Comportamento de adesão da madeira de um híbrido clonal de Eucalyptus urophylla × Eucalyptus grandis proveniente de três condições de manejo

Octávio Barbosa Plaster, José Tarcísio da Silva Oliveira, Fabrício Gomes Gonçalves, Javan Pereira Motta

Resumo


http://dx.doi.org/10.5902/198050985739

O presente trabalho objetivou avaliar a capacidade de adesão da madeira serrada de eucalipto proveniente de três sistemas de manejo, empregando-se os adesivos: resorcina formaldeído, e dois adesivos em emulsão aquosa à base de poliacetato de vinila. Os sistemas de manejo foram caracterizados por três estratos, sendo o estrato um (E1) caracterizado por madeira proveniente de talhadia e idade de 70 meses; o estrato dois (E2) caracterizado por madeira de reforma e idade de 166 meses e o estrato três (E3) caracterizado também por reforma aos 70 meses de idade. A madeira foi originada de uma mistura aleatória das duas primeiras toras serradas, de três metros cada, a partir da base, que compuseram três tratamentos, relativos aos adesivos utilizados. Foi avaliada a resistência ao cisalhamento por compressão paralela e o percentual de falha na madeira na linha de cola. Com base nos resultados obtidos pode-se afirmar que a adesão apresentou desempenho satisfatório em todas as resinas utilizadas, sendo que os valores médios da resistência ao cisalhamento da linha de cola mostraram-se equivalentes à resistência ao cisalhamento da madeira sólida apenas para as amostras aderidas com o adesivo Wonderbond, proporcionando também maiores valores para falha na madeira (97,64%). A maior densidade presente na madeira do segundo estrato (E2) influenciou apenas na colagem com a resina resorcina formaldeído. Para o acetato de polivinila (Cascorez 2590), os valores do cisalhamento diminuíram na terceira condição de manejo (E3).

Palavras-chave


adesivo; cisalhamento; madeira serrada; densidade

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5902/198050985739

Licença Creative Commons