Fungos micorrízicos arbusculares e proteína do solo relacionada à glomalina em área degradada por extração de argila e revegetada com eucalipto e acácia

Cristiane Figueira da Silva, Jean Luiz Simões-Araújo, Eliane Maria Ribeiro da Silva, Marcos Gervasio Pereira, Marta Simone Mendonça Freitas, Orivaldo José Saggin Júnior, Marco Antônio Martins

Resumo


http://dx.doi.org/10.5902/198050987556

Esse estudo teve como objetivo avaliar a influência da revegetação com Eucalyptus camaldulensis e Acacia mangium, em plantio puro e consorciado, na composição e diversidade de fungos micorrízicos arbusculares (FMAs), bem como na quantidade da proteína do solo relacionada à glomalina (PSRG) em uma área degradada pela extração de argila. O delineamento experimental utilizado foi o de blocos casualizados com quatro tratamentos (plantios puros de Eucalyptus camaldulensis e Acacia mangium; consórcio de Eucalyptus camaldulensis + Acacia mangium; e área degradada com vegetação espontânea – ADVE) e três repetições, onde, em cada uma das parcelas, foram coletadas amostras de solo na camada 0-5 cm. Os esporos de FMA foram extraídos e taxonomicamente identificados. Analisou-se a densidade relativa, a frequência de cada espécie e os índices de Shannon-Wiener, Pielou e de Simpson. A PSRG (glomalina total – GT e glomalina facilmente extraível – GFE) foi extraída com citrato de sódio e quantificada pelo método de Bradford. A abundância de FMAs foi maior na área degradada com vegetação espontânea quando comparada aos plantios, em contrapartida apresentou baixa diversidade de espécies. As áreas de eucalipto em monocultivo mostraram menor índice de diversidade de FMAs em relação às áreas de eucalipto consorciadas com a acácia. Glomus e Acaulospora foram os gêneros de FMAs que apresentaram o maior número de espécies. A PSRG foi estreitamente correlacionada com o C e o N do solo, tendo sido observada em maiores quantidades nos plantios, em relação à ADVE. A revegetação da cava de extração de argila promoveu redução na esporulação dos FMAs, enquanto a diversidade e a quantidade de PSRG foram aumentadas.

Palavras-chave


Eucalyptus camaldulensis; diversidade; microrganismos

Texto completo:

PDF

Referências


BATISTA, Q. R. et al. Bioqualidade de área degradada pela extração de argila, revegetada com Eucalyptus spp. e sabiá. Revista Caatinga, Mossoró, v. 22, n.1, p.146-154, jan./mar. 2009.

BEDINI, S. et al. Effects of long-term land use on arbuscular mycorrhizal fungi and glomalin-related soil protein. Agriculture, Ecosystems & Environment, Amsterdam, v. 120, n. 2-4, p. 463–466, May. 2007.

BIRD, S. B. et al. Spatial heterogeneity of aggregate stability and soil carbon in Semi-Arid rangeland. Environmental Pollution, Essex, v. 116, n. 3, p.445-455, mar. 2002.

BRADFORD, M. M. A rapid and sensitive method for the quantification of microgram quantities of protein utilizing the principle of protein-dye binding. Analytical Biochemistry, New York, v. 72, n. 1-2, p. 248-254, May. 1976.

BROWER, J. E.; ZAR, J. H.; ENDE, C. N. von. Field and laboratory methods for general ecology. 3rd ed. Dubuque, 1990. 237 p.

CAMPOS, H. de. Estatística experimental nao-paramétrica. 2. ed. Piracicaba: ESALQ, 1976. 332 p.

CAPRONI, A .L. et al. Ocorrência de Fungos Micorrízicos Arbusculares em resíduo da mineração de bauxita revegetado com espécies arbóreas, Acta botanica brasilica, Brasilia, v. 21, p. 99-106, 2007.

