Solos e geoambientes do Parque Nacional do Viruá e entorno, Roraima: visão integrada da paisagem e serviço ambiental

Bruno Araujo Furtado de Mendonça, Elpídio Inácio Fernandes Filho, Carlos Ernesto Gonçalves Reynaud Schaefer, Felipe Nogueira Bello Simas, José Frutuoso do Vale Junior, Beatriz de Aquino Ribeiro Lisboa, Júlia Gaio Furtado de Mendonça

Resumo


http://dx.doi.org/10.5902/198050989287

O Parque Nacional (PARNA) do Viruá ocupa 227.011 ha, na região do baixo Rio Branco, Roraima. A região compreende um extenso mosaico de ambientes complexos inundáveis, florestais e não florestais. Este trabalho teve como objetivo geral detalhar os aspectos pedológicos e geoambientais do Parque e entorno, em uma visão integrada da paisagem e, além disso, estimar o estoque de carbono nos solos e geoambientes. Foram descritos e coletados 29 perfis de solos nas principais fitofisionomias de Campinaranas e Florestas do Parque e entorno. Destacaram-se os seguintes: Espodossolo Humilúvico, Neossolo Quartzarênico, Neossolo Flúvico, Neossolo Litólicos, Latossolo Vermelho-Amarelo, Latossolo Vermelho, Cambissolo Háplico, Cambissolo Flúvico, Gleissolo Háplico e Plintossolo Háplico. Os solos apresentaram distribuição espacial com limites abruptos e com forte associação entre as fitofisionomias. Foram agrupados em três pedoambientes: (1) solos arenosos das campinaranas, (2) solos associados aos inselbergs e adjacências e (3) solos aluviais. Foram mapeadas e descritas 18 unidades geoambientais no Parque e entorno. Os geoambientes predominantes no Parque foram: Planícies Arenosas e Paleodunas com Campinarana Graminosa e Arbustiva em Neossolos Quartzarênicos hidromórficos e Espodossolos; e Planícies de Inundação e Terraços com Floresta de Igapó sobre solos hidromórficos arenosos, com respectivamente 24,6 % e 20,1 % da área estudada. Em termos de estoque total de carbono nos solos, destacaram-se os geoambientes dos complexos arenosos das Campinaranas e associações, com 9450,9 Gg C. A grande extensão e representatividade dos complexos arenosos das Campinaranas fazem do PARNA Viruá uma Unidade de Conservação de proteção integral com forte vocação para preservação e conservação de sistemas arenícolas amazônicos. As áreas sob o domínio de Espodossolos possuem os maiores estoques de carbono orgânico e os complexos arenosos das Campinaranas e associações representam os geoambientes mais relevantes na prestação de serviços ambientais de conservação do carbono nos solos.


Palavras-chave


campinaranas; Amazônia; solos arenosos; estoque de carbono

Texto completo:

PDF

Referências


AB’SABER, A. N. Bases para o estudo dos ecossistemas da Amazônia brasileira. Estudos Avançados. v. 16, p. 45, 2002.

ALTEMULLER, H. J; KLINGE, H. Micromorphological investigation on development of podzol in Amazon basin. Plön, Max Plank Institute of Limnology. Soil Micromorphology, p. 295-305. 1964.

ANA, Agência Nacional de Águas. Sistemas de Informações Hidrológicas. Estação meteorologica de Caracaraí. Disponível em: <(http://www.ana.gov.br)> Acesso em 5 de maio de 2009.

ANDRADE, H. et al. Pedogeomorfologia e micropedologia de uma seqüência de Latossolo – Areia Quartzosa Hidromórfica sobre rochas cristalinas do Estado do Amazonas. Genomos. Belo Horizonte, v. 5, n. 1, p. 55-66. 1997.

ANDRADE, H. Evolução de uma seqüência de solos argilosos até arenosos no Complexo Guianense da Amazônia. 1990. 179 f. (Tese de Doutorado) - Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, Piracicaba, 1990.

BATJES, N. H.; DIJKSHOORN, J. A. Carbon and nitrogen stocks in the soils of the Amazon Region. Geoderma v. 89, p.273–286, 1999.

