AS DIFICULDADES NA IMPLANTAÇÃO DE PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS NA GESTÃO PÚBLICA: ESTUDO DE CASO DE UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA – USO RACIONAL DE PAPEL VERSUS GESTÃO ELETRÔNICA

Delaine Goulart Rocha, Luciano Mitidieri Bento Garcia, Vanessa da Silva Mariotto Onody

Resumo


Este artigo é o resultado da análise de um estudo para implementação de práticas sustentáveis na condução dos Processos Públicos em Universidade Pública Brasileira. Objetivou-se analisar as dificuldades para implantação e continuidade da redução do uso de papel no setor público. Concluímos que o modelo organizacional afeta diretamente a manutenção de práticas, e a explanação das percepções individuais revela que é necessária uma comunicação dialógica. Como método, os autores realizaram a coleta de dados com os participantes e não participantes do processo, por meio de exame qualitativo. O resultado contribuiu para contextualizar os desafios da execução de práticas sustentáveis no setor público; e o trabalho serve de referência para outras universidades públicas brasileiras interessadas em adotar práticas sustentáveis em sua gestão

Palavras-chave


Práticas Sustentáveis, Gestão Pública, Papel.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Fernando. Desafios da Sustentabilidade – Uma ruptura urgente. Rio de Janeiro. Editora Elsevier, 2007. 1ª edição, 275 p.

BERGUE, Sandro Trescastro. Comportamento Organizacional. Florianópolis: Departamento de ciências da administração. UFSC, 2010, 1ª Ed 114 p.

COSTA, Letícia Gozzer; DAMASCENO, Marcos Vinícius Nogueira; SANTOS, Roberta de Souza. A Conferência de Estocolmo e o pensamento ambientalista: como tudo começou. In: Âmbito Jurídico, Rio Grande, XV, n. 105, out 2012. Disponível em: . Acesso em jun 2016.

DIAS, Reinaldo. Gestão Ambiental – Responsabilidade Social e Sustentabilidade. São Paulo. Editora Atlas, 2011. 2ª edição, 232 p.

FERRARO, Junior; SORRENTINO, Marcos. Formação Socioambiental de servidores da USP. 2005. – Disponível em: http://www.educacaoambiental.sga.usp.br/?page_id=2538. Acesso: 22/05/2016.

HERNANDES, José Mauro da Costa; CALDAS, Miguel Pinto.Resistência à mudança: uma revisão crítica. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v.41, n.2, p 31-45, 2011.

MARIN, Andreia Aparecida et al. A Educação Ambiental num contexto de complexidade do campo teórico da percepção. Interciencia – Revista de Ciencia y Tecnologia da América, São Paulo, v. 28, n.10, 2003.

SILVA, Marina. ProFEA Programa Nacional de Formação de Educadores Ambientais. Documento técnico MMA DEA. 2006 – disponível em: http://www.mma.gov.br/estruturas/educamb/_arquivos/dt_08.pdf. Acesso: 22/05/2016.

RANIERI, V. E. L.; DELITTI, W. B. C. Ambientalização nas instituições de educação superior no Brasil: caminhos trilhados, desafios e possibilidades. 350 p. São Carlos-SP: EESC/USP, 2014.

RUA, M. das G. Políticas Públicas. Florianópolis: Departamento de ciências da administração. UFSC, 2012, 2ª edição. Reimp., 128 p.

RUIZ, J. A. Metodologia científica: guia para eficiência nos estudos. São Paulo: Atlas, 1997

SORRENTINO, Marcos; et al.: Encontros e Caminhos : Formação de Educadoras (es) Ambientais e Coletivos Educadores. Volume 3 – Brasília : MMA/DEA, 2014

SORRENTINO, Marcos; et al . Educação Ambiental como Política Pública. Educação e Pesquisa (USP. Impresso), São Paulo, v. 31, n. 2, p. 285-299, 2005.

SORRENTINO, Marcos; NASCIMENTO, Elimar. Universidade e Políticas Públicas de Educação Ambiental. Educ Foco, Juiz de Fora, v. 14, n.2, p. 15-38, 2011.

ZANELLA, Liane Carly Hermes. Metodologia de estudo e de pesquisa em Administração. 2ª edição, Florianópolis: Departamento de Ciências da Administração, UFSC, 2012, 160p.

YIN, Robert K. Estudo de Caso. Planejamento e Metódos. 2ª ed., Porto Alegre: Editoração Eletrônica – Artmed editora S.A., 2003, 200p.

e-ARQ Brasil: Modelo de Requisitos para Sistemas Informatizados de Gestão Arquivística de Documentos. Câmara Técnica de Documentos Eletrônicos. 1.1. versão. - Rio de Janeiro : Arquivo Nacional, 2011. Disponível em : http://www.siga.arquivonacional.gov.br/images/publicacoes/e-arq.pdf. Acesso em : 22/05/2016

____. Da Conferência das Nações Unidas para o Meio Ambiente Humano, em Estocolmo, à Rio-92: agenda ambiental para os países e elaboração de documentos por Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento. Senado Federal, Brasília, DF, Disponível e http://www.senado.gov.br/noticias/Jornal/emdiscussao/rio20/a-rio20/conferencia-das-nacoes-unidas-para-o-meio-ambiente-humano-estocolmo-rio-92-agenda-ambiental-paises-elaboracao-documentos-comissao-mundial-sobre-meio-ambiente-e-desenvolvimento.aspx . Acesso em 04 mai. 2016.

____. Lei nº 9.795, de 27 de abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. Diário Oficial da União, Seção 1, Brasília, DF, 28 abr. 1999. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9795.htm. Acesso em 04 mai. 2016.

____. Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993. Regulamenta o art. 37, inciso XXI, da Constituição Federal, institui normas para licitações e contratos da Administração Pública e dá outras providências. Diário Oficial da União, Seção 1, Brasília, DF, 22 jun. 1993. Disponível em: http:// www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8666cons.htm. Acesso em 19 abr. 2016.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/2526629228972

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este site está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

INDEXADORES: