REMOA, Vol. 18 (2019), e7

DOI: http://dx.doi.org/10.5902/2179460X37231

Received: 03/09/2019 Accepted: 15/10/2019

 

by-nc-sa

 


Seo Problemas Ambientais

 

Vulnerabilidade natural contaminao do aqufero Alter do Cho na rea urbana de Manaus, Amazonas, Brasil

 

Natural vulnerability to contamination of the aquifer Alter do Cho in urban area of Manaus, Amazonas, Brazil

 

 

Miqueias Lima Duarte I

Heron Salazar Costa II

Tatiana Accio da Silva III

Mariano Vieira dos Santos IV

 

I Doutorando em Cincias Ambientais, Universidade Estadual Paulista, SP, Brasil

II Doutor, Professor da Universidade Federal do Amazonas, AM, Brasil

III Graduanda em Engenharia Ambiental, Universidade Federal do Amazonas, Integrante do Grupo de Pesquisa Agricultura & Ambiente AM, Brasil

III Graduando em Engenharia Ambiental, Universidade Federal do Amazonas, Integrante do Grupo de Pesquisa Agricultura & Ambiente AM, Brasil

 

Resumo

A utilizao dos recursos hdricos subterrneos cresce em funo do crescimento populacional e da atividade produtiva, aumentando a demanda por gua de qualidade, ao mesmo tempo em que crescem os riscos de sua contaminao. O presente estudo avaliou a vulnerabilidade contaminao do aqufero Alter do Cho na rea urbana do municpio de Manaus, com a aplicao do mtodo GOD (Groundwater occurrence Overall Lithology of the unsaturated zone, Depth of the water table). O emprego do mtodo possibilitou o mapeamento de reas diferenciadas nas trs classes de vulnerabilidade. A baixa vulnerabilidade contaminao foi predominante (0,41%), seguida pela mdia vulnerabilidade (0,35%) e alta vulnerabilidade contaminao (0,24%). A distribuio das classes de alta vulnerabilidade na rea de estudo motivo de preocupao, pelo potencial de contaminao associado o atual uso e ocupao do solo, tambm em funo da direo do fluxo subterrneo.
Palavras-chave: Aqufero Alter do Cho; Mtodo GOD; Fragilidade ambiental

 

Abstract

The use of underground water resources grows due to population growth and productive activity, increasing the demand for quality water, while growing the risks of its contamination. The present study evaluated the vulnerability to contamination of the Alter do Cho aquifer in the urban area of the municipality of Manaus, with the application of the method GOD (Groundwater occurrence Overall Lithology of the unsaturated zone, Depth of the water table). The use of the method allowed the mapping of differentiated areas in the three classes of vulnerability. The low vulnerability to contamination was predominant (0.41%), followed by the mean vulnerability (0.35%) and high vulnerability to contamination (0.24%). The distribution of the classes of high vulnerability in the study area is a cause for concern, due to the potential contamination associated with the current use and occupation of the soil, also due to the direction of the underground flow.
Keywords: Alter do Cho Aquifer; GOD method; Environmental fragility
 

1 Introduo

Na Amaznia, crescente a perspectiva de explorao dos depsitos de gua subterrnea devido as vantagens prticas e econmicas apresentadas quanto a sua captao, excelente qualidade e abundncia (AZEVEDO, 2006). Em razo dessas vantagens e por outros motivos, vrios ncleos urbanos amaznicos tm passado a utilizar exclusivamente as fontes subterrneas para o abastecimento de gua (DUARTE et al., 2016; DUARTE et al., 2017; DUARTE et al., 2018). Essa opo fica clara ao se analisar os dados do Sistema Nacional de guas (ANA, 2010) referentes ao Estado do amazonas, onde 70% dos municpios so abastecidos por fontes subterrneas, e demais cidades como Manaus, Manacapuru, Lbrea e Coari, possuem um sistema de abastecimento misto, com captura de guas superficiais e subterrneas.

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatstica IBGE (2018), por meio do levantamento censitrio detectou que na rea urbana de Manaus, 25,6% das residncias no possuem abastecimento a partir da concessionaria autorizada, isso faz com que a obteno de gua ocorra de forma desordenada, muito provavelmente por meio de poos rasos sem a garantia dos padres tcnicos ideais para o tipo de estrutura construtiva necessria (FOSTER et al., 2016).

Os principais aquferos que ocorrem e so explorados para abastecimento pblico no Estado do Amazonas so I, Alter do Cho e os relacionados s coberturas aluvionares recentes e antigas (MAIA, 2010). O sistema de aqufero Alter do Cho encontrar-se livre no meio urbano do municpio de Manaus, o que o caracteriza como susceptvel contaminao, pois apresenta nvel esttico pouco profundo, sendo mais facilmente alcanado pela poluio antrpica (AGUIAR e MOURO, 2012). Trabalhos desenvolvidos no meio urbano do municpio de Manaus j apontam alteraes nos parmetros fsicos, qumicos e biolgicos nas guas distribudas pelos poos pesquisados, apresentando valores acima do aceito pelos padres da legislao vigente no Brasil (COSTA et al., 2014; SANTANA e ZEFERINO, 2008).