BERNOUX, M. Conteúdo de carbono dos solos da Amazônia ocidental e mudanças decorrentes da conversão da floresta em pastagens. 1998, 98 f. (Tese de Doutorado) - Centro de Energia Nuclear na Agricultura, Universidade de São Paulo, Piracicaba, 1998.

BERNOUX, M. et al. Brazil’s Soil Carbon Stocks. Soil Sci. Soc. Am. J. v. 66, p. 888–896, 2002.

BERNOUX, M. et al. Bulk densities of Brazilian Amazon soils related to other soil properties. Soil Sci. Society of America Journal, v. 62, n. 3, p. 743–749, 1998.

BLACK, H. I. J.; OKWAKOL, M. J. N. Agricultural intensification, soil biodiversity and agroecosystem function in the tropics: the role of termites. Applied Soil Ecology, v. 6, p. 37-53. 1997.

BOULET, R., CHAUVEL, A., LUCAS, Y., Les systems de transformation en pédologie. AFES, Livre Jubiliaire du Cinquantenaire, Plaisir, France, p.167-179. 1984.

BRASIL. Ministério das Minas e Energia. Projeto RADAMBRASIL - Levantamento dos Recursos Naturais. Folha NA. 20 Boa Vista e parte das Folhas NA -21 Tumuqumaque, NB – 20 Roraima e NB – 21, Rio de Janeiro, 1975. 428 p. v. 8.

BRAVARD, S.; RIGHI, D. Micromorphology of an Oxisol-Spodosol catena in Amazonia. In: L. A. Douglas Soil Micromorphology: a basic and applied science. Amsterdam, Elsevier, 1990. p 169-174. (Developments in Soil Science, 19)

CARNEIRO FILHO A., TATUMI S. H., YEE M. Dunas Fósseis na Amazônia. Ciência Hoje, v. 191, p. 24-29. 2003.

CERRI, C. C. et al. Dinâmica do carbono nos solos da Amazônia. In: ALVAREZ V., V. H.; FONTES, L. E. F. e FONTES, M. P. F. Os solos nos grandes domínios morfoclimáticos do Brasil e o desenvolvimento sustentável. Viçosa, Sociedade Brasileira de Ciência do Solo, 1996. p.61-69.

CPRM, Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais. Programa Levantamentos Geológicos Básicos do Brasil. Projeto de Mapeamento Geológico / Metalogenético Sistemático Caracaraí, Folhas NA.20-Z-B e NA.20-Z-D inteiras e parte das folhas NA.20-Z-A, NA.20-Z-C, NA.21-Y-C e NA.21-Y-A. Estado de Roraima. Escala 1:500.000. Brasília: 2000.

DEFELIPO, B. V.; RIBEIRO, A. C. Análise Química do Solo. 2. ed. Viçosa: UFV, 1997.26 p. (Boletim de extensão, 29)

DUBROEUCQ, D.; VOLKOFF, B. Évolution des couvertures pédologiques sableuses à podzols géants d’Amazonie (Bassin du Haut rio Negro). Cah. ORSTOM, sér. Pedol., v. 24, n. 3, p. 191-214. 1988.

DUBROEUCQ, D.; VOLKOFF, B. From Oxisols to Spodosols and Histosols: evolution of the soil mantles in the rio Negro basin (Amazonia). Catena, v. 32, p. 245-280, 1998.

DUBROEUCQ, D.; VOLKOFF, B.; PEDRO, G. La couverture pédologique du bouclier du nord de l’Amazonie (bassin du Haut rio Negro). Séquence évolutive des sols et son role dans l’aplanissement généralisé des zones tropicales perhumides. C. R. Acad. Sci., Sér. II, v. 312, p. 663-671, 1991.

EMBRAPA, Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Serviço Nacional de Levantamento e Conservação de Solos. Sistema Brasileiro de Classificação de Solos. Rio de Janeiro, 2006.

FEARNSIDE, P. M. A floresta amazônica nas mudanças globais. Manaus, INPA. 2003. 134 p.

