REMOA, Vol. 18 (2019), e3

DOI: http://dx.doi.org/10.5902/2179460X37341

Received: 17/03/2019 Accepted: 13/04/2019

 

by-nc-sa

 


Seo Prticas Educativas Ambientais

 

A educao ambiental atravs da reutilizao do leo de cozinha na educao infantil

 

The environmental education through reuse of kitchen oil in children education

 

 

Djiane Francine Krgel

Ana Caroline Paim Benedetti

Clayton Hillig

Luiz Ernani Bonesso de Arajo

Paulo Romeu Moreira Machado

 

 

Universidade Federal de Santa Maria, RS, Brasil. djiane_k@hotmail.com

Universidade Federal de Santa Maria, RS, Brasil. anacaroline@politecnico.ufsm.br

Universidade Federal de Santa Maria, RS, Brasil. clayton.hillig@gmail.com

Universidade Federal de Santa Maria, RS, Brasil. luiz.bonesso@gmail.com

Universidade Federal de Santa Maria, RS, Brasil. promeu.machado@gmail.com

 

 

Resumo

O trabalho apresenta uma iniciativa de Educao Ambiental realizada durante o segundo semestre de 2018, em uma Escola de Educao de Educao Infantil de Crissiumal-RS, envolvendo as turmas do Maternal I e Maternal II, professores e pais dos educandos na construo de conhecimentos ambientais relacionados ao leo residual de cozinha e a sua utilizao para a produo de sabo. O trabalho se insere na modalidade de pesquisa-ao, realiza sondagem dos conhecimentos dos sujeitos envolvidos e intervm para uma mudana de atitude para promover o descarte correto do leo residual de cozinha. Dentre as atividades realizadas esto a produo de um panfleto informativo, questionamento e atividade ldica que realizam uma sondagem quanto ao descarte do leo residual de cozinha, uma palestra e a produo do sabo como forma alternativa e sustentvel de descarte. Os resultados mostraram os avanos nas concepes quanto ao descarte do leo residual de cozinha e uma reformulao de aes voltadas a preservao do meio ambiente. A palestra e a produo de sabo mostraram-se essenciais para essa mudana de percepo e potencializaram a disseminao do conhecimento ambiental, que foi levado ao ambiente escolar e familiar, promovendo uma nova postura quanto ao descarte do leo residual de cozinha.

Palavras-chave: Meio ambiente; Produo de sabo; Ensino formal

 

Abstract

The paper presents an Environmental Education initiative carried out during the second semester of 2018, in a School of Child Education in Crissiumal-RS, involving the classes of Maternal I and Maternal II, teachers and parents of the students in the construction of environmental knowledge related to residual cooking oil and its use for the production of soap. The work is part of the research-action modality, analyzing the knowledge of the subjects involved and intervenes to a change of attitude to promote the correct disposal of residual cooking oil. Among the activities carried out are the production of an informative pamphlet, questioning and ludic activity that carry out a survey on the disposal of residual cooking oil, a lecture and the production of soap as an alternative and sustainable way of discarding. The results showed the advances in the concepts regarding the disposal of residual cooking oil and a reformulation of actions aimed at the preservation of the environment. The lecture and the production of soap were essential for this change of perception and potentiated the dissemination of environmental knowledge, which was taken to the school and family environment, promoting a new posture regarding the disposal of residual cooking oil.

Keywords: Environment; Soap production; Formal teaching

 

 

1 Introduo

A Educao Ambiental (EA) torna possvel incorporar novos hbitos, valores e atitude na sociedade que visam preservao de forma efetiva e permanente (BRASIL, 1999), para que os recursos naturais estejam disponveis a populao em qualidade e quantidade suficiente para o suprimento das necessidades das presentes e futuras geraes (BRASIL, 1988). A EA possibilita a populao uma ampliao do conhecimento das problemticas ambientais para atitudes conscientes para com o meio ambiente levando a atitudes de respeito e colaborao para promover o cuidado ambiental. Segundo a Lei 9.795 Art. 1 a Educao Ambiental refere-se a:

 

[...] processos por meio dos quais o indivduo e a coletividade constroem valores sociais, conhecimentos, habilidades, atitudes e competncias voltadas para a conservao do meio ambiente, bem de uso comum do povo, essencial sadia qualidade de vida e sua sustentabilidade (BRASIL, 1999, p. 1).

 

Assim a Educao Ambiental assume um importante papel na formao de sujeitos atuantes como agentes transformadores da sociedade atravs da educao, pois possibilita o acesso a informao, construindo conhecimento e sensibilizando a populao em geral para com as problemticas ambientais que viemos enfrentando na atualidade, buscando incorporar na vida da populao hbitos, valores e atitudes de uma cultura sustentvel (PIEA, 1976).

Na atualidade, conciliar o desenvolvimento econmico com a disponibilidade de recursos e preservao ambiental tm se mostrado uma tarefa difcil, pois nem todas as pessoas demostram uma conscincia ecolgica a fim de tornar possvel a mudana de postura para com as problemticas ambientais (RUSCHEINSKY, 2011). O consumismo estimula ainda mais a produo e explorao dos recursos naturais, tal modo de vida produz vrios prejuzos ambientais que na atualidade tornaram-se descontrolados devido ao aumento populacional e despreocupao com os recursos naturais e ambientais com a economia centrada no produtivismo e consumismo que visa atender a demanda que maior do que as prprias necessidades populacionais.

A forma de vida adotada pela populao em geral tornou-se insustentvel com o passar dos anos, pois acarretou vrios problemas de insustentabilidade, como poluio, aquecimento global, extino de espcies, esgotamento de recursos, os quais so essenciais para manuteno de todas as formas de vida existentes no planeta. Desta forma, as aes humanas afetaram no s o equilbrio ambiental, mas a prpria qualidade de vida da populao, j que entre homem e natureza existe uma relao de dependncia, pois os recursos naturais so essenciais para o suprimento das necessidades humanas, fazendo-se fundamental promover a sustentabilidade (DIAS, 2003).

