Análise fitossociológica de algumas áreas remanescentes da floresta do Alto Uruguai, entre os rios Ijuí e Turvo, no Rio Grande do Sul.

Sandro Vaccaro, Solon Jonas Longhi

Resumo


Para descrever a composição florística e estrutural de algumas áreas remanescentes da floresta do Alto Uruguai foram levantadas oito unidades amostrais de 15 x 100 m entre os rios Ijuí e Turvo, nos municípios de Roque Gonzáles, Porto Lucena, Porto Xavier, Alecrim, Tuparendi, Horizontina, Criciumal e Três Passos, no estado do Rio Grande do Sul. Nas parcelas foram consideradas todas as árvores vivas com circunferência à altura do peito maior ou igual a 30 cm, onde mediram-se a circunferência, altura do fuste e altura total. Foram amostrados 588 indivíduos distribuídos em 26 famílias, 53 gêneros e 66 espécies. As famílias mais importantes foram Leguminosae, Boraginaceae e Sapindaceae, e as espécies mais importantes foram Patagonula americana, Diatenopteryx sorbifolia, Helietta longifoliata, Luehea divaricata, Holocalyx balansae e Chrysophyllum gonocarpum. Os fragmentos florestais analisados demonstraram estar se regenerando de perturbações sofridas o passado.


Palavras-chave


Phytosociology, Deciduous seasonal forest, Alto Uruguai.

Texto completo:

PDF

Referências


ALBUQUERQUE, E.P. de. Sobre o desaparecimento da fauna da região do Alto Uruguai e a importância do Parque Florestal Estadual do Turvo na sua preservação. Roessléria, Porto Alegre, v.1, p.143-149, 1977.

ALBUQUERQUE, E.P. de. Considerações sobre a necessidade de pesquisa em conservação biológica nos parques estaduais do Rio Grande do Sul. Roessléria, Porto Alegre, v.7, p.200-205, 1985.

BLACK, P. et al. Levantamento florístico do Parque Estadual do Turvo, Tenente Portela, Rio Grande do Sul, Brasil. Roessléria, Porto Alegre, v.7, p.69-94, 1985.

BRASIL. Ministério da Agricultura. Instituto Brasileiro de Desenvolvimento Florestal. Inventário florestal nacional: floresta nativa, Rio Grande do Sul. Brasília: 1983.

BRASIL. Ministério da Agricultura. Divisão Pedológica. Levantamento de reconhecimento dos solos do estado do Rio Grande do Sul. Recife: 1973. (Boletim técnico, 30).

CUNHA, G.C. da. et al. Dinamica nutricional em floresta estacional decidual, com ênfase aos minerais provenientes da deposição da serapilheira. Ciência florestal, Santa Maria, v.3, n.1, p.35-64, 1993.

DIAS, L.L. da, et al. Levantamento florístico de área de mata subtropical no Parque Estadual do Turvo, Tenente Portela, RS. In: Rev. Inst. Flor., São Paulo, v.4, pt.2, p.339-346, 1992. (Edição Especial).

DURLO, M.A.; MARCHIORI, J.N.C.; LONGHI, S.J. A composição e estrutura da mata secundária no vale do rio Jacuí, RS. Ciência e Natura, Santa Maria, v.4, p.129-139, 1982.

FORTES, A.B. Aspectos fisiográficos, demográficos e econômicos do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Globo, 1956.

IBGE. Diretoria de Geociências. Mapa de vegetação do Brasil. 2. ed. Rio de Janeiro, 1993. 1 mapa de 101 x 108 cm. Escala 1: 5.000.000.

IRGANG, B.E. A mata do Alto Uruguai no Rio Grande do Sul. Ciência e Cultura, Porto Alegre, v.32, n.3, p.323-324, 1980.

KLEIN, R.M. Árvores nativas da floresta subtropical do Alto Uruguai. Sellowia, Itajaí, v.24, p.9-62, 1972.

KLEIN, R.M. Síntese ecológica da floresta estacional da bacia do rio Jacuí e importancia do reflorestamento com essências nativas (RS). In: CONGRESSO FLORESTAL ESTADUAL, 5. 1984. Nova Prata. Anais... Nova Prata, 1984. p.265-278.