HOUGHTON, J. T. et al. Revised 1996 IPCC guidelines for national greenhouse gas inventories: Reference manual. London: IPCC/OECD/IEA. 1997.

ICMBio. Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. Relatório Plurianual 2005-2008. Programa de Pesquisa e Monitoramento do Parque Nacional do Viruá. Caracaraí, RR. 37p. Set. 2009.

LUCAS Y. et al. Transição Latossolos-podzóis sobre a formação Barreiras na região de Manaus, Amazônia. R. Bras. Ci. Solo, v. 8, p. 325-335, 1984.

MAFRA, A. L. et al. Pedogênese numa seqüência Latossolo-Espodossolo na região do alto rio Negro, Amazonas. R. Bras. Ci. Solo, v. 26, p. 381-394, 2002.

RUIZ, H. A. Incremento da exatidão da análise granulométrica do solo por meio da coleta da suspensão (silte + argila). Rev. Bras. Ciência do Solo, Viçosa, v. 29. p. 297-300, 2005.

SANTOS, J. O. S; NELSON, B. W. 1995. Os campos de dunas do Pantanal Setentrional. In: CONGRESSO LATINO-AMERICANO, 8., 1995, Caracas. Temário 4. Caracas, Venezuela, 1995. 9 p.

SANTOS, R. D. et al. Manual de descrição e coleta de solo no campo. 5. ed. rev. e ampl. Viçosa, Sociedade Brasileira de Ciência de Solo, 2005.

SARCINELLE, T. S. et al. Chemical, physical and micromorphological properties of termite mounds and adjacent soils along a toposequence in Zona da Mata, Minas Gerais State, Brazil. Catena v. 76, p. 107–113. 2009.

SCHAEFER C. E. G. R. et al. Soil and vegetation carbon stocks in Brazilian Western Amazonia: relationships and ecological implications for natural landscapes. Environ Monit Assess. v. 2007, p. 1-15, 2007

SCHAEFER, C. E. G. R. Ecogeography and human scenario in northeast Roraima, Brazil. Ciência e Cultura Journal of the Brazilian Association for the Advancement of Science. v. 49, n. 4, p. 241-252. 1997.

SCHAEFER, C. E. G. R. et al. Elementos da Paisagem e a Gestão da Qualidade Ambiental. Informe Agropecuário, v. 21, jan/fev. 2000.

SCHAEFER, C.E. G. R.; EDEN, M. Os solos e os povos indígenas de Roraima: um ensaio de ecologia humana. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA DO SOLO, 25., 1995, Viçosa. Anais... Viçosa. Sociedade Brasileira de Ciência do Solo. 1995. p. 1494-1496.

SCHAEFER, C.E.R G. Brazilian latosols and their B horizon microstructure as long-term biotic constructs. Aust. J. Soil Res., 39, 909–926. 2001.

SIMAS, F. N. B. et al. Chemistry, mineralogy and micropedology of highland soils on crystalline rocks of the Serra da Mantiqueira, southeastern Brazil. Geoderma (Amsterdam), v. 125, p. 187-201, 2005.

TRICART, J.; KIEWITDEJONGE, C. Ecogeography and rural management. Harlowl: Longman Scintific, 1992.

UN-FCCC (United Nations Framework Convention on Climate Change). Kyoto Protocol to the United Nations Framework Convention on Climate Change, Document FCCC/CP/1997;7/Add1. 1997.

VELOSO H. P., RANGEL FILHO, A. L.; ALVES LIMA. Classificação Da Vegetação Brasileira, adaptada a um Sistema Universal. Ministério da Economia, Fazenda e Planejamento. Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE. Diretoria de Ciências. Departamento de Recursos Naturais e Estudos Ambientais – DERNA. 1991.

YEOMANS, J. C.; BREMNER, J. M. A rapid and precise method for routine determination of organic carbon in soil. Commun. Soil Sci. Plant Anal. 19(13): 1467- 1476. 1988.




DOI: https://doi.org/10.5902/198050989287

Licença Creative Commons