A EA auxilia no entendimento das problemticas ambientais, levando a populao informao e formas alternativas de promover a sustentabilidade. Todos somos sujeitos que podemos causar algum dano ambiental atravs do modo como interagimos com o meio ambiente, assim atravs de iniciativas ambientais pode-se compreender os danos que as nossas atitudes acarretam e buscar alternativas sustentveis, atravs das quais podemos reutilizar resduos e transform-lo em matria prima a ser utilizada na produo de outro material (BRASIL, 2012).

Segundo a Lei N 9.795 de 27 de abril de 1999, a EA estende-se a todos os nveis e modalidades de ensino, os quais compreendem: I - educao bsica: a. educao infantil; b. ensino fundamental e c. ensino mdio; II - educao superior; III - educao especial; IV - educao profissional; V - educao de jovens e adultos (BRASIL, 1999, p. 3). Dentre os nveis de escolaridade em que a Educao Ambiental deve ser contemplada, est a Educao Infantil (EI), primeira etapa da Educao Bsica que: [...] tem como finalidade o desenvolvimento integral da criana de at 5 (cinco) anos, em seus aspectos fsico, psicolgico, intelectual e social, complementando a ao da famlia e da comunidade (BRASIL, 1996, p. 22).

Para as crianas da EI aprenderem a importncia de preservar o meio ambiente e descartarmos corretamente os resduos que produzimos, em especial o leo residual de cozinha, buscou-se realizar uma abordagem da EA mostrando a possibilidade de reutilizao do leo residual de cozinha para a produo de sabo, o qual mostra-se um importante produto a ser utilizado no processo de higienizao de roupas, ambientes e at mesmo pessoal (LIMA et al. 2014).

O leo de cozinha uma substncia hidrofbica amplamente utilizada na preparao de alimentos e devido as suas propriedades fsico-qumicas, pode causar vrias consequncias ao meio ambiente quando descartado incorretamente (KUNZLER; SCHIRMANN, 2011). Para evitar o descarte no ambiente so realizadas vrias campanhas mostrando que existem vrias alternativas onde o leo de cozinha pode ser reaproveitado para a fabricao de sabo, tinta, verniz e biodiesel, as campanhas mostram grandes resultados j que evitaram que 700 mil quilos de leo vegetal viessem a degradar o meio ambiente nos ltimos cinco anos (ABIOVE, 2012).

Os problemas do descarte inadequado do leo residual de cozinha podem afetar no somente o ambiente, mas os seres vivos que nele habitam, podendo vir a contaminar o solo, gua e toda a fauna aqutica e atravs da impermeabilizao do solo causar danos a flora que entra em contato com este resduo (COSTA et al, 2015). Os danos so ainda maiores quando o leo residual de cozinha descartado no esgoto e tubulaes, pois prejudica todo o ecossistema aqutico devido barreira que produzida que dificulta o a entrada da luz solar e at mesmo a troca de gases, que so essenciais para a manuteno da vida nos ambientes aquticos (OLIVEIRA; AQUINO, 2012). No causando somente danos ambientais, o problema do descarte inadequado do leo residual de cozinha, se alastra afetando diretamente a sade da populao, pois a degradao ambiental propicia ao surgimento de agentes transmissores de doenas (SILVA, 2013).

na escola que formamos os cidados transformadores da nossa sociedade, atravs da educao levamos informaes e conhecimentos aos nossos educandos, os quais podem ser (re)significados quando os sujeitos conseguem relacionar os contedos aprendidos com a sua realidade e atuar de forma consciente de forma uma transformao social (SMOLKA, 1995). Para incorporarmos em nossa sociedade novos hbitos e valores ambientais preciso conscientizar e sensibilizar, para que as pessoas criem sentimentos em relao ao meio ambiente que permaneam por toda a vida de modo a torna-las agente constante de uma transformao que perdure atravs dos tempos.

Na EI as crianas mostram um grande interesse pelos seres vivos e natureza, podendo sensibilizarem-se mais facilmente com as questes ambientais, realizar a EA de modo cognitivo e afetivo produz nos sujeitos envolvidos um sentimento em relao a problemtica que vem sendo estudada, e nas crianas de Educao Infantil esse sentimento em relao ao meio, se torna ainda mais intenso, j que a criana estabelece uma relao emocional com cada coisa que descobre, aparente e realiza, assim o meio ambiente apresenta-se como um mundo a ser descoberto que elas querem conhecer, explorar e experimentar (MARTINS, 2009).

A iniciativa de EA atravs da reutilizao do leo de cozinha para a produo de sabo estende a problemtica a ser compreendida incorporando os danos ambientais causado no descarte inadequado. O trabalho conta com a realizao de uma sondagem com pais e alunos das turmas Maternal I e Maternal II quanto ao descarte realizados nas suas residncias e com uma palestra educativa com a finalidade de ampliar os conhecimentos sobre os danos que o leo residual de cozinha causa no meio ambiente mostrando a produo de sabo como uma forma alternativa de descarte. O sabo um produto amplamente conhecido pelas crianas utilizado para diversas finalidades, como lavar as mos, a roupa, a loua, higienizao pessoal e de ambientes (LIMA, et al. 2014).

Sendo a EA uma forma de o conhecimento e informaes sobre o meio ambiente chegar populao em geral e o ambiento educacional essencial na promoo de uma sociedade transformadora, o presente trabalho tem como objetivo realizar: a) um panfleto informativo; b) sondagem quanto ao descarte do leo residual de cozinha com os pais e alunos; c) palestra informativa e; d) produzir o sabo em barra a partir do leo residual de cozinha; buscando no somente ampliar os conhecimentos da populao local, mas incorporar essa alternativa sustentvel de descarte no cotidiano escolar e familiar.

