Estrutura fitossociológica do componente arbóreo de um fragmento de Floresta Ombrófila Densa na mata sul de Pernambuco, nordeste do Brasil.

Roberto Felix Costa Junior, Rinaldo Luiz Caraciolo Ferreira, Maria Jesus Nogueira Rodal, Ana Lícia Patriota Feliciano, Luiz Carlos Marangon, Wegliane Campelo da Silva

Resumo


A Tabebuia aurea (craibeira) é uma espécie arbórea nativa que pode ser utilizada na recomposição de áreas degradadas, como planta ornamental e fornecedora de madeira de boa qualidade. O presente trabalho teve como objetivos avaliar o efeito de diferentes temperaturas e substratos sobre a germinação das sementes e o crescimento inicial de plântulas de Tabebuia aurea. O delineamento experimental foi inteiramente casualizado em arranjo fatorial 5 x 5 (cinco substratos: papel toalha, areia, vermiculita, pó de coco e Tropstrato®; cinco temperaturas: 25, 30, 35, 20-30 e 20-35ºC), com quatro repetições de 25 sementes cada. Foram avaliados os seguintes parâmetros: germinação, primeira contagem da germinação, índice de velocidade de germinação, tempo médio de germinação, comprimento e massa seca da parte aérea e do sistema radicial. As temperaturas e substratos influenciaram as características avaliadas, exceto a avaliação final da germinação, a qual variou entre 84 e 94%. As temperaturas ótimas de germinação foram 30 e 35ºC. Os substratos papel toalha e entre areia foram mais adequados para avaliação segura da qualidade fisiológica de sementes de Tabebuia aurea.


Palavras-chave


sementes florestais; temperatura; substrato; vigor.

Texto completo:

PDF

Referências


ASSMANN, E. The principles of forest yield: studies in the organic production, structure, increment and yield of forest stands. Braunschweig: Pergamon Press, 1970. 506 p.

BORÉM, R.A.T.; OLIVEIRA-FILHO, A. T. Fitossociologia do estrato arbóreo em uma toposeqüência alternada de Floresta Ombrófila Densa, no município de Silva Jardim-RJ, Brasil. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 26, n. 6, p.727-742, 2002.

BORÉM, R.A.T.; RAMOS, D.P. Estrutura fitossociológica da comunidade arbórea de uma toposeqüência pouco alterada de uma área de floresta atlântica, no município de Silva Jardim-RJ, Brasil. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 25, n. 1, p.131-140, 2001.

CONDEPE. Catende. Recife: CONDEPE, 1987. 62p. (Monografias Municipais, 27).

CRONQUIST, A. The evolution and classification of flowering plants. 2ª ed. The New York Botanical Garden: New York, 1988. 555p.

FEITOSA, A. A. N. Diversidade de espécies arbóreas associada ao solo e toposseqüência de fragmento de Mata Atlântica de Pernambuco. Recife: UFRPE, 2004. 102p. Dissertação (Mestrado em Ciência do Solo) – Universidade Federal Rural de Pernambuco, 2004.

FERREIRA, R.L.C, VALE, A.B. do. Subsídios básicos para o manejo florestal da caatinga. Revista do Instituto Florestal, São Paulo v. 4, n. único, parte 2, p. 368-375, 1992.

GENTRY, A. H. Diversity and floristic composition of neotropical dry Forest. In: BULLOCK, S. H.; MOONEY, H. A.; MEDINA, E. (Ed) Seasonally dry forest. Cambridge: Cambridge University Press, 1995. p. 146-194.

GUEDES, L. S. A vegetação fanerogâmica da reserva ecológica de Dois Irmãos, Recife-PE. In: Isabel Cristina Machado, Adriana Valentina Lopes & Kátia Cavalcanti Porto (Organizadores) Reserva Ecológica de Dois Irmãos: estudos em um remanescente de Mata Atlântica em área urbana (recife/Pernambuco/ Brasil) SECTMA, Editora: Universitária, da UFRPE, 1998. 157-172p.

JOLY, C. A.; LEITÃO-FILHO, H. F.; SILVA, S. M. O patrimônio florístico. In: CECCHI, J.C.; SOARES, M.S.M. (Coord.). Mata Atlântica/Atlantic Rain Forest. São Paulo: Fundação SOS Mata Atlântica, 1991. p. 95-125.

