Enraizamento de miniestacas e produtividade de minicepas de cedro australiano manejadas em canaletões e tubetes

Mírian Peixoto Soares da Silva, Deborah Guerra Barroso, Juliana Sobreira de Souza, Daniele de Alvarenga Ferreira, José Geraldo de Araújo Carneiro

Resumo


http://dx.doi.org/10.5902/198050987552

Os povoamentos florestais plantados buscam atender à demanda crescente por madeira, principalmente, para as indústrias de serraria e de laminação, que utilizavam madeira exclusivamente de matas nativas. O cedro australiano (Toona ciliata), pertencente à família Meliaceae, é uma das espécies de interesse desse setor. Pela necessidade cada vez maior por mudas de alta qualidade, estudos sobre propagação de cedro australiano têm sido realizados nos últimos anos, principalmente envolvendo o uso da miniestaquia. Os objetivos deste trabalho foram avaliar o enraizamento e a capacidade produtiva das minicepas de cedro australiano, manejadas em sistemas de canaletões e em tubetes de 180 cm3. Assim, estabeleceram-se dois minijardins de minicepas formadas a partir de mudas recepadas, produzidas por sementes. Nestes dois sistemas, foram realizadas coletas sucessivas de brotações para confecção de miniestacas, que permaneceram por 30 dias no setor de enraizamento, em câmara com nebulização intermitente. Após este período, foram avaliadas as características do enraizamento das mudas originadas nos dois sistemas de minijardins testados, que foram conduzidos por sete meses e, durante este período, foram realizadas seis coletas no minijardim de canaletão e quatro, no de tubetes. As minicepas dos dois sistemas apresentam 100 % de sobrevivência. Ao final do período observou-se tendência no aumento do número médio de miniestacas em ambos os sistemas. As minicepas do sistema de minijardim em canaletão são mais produtivas que as do sistema conduzido em tubetes. As mudas originadas de miniestacas do sistema de tubetes apresentam maior número e comprimento de raízes adventícias na expedição do setor de enraizamento.

Palavras-chave


Toona ciliata; miniestaquia; minijardim clonal

Texto completo:

PDF

Referências


ALFENAS, A. C. et al. Clonagem e Doenças do Eucalipto. 2. ed. Viçosa: Universidade Federal de Viçosa, 2009. 500 p.

ASSIS, T. F. de.; MAFIA, R. G. Hibridação e clonagem. In: BORÉM, A. (Ed.). Biotecnologia florestal. Viçosa: Suprema Gráfica e Editora, 2007. p. 93-121.

ASSIS, T. F. Propagação vegetativa de Eucalyptus por microestaquia. In: IUFRO: CONFERENCE ON SILVICULTURE AND IMPROVEMENT OF EUCALYPT, 1997, Salvador. Anais... Colombo: EMBRAPA-CNPF, 1997, p. 300-304.

AZEVEDO, E. B. et al. Substratos fertilizados com uréia revestida e o crescimento e estado nutricional da muda de citros. Acta Scientiarum. Agronomy, Maringá, v. 31, n. 1, p. 129-137, 2009.

BERTOLOTI, G., GONÇALVES, A. N. Enraizamento de estacas: especificações técnicas para construção do módulo de enraizamento. Circular Técnica IPEF, n. 94, p. 1-7, 1980.

BRONDANI, G. E. Miniestaquia e micropropagação de Eucalyptus benthamii Maiden & Cambage x Eucalyptus dunnii Maiden. 2008. 118 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal) –Universidade Federal do Paraná, Curitiba-PR, 2008.

CUNHA, A. C. M. C. M. da. et al. Miniestaquia em sistema de hidroponia e em tubetes de corticeira-do-mato. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 18, n. 1, p. 85-92, 2008.

CUNHA, A. C. M. C. M. da. et al. Produtividade e Sobrevivência de Minicepas de Eucalyptus benthamii Maiden et Cambage em Sistema de Hidroponia e em Tubetes. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 15, n. 3, p. 307-310, 2005.

CUNHA, A. C. M. C. M. da. et al. Relações entre variáveis climáticas com produção e enraizamento de miniestacas de eucalipto. Revista Árvore, Viçosa, v. 33, n. 2, p. 195-203, 2009.

