Caracterização do ataque de fungos apodrecedores de madeiras através da colorimetria e da espectroscopia de infravermelho

Mírian de Almeida Costa, Alexandre Florian da Costa, Tereza Cristina Monteiro Pastore, Jez Willian Batista Braga, Joaquim Carlos Gonçalez

Resumo


Amostras de madeiras de marupá (Simarouba amara) e andiroba (Carapa guianenis) foram submetidas ao ataque dos fungos Trametes versicolor (podridão branca) e Gloeophylum trabeum (podridão parda). A colorimetria foi empregada para determinar as cores das madeiras antes e após o ataque dos fungos. Para acompanhar a variação do teor dos compostos químicos foi utilizada a técnica de espectroscopia de refletância difusa no infravermelho médio. Ambas as espécies foram consideradas não resistentes ao fungo de podridão branca. Para o fungo de podridão parda, a andiroba foi considerada resistente e o marupá não resistente. Ambas as espécies de madeira se apresentaram mais escuras após o ataque do fungo Gloeophyllum trabeum. Já o ataque do fungo Trametes versicolor causou clareamento na madeira da andiroba e escureceu ligeiramente o marupá. Os resultados da análise dos espectros de infravermelho mostraram que em ambas as espécies de madeira houve redução na intensidade das bandas de celulose, hemiceluloses e lignina após o ataque do Trametes versicolor, e redução somente na intensidade da banda de celulose após o ataque do Gloeophyllum trabeum.


Palavras-chave


biodeterioração; podridão parda; podridão branca; técnicas não destrutivas

Texto completo:

PDF

Referências


AMERICAN SOCIETY FOR TESTING AND MATERIALS (ASTM). Standard test method of accelerated laboratory test of natural decay resistance of woods. ASTM D 2017. Annual book of ASTM standards. ASTM, West Conshohocken, PA. 2005.

ANDERSON, T. et al. Anomalies in diffuse reflectance infrared spectra of wood and wood polymers. J. Mol. Structure, Amsterdam, v. 249, n. 2-4, p. 257-275, Sept. 1991.

BARRETO, C. C. K.; PASTORE, T. C. M. Resistência ao intemperismo de quatro madeiras tropicais: o efeito dos extrativos. Ciência Florestal, Santa Maria, v.19, n. 1, p. 23-30, jan./mar. 2009.

BLANCHETTE, R. A. Screening wood decayed by white rot fungi for preferential lignin degradation. Applied and Environmental Microbiology, Washington, v. 3, n. 48, p.647-653, Sept. 1984.

CAMARGOS, J. A. A. Colorimetria Quantitativa aplicada na elaboração de uma tabela de cores para madeiras tropicais. 1999. 99 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal)-Universidade de Brasília, Brasília, 1999.

CHUDNOFF, M. Tropical Timbers of the World. USDA Forest Service, Agriculture Handbook, Washington DC, n.607, 1984.

COMISIÓN PANAMERICANA DE NORMAS TÉCNICAS. COPANT 461: Maderas: método de determinación del peso especifico aparente. Caracas, 1972.

COMISSION PANAMERICANA DE NORMAS TÉCNICAS. COPANT 462: Maderas: método de determinación de la contracción.. Caracas, 1972.

COSTA, A. F. Utilização de interações entre produtos químicos preservantes no desenvolvimento de formulações para a prevenção de fungos manchadores e emboloradores na madeira. 1999. 103 f. Tese (Doutorado em Ciências Florestais)–Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 1999.

GONÇALEZ, J. C. Caracterization technologique de quatre especies peu connues de la foret amazonienne: anatomie, chimie, couleur, propriétés physiques et mécaniques. 1993. 446 p.Tese (Doutorado em Ciências Florestais)-Ecole Nationale du Génie Rural et des Forêts, Paris, 1993.

GOUVEIA, F. N. Aplicação de tratamentos térmicos para estabilização colorimétrica de madeiras tropicais. 2008. 133 p. Tese (Doutorado em Ciências Florestais)-Universidade de Brasília, Brasília, 2008.

ILLMAN, B. S.; HIGHLEY, T. L. Decomposition of wood by brown-rot fungi. In: O’REAR, C.E.; LLEWELLYN, G.C. (Eds.). Biodet. Research 2, New York: Plenum Press, 1989. cap. 52, p. 465–484.

