UM PEQUENO ESTUDO CRIMINOLÓGICO ACERCA DO PODER DOS TRAFICANTES NAS FAVELAS CARIOCAS: QUESTÃO ESTEREOTIPADA NA FIGURA DE “ZÉ PEQUENO”.DA REALIDADE AO CINEMA, DO CINEMA À REALIDADE: ATÉ QUE PONTO “CIDADE DE DEUS” É UMA OBRA FICTÍCIA?

Igor Rodrigues

Resumo


Cidade de Deus (MEIRELLES, 2002) é uma obra de ficção. Mas retrata com uma fidelidade jamais vista o modo como a criminalidade e o tráfico de drogas degradaram a cidade do Rio de Janeiro. Traz um retrato terrível do mundo governado por traficantes (BOSCOV, 2002). O filme levanta questões que se instituíram a partir da exclusão social, de um processo segregacionista que se estabeleceu como ícone da projeção urbanística do Rio de janeiro, a essência é mostrar o extremo da violência gerada pela exclusão social, que costura traficantes, crianças, trabalhadores, policiais e jovens em um único emaranhado. A interação Direito/Cinema é mote deste estudo, que pretende abordar a questão do poder dos traficantes nas favelas, para alguns autores (TRINDADE, 2007), definido como “poder paralelo”, a partir do filme Cidade de Deus: uma das produções brasileiras com maior repercussão no cenário mundial.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5902/198136947025

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2009 Revista Eletrônica do Curso de Direito da UFSM

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

REVISTA ELETRÔNICA DO CURSO DE DIREITO DA UFSM - Qualis A1

RECDUFSM  /  ISSN 1981-3694   /  Digital Object Identifier (DOI): 10.5902/19813694  http://periodicos.ufsm.br/revistadireito

Revista Qualis A1 área de Direito /  Classificações de Periódicos Quadriênio 2013-2016 (CAPES)