Miniestaquia de Eucalyptus benthamii × Eucalyptus dunnii: ( i ) sobrevivência de minicepas e produção de miniestacas em função das coletas e estações do ano

Gilvano Ebling Brondani, Ivar Wendling, Fernando Grossi, Leonardo Ferreira Dutra, Marla Alessandra de Araujo

Resumo


http://dx.doi.org/10.5902/198050985075

O trabalho teve como objetivo avaliar a técnica de miniestaquia na clonagem de Eucalyptus benthamii × Eucalyptus dunnii ao longo das estações do ano quanto à sobrevivência de minicepas e à produção de miniestacas. As minicepas dos clones H12, H19 e H20 foram manejadas durante 352 dias em minijardim clonal sob sistema semi-hidropônico em leito de areia com solução nutritiva fornecida por gotejamento, efetuando-se 27 coletas sucessivas de brotações durante as quatro estações do ano (primavera, verão, outono e inverno). O experimento foi conduzido no delineamento inteiramente casualizado contendo cinco repetições e quatro minicepas por repetição. As minicepas apresentaram elevado percentual de sobrevivência (89,68%) após 27 coletas sucessivas de brotações, indicando alta longevidade como fontes fornecedoras de propágulos. A produção de miniestaca variou conforme o clone e mostraram-se sensíveis às estações do ano e às oscilações da temperatura. A maior produção ocorreu nas estações consideradas mais quentes (primavera e verão) com variação de 635,42 a 852,64 miniestacas m-2, e a menor nas estações mais frias (outono e inverno) com 592,38 a 629,36 miniestacas m-2. A produção anual de miniestacas foi de 18.934,76; 20.942,27 e 20.748,14 miniestacas m-2 ano-1, respectivamente para os clones H12, H19 e H20.


Palavras-chave


propagação vegetativa; clonagem; produção de brotos; sazonalidade

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5902/198050985075