Potencial energético da madeira de espécies oriundas de plano de manejo florestal no Estado do Rio Grande do Norte

Rosimeire Cavalcante dos Santos, Angélica de Cássia Oliveira Carneiro, Alexandre Santos Pimenta, Renato Vinícius Oliveira Castro, Itaragil Venâncio Marinho, Paulo Fernando Trugilho, Isabel Cristina Nogueira Alves, Ana Flávia Neves Mendes Castro

Resumo


http://dx.doi.org/10.5902/198050989293

O objetivo do trabalho foi avaliar o potencial energético das madeiras de espécies sob plano de manejo florestal provenientes da região do Seridó, no estado do Rio Grande do Norte. Utilizou-se na pesquisa, madeiras das espécies Jurema-preta, Pereiro, Marmeleiro, Catingueira, Mororó, Imburana, Jurema-branca e Mofumbo, aos 20 anos de idade, originadas da fazenda Dominga no município de Caicó/RN. Foram realizadas na madeira, as análises da densidade básica, teores de materiais voláteis, cinzas e carbono fixo, poder calorífico superior, composição química elementar e relações carbono/nitrogênio (C/N) e carbono/ hidrogênio (C/H). Adicionalmente, estimou-se a quantidade de energia produzida em kW.h.m-3 e em kW.h.ha-1 para todas as espécies. O experimento foi realizado segundo um delineamento inteiramente casualizado com oito tratamentos (espécies), quatro repetições (árvores–amostra), totalizando 32 unidades amostrais. Houve diferença significativa, a 5 % de significância, entre os tratamentos para todas as variáveis analisadas, exceto para a porcentagem de hidrogênio e relação C/H. Conclui-se que a madeira de Mororó apresenta alto potencial energético, e juntamente com a Jurema-preta, maior geração de energia por m3, além de proporcionar maior economia para uma mesma produtividade. O potencial energético da madeira de Jurema-preta se destaca entre as espécies estudadas. A madeira de Pereiro se destaca na produção de energia por hectare. As madeiras de Jurema-branca e Marmeleiro são indicadas como potenciais para queima direta. A madeira de Imburana não é recomendada para a geração de energia.


Palavras-chave


potencial energético; semiárido nordestino; qualidade da madeira; propriedades da madeira

Texto completo:

PDF

Referências


ABNT - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6923:1981 Carvão vegetal - Amostragem e preparação da amostra. Rio de Janeiro: ABNT, 1981. 15 p.

ABNT - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 8112:1986 Carvão vegetal - Análise imediata. Rio de Janeiro: ABNT, 1986. 5 p.

ABNT - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 8633:1984 Carvão vegetal - Determinação do poder calorífico. Rio de Janeiro: ABNT, 1986. 13 p.

ANA – Agência Nacional das Águas. Programa de Desenvolvimento Sustentável e Convivência com o Semi-Árido Potiguar: Relatório de Avaliação Ambiental (RAA). Secretaria de Estado de Recursos Hídricos, 2005. Rio Grande do Norte, N. 4310/BR, 2005. 132 p.

ARANTES, M. D. C. Variação nas características da madeira e do carvão vegetal de um híbrido de Eucalyptus grandis W.Hill ex Maiden x Eucalyptus urophylla S. T. Blake. 2009. 158 p. Tese (Doutorado em Ciência e Tecnologia da Madeira) - Universidade Federal de Lavras, Lavras, 2009.

ARAÚJO, L. V. C. et al. Estimativa da produção de biomassa de um povoamento de Jurema-Preta (Mimosa tenuiflora (WILLD.) POIRET. com cinco anos de idade. Revista Biomassa & Energia, Dourados, v. 1, n. 4. p. 347-352, out./dez, 2004.

BARROS, B. C. Volumetria, calorimetria e fixação de carbono em florestas plantadas com espécies exóticas e nativas usadas como fonte energética no polo gesseiro do Araripe-PE. 2009. 63 f. Dissertação (Mestrado em Ciência Florestal) - Universidade Federal Rural de Pernambuco, Recife, 2009.