CAPRONI, A. L. et al. Fungos micorrízicos arbusculares em estéril revegetado com Acacia mangium, após mineração de bauxita. Revista Árvore, Viçosa, v. 29, p. 373-381, 2005

CAPRONI, A. L. Fungos micorrízicos arbusculares em áreas reflorestadas remanescentes da mineração de bauxita em Porto Trombetas/PA. 2001. 186 f. Tese (Doutorado em Fitotecnia) - Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Seropédica, 2001.

CAPRONI, A. L. Ocorrência de fungos micorrízicos arbusculares em áreas reflorestadas remanecentes da mineração de bauxita em Porto Trombetas, PA. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v. 38, n. 12, p.1409-1418. dez. 2003.

CUNHA, L. O. et al. Análise multivariada da vegetação como ferramenta para avaliar a reabilitação de dunas litorâneas mineradas em Mataraca, Paraíba, Brasil. Revista Árvore, Viçosa, v. 27, p. 503-515, 2003.

FOCCHI, S. S. et al Fungos micorrízicos arbusculares em cultivos de citros sob manejo convencional e orgânico. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v. 39, p. 469-476, 2004.

FRANCO, A. A. et al. Uso de leguminosas florestais noduladas e micorrizadas como agentes de recuperação e manutenção da vida do solo: um modelo tecnológico. In: ESTEVES, F. (ed.). Oecologia Brasiliensis: estrutura, funcionamento e manejo de ecossistemas. Rio de Janeiro: UFRJ, 1995. p. 459-467.

GERDERMANN, J. N.; NICOLSON, T. H. Spores of mycorrhizal Endogone species extracted from soil by wet sieving and decanting. Transactions of the British Mycological Society, Cambridge, v. 46, n. 2, p. 235-244, 1963.

GOULD, A. B.; HENDRIX, J. W.; FERRISS, R. S. Relationship of mycorrhizal activity to time following reclamation of surface mine land in western Kentucky - 1: Propagule and spore population densities. Canadian Journal of Botany, Otawa, v. 74, p. 247-261, 1996

GUADARRAMA, P.; ÁLVAREZ-SÂNCHEZ, F. J. Abundance of arbuscular mycorrhizal fungi spores in different environments in a tropical rain forest, Veracruz, Mexico. Mycorrhiza, Berlim, v. 8, p. 267-270, 1999.

HE, X.; LI, Y.; ZHAO, L. Dynamics of arbuscular mycorrhizal fungi and glomalina in the rhizosphere of Artemisia ordosica Krasch. In Mu Us sandland, China. Soil Biology & Biochemistry, Oxford, v. 42, n. 8, p. 1313-1319, 2010.

HENDRIX, W.; GUO, B. Z.; NA, Z. Q. Divergence of mycorrhizal fungal communities in crop production systems. Plant and Soil, The Hague, v. 170, p. 131-140. 1995.

KIERMAN, J. M.; HENDRIX, J. W.; MARONEK, D. M. Endomycorrhizal fungi occurring on orphan strip mines in Kentucky. Canadian Journal of Botany, Otawa. v. 61, p. 1798-1803, 1983.

KOSKE, R. E.; GEMMA, J. N. Mycorrhizae and sucession in plantigs of beachgrass in sand dunes. American Journal of Botany, Bronx, v. 84, p. 118-130, 1997.

LAVELLE, P.; SPAIN, A.V. Soil ecology. Dordrecht: Kluwer Academic Publishers. 2001. 654 p.

LOSS, A. et al. Atributos químicos do solo e ocorrência de fungos micorrízicos sob áreas de pastagem e sistema agroflorestal, Brasil. Acta Agronómica, Palmira, v. 58, n. 2, p. 91-95, Apr. 2009.

LOVELOCK, C. E.; WRIGHT, S. F.; NICHOLS, K. A. Using glomalin as an indicator for arbuscular mycorrhizal hyphal growth: an example from a tropical rain forest soil. Soil Biology and Biochemistry, Oxford, v. 36, p. 1009-1012, 2004.

LUTGEN, E. R. et. al Seasonality of arbuscular mycorrhizal hyphae and glomalin in a western Montana grassland. Plant and Soil, The Hague, v. 257, p. 71-83, 2003.

