Estrutura e classificação de um remanescente de floresta ripária no município de Lages, SC

André Rosalvo Terra Nascimento, Paulo Henrique Xavier Ramos, Cilmar Antônio Dalmaso

Resumo


Este estudo objetiva descrever a diversidade e investigar aspectos da classificação de um remanescente de floresta ripária na região de Lages, estado de Santa Catarina. Usando o método de parcelas foram alocadas vinte e cinco unidades amostrais ao longo do curso de água, sendo mensuradas todas as espécies arbóreas com diâmetro à altura do peito (DAP) maior ou igual a 5 cm. A comunidade apresentou um dossel multiestratificado com espécies emergentes de grande porte e uma riqueza de 67 espécies arbóreas. A distribuição em diâmetro evidenciou uma comunidade autoregenerativa, com um grande número de indivíduos de pequenos diâmetros, os quais juntamente com as árvores de grande porte, somaram altos valores de área basal e densidade por hectare. A classificação separou os trechos mais desenvolvidos com maior área basal e complexidade com a presença de Cabralea canjerana e Myrcia hatschbachii dos trechos mais instáveis e com presença das espécies mais generalistas Celtis iguanaea e Ilex brevicuspis, denotando uma grande variabilidade ambiental nesse tipo de floresta.

Palavras-chave


formações ripárias; riqueza de espécies arbóreas; planalto catarinense; padrões florísticos

Texto completo:

PDF

Referências


ALDER, D. Growth modelling for Mixed Tropical forests. Oxford: Oxford Forestry Institute, 1995. 231 p.

BARDDAL, M. L. et al. Caracterização florística e fitossociológica de um trecho sazonalmente inundável de Floresta Aluvial, em Araucária, PR. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 14, n. 2, p. 37-50, abr./jun. 2004.

CARVALHO, J. et al. Relações entre a distribuição das espécies de diferentes estratos e as características do solo em uma floresta aluvial no Estado do Paraná, Brasil. Acta Botânica Brasílica, Feira de Santana, v. 23, n. 1, p. 1-9, jan/abr. 2009.

CASTELLA, P. R.; BRITEZ, R. M. (orgs) A floresta com Araucária no Paraná. Brasília: FUPEF/PROBIO, 2004. 233 p.

CORDEIRO, J.; RODRIGUES, W. Caracterização fitossociológica de um remanescente de Floresta Ombrófila Mista em Guarapuava, PR. Revista Árvore, Viçosa, v. 31, n. 3, p. 545-554, maio/jun. 2007.

CURCIO, G. R. et al. Fitotipias em ambiente fluvial do Rio Iguaçu e suas relações com padrões geomórficos e tipos de solo. Revista Brasileira de Biociências, Porto Alegre, v. 5, suplemento, p. 516-51. 2007.

FELFILI, J. M. et al. Análise Multivariada em estudos de vegetação. Brasília: Universidade de Brasília, Departamento de Engenharia Florestal, 2007. 60 p.

FELFILI, J. M. et al. Diversity, floristic and structural patterns of cerrado in Central Brazil. Plant Ecology, Dordrecht, v. 175, n. 1, p. 37-45, jun. 2004.

FELFILI, J. M. Diameter and height distributions in a gallery forest community and some of its main species in central Brazil over a six-year period (1985-1991). Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 20, p. 155-162, Apr./Jun. 1997.

GALVÃO, F.; KUNIYOSHI, Y. S.; RODERJAN, C. V. Levantamento fitossociológico das principais associações arbóreas do município de Irati, PR. Floresta, Curitiba, v. 19, n. 1-2, p. 30-49. 1989.

HERRERA, H.A.R. et al. Análise florística e fitossociológica do componente arbóreo da floresta ombrófila mista presente na Reserva Florestal Embrapa/Epagri, Caçador, SC- Brasil. Floresta, Curitiba, v. 39, n. 3, p. 485-500, jul./set. 2009.

HERRMANN, M. L. P.; ROSA, R. O. Relevo. In: Geografia do Brasil: Região Sul. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 1990. p. 55-84.

HILL, M. O. DECORANA: a fortran program for detrended correspondence analysis and reciprocal averaging. Ithaca, NY. Cornell University, 1979. 51 p.

HILL, M. O.; GAUCH, H. G. Detrended correspondence analysis an improved ordination technique. Vegetatio, The Hague, v. 42, p. 47-58, Jan. 1980.

HILL, M. O; BUNCE, R. G. H.; SHAW, M. W. Indicator species analysis, a divisive polythetic method of classification and its application to a survey of native pinewoods in Scotland. Journal of Ecology, London, v. 63, n. 2, p. 597-613. 1975.

KENT, M.; COKER, P. Vegetation description and analysis. London: Belhaven Press, 1992. 363 p.

KLEIN, R. M. Importância sociológica das mirtáceas nas florestas riograndenses. In: CONGRESSO NACIONAL DE BOTÂNICA, 34., 1983, Porto Alegre. Anais… Porto Alegre: EMBRAPA, 1984. p. 367-375.

