Florística e análise de similaridade de espécies arbóreas da mata da Praia do Totó, Pelotas, RS, Brasil

Tiago Schuch Venzke, Rogério Soares Ferrer, Maria Antonieta Décio da Costa

Resumo


http://dx.doi.org/10.5902/198050987548

O levantamento florístico de espécies arbóreas foi realizado em uma mata de restinga no município de Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil. O local de estudo é conhecido como Mata da Praia do Totó e compreende um remanescente formado por ambientes de matas de restinga arenosa e turfosa. Foi amostrado um total de 65 espécies nativas compreendendo 51 gêneros distribuídos em 34 famílias.A família que apresentou o maior número de espécies foi Myrtaceae com dez espécies, seguida de Salicaceae e Rubiaceae. Os gêneros mais representativos foram Myrsine e Eugenia, respectivamente com quatro e três espécies. A análise de similaridade amostrou que a mata arenosa é floristicamente relacionada com florestas ciliares e de encosta e a mata turfosa com outras florestas localizadas em áreas de saturação hídrica permanente do solo. A riqueza de espécies do local é elevada para matas de restinga no Rio Grande do Sul, provavelmente pela influência de florestas situadas na Serra dos Tapes e pela diversidade de ambientes que compõem a área de estudo.

Palavras-chave


Praia do Laranjal; Laguna dos Patos; ecossistemas costeiros; mata de restinga

Texto completo:

PDF

Referências


APG II. An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants: The angiosperm pylogeny group II. Botanical Journal of the Linnean Society, London, v. 141, p. 399–436. 2003.

ARAÚJO, D. S. D.; LACERDA, L. D. A natureza das restingas. Ciência Hoje, v. 6, n. 33, p. 42-48, jul. 1987.

ASSIS, A. M.; THOMAZ, L. D.; PEREIRA, O. J. Florística de um trecho de floresta de restinga no município de Guarapari, Espírito Santo, Brasil. Acta Botanica Brasilica, São Paulo, v. 18, n.1, p. 191-201, jan./mar. 2004.

ATHAYDE-FILHO, F. P.; WINDISCH, P. G. Florística e aspectos ecológicos das pteridófitas em uma floresta de Restinga no estado do Rio Grande do Sul, Brasil. Iheringia, Série Botânica, Porto Alegre, v. 61, n. 1-2, p. 63-71, jan./dez. 2006.

CATTANIO, J. H.; ANDERSON, A. B.; CARVALHO, M. S. Floristic composition and topographic variation in a tidal floodplain forest in the Amazon Estuary. Revista Brasileira de Botânica, v. 25, n. 4, p. 419-430, dez. 2002.

De MARCHI, T. C. Estudo do componente arbóreo de mata ribeirinha no Rio Camaquã, Cristal, RS. 2005. 50 f. Dissertação (Mestrado em Botânica) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2005.

De MARCHI, T. C.; JARENKOW, J. A. Estrutura do componente arbóreo de mata ribeirinha no rio Camaquã, Município de Cristal, Rio Grande do Sul, Brasil. Iheringia: Série Botânica, v. 63, n. 2, p. 241-248, jul./dez. 2008.

DILLENBURG, L. R.; WAECHTER, J. L.; PORTO, M. L. Species composition and structure of a sandy coastal plain forest in northem Rio Grande do Sul, Brazil. In: SEELIGER, U. (ed.) Coastal plant communities of Latin America. San Diego: Academic Press, 1992, p. 349-366.

DORNELES, L. P. P; NEGRELLE, R. R. B. Composição florística e estrutura do compartimento herbáceo de um estágio sucessional avançado de Floresta Atlântica, no sul do Brasil. Biotemas, v. 12, n. 2, p. 7-30, nov. 1999.

DORNELES, L. P. P; WAECHTER J. L. Estrutura do componente arbóreo da floresta arenosa de restinga do Parque Nacional da Lagoa do Peixe, Rio Grande do Sul. Hoehnea, v. 31, n. 1, p. 61-71. 2004b.

DORNELES, L. P. P; WAECHTER J. L. Fitossociologia do componente arbóreo na floresta turfosa do Parque Nacional da Lagoa do Peixe, Rio Grande do Sul, Brasil. Acta Botanica Brasilica, São Paulo, v. 18, n. 4, p. 815-824, out./dez. 2004a.

