As unidades de conservação e a Floresta Ombrófila Mista no Estado do Paraná

Paulo de Tarso de Lara Pires, Douglas Magnus Zeni Junior, Debora Gaulke

Resumo


http://dx.doi.org/10.5902/198050986625

O intenso processo de ocupação territorial, uso desordenado dos recursos naturais e destruição de áreas verdes iniciadas no século XIX, são os principais motivos da intensa devastação das Florestas com Araucárias. Como meio de efetivação da proteção e desenvolvimento florestal, o Brasil adotou em sua política ambiental a criação do Sistema de Unidades de Conservação nas categorias, de proteção integral e uso sustentável. Uma alternativa viável é a regulação dos estoques de madeira no Estado por meio de Unidade de Conservação de Uso Sustentável. O que se pretende a partir deste ponto é analisar a possibilidade da criação de regulamentação do aproveitamento dos recursos naturais em espaços naturais protegidos. Para tanto, foram selecionadas e trabalhadas duas modalidades de Unidades de Conservação (UC), já existentes, e proposta a criação de uma nova modalidade, então denominada “Reservas Particulares de Desenvolvimento Sustentável (RPDS)”. As Unidades de Proteção Integral têm desempenhado papel expressivo na preservação do Bioma Florestal com Araucária. Em contrapartida, as Unidades de Conservação de Uso Sustentável são inexpressivas no Bioma e necessitam de uma efetiva regulamentação para que desempenhem sua função ecológica e social. Medidas de incentivo à conservação das florestas particulares e ao uso sustentável dos recursos madeireiros e não madeireiros, somadas ao instrumental atualmente utilizado, podem contribuir com maior efetividade na conservação e recuperação do Bioma Florestal com Araucária.

Palavras-chave


floresta de araucária; araucária; unidades de conservação

Texto completo:

PDF

Referências


BAQUERIZO, C. A. Derecho Ambiental: Manual Práctico. Madrid: Penthalon, 1990. 114 p.

BÉLGICA. Decreto nº 16/07/85. Decreto relativo aos Parques Naturais, 1985.

BOBBIO, N. Teoria General del Derecho. Bogotá: Temis, 1987.

BRASIL. Conselho Nacional de Meio Ambiente. Resolução n. 11, de 03 de dezembro de 1987. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 18 de março de 1988. Seção 1, p. 4563.

BRASIL. Lei n . 9.985, de 18 de julho de 2000. Regulamenta o art. 225, § 1º, incs. I, II, III, e VII da Constituição Federal, institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da natureza e dá outras providências. Legislação Ambiental Federal. Curitiba: Juruá, 2002.

BRASIL. Lei n. 4.771, de 15 de setembro de 1965. Institui o Novo Código Florestal. Legislação Ambiental Federal. Curitiba: Juruá, 2002.

BRASIL. Lei n. 8.987, de 13 de fevereiro de 1995. Dispõe sobre o regime de concessão e permissão da prestação de serviços públicos previsto no art. 175 da Constituição Federal, e dá outras providências.

BRASIL. Lei n. 8666, de 21 de junho de 1993. Regulamenta o art. 37, inciso XXI, da Constituição Federal, institui normas para licitações e contratos da Administração Pública e dá outras providências.

BRASIL. Lei n. 9795, de 27 de abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. Diário oficial da república Federativa do Brasil, 28 de abril de 1999.

Diário oficial da república Federativa do Brasil, 14 de fevereiro de 1995.

Diário Oficial da República Federativa do Brasil, 22 de junho de 1933.

ENCUENTRO NACIONAL DE DERECHO FORESTAL AMBIENTAL, 2006, Lima. Memória del Encuentro Nacional de Derecho Forestal Ambiental. Lima: Derecho Ambiente y Recursos Naturales, 2006.

ESPAÑA. Legislación forestal. 4. ed. Madrid: Editorial Tecnos, 2001. 661 p.

FINEGAN, B. Forest succession. Nature, 1984. v. 312, p. 109-114.

FRANÇA - Lei n. 76-629, de 10 de julho de 1976. Relativa a proteção da natureza, 1976.

IAP – Instituto Ambiental do Paraná. Disponível em: <(http://www.uc.pr.gov.br/)> Acesso em: 25/08/2008.

ICMBIO - Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. Disponível em: <(http://www.icmbio.gov.br)> Acesso em: 25/08/2008.

MAACK, R.. Geografia física do Estado do Paraná. Curitiba: CODEPAR, 1968. 350 p.

MUKAI, T. Direito Ambiental Sistematizado. 3. ed. São Paulo: Forense Universitária, 2002. 186 p.

PUTNEY, C. Rede Nacional Pró-Unidades de Conservação: Fundação O Boticário de Proteção à Natureza. In: I Congresso Brasileiro de Unidades de Conservação, Campo Grande. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO, 1., 2000, Campo Grande. Anais... Campo Grande, 2000. v. 3.

RIO DE JANEIRO. Lei n. 2.393, de 20 de abril de 1995. Dispõe sobre a permanência de populações nativas residentes em unidades de conservação do Estado do Rio de Janeiro. Diário Oficial do Estado do Rio de Janeiro, abril de 1995.

RIO DE JANEIRO. Lei n. 3.443/2000. Regulamenta o artigo 27 das disposições transitórias e os artigos 261 e 271 da Constituição do Estado do Rio de Janeiro, estabelece a criação dos conselhos gestores para as unidades de conservação estaduais, e dá outras providências. Diário Oficial do Estado do Rio de Janeiro, junho de 2002.

SANQUETTA, C. R.; PIRES; P. T. L.; CRUZ, T. Reavaliação Técnico-Científica das Instruções Normativas IN DIRAM 100.001, 101.001, 101.004 e 101.007. Definição de Critérios de Identificação Tipológica para a Floresta Ombrófila Mista. Relatório Técnico-Científico. Curitiba: Fundação de Pesquisas Florestais do Paraná – Instituto Ambiental do Paraná, 2001.

SANTOS, A. J. Os Instrumentos Fiscais da Política Florestal Francesa. Revista Floresta, Curitiba, n. 25, 1997. p. 71-77.

SILVA, J. A. Curso de Direito Constitucional Positivo. 12. ed. São Paulo: Malheiros, 1996. 818 p.

VENEZUELA. Decreto Nº 6.070, de 14 de mayo de 2008. Gaceta Oficial Nº 38.946, Venezuela, 05 de junio de 2008. Ley de Bosques y Gestión Forestal. Ministerio del Poder Popular para el Ambiente. 68 p.

WHITMORE, T. C. An introduction to tropical rain forests. Oxford: Oxford University Press, 1990. 226 p.

WILLADINO, P. H. V. Mercosul – Legislação Florestal. IBAMA / CEDEFLOR, 1998. 455 p.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/198050986625