O estudo da vulnerabilidade contaminao do aqufero um instrumento essencial para uma gesto adequada dos recursos hdricos e o ordenamento territorial, pois, por meio deste, conforme sugere Santos et al. (2010), possvel conhecer a fragilidade do manancial, o que de fato possibilita o melhor planejamento do uso e ocupao da rea. Vrios estudos sobre esse tema tm sido desenvolvidos. No Brasil, destacando-se Cutrim e Campos (2010); Feron e Reginato (2014); Meira et al. (2014), Duarte et al. (2016). Em outros pases, podemos citar Insaf et al. (2005); Baalousha (2010); Abdelmadjid e Omar (2013). A quantidade e a qualidade de tais estudos uma demonstrao do reconhecimento da importncia que esse assunto tem no atual contexto socioambiental.

A anlise da vulnerabilidade tambm serve como elemento de balizamento para aes gerenciais que visem gesto racional dos mananciais subterrneos, bem como para a gesto, por parte dos rgos pblicos responsveis pela implementao de polticas de controle e preservao dos recursos hdricos (SANTOS et al., 2010; DUARTE et al., 2016).

Dentre as tcnicas utilizadas na avaliao da vulnerabilidade de aquferos, podemos destacar os seguintes mtodos: ndice DRASTIC desenvolvido por Aller et al. (1987) e GOD proposto por Foster e Hirata (1988). O mtodo DRASTIC fornece um ndice de potencial contaminao de guas subterrneas a partir de uma valorao relativa em funo da profundidade do lenol fretico (D), recarga do aqufero (R), tipo do aqufero (A), tipo de solos (S), topografia (T) impacto sobre a zona insaturada (I) e condutividade hidrulica (C) (parmetros que compe o mtodo DRASTIC). Por outro lado, o mtodo GOD por avaliar a fragilidade de aquferos levando em considerao parmetros de fcil obteno, tais como o grau de confinamento do aqufero (G), a litologia da camada insaturada (O) e a profundidade do nvel da gua (D) (parmetros que compe o mtodo GOD), tornou-se um mtodo bastante difundido na Amrica Latina e Caribe.

A aplicao do mtodo GOD tem sido amplo em diversas regies do Brasil. No sul do pas, por exemplo, o mtodo foi utilizado em trabalhos como os desenvolvidos por Reginato e Ahlert (2013); Borba et al. (2014); Carvalho et al. (2014); Feron e Reginato (2014); Silvrio da Silva et al. (2014). Na regio Nordeste, observa-se os trabalhos de Ribeiro et al. (2011); Oliveira e Frana-Rocha (2013). No Centro-Oeste, Cutrim e Campos (2010); Meira et al. (2014); Jnior et al. (2015). E na regio Norte, Duarte et al. (2016); Duarte et al. (2017) e Duarte et al. (2018).

Manaus, assim como boa parte das grandes metrpoles brasileiras j teve seus problemas de desordem de uso dos seus espaos urbanos demonstrados por trabalhos desenvolvidos por Costa et al. (2012) e Rabello e Rodrigues (2013). A carncia de informaes sobre a vulnerabilidade das guas subterrneas que abastece o municpio associada ao desordenamento do uso dos espaos urbanos justifica a realizao de estudos desse tipo. A partir do exposto, e considerando a crescente utilizao dos recursos hdricos no municpio de Manaus, o presente trabalho foi desenvolvido com o objetivo de avaliar a vulnerabilidade contaminao das guas subterrneas na rea urbana do municpio, aplicando-se o mtodo GOD descrito por Foster et al. (2006).

 

2 Material e Mtodo

2.1 rea de Estudo

A rea abrangida nesse estudo compreende o permetro urbano do municpio de Manaus, cujo retngulo envolvente sob coordenadas 258'48.60" Sul; 605'26.07" Oeste e 38'3.45" Sul; 5955'44.45" Oeste, est situado na confluncia dos rios Negro e Solimes (Figura 1).

Segundo dados do IBGE (2010), o municpio de Manaus possui populao de 1.792.881 habitantes, (estimativa de 2.145.444 habitantes para 2018) com uma densidade demogrfica de 158,06 hab.km-, o que a caracteriza como a cidade com maior adensamento populacional da regio Norte. O que, de certo modo, significa presso sobre o espao territorial com consequente expanso da rea urbanizada.