MADARI, B. E. et. al. Matéria orgânica dos solos antrópicos da Amazônia (Terra Preta de Indio): suas características e papel na sustentabilidade da fertilidade do solo. Disponível em: <(http://www.biochar.org/joomla/images/stories/Cap¬_13_Beata.pdf)> Acesso em: 17 de novembro de 2010.

MARINHO, N. F. et al. Respostas de Acacia mangium Willd e Sclerolobium paniculatum Vogel a fungos micorrízicos arbusculares nativos provenientes de áreas degradadas pela mineração de bauxita na Amazônia. Acta Botanica Brasilica, Brasília, v. 18, p. 141-149, 2004.

MEHROTRA, V. S. Arbuscular mycorrhizal associations of plants colonizing coal mine spoil in India. Journal of Agricultural Science, Otawa, v. 130, p. 125-133, 1998.

MELLONI, R.; SIQUEIRA, J. O.; MOREIRA, F. M. S. Fungos micorrízicos arbusculares em solos de áreas de mineração de bauxita em reabilitação. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v. 38, p. 267-276, 2003.

MENDONÇA, A. V. R. et al. Desempenho de quatro de Eucalyptus spp em plantios puros e consorciados com sabiá (Mimosa caesalpiniaefolia Benth) em cava de extração de argila. Revista Árvore, Viçosa, v. 32, n. 3, p.395-405, maio/jun. 2008.

MERGULHÃO, A. C. E. S. Aspectos ecológicos e moleculares de fungos micorrízicos arbusculares. 152p. 2006. Tese (Doutorado em Ciências Biológicas) - Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2006.

MOREIRA, F. M. S.; SIQUEIRA, J. O. Microbiologia e bioquímica do solo. Lavras: UFL, 2002. 625 p.

NICHOLS, K. A.; WRIGHT, S. F. Comparison of glomalin and humic acid in eight native US soils. Soil Science, Baltimore, v. 170, p. 985–997, 2005.

ODUM, E. P. Ecologia. Rio de Janeiro: Guanabara, 1989.

PAULUCIO, V. O. Qualidade química e biológica de área degradada pela extração de argila, revegetada com eucalipto e leguminosas inoculados com micorrizas. 2007. 106 f. Tese (Doutorado em Produção Vegetal) - Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro Campos dos Goytacazes, 2007.

PFLEGER, F. L.; STEWART, E. L.; NOYD, R. K. Role of VAM fungi in mine land revegetation. In: Pfleger, F. L.; Lingerman, R. G. Micorrizae and plant healt, St, Paul: APS Press, 1994. p. 47-82.

PIELOU, E. C. The measurement of diversity in different types of biological collections. Journal of Theoretical Biology, London, v. 13, p. 131-144, 1966.

PURIN, S. Fungos micorrízicos arbusculares: atividade, diversidade e aspectos funcionais em sistemas de produção de maçã. 2005. Dissertação. (Mestrado em Ciências do Solo) - Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis, 2005.

RILLIG, M. C. Arbuscular mycorrhizae, glomalin, and soil aggregation. Canadian Journal of Soil Science, Otawa, v. 84, p. 355-363, 2004.

RILLIG, M. C. et al. (Glomalin, an arbuscular-mycorrhizal fungal soil protein, responds to land-use change, Plant and Soil, The Hague, v. 253, p. 293–299, 2003.

RILLIG, M. C. et al. Large contribution of arbuscular mycorrhizal fungi to soil carbon pools in tropical forest soils. Plant and Soil, The Hague, v. 23, p. 167–177, 2001.

RUSEK, J. Biodiversity of Collembola and their functional role in the ecosystem. Biodiversity and Conservation, London, v. 7, p.1207-1219, 1998.

SANTOS, V. L. S. Fungos micorrízicos arbusculares em ecossistema de mata seca no Norte de Minas Gerais. 2010. 68 f.. Dissertação (Mestrado em Fitossanidade e Biotecnologia Aplicada) - Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Seropédica, 2010.