BRITO, J. O.; BARRICHELO, L. E. G. Comportamento isolados da lignina e da celulose da madeira frente à carbonização. Piracicaba: ESALQ, 2006. 4 p. (Circular Técnica, 28).

CARVALHO, P. E. R.; Imburana-de-Espinho. Colombro/ PR. 2009. (Comunicado Técnico, 228). Disponível em: .

Disponível em: <(ftp://geoftp.ibge.gov.br/mapas/tematicos/mapas_murais)> Acesso em: 02 de junho de 2010.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Mapa de clima do Brasil, 2002. Disponível em: <(ftp://geoftp.ibge.gov.br/mapas/tematicos/mapas_murais)> Acesso em: 24 de junho de 2010.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Mapa de solos do Brasil, 2001. Disponível em: <(ftp://geoftp.ibge.gov.br/mapas/tematicos/mapas_murais)> Acesso em: 02 de maio de 2010.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Mapa de unidades de relevo do Brasil, 2006.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Mapa de vegetação do Brasil, 2004. Disponível em: <(ftp://geoftp.ibge.gov.br/mapas/tematicos/mapas_murais)> Acesso em: 20 de junho de 2010.

LIMA, A. L. A. Padrões fenológicos de espécies lenhosas e cactáceas em uma área do semi-árido do Nordeste brasileiro. 2007, 71 f. Dissertação (Mestrado em Botânica) - Universidade Federal Rural de Pernambuco, Recife, 2007.

LIMA, J. L. S. Características físico-mecânicas e energéticas de madeiras do trópico semi-árido do Nordeste do Brasil. Boletim de pesquisa. EMBRAPA/CPATSA, n. 63, p.1-12, 1996.

MELO, R. R. et al. Estudo da variação radial da densidade básica de sete madeiras do semi-árido. Revista Científica Eletrônica de Engenharia Florestal, Garça, n. 7. p. 347-352, fev./ago, 2006.

MELO, R. R. et al. Variação radial da massa específica da madeira de seis espécies florestais. In: ENCONTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO, 9., 2007, Pelotas. Anais... Pelotas: Universidade Federal de Pelotas, 2007. v. 9. p. 1273-1278.

OLIVEIRA, E. Características anatômicas, químicas e térmicas da madeira de três espécies de maior ocorrência no semi-árido nordestino. 2003. 122 p. Tese (Doutorado em Ciências Florestais) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2003.

PANSHIN, A. J.; ZEEUW, C.de. Textbook of wood tecnology. 4th ed. New York. McGraw Hill, 1988. 722 p.

PENEDO, W. R. Uso da madeira para fins energéticos. Belo Horizonte: CETEC, 1980. 49 p.

SANTOS, R. C. dos. Parâmetros de qualidade da madeira e do carvão vegetal de clones de eucalipto. 2010. 122 p. Tese (Doutorado em Ciência e Tecnologia da Madeira) - Universidade Federal de Lavras, Lavras, 2010.

STATSOFT, Inc. STATISTICA (data analysis software system), version 8. 2009. (Software Estatístico).

UFMG – Universidade Federal de Minas Gerais. Departamento de Engenharia Mecânica. Combustíveis sólidos: madeira. Belo Horizonte, 2010.

VITAL, B. R. Métodos de determinação da densidade da Madeira. Viçosa: SIF, 1984. 21 p. (SIF, Boletim Técnico,1).

ZÁKIA, M. J. B. et al. Equações de peso e de volume para oito espécies lenhosa nativas do Seridó, RN. In: IBAMA. Plano de manejo florestal para a região do Seridó do Rio Grande do Norte. Natal: PNUD / FAO / IBAMA - Governo do Rio Grande do Norte, 1992. p. 1-92.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/198050989293