JESUS, M. A.; ABREU, R. L. S. Durabilidade natural da madeira de pupunha (Bactris gasipaes Kunth) a fungos. Acta Amazônica, Manaus, v. 32, n. 4. p. 663-675, jul./set. 2002.

KELLEY, S. S. et al. Use of NIR and pyrolysis-MBMS coupled with multivariate analysis for detecting the chemical changes associated with brown-rot biodegradation of spruce wood. FEMS Microbiology Letters, Oxford, v. 209, n. 1, p.107-111, 2002.

KOKUTSE, A. D. et al. Decay resistance of Togolese teak (Tectona grandis L.f) heartwood and relationship with colour. Trees, Vancouver, v. 20, n. 2, p.219-223, Jan. 2006.

LEPAGE, E. S. Manual de preservação de madeiras. São Paulo: IPT, 1986. v.1. 342 p.

LIMA, S.R. et al. Estudo dos constituintes macromoleculares, extrativos voláteis e compostos fenólicos da madeira de candeia – Moquinia polymorpha (LESS.) DC. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 17, n. 2, p. 145-155, abr./jun. 2007.

LPF. Banco de Dados de Espécies de Madeiras Brasileiras. Disponível em: (www.ibama.gov.br/lpf/madeira)> Acesso em: julho de 2008.

MELO, J. E. de. et al. Classes de massa específica para madeiras da Amazônia brasileira. In: CONGRESSO FLORESTAL BRASILEIRO, 6., 1990, Campos do Jordão. Anais... Campos do Jordão, 1990, p.695-699. v.3

MITSUI, K.; TSUCHIKAWA, S. Low atmospheric temperature dependence on photodegradation of wood. Journal of Photochemistry and Photobiology B: Biology, Amsterdam, v. 81, n. 2, p.84-88, Nov. 2005.

MÜLLER, U. et al. Yellowing and IR-changes of spruce wood as result of UV-irradiation. Journal of Photochemistry and Photobiology, Amsterdam, v. 69, n. 2, p. 97 – 105, Feb. 2003.

OTJEN, L.; BLANCHETTE, R. A. Xylobolus frustulatus decay of oak: patterns of selective delignification and subsequent cellulose removal. Applied and Environmental Microbiology, Washington, v. 47, n. 4, p. 670-676, Apr. 1984.

PANDEY, K. K.; NAGVENI, H. C. Rapid characterization of brown and white rot degraded chir pine and rubberwood by FTIR spectroscopy. Holz als Roh – und Werkstoff, Bangalore, v. 65, n. 6, p. 477-481, Apr. 2007.

PANDEY, K. K.; PITMAN A. J. FTIR studies of the changes in wood chemistry following decay by brown-rot and white-rot fungi. Intern. Biodeter. and Biodegradation, Amsterdam, v. 52, n. 3, p.151– 160, Oct. 2003.

PASTORE, T. C. M. Estudos do efeito da radiação ultravioleta em madeiras por espectroscopias RAMAN (FT-RAMAN), de refletância difusa no infravermelho (DRIFT) e no visível (CIE-L*a*b*). 2004. 117 f. Tese (Doutorado em Química Analítica)–Instituto de Química, Universidade de Brasília, Brasília, 2004.

REMADE. Grupamento por massa específica das principais espécies de madeiras brasileiras (g/m³). Disponível em: (http://www.remade.com.br/br/madeira_serrada.php?num=2etitle=Grupamento%20por%20massa%20espec%EDfica)> Acesso em: maio de 2009.

SANTANA, M. A. E.; OKINO, E. Y. A. Chemical composition of 36 Brazilian Amazon forest wood species. Holzforschung, Berlim, v. 61, n. 5, p.469-477, Ago. 2007.

SANTOS, Z. M. Avaliação da durabilidade natural da madeira de Eucalyptus grandis W. Hill: Maiden em ensaios de laboratório. 1992. 75 p. Dissertação (Mestrado em Ciência Florestal)–Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 1992.

SCHWANNINGER, M. et al. Examination of spruce wood biodegraded by Ceriporiopsis subvermispora using mid and near infrared spectroscopy. J. Near Infrared Spectroscopy, Chichester, v. 12, n. 1, p. 397-409, Apr. 2004.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/198050983814