Análise das causas da deterioração dos postes de madeira da Ilha do Mel, Paraná, Brasil

Marina Mieko Nishidate Kumode, João Carlos Moreschi, Graciela Inés Bolzon de Muñiz, Silvana Nisgoski, Ricardo José Ferracin, Valcineide Oliveira de Andrade Tanobe

Resumo


http://dx.doi.org/10.5902/198050988455

Objetivou-se a quantificação química dos preservantes, identificação anatômica da espécie florestal e dos principais agentes deterioradores dos postes de madeira de uma rede de distribuição de energia elétrica da Ilha do Mel, no litoral do Estado do Paraná. Além disso, foram propostas formas de prolongar a vida útil do poste em uso. Os postes foram caracterizados anatomicamente e a identificação e quantificação química foram realizadas por meio de análise colorimétrica e absorção atômica. Avaliou-se a retenção média amostral pelo teste t de Student e na comparação entre os grupos foi aplicado o teste de Fisher. A identificação dos agentes deterioradores foi realizada de acordo com a inspeção visual, com o auxílio de pequenas ferramentas. As análises anatômicas identificaram os postes como sendo da espécie Eucalyptus grandis. Os testes químicos qualitativos revelaram a presença de preservante arseniato de cobre cromatado (CCA) e borato de cobre cromatado (CCB) tendo os índices de retenção para CCA apresentado valores inferiores ao mínimo recomendado. Os resultados da inspeção visual indicaram ataques por pica-paus, fungos e cupins. Para o modelo de gerenciamento foram propostas ações integradas desde o recebimento da matéria-prima, monitoramento e manutenção dos postes.

Palavras-chave


postes de madeira; CCA; agentes deterioradores

Texto completo:

PDF

Referências


ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICA - ABNT. NBR 8456: Postes de eucalipto preservado para redes de distribuição de energia elétrica: especificação. Rio de Janeiro, 1984.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS - ABNT. NBR 6232: Penetração e retenção de preservativo em postes de Madeira MB 790. Rio de Janeiro, 1973.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS - ABNT. NBR 7190: Projeto de estruturas de madeiras. Rio de Janeiro, 1997.

CAMPOS, C. S.; VIANEZ, B. F.; MENDONÇA, M. S. Estudo da variabilidade de retenção do preservante CCA tipo A na madeira de Brosimum rubescens Taub. Moraceae – (Pau Rainha) uma espécie madeireira da Região Amazônica. Revista Árvore, v. 27, n. 6, p. 845-853, 2003.

CLAUSEN, C. A. Biodeterioration of wood. In. Wood Handbook: wood as an engineering material. Madison: U.S. Department of Agriculture, Forest Service. 2010. Cap. 14.

CUNNINGHAN, J. Woodpecker control. Disponível em Acesso em 20 jul. 2005.

FREITAS, V. P. Variações na retenção de CCA em estacas de Pinus após 21 anos de exposição em campo de apodrecimento. 2002. 107 p. Dissertação (Mestrado em Recursos Florestais)-Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, Piracicaba, 2002.

HARNESS, R. E.; WALTERS, E. L. Knock on wood – Woodpeckers and utility pole damage. Dept. of Biological Science Florida State University. IEEE Industry Applications Magazine- março/abril 2005. (Paper nº 04 B3.)

HUNT, G. M.; GARRAT, G. A. Preservación de la madera. Barcelona: Salvat Editores, 1962. 486 p.

INSTITUTO AMBIENTAL DO PARANÁ - IAP. Plano de manejo da estação ecológica da Ilha do Mel - PR. Curitiba: Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos, 1996. 206 p.

KRUEDENER H. J. V. 60 Jahre Holzschutz Wolman. 143 p. Alemanha, 1963.

LEPAGE, E. S., Agentes destruidores da madeira. In: ______. Manual de preservação de madeiras. São Paulo: IPT, 1986. p.99-256. v.1

LEPAGE, E. S., Preservativos e sistemas preservativos. In: ______. Manual de preservação de madeiras. São Paulo: IPT, 1986. p.279-342. v. 1.

LEPAGE, E. S.; BRITO NETO, O. Usinas de Tratamento. In: ______. Manual de preservação de madeiras. São Paulo: IPT, 1986. p.421 – 454. v. 2.

MORESCHI. J. C. Biodegradação da madeira. 38 p. Manual Didático do Curso de Pós-Graduação em Engenharia Florestal - Universidade Federal do Paraná, UFPR, Curitiba. 2005. Disponível em . Acesso em 20 jul. 2005.

MUÑIZ, G. I. B.; CORADIN, V. R. Normas de procedimentos em estudos de anatomia da madeira: II Gimnospermae. Brasília: Laboratório de Produtos Florestais. 1991. (Série Técnica, 15)

OLIVEIRA, J. T. S.; TOMASELLO, M.; SILVA, J. C. Resistência natural da madeira de sete espécies de eucalipto ao apodrecimento. Revista Árvore, v. 29, n. 6, p. 993-998, nov./dec. 200




DOI: https://doi.org/10.5902/198050988455

Licença Creative Commons