Ausência de estabilização da curva de acumulação de espécies em florestas tropicais

Ana Cristina Schilling, João Luis Ferreira Batista, Hilton Zarate do Couto

Resumo


http://dx.doi.org/10.5902/198050985083

A definição do tamanho da amostra é um dos principais problemas em levantamentos fitossociológicos. A curva de acumulação de espécies é comumente utilizada para definir a suficiência amostral, mas este método apresenta algumas limitações, como a ausência de um ponto de estabilização que possa ser determinado objetivamente e a arbitrariedade da ordem de entrada das unidades amostrais na construção da curva. Uma solução para esse problema é o uso de procedimentos de aleatorização, como a permutação, para obter curvas médias de acumulação de espécies e seus intervalos de confiança empíricos. Entretanto, esse procedimento enfatiza o caráter assintótico da curva, que não apresenta ponto de inflexão, tornando-se impossível a determinação de um ponto objetivo para avaliar o tamanho ótimo da amostra.

Palavras-chave


curva de acumulação de espécies; fitossociologia; suficiência amostral

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5902/198050985083