Influência da posição das miniestacas na qualidade de mudas de cedro australiano e no seu desempenho inicial no pós-plantio

Daniele de Alvarenga Ferreira, Deborah Guerra Barroso, Mírian Peixoto Soares da Silva, Juliana Sobreira de Souza, Teresa Aparecida Soares de Freitas, José Geraldo de Araújo Carneiro

Resumo


http://dx.doi.org/10.5902/198050987553

O cedro australiano, originário da Austrália, adaptou-se muito bem no Brasil, que apresenta condições adequadas para o seu desenvolvimento, sobretudo no sul da Bahia e em toda a região sudeste. Porém, os plantios são irregulares e as sementes são insumo limitante, por sua sazonalidade de oferta e curta viabilidade. A finalidade deste estudo foi avaliar a qualidade das mudas obtidas de miniestacas apicais, intermediárias e basais com 6 cm de comprimento oriundas de brotos de minicepas de Toona ciliata cultivadas em minijardim multiclonal em canaletões e o crescimento inicial das mudas no pós-plantio. Foi implantado um minijardim multiclonal em canaletões, contendo um total de 284 minicepas. A partir da parte aérea das mudas recepadas para formação das minicepas, foram produzidas miniestacas de diferentes posições. Na expedição do setor de enraizamento foram coletados dados de massa seca da parte aérea e do sistema radicular, comprimento, diâmetro, número de raízes adventícias e sobrevivência. A altura e diâmetro das mudas foram monitorados quinzenalmente, a partir de 80 dias, após o estaqueamento. Ao final do ciclo de produção, as mudas foram avaliadas com relação à massa seca da parte aérea e do sistema radicular, número, diâmetro e comprimento das raízes. Para avaliar as mudas após o plantio, 30 % das mudas foram transferidas para vasos de 3,8 L, onde foram avaliadas em altura e diâmetro do colo e, aos 60 dias, em massa seca do caule, folhas e raízes. As mudas provenientes das miniestacas basais, na expedição da fase de enraizamento, apresentaram os maiores valores de altura e diâmetro, não se diferenciando das intermediárias com relação ao diâmetro do colo. Não houve diferenças com relação à massa seca da parte aérea e número, massa seca, comprimento total e diâmetro das raízes adventícias das mudas em função do tipo de miniestacas. Após a transferência das mudas para a casa de vegetação, a sobrevivência foi alta, com média de 94,7 % para apicais, 96,3 % para intermediárias e 96,6 % para basais. Aos 60 dias após o plantio, apesar das diferenças observadas no diâmetro e altura das mudas ao final da fase de viveiro, não houve diferença no crescimento em altura, diâmetro e massa seca do caule, folhas e sistema radicular, em função dos tratamentos.

Palavras-chave


Toona ciliata; miniestaquia; propagação vegetativa; propágulo

Texto completo:

PDF

Referências


FREITAS, T. A. S. de, et al. Desempenho radicular de mudas de eucalipto produzidas em diferentes recipientes e substratos. 2005. Revista Árvore, Viçosa, v. 29, n. 6, p. 853-861. 2005.

MORAES, D. G. Enraizamento de miniestacas caulinares e foliares de cedro australiano e brotações de minicepas. 2008. 22 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Agronomia) - Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro, Campos dos Goytacazes, 2008.

NICOLOSO, F. T., et al. Influência da posição da estaca no ramo sobre o enraizamento de Pfaffia glomerata (Spreng.) Pedersen em dois substratos. 1999. Revista Ciência Rural, Santa Maria, v. 29, n. 2, p. 277-283. 1999.

PAIVA, H. N., et al. Propagação Vegetativa de Eucalipto por Estaquia. 1996. Informe Agropecuário, Belo Horizonte, v. 18, n. 185, p. 23-27. 1996.

REZENDE, A. A. Enraizamanto de estacas de candeia (Eremanthus Erythrop (DC.) MacLeish). 2007. 75 f. Dissertação (Mestrado em Florestas de Produção) – Universidade Federal de Lavras, Lavras, 2007.

SCOCCHI, A. et al. Conservación de semillas de Cedro Australiano (Toona ciliata). 2006. Plant Genetic Resources Newsletter, n. 137, p. 22-25.

SOUZA JÚNIOR, L.; WENDLING, I. Propagação vegetativa de Eucalyptus dunnii via miniestaquia de material juvenil. 2003. Boletim de Pesquisa Florestal, Colombo, n. 46, p. 21-30. 2003.

SOUZA, J. C. A. V. et al. Propagação Vegetativa de Cedro Australiano (Toona ciliata M. Roem) por Miniestaquia. Revista Árvore, Viçosa, v. 33, n. 2, p. 205-213. 2009.

STUMPF, E. R. T., et al. Efeito do ácido indolbutírico, substrato e tipo de estaca no enraizamento de Chamaecyparis lawsoniana PARL. 2001. Revista Brasileira de Agrociência, Pelotas, v. 7, n. 2, p. 101-105. 2001.

TEIXEIRA, D. do A. Promoção de Enraizamento e Indução de Resistência Sistêmica à Ferrugem (Puccinia psidii) e à Mancha de Cylindrocladium candelabrum mediadas por Rizobactérias em Eucalyptus spp. 2001. 67 f. Tese (Doutorado em Agronomia - Fitopatologia) – Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2001.

VIANA, R. S.; BATISTA, A. C. Meteorologia e Climatologia Florestal. Curitiba, 2004. 195 p.

WENDLING, I. et al. Produção e sobrevivência de miniestacas e minicepas de erva-mate cultivadas em sistema semi-hidropônico. 2007. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v. 42, n. 2, p. 289-292. 2007.

WENDLING, I. et al. Propagação Clonal de Híbridos de Eucalyptus spp. por Miniestaquia. 2000. Revista Árvore, Viçosa, v. 24, n. 1, p. 181-186. 2000.

XAVIER, A. et al. Enraizamento de Miniestaca Caulinar e Foliar na Propagação Vegetativa de Cedro-Rosa (Cedrela fissilis Vell.). 2003a. Revista Árvore, Viçosa, v. 27, n. 3, p. 351-356. 2003a.

XAVIER, A., et al. Propagação Vegetativa de Cedro-Rosa por Miniestaquia. 2003b. Revista Árvore, Viçosa, v. 27, n. 2, p. 139-143. 2003b.




DOI: https://doi.org/10.5902/198050987553

Licença Creative Commons