LEITÃO FILHO, H. F. Considerações sobre a florística de florestas tropicais e subtropicais do Brasil. IPEF, Piracicaba, n.45, p.41-46, 1987.

LINS-E-SILVA, A. C. B.; RODAL, M. J. N. Tree community structure in an urban atlantic forest remnant in Pernambuco, Brazil. Memoir of New York Botanical Garden, New York, 2007. (no prelo).

LORENZI, H. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. Nova Odessa: Plantarum, 1992. 352 p.

MACHADO, E.L.M.; OLIVEIRA-FILHO, A.T.; CARVALHO, W.A.C. et al. Análise comparativa da estrutura e flora do compartimento arbóreo-arbustivo de um remanescente florestal na fazenda Beira Lago, Lavras, MG. Revista Árvore, Viçosa, v.28, n.4, p.499-516, 2004.

MAGURRAN, A.E. Ecological diversity and its measurement. Princeton University, New Jersey, 1988.

MARTINS, F. R. Estrutura de uma floresta mesófila. Campinas: UNICAMP, 1991. 245 p.

MEYER, H. A. Structure, growth, and drain in balanced uneven-aged forests. Journal of Forestry, Washington, n. 52, v. 2, p. 85 – 92, 1952.

MUELLER-DOMBOIS, D.; ELLENBERG, H. Aims and methods of vegetation Ecology. New York: John Wiley & Sons, 1974. 547 p.

OLIVEIRA, Z. L.; SANTOS JÚNIOR, R.C.B.; FELICIANO, A.L.P. et al. Levantamento florístico e fitossociológico de um trecho de Mata Atlântica na estação florestal experimental de Nísia floresta – RN. Brasil Florestal, Brasília, DF, v. 71, p. 22-29, 2001.

SAEG - SISTEMA PARA ANÁLISE ESTATÍSTICA E GENÉTICA. Manual de uso. Viçosa-MG: UFV-Funarbe, 1997. 150p.

SILVA JÚNIOR, J. F. Estudo fitossociológico em um remanescente de floresta atlântica visando dinâmica de espécies florestais arbóreas no município do Cabo de Santo Agostinho, PE. Recife: UFRPE, 2004. 82 p. Dissertação (Mestrado em Ciências Florestais) – Universidade Federal Rural de Pernambuco, 2004.

SILVA JÚNIOR, M. C. ; SILVA, A. F. . Distribuição dos diâmetros dos troncos das espécies mais importantes do Cerrado na Estação Florestal de Experimentação de Paraopeba, Mina Gerais. Acta Botanica Brasilica, Rio de Janeiro, v. 2, n. 1-2, p.107-126, 1988.

SILVA, A. G. Fisionomia e estrutura da comunidade arbórea na Mata dos Macacos, município de Igarassu-PE. Recife: UFRPE, 2004. 69p. Dissertação (Mestrado em Botânica) - Universidade Federal Rural de Pernambuco, 2004.

SIQUEIRA, D. R.; RODAL, M. J. N.; LINS-E-SILVA, A. C. B.; MELO, A. L. Physiognomy, Structure, and Floristics in an Area of Atlantic Forest in Northeast Brazil. In: Gottsberger, G.; Liede, S. (Org.) Life Forms and Dynamics in Tropical Forests. Berlim-Stuttgart: Gebr. Borntraeger Verlagsbuchhandlung, 2001. p.11-27. (Dissertaciones Botanicae, Band 346).

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA - UFV. SAEG - Sistema de análises estatísticas e genéticas. Versão 7.1. Viçosa, MG: UFV, 1997. 150p. (Manual do usuário).

VANINI, A. E.; RODRIGUES, R. R. Caracterização silvigênica em uma formação pioneira com influência marinha no Parque Estadual da Ilha do Cardoso, Cananéia – SP. In: CONGRESSO DE ECOLOGIA DO BRASIL, 6, 2003, Fortaleza. Anais... Fortaleza : Editora da Universidade Federal do Ceará, 2003, v.1, p.180-182




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/19805098455