LEITE, P. F.; KLEIN, R. M. Vegetação. In: Geografia do Brasil: Região Sul. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 1990. p. 113-150.

LONGHI, S. J. A estrutura de uma floresta natural de Araucaria angustifolia (Bert.) O. Ktze. no sul do Brasil. 1980. 198 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal)-Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 1980.

MCCUNE, B.; MEFFORD, M. J. PC-ORD Multivariate Analysis of Ecological Data. Version 5.10 MjM Software, Gleneden Beach, Oregon, U.S.A. 2006.

MAGURRAN, A. E. Measuring biological diversity. Oxford: Blackwell Publishing, 2004. 256 p.

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Avaliação e identificação de áreas prioritárias para conservação, utilização sustentável e repartição de benefícios da biodiversidade nos biomas Brasileiros. Brasília: MMA/SBF, 2002. 404 p.

NASCIMENTO, A. R. T; FELFILI, J. M.; MEIRELLES, E. M. L. Florística e estrutura de um remanescente de Floresta Estacional Decidual de encosta no município de Monte Alegre, GO, Brasil. Acta Botânica Brasílica, Porto Alegre, v. 18, n. 3, p. 659-669, jul./set. 2004.

NASCIMENTO, A. R. T; LONGHI, S. J.; BRENA, D. A. Estrutura e padrões espaciais da comunidade arbórea em uma amostra de Floresta Ombrófila Mista em Nova Prata, RS. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 11, n. 1 p. 105-119, jun. 2001.

OLIVEIRA-FILHO, A. T. Catálogo das árvores nativas de Minas Gerais: mapeamento e inventário da flora nativa e dos reflorestamentos de Minas Gerais. Lavras: Ed. da UFLA, 2006. 423 p.

PÉLLICO NETO, S.; BRENA, D. A. Inventário Florestal. Curitiba: Editado pelos autores, 1997. 316 p.

RAMBO, B. A. Fisionomia do Rio Grande do Sul: ensaio de monografia natural. São Paulo: Ed. Selbach, 1956. 453 p.

RAMOS, P. X. M. et al. Diversidade e estrutura diamétrica de um remanescente de Floresta Ombrófila Mista Aluvial no município de Lages, SC. In: SIMPÓSIO LATINOAMERICANO SOBRE MANEJO FLORESTAL, 4., 2008, Santa Maria. Anais... Santa Maria: UFSM/CCR/Programa de Pós Graduação em Engenharia Florestal, 2008, p. 184-189.

REITZ, R.; KLEIN, R. M.; REIS, A. Projeto madeira do Rio Grande do Sul. Sellowia, Itajaí, n. 34-35, p. 1-525, jan. 1983.

RIBEIRO, S. B. et al. Diversidade e classificação da comunidade arbórea da floresta Ombrófila Mista da Flona de São Francisco de Paula, RS. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 17, n.2, p. 101-108, mar./jun. 2007.

RODERJAN, C. V. et al. As Unidades Fitogeográficas do Estado do Paraná. Ciência & Ambiente, Santa Maria, v. 24, n. 1, p. 75-92, jan. 2002.

SANTA CATARINA. Gabinete de Planejamento e Coordenação Geral. Atlas de Santa Catarina. Florianópolis: GAPLAN, 1986.

SCHNEIDER, P. R. Introdução ao manejo florestal. Santa Maria: CEPEF/FATEC, 1993. 326 p.

SENNA, R. M.; WACHTER, J. L. Pteridófitas de uma floresta de Araucária. I.Formas biológicas e padrões de distribuição geográfica. Iheringia, Porto Alegre, v. 48, p. 42-58, jan. 1997.

SHEPHERD, G. J. FITOPAC versão 1.6. Departamento de Botânica: Unicamp, 2006.

SILVA, J. A. et al. Phytossociological survey in Brazilian forest genetic reserve. Plant Ecology, Dordreht, v. 133, n. 1, p. 1-11, jan. 1997.

SILVA, S. M. et al. Composição florística e fitossociologia do componente arbóreo das florestas ciliares da bacia do rio Tibagi, Paraná: 2. Várzea do rio Bitumirim, município de Ipiranga, PR. Revista do Instituto Florestal, São Paulo, v. 4, n. 1, p. 192-198, jan. 1992.

SOUZA, V. C.; LORENZI, H. Botânica sistemática, Guia ilustrado para identificação das famílias de angiospermas da flora brasileira, baseada na APG II. Nova Odessa: Instituto Plantarum, 2005. 640 p.

TER BRAAK, C. J. F. Ordination. In: JONGMAN, R. H. G.; TER BRAAK, C. F. J.; VAN TONGEREN, O. F. R. (eds.) Data analysis in community and landscape ecology, Cambridge: Cambridge University Press, 1995, p. 91-173.

VELOSO, H. P.; RANGEL FILHO, A. L. R.; LIMA, J. C. A. Classificação da vegetação Brasileira, adaptada a um sistema universal. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 1991. 124 p.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/198050983224