 

 

2 Metodologia

A pesquisa qualitativa que e se insere na modalidade de pesquisa-ao, buscando entender como a reutilizao do leo de cozinha para produo de sabo, pode contribuir para ampliar os conhecimentos das crianas da Educao Infantil e torn-las sujeitos conscientes quanto ao cuidado e preservao do meio ambiente. Segundo Thiollent (1985) a pesquisa-ao :

 

[...] um tipo de pesquisa com base emprica que concebida e realizada em estreita associao com uma ao ou com a resoluo de um problema coletivo e no qual os pesquisadores e participantes representativos da situao ou do problema esto envolvidos de modo cooperativo ou participativo (THIOLLENT, 1985, p. 14).

 

A iniciativa de EA foi realizada durante o 2 semestre de 2018, na Escola de Educao Infantil Neli Ilse Thom localizada no Municpio de Crissiumal- RS, com as turmas de Maternal I e Maternal II, envolvendo tambm os pais dos educandos e funcionrios da escola. A abordagem do tema leo residual de cozinha atravs da EA deu-se pela sequncia das seguintes atividades:

 

a. Panfleto informativo: foi realizado a produo de um panfleto informativo, pelos autores do trabalho, que teve como objetivo introduzir o tema leo residual de cozinha com as crianas e os pais dos alunos, o panfleto foi realizado em preto e branco com desenhos vazados para que as crianas pudessem participar da produo colorindo-o, o panfleto tambm incentivou os pais dos educandos a colaborarem com o trabalho que foi realizado na escola e a armazenarem leo residual de cozinha para posterior produo de sabo.

 

b. Sondagem sobre o descarte do leo residual de cozinha: para compreender as concepes que os sujeitos envolvidos possuam sobre o descarte do leo residual de cozinha foi realizado um questionamento com os pais e alunos:

- Questionamentos aos pais: os pais dos educandos da turma do Maternal I, foram questionados: Qual o destino dado ao leo residual de cozinha nas suas residncias?. Segundo Gil (2002) questionamentos, entrevistas, observaes, formulrios, ou ainda registros documentais so validos para a coleta de dados, sendo que o levantamento de dados atravs destes instrumentos abordam questes a serem respondidas pelos sujeitos envolvidos (GIL, 2002). Os pais foram questionados oralmente quanto ao destino do leo residual de cozinha que cada um deles realiza em suas casas, o questionamento foi realizado no decorrer do dia a dia cotidiano da criana em que as aes de EA vinham sendo realizadas na escola e os dados foram anotados para posterior anlise.

- Questionamento aos alunos: se deu atravs de uma brincadeira ldica.

Material: caixas com ilustraes dos locais de descarte: pia, vaso sanitrio, ptio, rio, usar novamente na preparao de alimento e fazer sabo, e um litro de leo residual de cozinha armazenado em uma garrafa pet e lpis de cor.

Procedimento: Cada criana pode pegar o a garrafa pet com leo residual de cozinha e decidir qual o destino que elas gostariam de dar ao resduo levando-o at a caixa de destino. Os resultados das escolhas de destino foram anotados e a brincadeira foi realizada em dois momentos distintos, uma vez ates de realizar a palestra e a produo do sabo e outra vez aps a palestra e produo do sabo em barra. Esta brincadeira buscou observar os avanos nas concepes quanto ao descarte do leo residual de cozinha antes e depois da realizao da iniciativa educacional ambiental na educao infantil.

 

c. Palestra sobre o descarte do leo residual de cozinha: Foi realizada uma palestra, com imagens ilustrativas, para as crianas compreenderem: O que o leo de cozinha? Para que ele utilizado? Quais os prejuzos que ele acarreta quando descartado em pias ou vaso sanitrio? Quais os danos que ele causa no meio ambiente? Quais os prejuzos que a reutilizao do leo residual de cozinha pode causar a sade quando utilizado novamente na preparao de alimentos? Como vamos reciclar o leo residual de cozinha para que ele no cause danos ao meio ambiente? Juntamente com a palestra foi realizado duas experincias para as crianas compreenderem os impactos causados no meio aqutico e terrestre.

 

Experincia 1. Ambiente Aqutico:

-Materiais: aqurio, pequenos animais artificiais, gua, leo residual;

-Procedimento: colocar gua e animais dentro do aqurio simulando o ambiente aqutico e derramar leo residual de cozinha;

-Refletir: o leo residual de cozinha forma uma barreira que no permite a troca de gases e a penetrao dos raios solares no ambiente aqutico, o que prejudica o desenvolvimento da vida animal e vegetal no ambiente aqutico (OLIVEIRA; AQUINO, 2012).

 

Experincia 2. Ambiente terrestre:

-Materiais: planta com razes e plstico;

-Procedimento: envolver as razes da planta no plstico simulando a ao de bloqueio que o leo residual causa nas razes da planta;

-Refletir: no ambiente terrestre o leo residual de cozinha provoca essa mesma barreira dificultando a absoro dos nutrientes e impedindo o seu desenvolvimento, o que acarreta a diminuio de animais herbvoros, devido escassez de alimento (SILVA, 2013).

