Adoecimento e uso de medicamentos psicoativos entre trabalhadores de enfermagem de unidades de terapia intensiva

Tainara Genro Vieira, Carmem Lúcia Colomé Beck, Caliandra Marta Dissen, Silviamar Camponogara, Mariangela Gobatto, Alexa Pupiara Flores Coelho

Resumo


http://dx.doi.org/10.5902/217976927538

Objetivo: identificar o adoecimento e uso de medicamentos psicoativos entre trabalhadores de enfermagem de Unidades de Terapia Intensiva. Método: estudo descritivo com abordagem quantitativa, realizado em Unidades de Terapia Intensiva Pediátrica, Neonatal e Adulto de um hospital de ensino no segundo semestre de 2011, com participação de 49 trabalhadores de enfermagem. O instrumento foi um questionário autoaplicável, com análise por meio de estatística descritiva simples. Resultados: 28,5% dos trabalhadores usam medicação psicoativa; 24,4% destes referem que os medicamentos foram prescritos. 24,4% dos sujeitos tem alguma doença psíquica, sendo a mais citada a depressão com 14,2%. O turno em que mais se evidenciou trabalhadores com doença psíquica foi o noturno com 43,7%. Ainda, 63,2% dos trabalhadores referem que se automedicam, utilizando drogas antidepressivas com 12,2%. Conclusões: é necessário criar estratégias que evitem o adoecimento, o uso de medicamentos psicoativos e a automedicação por parte dos trabalhadores de saúde.


Palavras-chave


Enfermagem; Saúde do trabalhador; Unidades de terapia intensiva; Psicotrópicos.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5902/217976927538



Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.