Planejamento e Avaliao em Projetos de Educao Ambiental. Curitiba: IESDE, 2009.

TAVARES, C., FREIRE, I. M. Lugar de lixo no lixo: estudo e assimilao da informao. Cincia da Informao. vol.32, n.2, pp.125-135. 2003.

TUAN, Y. Fu. Topofilia:- um estudo da percepo, atitudes e valores do meio ambiente. So Paulo: Difel, 1980.

VOICHICOSKI, M. S. R.; MORALES, A. G. Anlise das pesquisas recentes (2000 a 2010): da relao entre educao ambiental e livro didtico. Olhar de professor, Ponta Grossa, v.14, n.2, p.239-254, 2011.

 



Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.