 

Figura 1 - Localizao da rea de estudo, destacando o permetro urbano do municpio de Manaus, no estado Amazonas

Uma imagem contendo texto, mapa

Descrio gerada automaticamente

Fonte: Elaborado pelo autor

 

No diferente das demais capitais brasileiras, a ausncia de planejamento urbano sistemtico e a falta de controle relacionado ao crescimento da cidade ocasionaram srios problemas ambientais na rea urbana do municpio de Manaus. Atualmente, as grandes concentraes populacionais encontram-se nas zonas Leste e Norte, as quais so atualmente, responsveis pelo agravamento de problemas relacionados ocupao desordenada do espao urbano, remoo da cobertura vegetal, contaminao do solo, poluio dos corpos d'gua bem como poluio das guas subterrneas e deficincia do saneamento bsico (COSTA et al., 2012; RABELLO e RODRIGUES, 2013).

2.2 Caracterizao Geolgica e Hidrogeolgica

Segundo informaes compiladas no Mapa geolgico do Amazonas (CPRM, 2019) no municpio de Manaus ocorrem afloramentos de quatro unidades geolgicas: a Formao Alter do Cho (0,80%), Depsitos Aluvionares (0,04%), Prosperana (0,01%) e a Formao Trombetas (0,15%). Considerando apenas o meio urbano do municpio, a Formao Alter do Cho a nica aflorante.

A Formao Alter do Cho ocorre nas Bacias Sedimentares do Solimes e Amazonas, alcanando nesta ltima at 1.250 metros de espessura (CUNHA e GONCALVES, 2007), ela representada por arenitos e pelitos avermelhados, relacionados a um sistema deposicional continental do Cretceo Superior. Aparece assentada discordantemente sobre os calcrios da Formao Nova Olinda, de idade carbonfera. Em sua sucesso inferior constituda predominantemente por arenitos, e em sua seo superior de constituio peltica (AGUIAR e MOURO, 2012). No estudo de perfilagem geofsica de poos e informaes litolgicas de amostragem de calha, realizado por Souza (2006), na rea urbana de Manaus, ficou demonstrada a ocorrncia de fcies sedimentares arenosa, argilosa, arenoargilosa e o conjunto de rochas denominados Arenito Manaus, todos, apresentando indcios de formao por deposio em ambiente fluvial e fluviodeltaico.

Em relao ao sistema de aquferos, o aqufero Alter do Cho um dos maiores sistemas de guas subterrneas do Brasil (ANA, 2010). Na rea urbana de Manaus, segundo Aguiar e Mouro (2002), o sistema de aqufero do tipo livre, possuindo espessura aproximada de 200 m, dos quais, 175 m esto saturados, tendo profundidade mdia do nvel dgua de aproximadamente 30 m, com maiores profundidades nos setores sudeste e nordeste, correspondendo a quase toda a poro oriental da cidade, no entanto, para oeste, o nvel dgua torna-se mais raso, chegando a aflorar em alguns locais, como no setor noroeste.

Os poos profundos perfurados da rea urbana do municpio de Manaus, comumente apresentam vazes superiores a 100 m3h-1; com capacidade especfica mdia de 5,55 x 10-4 m2s-1 e a transmissividade de 1,30 x 10- m2s-1 (SILVA e BONOTTO, 2000; MAIA, 2010).

2.3 Base de Dados para Confeco dos Mapas

Para o desenvolvimento deste estudo, contou-se com dados disponveis no website do Sistema de Informaes de guas Subterrneas/SIAGAS (SIAGAS, 2019) do Servio Geolgico Brasileiro (CPRM). Esses dados foram obtidos entre janeiro e fevereiro de 2019. Para selecionar os registros no website do SIGAS levou-se em considerao a disponibilidade dos seguintes dados: a identificao dos poos (ID), coordenadas UTM, nvel esttico, nvel dinmico, formao geolgica e perfil litolgico descritivo, bem como o perodo de instalao e situao atual dos poos. A quantidade de registros encontrados que apresentavam esses requisitos foi de 1.492 poos.

Com base nos registros georreferenciados dos poos foi realizada uma seleo de forma randmica com objetivo de se ajustar uma malha mais homogeneamente distribuda. Essa seleo foi realizada em ambiente SIG (QGIS 3.2.3 verso Bonn) sem conhecimento das caractersticas hidrogeolgicas apresentadas em cada poo, apenas sabendo-se a posio geogrfica. O critrio adotado para distribuio da malha amostral aleatria foi com distncia mnima de 500 metros e mxima de 1.000 metros, esse filtro gerou uma malha amostral com poos (208 registros) distribudos em toda rea de estudo.

Para a extrao da rede de drenagem presente na rea urbana de Manaus, foram utilizados dados do Shuttle Radar Topography Mission (SRTM) com resoluo espacial de 30 metros disponibilizado pelo United States Geological Survey (USGS, 2019) via website, sendo obtidas quatro cenas (s04_w061; s04_w060; s03_w061; s03_w060).

Na confeco cartogrfica, utilizou-se a base de dados no formato JPEG (Joint Photographics Experts Group) obtida junto ao website do Instituto Municipal de Planejamento Urbano - IMPLURB (2018) de Manaus, na seo Mapas Temticos, e malha do setor censitrio disponibilizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatstica/IBGE.

