Estrutura e composição florística de dois fragmentos da Floresta Estacional Decidual do Alto-Uruguai, SC.

Ademir R. Ruschel, Miguel P. Guerra, Rubens O. Nodari

Resumo


Em dois fragmentos florestais da Floresta Estacional Decidual (FED) do Alto-Uruguai, SC, foram aplicados os métodos de parcelas (MP) e de pontos-quadrantes (MQ) visando a comparar os métodos amostrais e caracterizar a riqueza florística e composição estrutural. Foram inventariadas 91 espécies, sendo que 52 foram encontradas no sub-bosque (sem valor madeireiro), com destaque para Sorocea bonplandii, Gymnanthes concolor e Trichilia claussenii. As outras 39 espécies emergentes no dossel florestal são de uso madeireiro, sendo as mais abundantes Apuleia leiocarpa, Nectandra megapotamica, Cabralea canjerana e Holocalyx balansae. As espécies de maior densidade e área basal foram praticamente as mesmas em ambos os fragmentos florestais, independente do método usado. O MP detectou uma maior diversidade de espécies e uma maior densidade de plantas por área comparativamente ao MQ, embora ambos os métodos detectassem espécies diferentes. Todavia, o uso simultâneo dos dois métodos possibilitou em uma maior cobertura da diversidade de espécies nas duas áreas, com redução no tempo para o inventário. Em ambos os métodos, detectaram-se erros amostrais acima do esperado e quanto menores os valores do erro amostral, maior foi a similaridade dos resultados das avaliações entre os métodos. Paradoxalmente a riqueza de espécies presentes na FED contrasta com o pequeno número de fragmentos que restaram neste ecossistema. Importante ressaltar que esses fragmentos são as últimas fontes de sementes para a recolonização de áreas abandonadas ou degradadas, como também para conservação e uso em programas de melhoramento genético de essências florestais nativas e banco de sementes in situ.


Palavras-chave


espécies madeireiras; floresta subtropical atlântica; inventário florestal; riqueza de espécies.

Texto completo:

PDF

Referências


BRAUN-BLANQUET, J. Fitossociologia: bases para el estudio de las comunidades vegetales. Madrid: H. Blume, 1979. 820 p.

CONSEMA - Conselho Estadual do Meio Ambiente. Decreto Estadual Nº 42.099/2002. Espécies da flora ameaçadas de extinção do Rio Grande do Sul, 2002. citation on computers documents. Disponível em: (http://www.sema.rs.gov.br/sema/html/espec.htm) > Acesso em: 15 de junho de 2006.

COTTAM, G.; CURTIS, J. T. The use of distance measures in phythological sampling. Ecology, Durham, v.37, p. 451-460, 1956.

CRONQUIST, A. The evolution and classification of flowering plants. New York: The New York Botanical Garden, 1988. 555 p.

DIAS, L. L. et al. Levantamento florístico de uma área de mata subtropical no Parque Estadual do Turvo, Tenente Portela, RS. In: CONGRESSO NACIONAL SOBRE ESSÊNCIAS NATIVAS, 2., 1992, São Paulo. Anais…. Instituto Florestal: São Paulo, 1992. v. 4, p. 339-346.

GIBBS, P. E.; LEITÃO FILHO, H. F.; JABBOTT, R. J. Application of the point-centred quarter method in a florístic survey of an area of gallery forest at Mogi-Guaçu, SP, Brazil. Revista Brasileira de Botanica, São Paulo, v. 3, n. 1, p. 17-22, jan./jun. 1980.

KLEIN, R. M. Árvores Nativas da Floresta Subtropical do Alto Uruguai. Sellowia, v. 24, p. 09-62, 1972.

KREBS, C. J. Ecological Methodology. New York: Harper e Row, 1989. 654 p.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Vegetação e geografia do Brasil: Região Sul. Rio de Janeiro: 1990. 300 p. v. 2.

LORENZI, H. Árvores brasileiras: manual de cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. Nova Odessa: Plantarum, 1998. v, 1-2.

MAGURRAN, A. E. Ecological diversity and its measurement. New Jersey: Princeton University Press, 1988. 179 p.

MARTINS, F. R. Estrutura de uma Floresta Mesófila. Campinas: UNICAMP, 1993. 243 p.

METZGER, J. P; GOLDENBERG, R.; BERNACCI, L. C. Diversidade e estrutura de fragmentos de mata mesófila semidecídua submontana do rio Jacaré-Pepira (SP). Revista Brasileira de Botânica, v. 21, n. 3, p. 321-330, 1998.

MÜLLER-DOMBOIS, D.; ELLEMBERG, H. Aims and methods of vegetation ecology. New York: John Willey e Sons, 1974. 547 p.

PIAZZA, W. F. A colonização de Santa Catarina. 3. ed. Florianópolis: Lunardelli, 1994. 372 p.

POLLARD, J. H. On distance estimators of density in randomly distributed forests. Biometrics, v. 27, p. 991-1002, 1971.

RAMBO, B. Der Regenwald am oberen Uruguay. Sellowia, v. 7, p. 183-223, 1956.

REIS, A. Manejo e conservação das florestas catarinenses. 1993. 137 f. Tese (Concurso de de Professor Títular de Botânica Aplicada) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

REITZ, R.; KLEIN, R. M.; REIS, A., Projeto Madeira de Santa Catarina. Sellowia, Itajai, v 28/30, p. 1-320, 1978.

RUSCHEL, A. R. et al. Valuation and characterization of the timber species in remnants of the Alto Uruguai River ecosystem, Southern Brazil. Forest Ecology and Management, Amsterdam, v. 217, p. 103-116, 2005.

RUSCHEL, A. R. et al. Evolução do Uso e Valorização das Espécies Madeiráveis da Floresta Estacional Decidual do Alto-Uruguai-SC. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 13, n. 1, p. 153-166, jul./dez. 2003.

RUSCHEL, A. R.; NODARI, R. O.; MOERSCHBACHER, B. M. Woody plant species richness in the Turvo State park, a large remnant of deciduous Atlantic forest, Brazil. Biodiversity and Conservation, Amsterdam, DOI: 10.1007/s10531-006-9044-7, 2006.

SILVA, L. O. et al. Levantamento Florístico e Fitossociológico em duas áreas de cerrado senso stricto no Parque Estadual de Serra de Caldas Novas, Goiás. Acta Botânica Brasílica, Porto Alegre, v. 16, n. 1, p. 43-53, jan../abr. 2002.

SPARKS, J. C.; MASTERS, R. E.; PAYTON, M. E. Comparative Evaluation of Accuracy and Efficiency of Six Forest Sampling Methods. Proccedings Oklahoma Academy Science, v. 82, p. 49-56, 2002.

UBERTI, A. A. A. Santa Catarina: Proposta de Divisão Territorial em Regiões Edafoambientais Homogêneas. 2005. 185 f.. Tese (Doutorado em Engenharia Civil) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

WALLAUER, J. P.; ALBUQUERQUE, E. P. Lista preliminar dos mamíferos observados no Parque Florestal do Turvo, Tenente Portela, Rio Grande do Sul, Brasil. Roessiléria, v. 8, n. 2, p. 179-185, 1986.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/19805098413