Fitossociologia e diversidade florística em área de cerrado sob vários níveis de antropização, Rio Pardo de Minas, MG

Wanderson Henrique do Couto, Lúcia Helena Cunha dos Anjos, Luciano de Oliveira Toledo, Marcos Gervasio Pereira, Márcio Marques Queiros

Resumo


Este estudo teve como objetivo avaliar a diversidade e a similaridade florística de ambientes de Cerrado, sob diferentes níveis de antropização por uso agrícola e extrativismo, e gerar base de dados para subsidiar propostas de desenvolvimento sustentável para a região Norte de Minas e sistemas de agricultura tradicional. Foram amostradas 4 áreas nos seguintes ambientes: Areião, Areiãozinho, Chapada de Latossolo e Tabuleiro, cujas identificações foram feitas a partir de informantes-chave na Comunidade Água Boa, em Rio Pardo de Minas (MG). As unidades amostrais foram distribuídas em 8 parcelas de 20 x 50 m, com 5 subparcelas. Foram medidos indivíduos arbóreos com circunferência ao nível do solo maior ou igual a 15 cm. Para análise dos índices fitossociológicos foram calculados os parâmetros densidade, dominância, freqüência, área basal e valor de importância, para cada ambiente. Para a diversidade florística foi calculado o índice de Shannon (H') e para análise da similaridade o índice de Jaccard (Sij). Em todos os ambientes, foi encontrado um total de 477 indivíduos, distribuídos em 21 famílias, com 48 espécies botânicas identificadas e 27 indivíduos não identificados. As cinco famílias mais importantes (maior VI) foram Fabaceae/Papilionoideae, Apocynaceae, Vochysiaceae, Sapotaceae e Fabaceae/Caesalpinoideae. Já as dez espécies de maior importância foram Pouteria ramiflora, Dalbergia miscolobium, Hancornia speciosa, Macherium opacum, Sclerolobium paniculatum var. subvelutinum, Qualea grandiflora, Aspidosperma tomentosum, Byrsonima pachyphylla, Vochysia thyrsoidea e Hymenaea stigonocarpa. O índice H' foi de 3,01; 2,72; 2,48 e 2,09 para Areião, Areiãozinho, Chapada do Latossolo e Tabuleiro, respectivamente. O índice Sij indicou, para todas as combinações entre os ambientes, que existia pouca similaridade florística entre eles.

Palavras-chave


sucessão florestal; inventário florestal; ecossistemas de cerrado; sistemas tradicionais

Texto completo:

PDF

Referências


ALHO, C.J.R.; MARTINS, E.S. De grão em grão, o Cerrado perde espaço. (Cerrado - Impactos do Processo de Ocupação). Brasília, DF: WWF & PRÓ-CER. 1995. 66p.

AMARAL, A.G.; PEREIRA, F.F.O.; MUNHOZ, C.B.R. Fitossociologia de uma área de Cerrado rupestre na Fazenda Sucupira, Brasília-DF. Cerne, Lavras, v.12, n.4, p.350-359, out./dez. 2006.

ASSUNCAO, S.L.; FELFILI, J.M. Fitossociologia de um fragmento de cerrado sensu strictu na APA do Paranoá, DF, Brazil. Acta Botânica Brasílica, São Paulo, v.18, n.4, p.903-909, out./dez. 2004.

BALDUINO, A.P.C. et al. Fitossociologia e análise comparativa da composição florística do cerrado da flora de Paraopeba-MG. Revista Árvore, Viçosa, v.29, n.1, p.25-39, jan./fev. 2005.

DALPONTE, J. C.; LIMA, E. de S. Disponibilidade de frutos e a dieta de Lycalopex vetulus (Carnivora - Canidae) em um cerrado de Mato Grosso, Brasil. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 22, suppl.2, out. 2009.

DAYRELL, C.A. Os geraizeiros descem a serra ou a agricultura de quem não aparece nos relatórios dos agrobusiness. In: GUIMARÃES, P.W. et al. (Eds.). Cerrado e desenvolvimento: tradição e atualidade. Montes Claros, Unimontes, 2000. p.191-274.