FIDALGO, O.; BONONI, V. L. R. Técnicas de coleta, preservação e herborização de material botânico. São Paulo: Instituto de Botânica, 1984. 60 p.

IMBERT, D. et al. Floristic and structure of the Pterocarpus officinalis swamp forest in Guadeloupe, Lesser Antilles. Journal of Tropical Ecology, Cambridge, v. 16, p. 55-68. 2000.

IVANAUSKAS, N. M.; RODRIGUES, R. R.; NAVE, A. G. Aspectos ecológicos de um trecho de Floresta de brejo em Itatinga, SP: florística, fitossociologia e seletividade de espécies. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 20, n. 2, p. 139-153, dez. 1997.

JURINITZ, C. F.; JARENKOW, J. A. Estrutura do componente arbóreo de uma floresta estacional na Serra do Sudeste, Rio Grande do Sul, Brasil. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 26, n. 4, p. 475-487, out./dez. 2003.

KILCA, R. V. Alguns aspectos florísticos e estruturais de uma floresta de galeria no sul da Planície Costeira do Rio Grande do Sul. 2002. 80 f. Monografia (Graduação em Ciências Biológicas) - Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, 2002.

KINDEL, A. Diversidade e estratégias de dispersão de plantas vasculares da floresta paludosa do Faxinal, Torres, RS. 2002. 102 f. Tese (Doutorado em Botânica) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2002.

LORENZI, H. Árvores brasileiras: Manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. 4. ed. Nova Odessa: Plantarum, 2002. 368 p.

MARCHIORI, J. N. C. Dendrologia das Angiospermas: Leguminosas. Santa Maria: Ed. UFSM, 1997. 200 p.

MORAES, D.; MONDIN, C. A. Florística e fitossociológia do estrato arbóreo em mata arenosa no balneário do Quintão, Palmares do Sul, Rio Grande do Sul. Pesquisas, Botânica, São Leopoldo, n. 51, p. 87-100. 2001.

MUELLER-DOMBOIS, D.; ELLENBERG, H. Aims and methods of vegetation ecology. New York: John Wiley & Sons, 1974. 363 p.

OLIVEIRA, A. A. B.; RIBEIRO A. G. Climatologia. In: BRASIL. Levantamento de recursos naturais. Rio de Janeiro: SEPLAN - IBGE, 1986, p. 633-772.

PELOTAS – Prefeitura Municipal de Pelotas. Lei nº 4336 de 18 de dezembro de 1998. Declara de valor paisagístico e ecológico a Mata do Totó, localizada no Balneário do Laranjal e Barro Duro. Site: http://www.pelotas.rs.gov.br/interesse_legislacao/leis/antigo/L1998/Lei_n_4.336.pdf. Consulta: 24 de novembro de 2006.

PORTO, M. L.; DILLENBURG, L. R. Fisionomia e composição florística de uma mata de restinga da Estação Ecológica do Taím, Brasil. Ciência e Cultura, Campinas, v. 38, n. 7, p. 1228-1236, jul. 1986.

RAMBO, B. A fisionomia do Rio Grande do Sul. 2. ed. Porto Alegre, Livraria Selbach, 1956. 473 p.

RAMBO, B. A Porta de Torres. Anais Botânicos do Herbário Barbosa Rodrigues. Itajaí, v. 2, p. 125-136. 1950.

REITZ, R. Palmeiras. In: REITZ, P.R. (ed.). Flora Ilustrada Catarinense. 1974.

REITZ, R., KLEIN, R. M., REIS, A. PROJETO MADEIRA DO RIO GRANDE DO SUL. SELLOWIA, ITAJAÍ, N. 34-35, P. 1-525. 1983.

RIO GRANDE DO SUL. DECRETO ESTADUAL Nº 42.099 DE 1◦ DE JANEIRO DE 2003. LISTA FINAL DAS ESPÉCIES DA FLORA AMEAÇADAS. SITE: HTTP://WWW.FZB.RS.GOV.BR/DOWNLOADS/FLORA_AMEAÇADA.PDF. CONSULTA: 16 DE AGOSTO DE 2007.

