Posição da semente na semeadura e tipo de substrato sobre a emergência e crescimento de plântulas de Schizolobium parahyba (Vell.) S.F. Blake

Cibele Chalita Martins, Anderson da Silva Borges, Maria Renata Rocha Pereira, Maria Teresa Gomes Lopes

Resumo


http://dx.doi.org/10.5902/198050987565

A germinação rápida e uniforme das sementes, seguida por pronta emergência das plântulas são características altamente desejáveis na formação de mudas. O objetivo deste trabalho foi identificar a posição da semente na semeadura e o substrato mais adequado ao processo de germinação e crescimento de plântulas de Schizolobium parahyba (Vell.) S.F. Blake. As sementes foram colocadas para germinar nas seguintes posições em relação ao fundo do sulco no substrato: semente com o hilo voltado para cima, com o hilo voltado para baixo, apoiada sobre uma das faces, semente de lado sobre a espessura e faces paralelas às paredes do saquinho. Os substratos utilizados foram: substrato comercial Plantmax® (testemunha), serragem de pinus e areia. Os tratamentos foram dispostos no delineamento inteiramente casualizado em arranjo fatorial 4x3 (posições da semente x substrato) com quatro repetições de 20 sementes. Os parâmetros avaliados foram porcentagem de emergência, morte de plântulas após a emergência, primeira contagem, índice de velocidade de emergência e comprimento da parte aérea das plântulas. Conclui-se que todas as posições de semeadura adotadas em substrato serragem de pinus oferecem as condições mais adequadas ao processo de germinação e crescimento de plântulas de Schizolobium parahyba.

Palavras-chave


germinação; vigor; mudas; guapuruvu

Texto completo:

PDF

Referências


ARAUJO, J. R. G. et al. Embebição e posição da semente na germinação de clones de porta-enxertos de cajueiro-anão-precoce. Revista Brasileira Fruticultura, Jaboticabal, v. 31, n. 2, p. 552-558, 2009.

BARNEBY, R. C. Neotropical Fabales at NY: Asides and Oversights. Brittonia, New York, v. 48, n. 2, p. 174-187, 1996.

BIANCHETTI, A.; RAMOS, A. Quebra de dormência de sementes de guapuruvu (Schizolobium parahyba (Vell.) Blake. Boletim de Pesquisa Florestal. Curitiba, n. 3, p. 60-76, 1981.

BRASIL.. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Secretaria de Defesa Agropecuária. Regras para análise de sementes. Brasília, 2009. 399 p.

CARVALHO, N. M.; NAKAGAWA, J. Sementes: Ciência, Tecnologia e Produção. 4. ed. Jaboticabal: FUNEP, 2000. 588 p.

CARVALHO. P. E. R. Espécies Arbóreas Brasileiras. Colombo: Embrapa Florestas, 2003. 1039 p.

COELHO, R. R. P. et al. Influência de substratos na formação de mudas de guapuruvu (Schizolobium parahyba (Vell.) Blake). Revista Ciência Agronômica, Fortaleza, v. 37, n. 2, p. 149-152, 2006.

ELIAS, M. E. A.; FERREIRA, S. A. N.; GENTIL, D. F. O. Emergência de plântulas de tucumã (Astrocaryum aculeatum) em função da posição de semeadura. Acta Amazonica, Manaus, v. 36, n. 3, p. 385-388, 2006.

GUEDES, R. S. et al. Emergência e vigor de plântulas de Amburana cearensis (Allemão) A.C. Smith em função da posição e da profundidade de semeadura. Semina, Londrina, v. 31, n. 4, p. 843-850, 2010.

JORGE, J. A. Física e manejo dos solos tropicais. Campinas: Instituto Campineiro de Ensino Agrícola, 1985. 328 p.

LAIME, E. M. O. et al. Emergência e crescimento inicial de plântulas de Inga ingoides (Rich.) Willd. em função de posições e profundidades de semeadura. Semina, Londrina, v. 31, n. 2, p. 361-372, 2010.

LORENZI, H. Árvores brasileiras: manual de identificação cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil; Nova Odessa, SP: Editora Plantarum, 1992. 352 p.

MAEDA, S. et al. Caracterização de substratos para produção de mudas de espécies florestais elaborados a partir de resíduos orgânicos. Pesquisa Florestal brasileira, Colombo, n. 54, p. 97-104, 2007.

MARTINS, C. C.; NAKAGAWA, J.; BOVI, M. L. A.. Efeito da posição da semente no substrato e no crescimento inicial das plântulas de palmito-vermelho (Euterpe espiritosantensis Fernandes – Palmae). Revista Brasileira de Sementes, v. 21, n. 1, p. 164-173, 1999.

NAPPO, M. E. et al. Reflorestamentos mistos com essências nativas para recomposição de matas ciliares. UFLA, Lavras, 2001. p. 5-31. (Boletim Técnico, n. 30).

NASCIMENTO, W. M. O. et al. Influência da posição de semeadura na germinação, vigor e crescimento inicial de plântulas de bacabinha (Oenocarpus mapora Karsten – Arecaceae). Revista Brasileira de Sementes, v. 24, n. 1, p. 179-182, 2002.

NÓBREGA , R. S. A. et al. Utilização de biossólido no crescimento inicial de mudas de aroeira (Schinus terebynthifolius Raddi). Revista Árvore, v. 31, n. 2, p. 239-246, 2007.

RIZZINI, C. T. Árvores e madeiras úteis do Brasil– Manual de dendrologia brasileira. São Paulo: Ed. Edgard Blücher, 1972. 294 p.

SOUSA, A. H. et al. Profundidades e posições de semeadura na emergência e no desenvolvimento de plântulas de moringa. Revista Caatinga, Mossoró, v. 20, n. 4, p. 56-60, 2007.




DOI: https://doi.org/10.5902/198050987565

Licença Creative Commons