 

d. Produo do sabo a partir do leo residual de cozinha:

 

A atividade prtica de produo de sabo em barra a partir do leo residual de cozinha buscou envolver as crianas e os pais e foi realizada na Escola de Educao Infantil utilizando os seguintes materiais: balde, formas retangulares, basto de madeira, luvas, mscaras, plsticos, faca, peneira. Os reagentes utilizados foram 1 Kg de soda custica em escamas, 1 litros de gua fria, 1copo de sabo em p, 4 Litros de leo residual de cozinha doados pelos pais dos educandos. Com os EPI, materiais e reagentes necessrios seguiu-se com a metodologia da saponificao adicionando-se a soda custica em escamas no balde e derramando grande parte da gua, deixando somente um pouco para dissolver o sabo em p. Mexeu-se a mistura um basto de madeira at a dissoluo da soda, quando foi adicionado o leo residual de cozinha peneirado voltando a misturar por 40 min quando ao final adicionado o sabo em p dissolvido na gua seguindo mexendo at dar ponto. Em seguida a mistura foi despejada em formas retangulares forradas com plstico, onde o sabo ficou secando por 5 dias chegando ao ponto de corte, podendo ser embalado.

Como a iniciativa de EA, realizada na escola de EI, envolveu pais, alunos e funcionrios, estes vm a contribuir como uma amostra da populao local, contribuindo para a coleta de dados, realizados atravs da sondagem e questionamento com pais e alunos especificados no item (b), os quais foram analisados estatisticamente e com base em autores como Flecha & Garcia (2007), Freire & Carvalho (2012), Silva (1998), Georgin & Oliveira (2014), Dollabona & Mendes (2004), Freitas (2010), Dias, Marques & Dias (2016), Torquato (1996), Silva (2013), Oliveira & Aquino (2012), Costa et al. (2015), Carvalho (2008).

 

 

3 Resultados e Discusso

Os resultados foram produzidos a partir das atividades de EA com as crianas do Maternal I e II, e tambm com o envolvimento de seus respectivos pais e educadores da escola de EI, onde cada iniciativa educativa produziu os seguintes dados:

 

3.1 Panfleto Informativo

A introduo da EA na EI atravs do tema leo Residual de Cozinha na turma do Maternal I, deu-se a partir da produo de um panfleto informativo, mostrado na Figura 1, para as crianas e os pais entenderem as atividades que seriam realizadas bem como realizar o armazenamento do leo residual de cozinha para posterior produo do sabo.

 

Figura 1 - Panfleto informativo produzido por um aluno.

Fonte: Arquivo pessoal (2018).

 

Na produo do panfleto informativo as crianas realizaram a pintura das suas ilustraes onde foi realizado uma explicao e questionamentos para melhor compreenso do tema por parte dos alunos. Atravs dos questionamentos os educandos foram convidados a refletir sobre o que lhe esta sendo apresentando, o dilogo uma forma de despertar no aluno a curiosidade de entender o objeto de estudo, atravs dele possvel entender o problema que esta sendo apresentando, buscando suas causas, efeitos, consequncias e solues para promover uma mudana (FLECHA; GARCIA, 2007). Os questionamentos buscam envolver os alunos em uma forma de dilogo orientando-os ao ato educativo incentivando a sua participao, expresso e compartilhamento de ideias, atitudes e experincias sobre o fenmeno ou objeto estudado, isso permite que o educando desenvolva desde cedo habilidades comunicativas e expressivas essncias para a vida. Freire e Carvalho (2012) destacam que:

 

[...] a educao e a comunicao so consideradas essenciais na construo social e no desenvolvimento humano. Juntas, as duas cincias podem proporcionar melhorias para o campo educacional e para sociedade. Por certo que os meios de comunicao exercem influncia nas vidas das pessoas, portanto a integrao dessa rea com a educao possibilita a formao de indivduos conscientes, informados e participantes da dinmica social (FREIRE; CARVALHO, 2012, p. 01).

 

O envolvimento dos educandos na produo do panfleto, colorindo as ilustraes, auxilia no somente no seu envolvimento com o tema abordado, mas tambm suas habilidades de coordenao motora fina, noo de espao representao e expresso. Segundos os DCNEI (2010) so destacados trs princpios que devem ser contemplados e abordados na EI, atividades que busquem desenvolver estas habilidades so importantes no desenvolvimento da criana e incluem-se no Principio Esttico, pois refletem a forma de expressar-se corporalmente, cognitivamente e emocionalmente. O Princpio Poltico contemplado em uma nica dinmica de dilogo e questionamento, onde as crianas devem aprender a expor suas ideias, experincias, respeitando opinies e interagindo como cidado pertencente a uma sociedade (BRASIL, 2010). Dentre os princpios que so contemplados, h tambm o Princpio tico, que refere-se a: (...) autonomia, da responsabilidade, da solidariedade e do respeito ao bem comum, ao meio ambiente e s diferentes culturas, identidades e singularidades (BRASIL, 2010, p.16), ressaltando a criana como sujeito de direitos e deveres, respeitando as particularidades que cada educando possui, as quais refletem at mesmo na sua personalidade e modo de ser e agir individualmente e coletivamente, mas tambm ressaltando valores ambientais que devem ser refletidos no somente em sala de aula, mas na sociedade.

A criana envolvendo-se na pintura do panfleto cria um sentimento de criao que pode valorado pelos pais quando estes entram em contato com as suas produes e trabalhos realizados no ambiente escolar. A produo do panfleto tornou possvel a introduo ao trabalho sobre o leo residual de cozinha e tambm as futuras atividades de EA que foram realizadas no decorrer dos meses de setembro e outubro de 2018.

 

3.2 Sondagem sobre o descarte do leo residual de cozinha

3.2.1 Questionamento aos pais

A iniciativa de EA conseguiu envolver 70% doa pais dos educandos do Maternal I e II, dentre eles, Rosane colaborou com suas explicaes ressaltando para descartar o leo residual da cozinha: Colocamos em litres e levamos na ACI para trocar por barras de sabo (Questionamento, 2018). Dentre outras iniciativas de descarte, Lurdes destaca que: Doa para quem quiser fazer sabo e as vezes paro na rua junto com os outros lixos em litres, sempre levam (Questionamento, 2018). Assim, os pais contribuem com suas iniciativas, onde pode-se perceber que estes possuem instruo quando ao conhecimento de descarte do leo residual de cozinha.