2.4 Descrio e Aplicao do Mtodo GOD

O mtodo GOD proposto por Foster e Hirata (1988) e modificado por Foster et al. (2006), baseia na anlise de trs parmetros. O ndice G (Groundwater hydraulic confinement) que o grau de confinamento do aqufero, ndice O (Overlaying strata) que corresponde ao tipo de litologia encontrada na zona no saturada, e D (Depth to groundwater table) que corresponde profundidade do nvel dgua.

Cada parmetro possui um ndice de acordo com suas caractersticas especificas: G, que corresponde ao grau de confinamento do aqufero, varia de 0 a 1. O, que se refere ao tipo litolgico, varia de 0,4 a 1. D, que corresponde a profundidade do nvel esttico do aqufero, varia entre 0,6 e 1. O ndice final de vulnerabilidade do aqufero corresponde ao produto dos trs ndices, onde valores mais prximos de 0 corresponde a menores ndice de vulnerabilidade, enquanto valores mais prximos de 1 corresponde a maiores ndices de vulnerabilidade.

No caso do presente estudo, por se tratar de um sistema de aqufero livre, apresentando cobertura intercalada de argilitos e arenitos, foi atribudo ndice 0,9 para os pontos que se apresentavam recoberto por arenitos, e em locais recobertos por argilitos e Arenitos Manaus o ndice empregado ao parmetro G foi 0,6.

Com respeito litologia da camada insaturada (parmetro O), a anlise dos perfis geolgicos dos poos pesquisados revelou a predominncia de fraes granulomtricas: argilito, arenito e siltitos. Com base nesses registros, foram atribudos os ndices de acordo com sua constituio, sendo estes: 0,6 (argilito e Arenitos Manaus), 0,65 (argilito/arenito ou siltito/arenito) e 0,8 (arenitos).

Para o parmetro D, considerando que na rea de estudo a profundidade variou entre 5 a 109 metros, foram atribudos os seguintes ndices: 0,6 (profundidades >50 metros), 0,7 (profundidades entre 20 a 50 metros) e 0,8 para profundidades inferiores a 20 metros.

2.5 Processamento dos Dados

O processamento dos dados foi realizado com auxlio do Sistema de Informao Geogrfica (QGIS verso 3.2.3 Bonn), onde foi realizada uma interpolao dos ndices G O e D aplicando-se o mtodo Inverso Ponderado da Distncia (Inverse Distance Weighting - IDW) conforme descrito por Duarte et al., (2017). O ndice de vulnerabilidade contaminao foi obtido por meio da ferramenta Calculadora Raster do QGIS, sendo realizada uma multiplicao entre os parmetros G O e D interpolados (DUARTE et al., 2017; DUARTE et al., 2018).

A extrao da rede de drenagem da rea de estudo foi realizada com auxlio do conjunto de ferramentas SAGA no QGIS. Onde foram utilizados os algoritmos Fill sinks para correo do SRTM, e o algoritmo Channel network and drainage basins, para extrao da rede de drenagem (Channels).

Na confeco cartogrfica, adotou-se o sistema de coordenadas Universal Transversal de Mercator (UTM), Datum SIRGAS 2000, Zona 21S.

 

3 Resultados e Discusso

Na rea urbana do municpio de Manaus, observou-se que o aqufero Alter do Cho possui vazo mdia de 78,72 m.h-1, e profundidade mdia do nvel esttico de 27,65 metros o que caracteriza como bom produtor de gua. A Figura 2 exibe os perfis litolgicos da seco transversal A A (Figura 2A) e da seco longitudinal B B (Figura 2B). Na seco transversal A A possvel verificar, na profundidade compreendida entre 120 a 80 metros, a predominncia de depsitos sedimentares constitudos de arenito na regio central, limitada ao sul e ao norte por afloramentos de argilito. Nas profundidades subsequentes, entre 80 a 40 m no apresentam um padro definido, ocorrendo camadas de arenito intercaladas por argilitos, e em alguns casos a presena de arenito silitificado, a exemplo do Poo n 1300006212.

A seco longitudinal B - B apresenta em predominncia, afloramento de argilito na parte superior, apenas um afloramento de arenito ocorrendo a partir do Poo n 1300006212 sentido B. Como observado no perfil A-A, o perfil B-B apresenta camadas intercaladas de arenito/argilito, caracterstico da Formao Alter do Cho, depositados em ambiente fluvial e fluviodeltaico.