SCHENCK, N. C.; PEREZ, Y. A manual for identification of vesicular-arbuscular mycorrhizal fungi. 2nd ed. Gainesville: University of Florida, 1988. 241 p.

SCHIAVO J. A., MARTINS, M. A . E.; RODRIGUES, L. A. Crescimento de mudas de Acacia mangium, Sesbania virgata e Eucalytpus camaldulensis, inoculadas com fungos micorrízicos, em casa-de-vegetação e em cava-de-extração de argila Acta Scientiarum. Agronomy Maringá, v. 32, n. 1, p. 171-178, 2010.

SCHIAVO, J. A. Revegetação de áreas degradadas pela extração de argila, com espécies micorrizadas de Acacia mangium, sesbania virgata e Eucalyptus camaldulensis. 2005. 117 p.Tese. (Doutorado em Produção Vegetal) - Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro Campos dos Goytacazes, 2005.

SILVA, C. F. Atributos químicos e biológicos em cavas de extração de argila revegetadas com eucalipto e leguminosas. 2009. 172 f. Tese. (Doutorado em Produção Vegetal) - Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro, Campos dos Goytacazes, 2009.

SILVA, C. F. et al. Atividade de fungos micorrízicos arbusculares em dunas litorâneas impactadas por mineração. In: REUNIÃO BRASILEIRA DE FERTILIDADE DO SOLO E NUTRIÇÃO DE PLANTAS, 29.; REUNIÃO BRASILEIRA SOBRE MICORRIZAS, 13.; SIMPÓSIO BRASILEIRO DE MICROBIOLOGIA DO SOLO, 11.; REUNIÃO BRASILEIRA DE BIOLOGIA DO SOLO, 8., 2010, Guarapari. Fontes de nutrientes e produção agrícola: modelando o futuro: Anais... Viçosa: Sociedade Brasileira de Ciência do Solo, 2010.

SILVA, C. F. et al. Fungos Micorrízicos Arbusculares em áreas no entorno do Parque Estadual da Serra do Mar Em Ubatuba (SP). Revista Caatinga, v. 19, p. 1-10, 2006.

SILVA, L. X. et al. Fungos micorrízicos arbusculares em áreas de plantio de leucena e sábia no estado de Pernambuco. Revista Árvore, Viçosa, v. 31, p. 427-435, 2007.

SILVA, R. F. et al. Comunidade de fungos micorrízicos arbusculares em solo cultivado com eucalipto, pinus e campo nativo em solo arenoso, São Francisco de Assis, RS. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 18, n. 3, p. 353-361, jul-set., 2008.

SNEDECOR, W.; COCHRAN, W. G. Statistical methods. 8th ed. Ames: Iowa State University Press, 1989. 502 p.

SOUZA, G.. I. A. et al. Arbuscular Mycorrhizal fungi in agricultural and forest systems. Global Science and Technology, Rio Verde, v. 3, n. 2, p. 1-9, maio/ago. 2010.

SYLVIA, D. M.; JARSFER, A. G. Sheared-root inocula of vesicular-arbuscular mycorrhizal fungi. Applied Environmental Microbiology, Washington, v. 58, p. 229-232, 1992.

WRIGHT, S. F.; UPADHYAYA, A. A. A survey of soils for aggregate stability and glomalin, a glycoprotein produced by hyphae of arbuscular mycorrhizal fungi. Plant and Soil, The Hague, v. 198, p. 97-107, 1998.

WRIGHT, S.; UPADHYAYA, A. A.. Extraction of an abundant and unusual protein from soil and comparison with hyphal protein of arbuscular mycorrhizal fungi. Soil Science, Baltimore, v. 161, p. 575-586, 1996.

WUEST, S. et al. Organic matter addition, N, and residue burning effects on infiltration biological and physical properties of na intensively tilled silt-loam soil. Soil and Tillage Research, Amsterdam , v. 84, p. 154-167, 2005.




DOI: https://doi.org/10.5902/198050987556

Licença Creative Commons