Silva (1998) nos seus estudos sobre a Influncia da Famlia na Vida Escolar dos Alunos evidenciam a importncia da participao dos pais na vida escolar de seus filhos para um bom rendimento escolar. A EI uma fase em que as crianas comeam a conhecer e explorar o mundo, percebendo que vivencias vo alm da convivncia familiar, mas se estendem ao ambiente escolar e social. Nesta faixa etria os pais mostram interesse com o bem estar da criana, devido dependncia e cuidados que esta exige, porem alguns acabam deixando de lado fatos importantes aprendidos pela criana no dia a dia escolar.

A cultura insustentvel ainda repercute em nossa sociedade seja pelo comodismo das pessoas em atuar de forma consciente para com o meio ambiente, pela carncia de informao quanto ao manejo adequado dos recursos naturais ou ainda pela falta de recursos financeiros para promover-se adequaes estruturais, que visem promover a preservao e manuteno do equilbrio ambiental. Dentre os pais que participaram e estavam abertos ao dilogo sobre o descarte do leo residual de cozinha em suas residncias, evidenciou-se que (58%) demostraram carncia de informao sobre o descarte correto do leo residual de cozinha em suas residncias, onde estes relataram jogar o leo residual de cozinha nos fundos do ptio (17%) e outros reutilizam o leo residual vrias vezes na preparao de alimentos (41%).

A EA auxilia nesse processo informativo e alternativo de viver em harmonia com a natureza, assim atravs do ensino formal possvel ampliar a conscincia ambiental dos educandos e fazer com que estes compartilhem esses conhecimentos com suas famlias e comunidade em geral. Desta forma percebe-se que: (...) importante que sejam apresentados temas pertinentes que levam a uma conscientizao, de maneira que esta criana dissemine tal conhecimento, pois comum uma criana ao adquirir um novo conhecimento repassar principalmente para seus familiares (GEORGIN; OLIVEIRA, 2014, p. 3380), o que pode refletir em uma mudana de hbitos na famlia e comunidade.

 

3.2.2 Questionamentos aos alunos

Para questionamento dos alunos foi apresentado a eles uma garrafa pet com leo residual de cozinha, onde eles podiam decidir qual o destino que gostariam de dar a ele, como mostra a Figura 2. Dentre as opes de descarte estavam: jogar no vaso, na pia, no terreno, no rio, utiliz-lo novamente na preparao de alimentos, us-lo para produzir sabo, como pode ser observado na Figura 3.

 

Figura 2 - Explicao da brincadeira para as crianas

Fonte: Arquivo pessoal (2018)

 

 

Figura 3 - Destinos possveis ao leo residual de cozinha na brincadeira

Fonte: Arquivo pessoal (2018).

 

As atividades e brincadeiras ldicas despertam na criana prazer, alegria e vontade de fazer o que lhe esta sendo proposto, fazendo com que a criana aprenda mais facilmente os temas abordados e interesse-se em participar do processo de ensino. Assim as atividades promovidas atravs da ludicidade, permitem ao professor inserir seus projetos educativos no mbito educacional de forma intencional, de forma a alcanar os seus objetivos e promover a aprendizagem dos seus alunos (DALLABONA; MENDES, 2004).

Expondo a brincadeira do destino do leo residual de cozinha as crianas, elas demostraram que realizariam o descarte nos mais variados locais, os quais podem ser observados no Grfico 1.

 

Grfico 1 - Descarte do leo residual de cozinha nos mais diversos ambientes.

Fonte: Dados da pesquisa.

 

Com a realizao da brincadeira na turma do Maternal I, observou-se que dentre os destinos escolhidos para o leo residual de cozinha, apenas 23,5% dos alunos o utilizaria para fazer sabo, enquanto que 76,5% dos alunos dariam outro destino ao leo residual de cozinha. Aps a realizao da palestra e produo de sabo a brincadeira foi realizada novamente e percebeu-se uma mudana na percepo dos sujeitos envolvidos, que mostrada no Grfico 2.

 

Grfico 2 - Descarte do leo residual de cozinha aps a iniciativa de EA.

 

Fonte: Dados da pesquisa.

 

Dentre os destinos escolhidos ao leo residual de cozinha observou-se que nenhum dos alunos descartou no rio e no vaso, enquanto que 29,5% descartaria na pia ou terreno, ou ainda o utilizaria novamente na preparao de alimentos e 70,5% utilizaria o leo residual de cozinha para fazer sabo.

Os resultados obtidos na realizao da brincadeira antes e depois das iniciativas de Educao Ambiental tornou possvel observar que houve uma mudana de postura quanto ao descarte do leo residual de cozinha, mostrada no Grfico 3.

 

Grfico 3. Comparao do descarte do leo residual de cozinha antes e depois das atividades de EA.

Fonte: Dados da pesquisa.

 

Comparando os resultados obtidos na realizao da brincadeira antes e depois das atividades de EA promovidas na escola, observou-se que o acesso ao conhecimento atravs da EA possibilitou uma mudana de atitude nos sujeitos envolvidos, mesmos que estes se encontram na EI. Houve uma mudana na concepo que eles tinham antes de obter o conhecimento das causas e consequncias que o leo residual de cozinha pode acarretar quando jogado no meio ambiente ou mesmo provocando danos a prpria sade. Assim o conhecimento ambiental possibilitou as crianas reavaliar suas escolhas de destino do leo residual de cozinha, a diferena quanto postura anterior e atual pode ser observada na Tabela 3, que mostra em porcentagem a mudana provocada nos sujeitos envolvidos e percebe-se os avanos que a EA pode proporcionar em uma mudana de atitude para com o leo residual de cozinha, sendo que a mais significativa se deu quanto ao descarte deste resduo, foi a produo de sabo (47%).