Figura 2 - Seo geolgica (A: transversal, B: longitudinal) da rea de estudo elaborada a partir de dados do SIAGAS (2019), com interseo no poo em destaque (Poo 1300006212)

Uma imagem contendo interior, mapa, cu

Descrio gerada automaticamente

 

A Figura 3 apresenta o mapa topogrfico (Figura 3A), de nvel esttico dos poos (Figura 3B) e da superfcie potenciomtrica (Figura 3C). O mapa referente a superfcie potenciomtrica foi elaborado com base na subtrao da topografia do nvel esttico do sistema aqufero. Em relao carga potenciomtrica apresentada na Figura 3C, observou-se que as maiores cargas esto em torno de 59 metros, e localizadas nas partes mais elevadas da rea de estudo, enquanto que as menores cargas esto entorno de 3 metros e ocorrem principalmente nas partes mais baixas do terreno, predominantemente s margens do Rio Negro e Amazonas, e demais drenagens na rea urbana, assim como observado em estudos desenvolvidos por Aguiar e Mouro (2012).

 

Figura 3 - Topografia (A), nvel esttico (B) e superfcie potenciomtrica (C) da rea urbana de Manaus

Uma imagem contendo mapa, texto

Descrio gerada automaticamente

Fonte: Elaborado pelo autor a partir de dados do SIAGAS (2019)

 

A Figura 4 (A, B e C) apresenta a distribuio espacial dos parmetros GOD obtido para a rea de estudo. Na Figura 4A est representada a distribuio espacial do valor atribudo ao parmetro grau de confinamento do aqufero (G). Observa-se a predominncia do ndice 0,6 em 73,2% da rea analisada. A configurao espacial irregular apresentada nesse parmetro est, de certa forma, associada geomorfologia do terreno, uma vez que possvel se presumir uma semelhana de distribuio entre ambos.

A Figura 4B apresenta a distribuio espacial do valor atribudo ao parmetro litologia da camada insaturada (O). Observa-se a predominncia do valor 0,65 em 62,4% da rea. Esse valor foi atribudo ocorrncia de litologia constituda por arenito/argilito e/ou arenito/siltito. O restante da rea est marcado pela ocorrncia de litologia arenosa (0,8) distribuda em 21,5% da rea, seguido pela litologia argilosa (0,6) em 16,1%.

A distribuio espacial do valor atribudo ao parmetro D, o qual refere-se profundidade at o lenol fretico est apresentada na Figura 4C. Nesse mapa chama-se a ateno a distribuio do valor 0,8, o qual imposto a situaes em que o lenol fretico se apresenta em profundidades entre 5,0 a 20,0m. A ocorrncia de reas de valor 0,7 para a profundidade entre 20 a 50 m observada predominantemente na zona leste e norte, no entanto, tambm se observa pequenas pores na zona sul. O valor 0,6 se estende predominantemente na poro central da rea, cuja profundidade do lenol fretico apresenta-se superior a 50,0m.

 

Figura 4 - Distribuio espacial dos parmetros GOD na rea de estudo

Uma imagem contendo mapa, texto

Descrio gerada automaticamente

 

A multiplicao dos parmetros do mtodo GOD em ambiente SIG possibilitou obter-se o ndice de vulnerabilidade contaminao do aqufero, com isso foi feita a distribuio das classes de vulnerabilidade na rea de estudo que est disposta na Figura 5. As trs classes de vulnerabilidade contaminao: baixa, mdia e alta, apresentaram os seguintes valores de ocorrncia percentual: baixa vulnerabilidade, em 41% da rea; mdia vulnerabilidade, em 35% da rea, e; alta vulnerabilidade, em 24% da rea.

Conforme a ocorrncia e distribuio das classes de vulnerabilidade apresentada na Figura 5, possvel observar que a predominncia de baixa vulnerabilidade contaminao do sistema de aqufero na rea ocorre predominantemente na parte central, desde a zona norte at a zona sul da rea urbana de Manaus, estendendo-se at a zona oeste. A baixa vulnerabilidade observada pode estar relacionada com a sequncia de camadas de sedimentos de granulao fina que constituda em sua maioria de silte/argila, que por sua heterogeneidade, pode apresentar baixa porosidade e permeabilidade. Nesse caso, a granulometria menor preenche os espaos dos arenitos, de maior granulometria, reduzindo a permeabilidade local, o que pode servir como proteo contra a infiltrao de poluentes, dificultando a locomoo do mesmo no meio, e deste modo, agregando baixa vulnerabilidade contaminao nessas reas (BARCHA, 1980; FOSTER et al., 2006).

Por outro lado, nota-se que a ocorrncia de aglomeraes que apresentaram mdia e alta vulnerabilidade contaminao encontram-se distribudas principalmente no entono do Rio Negro, Rio Amazonas e Igarap Tarum-Au. Nessas reas, a presena de camada confinante constituda apenas por arenitos, juntamente com o nvel esttico pouco profundo, acarretou em maiores ndices de vulnerabilidade. Tais caractersticas hidrogeolgicas podem pr em risco qualidade do manancial nesses locais, uma vez que podem ser facilmente alcanados por poluentes, devido facilidade de percolao. Tal situao pode ser considerada mais preocupante ao se levar em conta que a soma das ocorrncias das duas classes de vulnerabilidade perfaz cerca de 59% da rea.

