Balanço nutricional, produção de óleo essencial e madeira de Corymbia citriodora Hill & Johnson com aplicação de lodo de esgoto e fertilizante mineral

Paulo Henrique Müller da Silva, Fabio Poggiani, Alexandre de Vicente Ferraz, Ricardo Michael de Melo Sixel, José Otavio Brito

Resumo


http://dx.doi.org/10.5902/198050987563

O Corymbia citriodora é uma das espécies florestais mais difundidas no Brasil, sendo um dos motivos a diversidade de uso da espécie, pois produz madeira de qualidade e as folhas podem ser utilizadas para produção de óleo essencial. Entretanto, é uma espécie que não tem muitos estudos relacionados ao efeito do manejo no balanço nutricional. O objetivo deste trabalho foi avaliar a produção de biomassa e o balanço nutricional no sistema convencional de produção de óleo essencial e madeira de Corymbia citriodora com a aplicação de lodo de esgoto. O delineamento experimental utilizado foi em blocos casualizados, com quatro repetições e dois tratamentos, sendo eles: 1 - Fertilização com 10 t ha-1 (base seca) de lodo de esgoto, complementado com K+B, e 2 - Fertilização mineral. Foi avaliada a produção de biomassa aérea das árvores e dos respectivos componentes (folha, galho, casca e lenho), a exportação de nutrientes via colheita da folhas, a produção de óleo essencial e da madeira aos quatro anos de idade. Observou-se que as árvores fertilizadas com lodo produziram 20 % mais folhas durante o ciclo de produção, o que resultou em maior produção de óleo essencial. Além disso, o tratamento com a aplicação do lodo produziu 14,2 t ha-1 ano-1 de biomassa lenhosa, que foi 27 % superior ao tratamento com fertilização mineral. Para ambos os tratamentos o balanço do N foi negativo, sendo que a exportação de N no tratamento com aplicação de lodo de esgoto (-45 kg ha-1) foi 4 vezes menor que a observada no tratamento com fertilização mineral (-185 kg ha-1). Com o presente estudo pode-se concluir que a aplicação de lodo de esgoto em plantios de Corymbia citriodora beneficia a produção de biomassa foliar, óleo essencial e madeira, além de propiciar melhor balanço nutricional.

Palavras-chave


Eucalyptus citriodora; biossólido; exportação de nutrientes

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU JUNIOR, C. H. et al. Cátions trocáveis, capacidade de troca de cátions e saturação por bases em solos brasileiros adubados com composto de lixo urbano. Scientia Agrícola, Piracicaba, v. 58, n. 4, p. 813-824, out./dez. 2001.

ANDRADE, G. C. et al. Acúmulo de nutrientes na biomassa e na serapilheira de Eucalyptusgrandis em função da aplicação de lixo urbano e de nutrientes minerais. Boletim de Pesquisa Florestal, Colombo, n. 53, p. 109-136, jul./dez. 2006.

BATISH, D. R. et al. Chemical composition and phytotoxicity of volatile essential oil from intact and fallen leaves of Eucalyptus citriodora.ZeitschriftfurNaturforschung - Section C,Biosciences, v. 61, n. 7/8, p. 465-471, 2006.

BELLOTE, A. F. J.; SILVA, H. D. Técnicas de amostragem e avaliações nutricionais em plantios de Eucalyptus spp. In: GONGALVES, J. L. M.; BENEDETTI, V. (Org.). Nutrição e Fertilização Florestal. Piracicaba: IPEF, 2005. p. 105-133.

CAMARGO, O. A. et al. Método de análise química, mineralógica e física de solos do Instituto Agronômico de Campinas.Campinas: Instituto Agronômico, 1986. 94 p. (IAC, Boletim Técnico, 106).

CETESB - Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental. Norma P 4.230: Aplicação de lodos de sistemas de tratamento biológico em áreas agrícolas – Critérios para projeto e operação. São Paulo, 1999. 32 p.

CONAMA – Conselho Nacional do Meio Ambiente. Resolução No. 375. Define critérios e procedimentos, para o uso agrícola de lodos de esgoto gerados em estações de tratamento de esgoto sanitário e seus produtos derivados, e dá outras providências. Ministério do Meio Ambiente, 2006.

DECHEN, A. R.; NACHTIGALL, G. R. XIII - Micronutrientes. In: FERNANDES, M. S. (Edit.). Nutrição Mineral de Plantas. Viçosa, MG: Sociedade Brasileira de Ciência do Solo, 2006. p. 327-354.

EMBRAPA. Centro Nacional de Pesquisa de Solos. Sistema brasileiro de classificação de solos. 2. ed. Rio de Janeiro, 2006. 306 p.