LEITE, P.F.; KLEIN, R.M. Vegetação. In: MESQUITA, O.V. (Coord.). Geografia do Brasil: Região Sul. Rio de Janeiro: IBGE. 1990. v.2, p.113-150.

LONGHI, S.J.; DURLO, M.A.; MARCHIORI, J.N.C. A vegetação da mata ribeirinha no curso médio do rio Jacuí, RS. Ciência e Natura, Santa Maria, v.4, p.151-161, 1882.

LONGHI, S.J.; SCHORN, L.A. Diferenciação dos tipos florestais do morro Botucaraí, em Candelária, Rio Grande do Sul. Acta For. Bras., Curitiba, v.1, p.99-114, 1986.

MAECHIORI, J.N.C. Florestas nativas privadas: uma analise fito geográfica histórica do problema do Rio Grande do Sul. In: SEMINARIO SOBRE A SITUAÇÃO FLORESTAL DO RIO GRANDE DO SUL, 1. 1991, Santa Maria. Anais... Santa Maria, 1991. p.21-27.

MARTINS, F.R. O método de quadrantes e a fitossociologia de uma floresta residual do interior do estado de São Paulo. São Paulo: USP. 1979. 239p. Tese (Doutorado) - Instituto de Biociências, Universidade de São Paulo.

MUELLER-DOMBOIS, D.; ELLENBERG, H. Aims and methods of vegetation ecology. New York: Willey and Sons, 1974.

PASTORE, U.; RANGEL FILHO, A.L.R. Vegetação; as regiões fitoecológicas, sua natureza e seus recursos econômicos. Estudo fitogeográfico. Folha Uruguaiana. In: FOLHA SH-22 Porto Alegre e parte das folhas SH-21 Uruguaiana e SI-22 lagoa Mirim. Rio de Janeiro: IBGE, 1986. p.541-632. (Levantamento de recursos Naturais, 33).

RAMBO, B. Der Regenwald am oberen Uruguay. Sellowia, Itajaí, v.7, p.183-233, 1956a.

RAMBO, B. A fisionomia do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Selbach, 1956b. RIO GRANDE DO SUL. Secretaria da Agricultura. Plano de manejo do Parque Estadual do turvo. Porto Alegre: 1980.

SILVA, L.B. da.; LONGHI, S.J. Aspectos florísticos e fitossociológicos do morro Link, santa Maria, RS. In: SEMANA DO MEIO AMBIENTE, 3., 1989, Piracicaba. Anais... Piracicaba, 1989. p.177-207.

SMITH, L.B. Boragináceas. In: Flora Ilustrada catarinense. Itajaí: Herbário barbosa Rodrigues, 1970.

TABARELLI, M. Flora arbórea da floresta estacional baixo-montana no município de Santa Maria, RS, Brasil. Rev. Inst. Flor., São Paulo, v.4, pt.1, p.260-268, 1992; (Edição Especial).

VACCARO, S.; HESS, A.F.; LONGHI, S.J. Estudo da composição florística e estrutura da vegetação arbórea da sede do município de Santa Tereza - RS. In: CONGRESSO FLORESTAL ESTADUAL, 7., 1992. Nova Prata. Anais... Nova Prata, 1992. p.331-353.

VASCONCELLOS, J.M. de O.; DIAS, L.L.; SILVA, C.P. da.; SOBRAL, M. Fitossociologia de uma área de mata subtropical no Parque estadual do Turvo - RS. Rev. Inst. Flor., São Paulo, v.4, pt.1, p.252-259, 1992. (Edição especial).

VIEIRA, M.G.L. et al. Composição florística e estrutura fitossociológica da vegetação arbórea do Parque Estadual de Vaçununga, Santa Rita do Passa Quatro (SP). II-Gleba Capetinga Oeste. Rev. Inst. Flor., São Paulo, v.1, n.1, p.135-159, 1989.

WALTER, H. Climatic diagrams as a means to comprehend the various climatic types for ecological and agricultural purposes. In: RUTTER, A.J., WHITEHEAD, F.H. The water relations of plants. London: Blackwell Scientific, 1963. p.3-9.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/19805098309