 

Figura 5 - Mapa de vulnerabilidade contaminao do aqufero

Uma imagem contendo mapa, texto

Descrio gerada automaticamente

Fonte: Resultado da aplicao do mtodo GOD, utilizando dados compilados pelo autor

 

A informao gerada por esse trabalho ganha maior importncia com a identificao de pontos potncias de gerao de carga contaminante, bem como o cruzamento com a provvel direo de fluxo de gua subterrneas local, uma vez que isso possibilitar um melhor planejamento de uso e ocupao da rea. A Figura 6 apresenta um mapa com os pontos potenciais de contaminao e representao da direo do fluxo de guas subterrneas na rea de estudo.

Observou-se dois padres de direo de fluxo subterrneo na rea urbana do municpio. O primeiro diz respeito ao fluxo regional (da regio norte para a regio sul) e o segundo diz respeito aos fluxos secundrios, onde as linhas de escoamento esto orientadas na direo similar rede de drenagem superficial, sugerindo um comportamento tpico de aquferos livres (conforme apresentado na Figura 6). Ambos podem apresentar caractersticas distintas de disperso de poluentes em caso de contaminao do aqufero.

O bairro Novo Israel e Aleixo, bem como o Distrito Agroindustrial e o atual aterro controlado de Manaus (Figura 6) so caracterizados como reas com um grande potencial de gerao de carga contaminante. Na dcada de 80, o local onde fica localizado o bairro de Novo Israel, na regio norte da rea urbana de Manaus, foi ponto de deposio de resduos do municpio (antigo lixo), nesse local, observa-se que a direo de fluxo indica que existe altos ndices de bombeamento de gua, o que requer maiores cuidados quanto o uso da gua para consumo, uma vez que possivelmente o manancial pode estar poludo em funo da carga de contaminante depositada no antigo lixo.

A rea onde fica localizado o atual aterro controlado do municpio (localizado no km 18 da rodovia AM 010) e o Distrito Agroindustrial (localizado na regio leste) do municpio apresentam alto potencial contaminao do aqufero, uma vez que as atividades desenvolvidas nesses locais possuem potencial de gerao de carga contaminante, alm de estarem localizados em uma regio de recarga local do sistema de aqufero, podendo ser um ponto de entrada de contaminante.

 

Figura 6 - Mapa de pontos potenciais de contaminao e representao da direo do fluxo de guas subterrneas na rea de estudo

Uma imagem contendo texto, mapa

Descrio gerada automaticamente

 

4 Consideraes Finais

O resultado obtido com o desenvolvimento desse estudo destacou a predominncia de reas com mdia a alta vulnerabilidade contaminao do sistema de aqufero sob a rea urbana de Manaus, pois juntas perfazem 0,59% do total da superfcie abrangida no estudo. Considerando-se a ocorrncia isolada de cada faixa, predominou a baixa vulnerabilidade, ocorrendo em 0,41% da rea, seguida da mdia, ocorrendo em 0,35% da rea. A maior contribuio para ocorrncia de alta vulnerabilidade, mesmo que em menor percentual pode ser atribudo ao afloramento de menores seces constitudas por arenitos da Formao Alter do Cho.

O estudo da predominncia de fluxo da rea indicou que existe, de modo geral, uma tendncia de direo de fluxo da regio norte para a regio sul, alm disso, tambm existe tendncia de fluxos secundrios, caractersticos de aquferos livres. O que muito grave ao se considerar que na poro norte ocorrem reas com elevada carga de contaminao, como o bairro Novo Israel, por ter servido como depsito dos resduos slidos urbanos, por abrigar o Distrito Industrial, e por no existir um sistema de tratamento dos efluentes que so ali liberados.

Levando em conta os resultados obtidos, de suma importncia adoo de polticas pblicas que visem o melhor planejamento da utilizao do recurso hdrico subterrneo na rea, uma vez que a altas taxas de bombeamento podem comprometer a qualidades do manancial.

Referncias

ABDELMADJID, B.; OMAR, S. Assessment of groundwater pollution by nitrates using intrinsic vulnerability methods: A case study of the Nil valley groundwater (Jijel, North-East Algeria). academicJornals. v. 7. n. 10. p. 949-960. 2013.

AGUIAR, C. J. B.; MOURO, M. A. A. Projeto Rede Integrada de Monitoramento das guas Subterrneas: relatrio diagnstico Aqufero Alter do Cho no Estado do Amazonas. Belo Horizonte: CPRM Servio Geolgico do Brasil, p. 1-30. 2012.

ALLER, L.; BENNET, T.; LEHR, J. H.; PETTY, R. J. DRASTIC: a standardized system for evaluating groundwater pollution potencial using hydrogeologic settings. (U.S. EPA Report 600/2-85/018). 1987.