HARRISON, R. B. et al. Reciclagem de resíduos industriais e municipais em áreas de reflorestamento.Circular Técnica (IPEF), Piracicaba, n. 198, p. 1-21, jul. 2003.

LACLAU, J. P. et al. Nutrient dynamics throughout the rotation of Eucalyptus clonal stands in Congo.Annals of Botany, England, v. 91, n. 7, p. 879-892, Jun. 2003.

LACLAU, J. P. et al. The function of the superficial root mat in the biogeochemical cycles of nutrients in Congolese Eucalyptus plantations.Annals of Botany, England, v. 93, n. 3, p. 249-61, Mar. 2004.

MALAVOLTA, E. et al. Avaliação do estado nutricional das plantas: Princípios e aplicações. Piracicaba: POTAFOS, 1997. 319 p.

McLAREN, R. G. et al.Distribution andmovement of nutrients and metals in a Pinusradiata forest soil following applications of biosolids. Environmental pollution, New Zealand, v. 147, p. 32-40, May. 2007.

PEREIRA, A. R. et al. Produção de biomassa e remoção de nutrientes em povoamentos de Eucalyptuscitriodora e Eucalyptussaligna cultivados na região de cerrado de Minas gerais. Revista Floresta, Curitiba. v. 15, n. 1/2, p. 8–16, 1984.

POGGIANI, F. et al. Ciclagem e exportação de nutrientes em florestas para fins energéticos. IPEF, n.27, p.17-30, ago. 1984.

POGGIANI, F. et al. Uso do lodo de esgoto em plantações florestais. In: PROSAB - Programa de Pesquisa em Saneamento Básico. In: ANDREOLI, C. V. Biossólidos -Alternativas do Uso de Resíduos do Saneamento. Rio de Janeiro: ABES RJ, 2006, v. 4, p. 159-188.

RAIJ, B. van. et al. Análise química do solo para fins de fertilidade.Campinas: Fundação Cargill, 1987. 170 p.

RAIJ, B. van. et al. Recomendações de adubação e calagem para o estado de São Paulo. Campinas: Instituto Agronômico/Fundação IAC, 1996, 285 p. (IAC. Boletim Técnico 100).

ROLIM, G. S.; SENTELHAS, P. C. Balanço hídrico normal por Thorntwaite e Mather (1955). Piracicaba: ESALQ/USP – Departamento de Ciências Exatas: Área de Física e Meteorologia, 1999 (programa para Excel v. 6).

SANTANA, R. C. et al. Biomassa e conteúdo de procedências de Eucalyptusgrandis e Eucalyptussaligna em alguns sítios florestais do estado de São Paulo. ScientiaForestalis, Piracicaba, n. 56, p. 155-169, dez. 1999.

SANTANA, R. C. et al. Estimativa de biomassa de plantios de eucalipto no Brasil.Revista Árvore, Viçosa, v. 32, n. 4, p. 697-706, jul./ago. 2008.

SAS INSTITUTE. SAS user’s guide: statistics. Cary, 2002-2003.

SGARBY, F. Produtividade de Eucalyptussp. em função do estado nutricional e da fertilidade do solo em diferentes regiões do estado de São Paulo, 2002. 101 f. Dissertação (Mestrado em Recursos Florestais) – Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, Universidade de São Paulo, Piracicaba, 2002.

SILVA, P. H. M. et al. Crescimento de Eucalyptusgrandis tratado com diferentes doses de lodos de esgoto úmido e seco, condicionados com polímeros. ScientiaForestalis, Piracicaba, v.36, n. 77, p. 79-88, mar. 2008.

SILVA, P. H. M. et al. Produção de óleo essencial e balanço nutricional em Corymbiacitriodora adubado com lodo de esgoto em diferentes espaçamentos Cerne, Lavras,v. 15, n. 3, p. 346-354, jul./set. 2009.

SILVEIRA, R. L. V. et al. Avaliação do estado nutricional do Eucalyptus: Diagnose visual, foliar e suas interpretações. In: GONGALVES, J. L. de M.; BENEDETTI, V. (Org.). Nutrição e Fertilização Florestal. Piracicaba, SP: IPEF, 2005. p. 79-104.

ZAIA, F. C.; GAMA-RODRIGUES, A. C. Ciclagem e balanço de nutrientes em povoamentos de eucaliptos na região norte fluminense. Revista Brasileira de Ciência do Solo, Viçosa, v. 28, n. 5, p. 843-852, set./out. 2004.




DOI: https://doi.org/10.5902/198050987563

Licença Creative Commons