Novo dossiê da revista InterAção

2022-01-14
Novo dossiê na Revista InterAção    Receberemos artigos até 30/04/2022   Relacionalidade entre Política e Ciência Moderna: do Início da Modernidade às Interações Contemporâneas   Tema: A edição aborda a delicada relação entre Política (tanto na teoria quanto em suas práticas) e Ciência Moderna, desde o período inicial da Modernidade (séculos XVI-XVII), com a participação do desenvolvimento inicial da Ciência Moderna na constituição do arcabouço institucional da modernidade política, até as implicações políticas e sociais das interações e tensões contemporâneas que se manifestam, por exemplo, em temas tais como o negacionismo climático, os movimentos antivacinas e a instrumentalização política de pseudociências e teorias da conspiração. Partindo da provocação crítica de Robert W. Cox, de que toda teoria se destina a alguém e serve a algum propósito, bem como da sociologia da Ciência de Bruno Latour, pretende-se empreender esforços de reflexão sobre a relação entre a construção das teorias políticas modernas, a política em suas práticas, e a produção de conhecimento nas ciências naturais.   Editor convidado: Claudio Andrés Téllez Zepeda Universidade Brasil (SP)   Bacharel em Matemática com ênfase em Matemática Aplicada (PUC-Rio), Bacharel em Relações Internacionais (Centro Universitário da Cidade), MBA em Gestão de Comércio Exterior e Negócios Internacionais (FGV/RJ), Mestre em Relações Internacionais (PUC-Rio) e Doutor em Relações Internacionais (PUC-Rio). Trabalhou como docente nos cursos de graduação em Relações Internacionais da PUC-Rio e da Universidade Anhembi Morumbi (SP), no curso de pós-graduação em Comércio Exterior da Universidade Católica de Petrópolis e no MBA em Gestão de Pessoas da Universidade Estácio de Sá. Em Teoria Política, utiliza Teoria Evolutiva dos Jogos para o estudo da origem e evolução de instituições sociais e políticas fundamentais. Atualmente, cursa o mestrado em Engenharia Biomédica na Universidade Brasil (SP) e suas pesquisas se concentram nas aplicações da espectroscopia vibracional (Infravermelho e Raman) e eletrônica (UV-Vis) no estudo de moléculas biorrelevantes para o desenvolvimento de fármacos e das bases moleculares de condições patológicas.