FERREIRA, D. de A. Produtividade das minicepas de cedro australiano em minijardim multiclonal e influência da posição das miniestacas na qualidade das mudas. 2009. 55f. Dissertação (Mestrado em Produção Vegetal)- Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro Campos dos Goytacazes, 2009.

FREITAS, T. A. S. de. et al. Desempenho Radicular de Mudas de Eucalipto Produzidas em Diferentes Recipientes e Substratos. Revista Árvore, Viçosa, v. 29, n. 6, p. 853-861, 2005.

FREITAS, T. A. S. de. Produção de mudas de eucalipto em recipiente aberto e fechado. 2007. 91f. Tese (Doutorado em Produção Vegetal)-Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro, Campos dos Goytacazes, 2007.

HARTMANN, H. T. et al. Plant propagation: principles and practices. 7th ed. New Jersey: Prentice – Hall, 2002. 880 p.

HIGASHI, E. N. et al. A evolução do jardim clonal na produção de mudas. IPEF notícias, v. 24, n. 148, p. 4-6. 2000b.

HIGASHI, E. N. et al. Nutrição e Adubação em minijardim clonal hidropônico de Eucalyptus. Circular Técnica IPEF, Piracicaba-SP, n. 194, 22 p. 2002.

HIGASHI, E. N. et al. Propagação vegetativa do Eucalyptus: princípios básicos e sua evolução no Brasil. Circular Técnica IPEF, Piracicaba, SP, n. 192, 11 p. 2000a.

LORENZI, H. et al. Árvores Exóticas no Brasil: madeireiras, ornamentais e aromáticas. Nova Odessa: Instituto Plantarum, 2003. 385 p.

PAIVA, H. N.; GOMES, J. M. Propagação Vegetativa de Espécies Florestais. Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 1995. 40 p.

PINHEIRO, A. L.; LANI, J. L.; COUTO, L. Cedro australiano: cultivo e utilização. Viçosa: Universidade Federal de Viçosa, 2006, 42 p.

PINHEIRO, A. L.; LANI, J. L.; COUTO, L. Cultura do Cedro Australiano para Produção de Madeira Serrada. Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2003. 42 p.

RYLTER, R. M. Fine root production and carbon and nitrogen allocation in basket willows. Uppsala. Thesis Doctoral. Swedish University of Agricultural Sciences. 1997.

SILVEIRA, R. L. V. de A. et al. Seja doutor do seu eucalipto. Arquivo do Agrônomo, n.12, p. 29. 2001.

SOUZA JUNIOR, L. de Tipo de minijardim clonal e efeito do ácido indolbutírico na miniestaquia de Grevillea robusta A. cunn. (proteaceae). 2007. 66 f. Dissertação (Mestrado em Botânica). Universidade Federal do Paraná, Curitiba-PR, 2007.

SOUZA, J. C. A. V. de. et al. Propagação Vegetativa de Cedro Australiano (Toona ciliata M. Roemer) por Miniestaquia Revista Árvore, Viçosa, v.33, n.2, p.205-213, 2009.

TITON, M. et al. Eficiência das minicepas e microcepas na produção de propágulos de clones de Eucalyptus grandis. Revista Árvore, Viçosa, v.27, n.5, p.619-625, 2003.

WENDLING, I. et al. Influência da miniestaquia seriada no vigor de minicepas de clones de Eucalyptus grandis. Revista Árvore, Viçosa, v.27, n.5, p. 611-618, 2003.

WENDLING, I. F. Produção e sobrevivência de miniestacas e minicepas de erva-mate cultivadas em sistema semi-hidropônico. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v. 42, n. 2, p. 289-292, 2007.

XAVIER, A. et al. Propagação vegetativa de cedro rosa por miniestaquia. Revista Árvore, Viçosa, v. 27, n. 2, p.139-143, 2003.

ZANNI FILHO, J. Fundamentos para a estruturação de um viveiro. In. Produção de mudas em espécies florestais exóticas e nativas. Piracicaba: IPEF, p.12, 1997.




DOI: https://doi.org/10.5902/198050987552

Licença Creative Commons