Segundo Freitas (2010):

 

[...] a percepo ambiental pr-requisito para se atingir diferentes nveis de conscientizao ambiental. O somatrio de percepo e conscientizao ambiental, com conhecimento cientfico, so os vetores que apresentam potencial para se promover a efetiva conservao ambiental. O nvel de conscientizao ambiental de cada indivduo est diretamente relacionado ao grau de percepo ambiental do mesmo (FREITAS et al., 2010, p. 988).

 

Desta forma, possvel entender que o conhecimento adquirido atravs da EA pode promover uma reviso de valores e percepes que j formam construdas no decorrer da vida e at mesmo significa-los, pois estas iniciativas potencializam uma mudana social duradoura que deve ser sempre relembrada, para que preocupao para com a preservao do meio ambiente no caia no esquecimento ou fique somente em palavras e no em atitudes consciente.

3.3 Palestra sobre o descarte do leo residual de cozinha

A EA busca levar a populao o conhecimento de formas alternativas de descarte de resduos, buscando incorporar na populao novos comportamentos que visem preservao do meio ambiente e ampliem o conhecimento da populao em geral sobre as problemticas ambientais. Segundo Dias, Marques e Dias (2016): A educao utiliza-se da comunicao para desenvolver suas atividades, a linguagem verbal e no verbal bem feita, a boa transmisso da mensagem, o dilogo no aprendizado, o uso da tecnologia para transmitir melhor o contedo (DIAS, MARQUES, DIAS 2016, p. 31). Assim, atravs do dilogo e comunicao possvel a construo do conhecimento pela troca de ideias e interaes a fim de promover a educao.

 

Convm atentar que a Educao Ambiental est intimamente ligada ao indivduo como ser social, portanto importante a percepo individual como elemento da prtica ou disseminao da Educao Ambiental sob os olhares de cada ator do espao social. Para tanto, evidencia-se a contribuio de uma nova abordagem educativa a partir da evoluo dos meios de comunicao, que a educomunicao, como tambm a educomunicao ambiental como fora propulsora de transformao de atitudes humanas ambientais (DIAS; MARQUES; DIAS, 2016, p. 12).

 

A comunicao e o dilogo so ferramentas de transmisso de informao e conhecimento que permitem apresentar diversos temas, os quais geralmente esto relacionados realidade que vem sendo enfrentada na comunidade. Assim ela possibilita um meio de apresentao do tema, que foi: leo Residual de Cozinha, as crianas da turma do Maternal I e II. Segundo Torquato (1996):

 

[...] por meio da comunicao, que uma pessoa convence, persuade, atrai, muda ideias, influencia, gera atitudes, desperta sentimentos, provoca expectativas e induz comportamentos. Ainda, por meio da comunicao, uma organizao estabelece uma tipologia de consentimento, formando congruncia, equalizao, homogeneizao de ideias, integrao de propsitos (TORQUATO, 1996, p. 162).

 

Durante a palestra foi abordado utilidade do leo de cozinha, as consequncias ao meio ambiente quando descartado no vaso sanitrio, no terreno, no rio, na pia ou usado novamente, sendo demonstrado uma alternativa de descarte, atravs da produo de sabo, o qual pode ser utilizado para diversas finalidades no dia a dia da criana.

 

3.3.1 Os impactos ambientais do leo residual de cozinha na natureza

As experincias que podem ser realizadas atravs da EA com abordagem ao tema leo residual de cozinha podem ampliar a compreenso das consequncias que este resduo causa no meio ambiente, assim foram realizadas duas experincias demonstrativas para que os alunos pudessem compreender os danos que so causados no ambiente aqutico e terrestre.

Nas experincias realizadas foi simulado um ambiente aqutico e um ambiente terrestre, os quais podem ser observados na Figura 4. O ambiente aqutico foi representando por um aqurio com plantinhas e animais plastificados e foi derramado leo residual de cozinha sobre gua, o que levou os alunos a refletir sobreas consequncias deste resduo no meio aqutico provocando poluio da gua e danos a toda fauna e flora aqutica, pois dificulta passagem da luz solar e troca de gases essenciais a sobrevivncia dos seres vivos (OLIVEIRA; AQUINO, 2012). Para representar a ao do leo residual de cozinha sobre o meio terrestre, uma planta teve suas razes envolvidas por um plstico representando que o leo gruda-se as razes e forma uma parreira na terra dificultando a passagem de gua. O leo residual de cozinha quando descartado no solo provoca impermeabilizao fazendo com que a vida vegetal existente no local seja prejudicada (SILVA, 2013). Durante a palestra tambm foi mostrados aos educandos os componentes que utilizamos para produzir o sabo em barra a partir do leo de cozinha usado.

 

Figura 4 - Representao do ambiente aqutico (a) e do ambiente terrestre (b).

Fonte: Arquivo pessoal (2018).

Atravs das experincias realizadas os alunos puderam perceber melhor os danos que o leo residual de cozinha causa no meio ambiente provocando uma mudana de atitudes por parte dos educandos para com o destino do leo residual de cozinha.

 

3.4 Produo do sabo a partir do leo residual de cozinha

A produo do sabo foi realizada no dia 1 de outubro de 2018, com as turmas do Maternal I e II, onde foi demonstrado a sua produo colocando a soda custica em escamas em um balde, sendo derramado gua fria, em seguida mexeu-se para dissolver a soda custica, colocou-se o leo residual de cozinha peneirado. Depois adicionou-se o sabo em p dissolvido na gua, formando uma mistura mais pastosa que foi observada pelas crianas como na mostra a Figura 5. A mistura foi colocada em formas revestidas com plstico, como pode ser visualizado na Figura 6, e ficou secando por 5 dias at atingir o ponto de corte.