RIZZINI, C.T. Tratado de fitogeografia do Brasil. Rio de Janeiro, Âmbito Cultural, 1997. 747 p.

RODRIGUES, R. R.; NAVE, A. G. Heterogeneidade florística das matas ciliares. In: RODRIGUES, R. R.; LEITÃO-Filho, H. F. Matas ciliares: conservação e recuperação. São Paulo: Edusp/Fapesp, 2000. p. 45-71.

ROSSONI, M. G. Estudo fitossociológico da mata de restinga, no balneário de Rondinha Velha, Arroio do Sal, RS. 1993. 73 f. Dissertação (Mestrado em Botânica) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 1993.

SCHERER, A.; MARASCHIN-SILVA,; BAPTISTA, L. R. M. Florística e estrutura do componente arbóreo de matas de restinga arenosa no Parque Estadual de Itapuã, RS, Brasil. Acta Botanica Brasilica, São Paulo, v. 19, n. 4, p. 717-726, out./dez. 2005.

SHEPHERD, G. J. Fitopac 1: manual o usuário. Campinas, Unicamp, 1995. 17 p.

SOBRAL, M. A família das Myrtaceae no Rio Grande do Sul. São Leopoldo: Ed. Unisinos, 2003. 215 p.

SOBRAL, M. et al. Flora arbórea e arborescente do Rio Grande do Sul. São Carlos: Novo Ambiente, 2006. 350 p.

SOUZA, C. A. Estrutura do componente arbóreo de floresta pluvial subtropical na Serra dos Tapes, sul do Rio Grande do Sul. 2001. 54 f. Dissertação (Mestrado em Botânica) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2001.

STRECK, E.V. et al. Solos do Rio Grande do Sul. 2. ed. Porto Alegre: EMATER/RS-ASCAR, 2008. 222 p.

SZTUTMAN, M.; RODRIGUES, R. R. O mosaico vegetacional numa área de floresta contínua da planície litorânea, Parque Estadual da Campina do Encantado, Pariquera, Açu, SP. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 25, n. 2, p. 61-176, jun. 2002.

TEIXEIRA, M. B. et al. Vegetação. In: BRASIL: Levantamento de recursos naturais. Rio de Janeiro: IBGE, 1986. p. 541-632.

TOMAZZELLI, L. J.; DILLENBURG, S. R.; VILLWOCK, J. A. Late quaternary geological history of Rio Grande do Sul coastal plain, southern Brasil. Revista Brasileira de Geociências, v. 30, n.3, p. 474-476, 2000.

TORRES, R. B., MATTHES, L. A. F.; RODRIGUES, R. R. Florística e estrutura do componente arbóreo de uma mata de brejo em Campinas, SP. Revista. Brasileira de Botânica, v.17, n. 2, p. 189-194, dez. 1994.

VIEIRA, E. F.; RANGEL, S. R. S. Planície Costeira do Rio Grande do Sul: geografia física, vegetação e dinâmica sócio-demográfica. Porto Alegre: Sagra, 1988. 256 p.

WAECHTER, J. L. Aspectos ecológicos da vegetação de restinga no Rio Grande do Sul, Brasil. Comunicações do Museu de Ciências da PUC-RS: Botânica, Porto Alegre, v. 33, p. 49-68. 1985.

WAECHTER, J. L. Comunidades vegetais das restingas do Rio Grande do Sul. In: SIMPÓSIO DE ECOSSISTEMAS DA COSTA SUL E SUDESTE BRASILEIRA, 2., 1990, São Paulo. Anais... Águas de Lindóia: São Paulo, 1990, p. 228-248.

WAECHTER, J. L. et al. Estrutura do componente arbóreo em uma floresta subtropical de planície costeira interna. In: SIMPÓSIO DE ECOSSISTEMAS BRASILEIROS, 5., 2000, Vitória. Anais... São Paulo: ACIESP, 2000, p. 92-112.

WAECHTER, J. L.; JARENKOW, J. A. Composição e estrutura do componente arbóreo nas matas turfosas do Taim, Rio Grande do Sul. Biotemas, Florianópolis, v. 11, n. 1, p. 45-69, mai. 1998.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/198050987548