Efeito da intensidade de desrama na produção de Pinus elliottii Engelm., implantado em solo pobre, no estado do Rio Grande do Sul.

Paulo Renato Schneider, César Augusto Guimarães Finger, Juarez Martins Hoppe

Resumo


No presente trabalho estudou-se a influência da intensidade de desrama sobre a produção de madeira de Pinus elliottii Engelm. em um experimento em blocos  casualizados com três repetições e 5 tratamentos, definidos por: T1 - testemunha, sem desrama; T2 - desrama dos ramos seco; T3 - desrama de 40 % da altura total; T4 - desrama de 50 % da altura total; e T5 - desrama de 60 % da altura total das árvores. Observou-se que o diâmetro e a produção de madeira foram fortemente influenciados pela intensidade da desrama, aos 11 anos de idade. A testemunha com 263,5 m3/ha não diferiu do tratamento com desrama de ramos secos com 245,1 m3/ha, mas ambos diferiram dos tratamentos com desrama de 40 % da altura total com 231,5 m3/ha, da desrama de 50 % da altura total com 225,5 m3/ha, da desrama com 60 % da altura total com 211,6 m3/ha. A menor perda de produção foi de 12,1 % obtida no tratamento com desrama de 40 % da altura total, e a maior de 19,7 % ocorreu no tratamento de desrama com 60 % da altura total. Estes resultados permitem concluir pela recomendação da utilização de desrama com intensidade inferior a 40 % da altura total das árvores, pois permitem menores perdas de produção, ganhos em incremento diamétrico e na qualidade da madeira.


Palavras-chave


<i>Pinus elliottii</i> Engelm.; desrama, produção.

Texto completo:

PDF

Referências


AARON, J. R. Pros and cons of pruning in conifers. Journal of Forestry , v.63, n.4, p.295-304, 1969.

ASSMANN, E. The principles of forest yield study. New York: Pergamon Press. 1970. 384p.

BERENHAUSER, H. Importância da poda em Pinus spp. para produção de madeira de melhor qualidade. Rev. Floresta, v.3, n.3, p.33-35, 1970.

DANIEL, T. W. Principles of Silviculture. 2a. ed. New York: McGraw - Hill, 1979. 410p.

DANIEL, Th, W.; HELMS, J. A. & BAKER, F. S. Principles de Silvicultura. 2a. ed. México: McGraw - Hill, 1982. 492p.

FISHWICK, R. W. Dados iniciais sobre poda em Pinus elliottii. Brasília: Prodepef, 1977. 7p. (Comunicação Técnica, 5)

HAWLEY, R. C. & SMUTH, D. M. Silvicutura prática. Barcelana: Ed. Omega S.A., 1972. 544p.

KNIGGE, W. & OLISCHLAGER, K. Möglichkeiten der Grünastung der Fichte. Holz-Zbl. v.96, p.1497-1500. 1970.

KOZLOWSKI, T. T.; KRAMER, R.J. & PALLARDY, S.G. The Physiological Ecology of Woody Plants. San Diego, California: Academic Press, 1990. 657p.

KRAMER, J. P. & KOSWLOSKI, T. Fisiologia das árvores. Lisboa: Fundação Caloustre Gulbekian, 1972. 745p.

LAAR, A. Von. High pruning of Pinus radiata. South African Forestry Lourval. v.52, p.27-33, 1965.

LEMOS, R.C.; AZOLIN, M.A.D.; ABRAÃO, P.V.R. & SANTOS, M.C.L. Levantamento e reconhecimento dos solos do Estado do Rio Grande do Sul. Recife: Ministério da Agricultura, Departamento Nacional de Pesquisas Agropecuárias - Divisão de Pesquisas Pedológicas, 1973. 431p. ( Boletim Técnico, 30).

MORENO, J.A. Clima do Rio Grande de Sul. Porto Alegre: Secretaria da Agricultura-Diretoria de Terras e Colonização, 1961. 42p.

RAMOS, I. África do Sul: horizonte florestal do Brasil. São Paulo: Editora Joruês, 1973. 81p.

SCHNEIDER, P. R. Introdução ao manejo florestal. Santa Maria: CEPEF/FATEC/ UFSM, 1993. 348P.

SCHULTZ, H. Unsere Enkel und IKW Wertholz. Holz-zbl. v.103, p. 741-743, 1977.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/19805098364