 

Figura 5 - Alunos observando a produo de sabo.

Fonte: Arquivo pessoal (2018).

 

Figura 6 - Mistura de sabo sendo despejado nas formas revestidas com plstico

Fonte: Arquivo pessoal (2018).

 

Quando o sabo mostrou-se consistncia foi retirado das formas sendo cortado em pedaos e pode ser observado pelas crianas, como mostra a Figura 7. Os pedaos foram embalados e cada criana pode levar um pedao do sabo produzido, juntamente com a receita, para que os pais tambm consigam produzir o seu prprio sabo a partir do leo residual de cozinha e outra parte do sabo produzido foi doada a escola Figura 8.

 

Figura 7 - Alunos observando o sabo.

Fonte: Arquivo pessoal (2018).

 

Figura 8 - Sabo embalado com a receita.

Fonte: Arquivo pessoal (2018).

 

A utilizao do leo residual de cozinha para produo de sabo mostra-se uma importante iniciativa ecologicamente vivel, pois no causa prejuzos ao meio ambiente; e de importncia econmica, j que pode gerar empregos devido ao baixo custo de produo (COSTA et al. 2015).

A EA faz com que os sujeitos se sensibilizam com as problemticas ambientais, oportunizando a troca de conhecimentos e experincias, permitindo um crescimento pessoal e coletivo em relao preservao ambiental, assim a EA mostra que atravs desta ao constri-se uma nova sociedade atravs da sensibilizao dos sujeitos que passam a adotar comportamentos conscientes para com a natureza (CARVALHO, 2008).

 

 

4 Concluso

A EA na escola de EI conseguiu envolver as os professores, alunos e seus respectivos pais na maioria das atividades realizadas, ampliando a compreenso dos sujeitos envolvidos sobre o descarte correto do leo residual de cozinha e os danos que este causa ao meio ambiente quando descartado na natureza. A produo do panfleto mostrou-se importante para a introduo do tema e envolvimento dos pais, a sondagem sobre o descarte do leo residual de cozinha permitiu compreender as diferentes percepes de pais e alunos, bem como observar os avanos que o conhecimento ambiental proporcionou atravs da palestra e produo de sabo. Assim estas atividades promovidas pela EA conseguiram mostrar uma forma alternativa de descarte do leo residual de cozinha, no somente divulgando o conhecimento do ambiente escolar para o familiar, mas aplicando-o e adotando esta nova prtica que essencial para promover uma mudana permanente e duradoura em prol da preservao do meio ambiente.

 

 

Referncias

ABIOVE Associao Brasileira das Indstrias de leos Vegetais. Ecoinforme 17/09/2012, leo de cozinha ganha campanha para destinao correta. Disponvel em: http://www.abiove.org.br/. Acessado em 17 de fev. 2019.

 

BRASIL. Constituio Federal de 1988. Constituio da Repblica Federativa do Brasil. Senado Federal. Braslia, 5 de outubro de 1988.

 

BRASIL. LDB Lei de Diretrizes e Bases da Educao Nacional, N 9.394/1996. Edio atualizada em maro de 2017. Disponvel em: http://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/529732/lei_de_diretrizes_e_bases_1ed.pdf. Acessado em: 07 de set. 2018.

 

BRASIL. lei n 9.795/99. Poltica NACIONAL DE EDUCAO AMBIENTAL. Presidncia da Repblica. Braslia, 27 de abril de 1999.

 

BRASIL. [Lei n. 12.305, de 2 de agosto de 2010]. Poltica Nacional de Resduos Slidos [recurso eletrnico]. 2. ed. Braslia : Cmara dos Deputados, Edies Cmara, 2012. 73 p. (Srie legislao ; n. 81) Atualizada em 18/5/2012 Institui a Poltica Nacional de Resduos Slidos; altera a Lei n 9.605, de 12 de fevereiro de 1998 e d outras providncias. ISBN 978-85-736-5972-6

 

BRASIL. Ministrio da Educao e Conselho Nacional de Educao. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educao Infantil. Braslia: CNE/CEB, 2010.

 

CARVALHO, Isabel C.M. Educao Ambiental. A formao do sujeito ecolgico. So Paulo: Vozes, 2008.

 

COSTA, Daniela Alves da; LOPES, Gilmeire Rulim; LOPES, Jos Roberto. Reutilizao do leo de fritura como uma alternativa de amenizar a poluio do solo. Revista Monografias Ambientais - REMOA Revista do Centro do Cincias Naturais e Exatas - UFSM, Santa Maria ED. ESPECIAL IFMT - Licenciatura em Cincias da Natureza - v.14, 2015, p.243-253 e-ISSN 2236 1308 - DOI:10.5902/2236130820461.

 

DIAS, G. F. Educao Ambiental: princpios e prticas. 8 ed. So Paulo: Gaia, 2003.

 

DIAS, Leonice Seolin; MARQUES, Mauricio Dias; DIAS, Lucas Seolin. Educao Ambiental: conceitos metodologias e prticas. Cap. 1 EDUCAO, EDUCAO AMBIENTAL, PERCEPO AMBIENTAL E EDUCOMUNICAO. Ed: 1. Tup, So Paulo, 2016. Disponvel em: file:///C:/Users/Cliente/Downloads/EducaoAmbiental-ConceitosMetodologiaePrticas-2016%20(2).pdf. Acessado em 13 de setembro de 2018.