FELFILI, J.M.; SILVA JÚNIOR, M.C. (orgs.). Biogeografia do Bioma Cerrado: estudo fitofisionômico na chapada do Espigão mestre do São Francisco. Brasília: Universidade de Brasília, Faculdade de Tecnologia, Departamento de Engenharia Florestal, 2001. 152p.

FELFILI, J.M. et al. Projeto biogeografia do bioma cerrado: vegetação e Solos. Cadernos de Geociências do IBGE, Rio de Janeiro, v.12, p.75-166, 1994.

FERREIRA, R.O. Análise dos programas do Setor Florestal Brasileiro, implantados no período de 1966-1987. 2005. 76 f. Monografia (TCC de graduação em Engenharia Florestal) – Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Seropédica.

FONSECA, M.S. da; SILVA JÚNIOR, M.C. Fitossociologia e similaridade florística entre trechos de Cerrado sentido restrito em interflúvio e em vale no Jardim Botânico de Brasília, DF. Acta Botânica Brasilica, v.18, n.1, p.19-29, jan./mar. 2004.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2006. http://www.ibge.gov.br/ acessado em 10 de julho de 2007.

IVANAUSKAS, N.M. Caracterização florística e fisionômica da floresta atlântica sobre a formação Pariquera-Açu, na zona da morraria costeira do estado de São Paulo. 1997. Dissertação (Mestrado) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

MACEDO, M. e FERREIRA, A. R.. Plantas hipoglicemiantes utilizadas por comunidades tradicionais na Bacia do Alto Paraguai e Vale do Guaporé, Mato Grosso - Brasil. Revista Brasileira de Farmacologia, v.14, suppl.01, p. 45-47. 2004.

MACHADO, L. de L. et al. Seleção de matrizes e clones de mangabeira para o cultivo in vitro. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v.39, n.5, p. 431-435, mai. 2004.

MEIRA NETO, J.A.A.; SAPORETTI-JÚNIOR, A.W. Composição florística em cerrado no Parque Nacional da Serra do Cipó, MG. Revista Árvore, Viçosa, v.26, n.5, p. 645-648, set./out. 2002.

OLIVEIRA, M.C. et al. Avaliação de diferentes níveis de intervenção na florística, diversidade e similaridade de uma área de Cerrado stricto senso. Cerne, Lavras, v.12, n.4, p. 342-349, out./dez. 2006.

PIMM, S.L. The complexity and stability of ecosystems. Nature, v.307, p.312-26, jan. 1984.

PIVELLO, V.R. e COUTINHO, L.M. A qualitative sucessional model to assist in the management of Brazilian cerrados. Forest Ecology and Management, v.87, p. 127-138, mar. 1996.

RIBEIRO, J.F.; WALTER, B.M.T. (Eds.). Fitofisionomias do Cerrado. In: SANO, S.M.; ALMEIDA, S.P. (Eds.) Cerrado: ambiente e flora, Planaltina, Embrapa CPAC, 1998. p.89-166.

SILVA, A.F.; LEITÃO FILHO, H.F. Composição florística e estrutura de um trecho de mata atlântica de encosta no município de Ubatuba (São Paulo, Brasil). Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v.5, p.43-52, jan./fev. 1982.

SILVA JUNIOR, M.C. da. 100 árvores do Cerrado – Guia de campo. Brasília: Rede de Sementes do Cerrado, 2005. 278p.

SYLVESTRE, L.S.; ROSA, M.M.T. Manual metodológico para estudos botânicos na Mata Atlântica. Seropédica-RJ: EDUR, 2002. 122p.

VALE, A. T. do e FELFILI, J. M. Dry biomass distribution in a cerrado sensu stricto site in Brazil central. Revista Árvore, Viçosa, v.29, n.5, p. 661-669, set./out. 2005.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/19805098891