ANA Agncia Nacional de guas, 2019. Sistema de Aquferos. Disponvel em: http://metadados.ana.gov.br/geonetwork/srv/pt/metadata.show?id=150&currTab=simple, Acessado em: 01/01/2019.

ANA. 2010. Atlas Brasil. Abastecimento Urbano de gua: panorama nacional/Agncia Nacional de guas. Engecorps/Cobrape Braslia. p. 72.

AZEVEDO, R. P. Uso de gua subterrnea em sistemas de abastecimento pblico de comunidades na vrzea da Amaznia central. Acta Amazonica. v.36. n. 3. p. 313-320. 2006.

BAALOUSHA, H. Assessment of a groundwater quality monitoring network using vulnerability mapping and geostatistics: A case study from Heretaunga Plains, New Zealand. Agricultural Water Management. v. 97. p. 240246. 2010.

BARCHA, S. F. Aspectos geolgicos e provncias hidrogeolgicas da Formao Bauru na regio norte-ocidental do Estado de So Paulo. Tese (Livre Docncia) -Instituto de Biocincias, Letras e Cincias Exatas, Universidade Estadual Paulista, So Jos do Rio Preto, 1980. p. 209.

BORBA, W. F.; KEMERICH, P. D. C.; FILHO, L. L. D. V.; PRETTO, P. R. P.; FLORES, C. E. B; FRANA, J. R; HINTEHOLZ, D. Vulnerabilidade do aqufero contaminao no municpio de Seberi/RS. Revista Monografias Ambientais. v. 14. p. 2960-2966. 2014.

CARVALHO, C. M.; ROCHA, N. S.; NUNES, D, S; CRUZ, R, C. Avaliao da vulnerabilidade ao risco de contaminao dos recursos hdricos subterrneos do municpio de Piratini-RS. Revista Monografias Ambientais. v. 13. p. 3977-3985. 2014.

COSTA, A. M. R.; WAICHMAN, A.; SANTOS, E. E. A. Uso e qualidade da gua subterrnea na cidade de Manaus. In: SUPLEMENTO XIII Congresso Brasileiro de guas Subterrneas. Cuiab/MT. p. 1-18. 2014.

COSTA, M. S. B.; PINTO, V. A. B.; SOARES, C. B. S. S. Anlise do desmatamento nas zonas leste, norte e oeste da rea urbana de Manaus/AM. IV Simpsio Brasileiro de Cincias Geodsicas e Tecnologias da Geoinformao. Recife/PE, p. 001 009. 2012.

COSTA, T. A. C. R.; OLIVEIRA, B. O. S.; VALENTE, K. S. Avaliao da qualidade de guas de poos cacimbas e rasos no municpio de Humait-AM. Revista EDUCAmaznia. v. 20, n. 1, p.157-172. 2018.

CPRM Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais, 2019. Disponvel em: http://geosgb.cprm.gov.br/, Acesso em: 04/01/2019.

CUNHA P. R. C.; GONCALVES J. H. M. Bacia do Amazonas. Boletim de Geocincias da PETROBRS. v. 15, n. 2, p. 227-251. 2007.

CUTRIM, A. O.; CAMPOS, J. E. G. Avaliao da vulnerabilidade e perigo contaminao do Aqufero Furnas na cidade de Rondonpolis (MT) com aplicao dos mtodos GOD e POSH. Revista Geocincias, v. 29, n. 3. 2010.

DUARTE, M. L.; LOCATELLI, M.; SILVA FILHO, E. P. Vulnerabilidade contaminao do aqufero Alter do Cho em sua rea de afloramento no municpio de Itacoatiara/AM. ACTA Geogrfica. v.12, n.30, p 90-107. 2018.

DUARTE, M. L.; LOCATELLI, M.; SILVA, T. A.; SILVA FILHO, E. P. Vulnerabilidade contaminao das guas subterrneas do sistema de aqufero I/Fraturado Norte na rea urbana do municpio de Porto Velho/Rondnia. REA Revista de estudos ambientais. v.19, n. 2, p.40-54. 2017.

DUARTE, M. L.; ZANCHI, F. B.; NEVES, J. R. D.; COSTA, S. C; JORDO, W. H. C. Vulnerabilidade contaminao das guas subterrneas no municpio de Humait, Amazonas, Brasil. Revista Ambiente & gua. v. 11. n. 2. p. 402-413. 2016.

FERON, G. L.; REGINATO, P. A. R. Avaliao da vulnerabilidade de aquferos localizados na regio central de Canoas - RS. Revista guas Subterrneas, v. 28. p. 1-13. 2014.

FOSTER, S; HIRATA, R. Groundwater pollution risk assessment: a methodology using available data. WHO/PAHO/HPECEPIS, Lima, (Relatrio Tcnico). p. 81. 1988.