 

DOLLABONA; Sandra Regina; MENDES, Sueli Maria Schmitt. O ldico na educao infantil: jogar, brincar, uma forma de educar. Instituto Catarinense de Ps-Graduao. ICPG. 2004. Disponvel em:https://s3.amazonaws.com/academia.edu.documents/38603683/ o_ludico_e_a_educacao.pdf?AWSAccessKeyId=AKIAIWOWYYGZ2Y53UL3A&Expires=1538850983&Signature=RZaXarK8x38inRo1EOS9QbPRNh0%3D&responsecontentdisposition=inline%3B%20filename %3DO_LUDICO_NA_EDUCACAO_INFANTIL_Jogar_brin.pdf. Acessado em 5 de outubro de 2018.

 

FLECHA, R., & GARCIA, C. (2007). Prevencin de conflictos en las comunidades de aprendizaje. Idea La Mancha: Revista de Educacin de Castilla-La Mancha, 4, 72-76.

 

FREIRE, M. T.; CARVALHO, D. W. Educomunicao: construo social e desenvolvimento humano um relato de pesquisa. In: IX Seminrio de Pesquisa em Educao da Regio Sul, 9, 2012, Caxias do Sul. Anais... IX Seminrio ANPED SUL, Universidade da Caxias do Sul, 2012.

 

FREITAS, M. R.; MACEDO, R. L. G.; FERREIRA, E. B.; FREITAS, M. P. Em busca da conservao ambiental: a contribuio da percepo ambiental para a formao e atuao dos profissionais da qumica. Revista Qumica Nova, v. 33, n. 4, 2010

 

GEORGIN, Jordana; OLIVEIRA, Gyslaine Alves. Prticas de conscientizao ambiental em escolas pblicas de Ronda Alta/RS Practices of environmental awareness in the public schools of Round High / RS. Revista Monografias Ambientais - REMOA v.14, n.3, mai-ago. 2014, p.3378-3382 Revista do Centro do Cincias Naturais e Exatas - UFSM, Santa Maria e-ISSN 2236 1308 - DOI:10.5902/2236130813370 Recebido em: 2014-03-02 Aceito em: 2014-06-03. Disponvel em: https://periodicos.ufsm.br/remoa/article/viewFile/13447/pdf. Acessado em: 29 de setembro de 2018.

 

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. Ed. 4. Editora: Atlas, 2002.

 

KUNZLER, Andria Alade; SCHIRMANN, Anglica. PROPOSTA DE RECICLAGEM PARA LEOS RESIDUAIS DE COZINHA A PARTIR DA FABRICAO DE SABO. Universidade Tecnolgica Federal do Paran Curso Superior de Tecnologia em Gesto Ambiental. MEDIANEIRA, 2011. Disponvel em: http://repositorio.roca.utfpr.edu.br/jspui/bitstream/1/524/1/MD_COGEA_2011_2_11.pdf. Acessado em 10 de setembro de 2018.

 

LIMA et al. PRODUO E CARACTERIZAO DE SABO ECOLGICO - UMA ALTERNATIVA PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTVEL DO SEMIRIDO PARAIBANO. REVISTA SADE E CINCIA On line, 2014; 3(3):26-36, set-dez, 2014. Disponvel em: http://www.ufcg.edu.br/revistasaudeeciencia/index.php/RSC-UFCG/article/viewFile/171/108. Acessado em: 15 de setembro de 2018.

 

MARTINS, Nathalia. A EDUCAO AMBIENTAL NA EDUCAO INFANTIL. So Carlos Abril 2009. Disponvel em: http://www.pedagogia.ufscar.br/documentos/arquivos/trabalhos-de-conclusao-de-curso/tcc-2004/a-educacao-ambiental-na-educacao-infantil. Acessado em: 5 de setembro de 2018.

 

OLIVEIRA, Jos Antnio Bezerra de; AQUINO, Ktia Aparecida da Silva. leo residual de frituras: impactos ambientais, educao e sustentabilidade no biodiesel e sabo. 2012. Disponvel em: https://ldoih.files.wordpress.com/2012/08/artigo-c3b3leo-residual-de-frituras.pdf. Acessado em: 3 de setembro de 2018.

 

PIEA- UNESCO. Programa Internacional de Educao Ambiental. Conferncia sub-regional de Educao Ambiental para a Educao Secundria: Chosica/ Peru, 1976.

 

RUSCHEINSKY, Alosio. AS RIMAS DA ECOPEDAGOGIA: UMA PERSPECTIVA AMBIENTALISTA. 2011. Disponvel em: http://arquivos.ambiente.sp.gov.br/cea/2011/12/Aloisio2.pdf. Acessado em: 13 de agosto de 2018.

 

SILVA, Carmen Lcia Wegner da; leo de cozinha usado como ferramenta de educao ambiental para alunos do ensino mdio. Monografia de Especializao em Educao Ambiental. Santa Maria, 2013. Disponvel em: https://repositorio.ufsm.br/bitstream/handle/1/718/Silva_Carmen_Lucia_Wegner_da.pdf?sequence=1 HYPERLINK . Acessado em: 30 ago. de 2018.

 

SILVA, Edna Mariana Machado. Influncia da famlia na vida escolar dos alunos. Ensino em revista, 6(1):39-45, jul. 1997- jun. 1998. Disponvel em: http://www.seer.ufu.br/index.php/emrevista/article/viewFile/7835/4942. Acessado em: 5 out. de 2018.

 

SMOLKA, A. L. B. Conhecimento e produo de sentidos na escola: a linguagem em foco. Cadernos do CEDES Implicaes pedaggicas do modelo Histricocultural. CAMPINAS, v. 35, n. 35, 1995. pp. 50-61.

 

THIOLLENT, Michel. Metodologia de pesquisa-ao. So Paulo: Cortez, 1985.

 

TORQUATO, G. Cultura, poder, comunicao e imagem: fundamentos da nova empresa. So Paulo: Pioneira, 1996.



Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.