FOSTER, S.; HIRATA, R; GOMES, D.; DELIA, M; PARIS, M. Proteo da Qualidade da gua Subterrnea: um guia para empresas de abastecimento de gua, rgos municipais e agncias ambientais. So Paulo, Servemar, p.15-81. 2016.

IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatistica. 2018. Amazonas, Manaus: Estimativa da populao 2018. Disponvel em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/am/manaus/panorama, Acesso em: 08/01/2019.

IMPLURB - Instituto Municipal de Planejamento Urbano. 2018. Planejamento Urbano/Mapas Temticos. Disponvel em: http://implurb.manaus.am.gov.br/mapas-tematicos/ Acesso em: 10/02/2018.

INSAF, S.; BABIKER.; MOHAMED, A. A. M.; HIYAMA, T.; KATO, K. A GIS-based DRASTIC model for assessing aquifer vulnerability in Kakamigahara Heights, Gifu Prefecture, central Japan. Hydrospheric Atmospheric Research Center. v. 345. p. 127-140. 2005.

JNIOR, L. C. P.; SOARES, H. L. T.; CASTRO, S. S. Vulnerabilidade natural e risco de contaminao do aqufero Bauru no municpio de Rio Verde GO. Revista guas Subterrneas. v. 29, n. 2. p. 129-145. 2015.

MAIA, M. A. M. Geodiversidade do estado do Amazonas/Organizao tcnica Maria Adelaide Mansini Maia [et al]; CPRM - Servio Geolgico do Brasil Manaus. p. 59-71. 2010.

MEIRA, J. C. R.; DE-CAMPOS, A. B.; PEREIRA, L. C. Vulnerabilidade natural e perigo contaminao de zona de recarga do aqufero Guarani. guas Subterrneas. v. 28, n. 1, p. 31-46. 2014.

OLIVEIRA A. I. L.; FRANA-ROCHA W. J. S. A. Modelagem da vulnerabilidade contaminao de aquferos livres em regies hidrogrficas do semirido baiano explorada pela agroindstria. In: XVI Simpsio Brasileiro de Sensoriamento Remoto SBSR, Foz do Iguau PR, Brasil. Anais... p. 6214 6221. 2013.

RABELLO, R. P.; RODRIGUES, Z. A. L. Planejamento e sustentabilidade urbana: aes de proteo dos igaraps de Manaus. Revista Meio Ambiente e Sustentabilidade. v.3 n.2, p.80-101. 2013.

REGINATO, P. A.; AHLERT, S. Vulnerabilidade do sistema Aqufero Serra Geral na regio norte do estado do Rio Grande do Sul. Revista guas Subterrneas. v. 27. p. 32-46. 2013.

RIBEIRO, D. M.; ROCHA, W. F.; GARCIA, A. J. V. Vulnerabilidade Natural contaminao dos aquferos da Sub-bacia do Rio Siriri, Sergipe. Revista guas Subterrneas, v. 25. N. 1, p. 91-102. 2011.

SANTANA, G. P.; BARRONCAS, P. S. R. Estudo de metais pesados (Co, Cu, Fe, Cr, Ni Mn, Pb, e Zn) na Bacia do Tarum Manaus - (AM). Acta Amazonica. v. 37. p. 111-118. 2007.

SANTANA, G. P.; ZEFERINO, V. O. Avaliao da qualidade das guas subterrneas usadas em escolas da rede estadual de ensino de Manaus. Caminhos de Geografia. v. 9, n. 25. p. 24-36. 2008.

SANTOS, R. A.; CRUZ, M. J. M.; NASCIMENTO, S. A. M. Avaliao da vulnerabilidade natural de aquferos crsticos: Subsdios para uma gesto dos recursos hdricos subterrneos. Cadernos de Geocincias, n, 7. p. 54-62. 2010.

SIAGAS, Sistema de Informao de guas Subterrneas. 2019. Disponvel em: http://siagasweb.cprm.gov.br, Acesso em: 10/01/2019.

SILVA, M. L.; BONOTTO, D. M. Caracterizao hidrogeoqumica na Formao Alter do Cho, Municpio de Manaus (AM). 1 Joint World Congresso on Groundwater. 2000, Fortaleza. CDROM of the 1st Joint World Congress on Groundwater. So Paulo: ABAS, p. 1-20. 2000.

SILVRIO DA SILVA, J. L.; NASCIMENTO, L. M.; LOBLER C. A. Mapeamento das guas subterrneas do municpio de Boa Vista do Cadeado/RS. Revista Monografias Ambientais. v. 14. p. 3061-374. 2014.

SOUZA L. S. B. Mapeamento de aquferos da cidade de Manaus (AM) utilizando perfilagem geofsica de poo e sondagem eltrica vertical. Revista Brasileira de Geofsica. v. 24 p. 443. 2006.

SRTM - Shuttle Radar Topography Mission. Disponvel em: http://srtm.usgs.gov/data/obtainingdata.html, Acesso em: 20/02/1019.



Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.